Claustrofobia: sintomas, causas e tratamento

Existem muitos mitos sobre o que é a claustrofobia. Hoje contamos seus sintomas, causas e tratamentos.
Claustrofobia: sintomas, causas e tratamento

Última atualização: 13 dezembro, 2022

A American Psychological Association (APA) define a claustrofobia como o “medo persistente e irracional de lugares fechados”. Etimologicamente é composto pelos étimos claustrum (‘lugar fechado’) e fobia (‘aversão’ ou ‘medo’). É mais comum do que se pensa, de modo que as estimativas sugerem que até 12,5% da população sofre ou sofrerá com isso.

Tal como acontece com outros tipos de fobias ou transtornos mentais, existem muitos mitos sobre as características, sintomas e tratamento dessa condição. Certamente, a claustrofobia é uma das fobias mais conhecidas; o que por sua vez afetou a forma como é retratada no cinema e na televisão. Nas linhas a seguir, explicamos o que os cientistas sabem sobre isso.

Sintomas de claustrofobia

Claustrofobia é um tipo de transtorno de ansiedade classificado como uma fobia específica. Caracteriza-se pelo medo de espaços fechados, como elevadores, aparelhos de ressonância magnética, câmaras de bronzeamento, cabines telefônicas e outros.

Os sintomas são muito variados, e geralmente se desenvolvem com maior ou menor intensidade em cada paciente. Vamos dar uma olhada em uma seleção deles:

  • Dificuldade para respirar.
  • Aumento da frequência cardíaca.
  • Sudorese.
  • Náusea.
  • Ondas de calor.
  • Hiperventilação
  • Aperto no peito.
  • Boca seca.
  • Tremores.
  • Medo esmagador.
  • Ansiedade.
  • Dormência das extremidades ou falta de reação.

Os sinais são acionados somente após interação com espaços fechados. Em geral, pioram quanto maior o tempo de confinamento. Algumas pessoas podem chorar, gritar e exibir comportamentos desesperados para querer sair ao ar livre.

A maioria dos casos de claustrofobia é crônica; ou seja, elas se manifestam a longo prazo (embora você também possa desenvolvê-lo eventualmente). Geralmente começa na infância ou juventude e pode levar a outras fobias, depressão e ansiedade em outros contextos.

O paciente fará todo o possível para evitar situações de confinamento, que podem levá-lo a evitar exames médicos, festas, elevadores e outros.

Causas da claustrofobia

Claustrofobia tem causas na infância
A origem da claustrofobia tem várias explicações, e muitas delas estão relacionadas a eventos vivenciados durante a infância.

Tal como acontece com outros tipos de fobia, não há gatilhos diretos, únicos ou específicos para esse tipo de transtorno de ansiedade. Alguns especialistas sugeriram que ele responde a dois elementos principais: medo de asfixia e medo de contenção.

Todos nós temos esses mecanismos instintivamente desenvolvidos, mas em pacientes com claustrofobia eles são particularmente sensíveis.

A etiologia desta fobia específica é muito variada. Sabe-se que pacientes com fobias específicas apresentam atividade aumentada das regiões do globo pálido, amígdala e ínsula esquerda. Os especialistas não param de alertar que a falta de habituação ao medo na infância pode levar a fobias específicas, como a claustrofobia.

Outros pesquisadores apontam que um defeito no gene GPM6A está associado a essa fobia. Isso é expresso na amígdala e em outras áreas do sistema nervoso central e codifica uma proteína natural regulada pelo estresse. Outras causas possíveis para a claustrofobia incluem o seguinte:

  • Traumas da infância ou adolescência (ter ficado preso em um elevador, por exemplo).
  • Anormalidades e distúrbios na forma como o espaço ao redor do corpo é percebido (de acordo com um estudo publicado na Cognition ).
  • Ter outro tipo de transtorno de ansiedade.
  • Ter histórico de transtornos mentais na família.

Esses fatores podem ser acoplados aos anteriores para desenvolver episódios desse tipo. Como já apontamos, eles podem ser agudos (manifestam-se por alguns meses, geralmente menos de 12) ou crônicos (por toda a vida).

Um claustrofóbico modificará ativamente sua vida de tal forma que interaja o mínimo possível com espaços ou lugares que desencadeiam os sintomas.

Tratamento da claustrofobia

Claustrofobia requer terapia mental
Ir ao psicólogo é um dos passos fundamentais para melhorar os sintomas da claustrofobia.

Como não poderia ser de outra forma, o tratamento da claustrofobia depende da gravidade dos sintomas, das características do paciente e dos possíveis desencadeadores dos sintomas. O tratamento padrão consiste na combinação de medicamentos para controle dos episódios e terapia psicológica.

Os medicamentos usados para tratar a claustrofobia são da ordem dos antidepressivos e ansiolíticos. Também foi sugerido trabalhar em ambientes de realidade virtual para avaliar o progresso alcançado através da terapia. Contracondicionamento, dessensibilização sistêmica e terapia de inundação também são usados.

É importante notar que a maioria dos pacientes não atinge a remissão completa dos sintomas. Apesar disso, mais da metade conseguirá reduzir significativamente os episódios. Como se deve lidar diariamente com espaços fechados, é muito importante que os pacientes claustrofóbicos entendam que existem alternativas seguras para sua condição.

A presença de uma fobia específica deve ser tomada como um sinal de alerta de outros tipos de condições. Transtorno de estresse pós-traumático, transtorno bipolar, fobia social e transtornos depressivos não são incomuns. Estes podem até funcionar como um diagnóstico diferencial, de modo que as avaliações pertinentes devem ser realizadas.

Pode interessar a você...
Diferenças entre agorafobia e fobia social
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Diferenças entre agorafobia e fobia social

As diferenças entre agorafobia e fobia social são múltiplas, mas ambas se referem a transtornos de ansiedade crônicos.



  • Bruce, M., & Regenbrecht, H. (2009, March). A virtual reality claustrophobia therapy system-implementation and test. IEEE Virtual Reality Conference. 20009; 179-182.
  • El-Kordi A, Kästner A, Grube S, Klugmann M, Begemann M, Sperling S, Hammerschmidt K, Hammer C, Stepniak B, Patzig J, de Monasterio-Schrader P, Strenzke N, Flügge G, Werner HB, Pawlak R, Nave KA, Ehrenreich H. A single gene defect causing claustrophobia. Transl Psychiatry. 2013 Apr 30;3(4):e254.
  • Garcia R. Neurobiology of fear and specific phobias. Learn Mem. 2017 Aug 16;24(9):462-471.
  • Ipser JC, Singh L, Stein DJ. Meta-analysis of functional brain imaging in specific phobia. Psychiatry Clin Neurosci. 2013 Jul;67(5):311-22.
  • Lourenco, S. F., Longo, M. R., & Pathman, T. Near space and its relation to claustrophobic fear. Cognition. 2011; 119(3): 448-453.
  • Rachman, S., & Taylor, S. Analyses of claustrophobia. Journal of Anxiety disorders. 1993.
  • Wardenaar KJ, Lim CCW, Al-Hamzawi AO, Alonso J, Andrade LH, Benjet C, Bunting B, de Girolamo G, Demyttenaere K, Florescu SE, Gureje O, Hisateru T, Hu C, Huang Y, Karam E, Kiejna A, Lepine JP, Navarro-Mateu F, Oakley Browne M, Piazza M, Posada-Villa J, Ten Have ML, Torres Y, Xavier M, Zarkov Z, Kessler RC, Scott KM, de Jonge P. The cross-national epidemiology of specific phobia in the World Mental Health Surveys. Psychol Med. 2017 Jul;47(10):1744-1760.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.