Diferenças entre os raios UVA e UVB

Os raios UVA e UVB não são iguais. Vejamos suas diferenças e algumas reflexões.
Diferenças entre os raios UVA e UVB
Diego Pereira

Revisado e aprovado por el médico Diego Pereira.

Última atualização: 10 abril, 2023

A radiação ultravioleta (RUV) é um tipo de radiação não ionizante emitida pelo sol e algumas fontes artificiais. Como apontam os especialistas, a exposição contínua aos seus comprimentos de onda resulta em processos inflamatórios, envelhecimento, processos degenerativos, doenças de pele (mais comuns no verão) e câncer. Hoje revisamos as diferenças entre os raios UVA e UVB.

Os raios solares são a principal fonte de radiação ultravioleta (UVR). As camas de bronzeamento são o melhor exemplo de fontes artificiais, que estão associadas às mesmas complicações listadas acima (sob exposição contínua). Existem muitas dúvidas sobre os tipos de radiação ultravioleta (RUV), então os critérios a seguir serão úteis para você entender as diferenças entre os raios UVA e UVB.

Diferença entre raios UVA e UVB: tipos de radiação ultravioleta (RUV)

Os pesquisadores dividem a radiação ultravioleta (RUV) em três tipos: A, B e C. Eles são comumente descritos como UV-A, UV-B e UV-C; embora também seja comum que sejam classificados como UVA, UVB e UVC. A divisão é feita com base nas propriedades eletrofísicas; isto é, como os comprimentos de onda são conformados de acordo com cada caso. Assim, temos as seguintes características:

  • Raios UVA: Comprimentos de onda que variam de 320 a 400 nanômetros.
  • Raios UVB: Comprimentos de onda que variam de 290 a 320 nanômetros.
  • Raios UVC: comprimentos de onda que variam de 100 a 280 nanômetros.

Em termos muito simples, os raios UCV são de onda curta, os raios UVB são de onda média e os raios UVA são de onda longa. A camada de ozônio bloqueia os raios UVC, então os que predominam abaixo dela são os raios UVA e UVB. Vamos dar uma olhada em seus recursos para entender melhor como eles podem impactar você.

O que são os raios UVA?

As diferenças entre os raios UVA e UVB são alarmantes
Ao longo do dia as pessoas estão constantemente expostas aos raios UVA que podem ser prejudiciais a longo prazo.

Os raios UVA compõem 90-95% dos comprimentos de onda do sol disponíveis no ambiente. Esse tipo de radiação pode ser dividido em dois tipos: UVA I e UVA II. Os primeiros oscilam entre 320 e 400 nanômetros e os segundos entre 320 e 340 nanômetros; então eles também são conhecidos como UVA distante e UVA próximo, respectivamente.

Este tipo de raio está presente durante todo o dia, independentemente de ser de manhã, meio-dia ou tarde. Eles podem penetrar na maioria das janelas do carro sem grandes complicações e há evidências de que mesmo em doses baixas causam alterações morfológicas na superfície da pele. As do tipo I penetram até a derme, enquanto as do tipo II atingem apenas a superfície dessa camada da pele.

Os raios UVA são frequentemente associados ao câncer de pele devido a danos no DNA e inibição do mecanismo de proteção dentro da pele. Também podem gerar uma dezena de complicações, entre as quais se destaca a ceratose actínica.

A exposição a altas doses gera um bronzeado e queimaduras solares imediatos. Sabe-se que o protetor solar não é eficaz na contenção dos raios diante de exposição prolongada e permanente (é para exposições curtas e regulares).

O que são os raios UVB?

Os raios UVB compõem 5-10% dos comprimentos de onda da luz solar encontrados no espaço sideral. Quase todos os raios desse tipo são absorvidos na camada superior da pele; isto é, a epiderme. A maioria deles não penetra na derme, mas são carregados com maior energia que os anteriores. A maioria das janelas do carro bloqueia efetivamente esses raios.

A exposição aos raios UVB causa um rearranjo molecular que forma fotoprodutos específicos, principalmente ciclobutano e fotoprodutos 6–4. Podem, portanto, gerar um bronzeado a médio prazo (não imediatamente), também queimaduras solares e bolhas.

Frequentemente citados como raios UV saudáveis, isso está longe de ser verdade com exposições longas. Na verdade, eles são os culpados pela maioria dos episódios de câncer de pele.

Você deve usar protetor solar?

As diferenças entre os raios UVA e UVB estão na saúde
Usar protetor solar diariamente é essencial para evitar complicações de saúde decorrentes da exposição aos raios UV.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) recomendam uma média de 15 minutos de exposição ao sol 2 a 3 vezes por semana para receber os benefícios associados. Naturalmente, a maioria das pessoas excede em muito essas recomendações.

Já foi estabelecido que, apesar das diferenças entre os raios UVA e UVB, ambos causam alterações na pele, por isso o uso de protetor solar é recomendado quando essas recomendações são ultrapassadas.

A eficácia dos protetores solares não é discutida pelos cientistas, e eles podem ser a melhor ferramenta para lidar com as consequências da exposição regular aos raios solares. Toda pessoa exposta direta ou indiretamente aos raios solares deve usar protetor solar. Estes bloqueiam os raios UVA e UVB e devem ser aplicados a cada 2 horas para manter a proteção da pele.

Ao comprar um, você deve levar em consideração o fator de proteção solar (ou FPS). Como regra geral, apenas os protetores de 30 FPS em diante são recomendados.

Reduzir a exposição ao sol, cobrir-se com roupas, usar óculos escuros e usar chapéus e bonés também ajuda muito. Independentemente das diferenças entre os raios UVA e UVB, você deve levar essas variáveis em consideração para evitar complicações a médio e longo prazo.

Pode interessar a você...
Por que a pele fica bronzeada no sol?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Por que a pele fica bronzeada no sol?

Certamente você já se perguntou por que sua pele fica bronzeada no sol. Vamos ver o mecanismo por trás disso.



  • Bens G. Sunscreens. Adv Exp Med Biol. 2014;810:429-63.
  • D’Orazio J, Jarrett S, Amaro-Ortiz A, Scott T. UV radiation and the skin. Int J Mol Sci.
  • Lavker RM, Gerberick GF, Veres D, Irwin CJ, Kaidbey KH. Cumulative effects from repeated exposures to suberythemal doses of UVB and UVA in human skin. J Am Acad Dermatol. 1995 Jan;32(1):53-62.
  • Lowe NJ, Meyers DP, Wieder JM, Luftman D, Borget T, Lehman MD, Johnson AW, Scott IR. Low doses of repetitive ultraviolet A induce morphologic changes in human skin. J Invest Dermatol. 1995 Dec;105(6):739-43.
  • Serpone N. Sunscreens and their usefulness: have we made any progress in the last two decades? Photochem Photobiol Sci. 2021 Feb;20(2):189-244.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.