As 4 diferenças entre sociopata e psicopata

Tanto psicopatia quanto sociopatia são termos muito populares, mas será que você realmente sabe o que significam? Neste artigo, vamos responder às dúvidas mais frequentes.

Você já se perguntou o que é um sociopata ou um psicopata? Seja  a sua resposta afirmativa ou negativa, sem dúvida, você já usou essas palavras em algum momento para se referir a alguém por causa de algum comportamento considerado estranho. De fato, o seu uso se popularizou, assim como o de muitos termos médicos ou técnicos que não conhecemos em primeira mão.

Na verdade, é muito provável que você conheça um psicopata ao longo da vida, pois, de acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), as taxas de prevalência desse transtorno mental estão entre 0,2% a 3,3% da população mundial.

A psicopatia, assim como a sociopatia, apesar de serem diferentes entre si, são consideradas transtornos de personalidade antissocial.

O que é um sociopata?

Existem diferenças entre um sociopata e um psicopata.
A agressividade pode caracterizar bastante essas pessoas.

Embora a sua definição não seja tão clara nas classificações internacionais de transtornos mentais, o CID 10 de transtornos mentais e comportamentais da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que uma personalidade sociopática tem baixa tolerância à frustração e pode envolver comportamentos agressivos e violentos.

Conforme o próprio nome sugere, refere-se a um transtorno mais de ordem social do que não mental, por isso a complexidade para estudá-lo a partir da área da saúde mental.

Além disso, esse é um dos motivos pelos quais o termo é usado incorretamente, ficando limitado a se referir a comportamentos e atitudes que não são bem vistos pela sociedade.

Também há outras características psicológicas, tais como:

  1. Impulsividade: em geral, as pessoas com esse transtorno são bastante impulsivas, e geralmente não planejam muito bem as suas ações.
  2. Estabelecem relações ou vínculos: embora esse transtorno faça com que sejam pouco empáticos, eles conseguem estabelecer vínculos interpessoais.
  3. Irresponsabilidade: além de irresponsáveis, apresentam uma grande tendência para desobedecer regras ou leis, tanto legalmente estabelecidas quanto sociais.
  4. Instabilidade emocional: geralmente são emocionalmente instáveis.
  5. Isolamento: assim como sofrem de labilidade emocional e afetiva, geralmente se afastam das pessoas. Isso ocorre de acordo com as suas emoções.
  6. Problemas durante a infância: esse tipo de transtorno geralmente sugere que a pessoa afetada passou por diferentes tipos de problemas durante a infância. Além disso, a maioria dos pais dessas pessoas costuma ter dificuldade para oferecer uma educação eficiente.
  7. Comportamento socialmente rejeitado: geralmente são notados com frequência por causa do seu comportamento, uma vez que são percebidos como estranhos pela sociedade.

O que é um psicopata?

Os psicopatas são pessoas com tendência a agir criminosamente. Trata-se de um distúrbio que vem sendo estudado há muitos anos, assim como as suas características.

No entanto, uma das muitas pesquisas a esse respeito indica que o psicopata manifesta ausência de afeto, remorso ou empatia. Isso ocorre porque a pessoa não consegue entender o seu comportamento em relação aos outros.

Por outro lado, essas pessoas apresentam distúrbios nas interações afetivas, interpessoais e no seu estilo de vida. Outras das características mais relevantes são:

  • Manipulação: é uma das maiores habilidades dos psicopatas. É o meio através do qual eles conseguem realizar tudo o que se propõem a fazer. Por essa razão, as pessoas com esse transtorno se relacionam melhor com pessoas submissas, pois conseguem ter um certo poder sobre elas.
  • Incapacidade de sentir empatia: não são capazes de sentir empatia em relação às outras pessoas porque a única coisa importante para eles são eles mesmo. Isso faz com que sejam frios e calculistas ao buscar os seus objetivos, pois não se importam se podem ou não prejudicar as outras pessoas.
  • Ausência de remorso: emoções como culpa ou medo são coisas que nunca serão capazes de experimentar. Suas ações são executadas unicamente de acordo com o que desejam ou precisam, sem medir os danos que podem causar para alcançá-los.
  • Sucesso profissional: essas características fazem com que essas pessoas tenham maior sucesso profissional. Existe até mesmo uma grande tendência para ocuparem cargos importantes.
  • Charme: geralmente parecem encantadores e a sua atitude pode atrair muita atenção. No entanto, isso é sempre superficial, talvez até mesmo planejado.

As 4 diferenças entre um sociopata e um psicopata

Você certamente já entendeu a que se refere o termo sociopata e o termo psicopata e quais são as características de cada um deles. De fato, você deve ter identificado que existem várias semelhanças entre eles.

Por isso, a seguir, vamos listar as 4 diferenças mais importantes entre um sociopata e um psicopata.

1. Origem do transtorno

Há várias causas para uma personalidade sociopata ou psicopata.
Essas condições têm origem multifatorial.

A principal diferença entre um sociopata e um psicopata está na origem do transtorno. Um estudo publicado no Journal of Aggression and Violent Behavior indica que enquanto o sociopata pode adquirir esse transtorno em qualquer fase da vida ou apresentá-lo de forma congênita, o psicopata tem desequilíbrios genéticos e químicos no seu cérebro.

Isso torna os psicopatas mais perigosos, pois eles têm uma tendência à violência e à crueldade que fica acentuada diante da falta de remorso pelas suas ações. Essa característica, de acordo com outros estudos, pode ter origem em uma assimetria na amígdala, a parte do cérebro onde o medo e o julgamento são regulados.

Essa diferença é muito importante porque é o que determina o sucesso do tratamento. Os sociopatas podem ser capazes de superar os eventos que levaram ao desenvolvimento desse transtorno, enquanto os psicopatas não podem “ser curados”.

Existem terapias para estes últimos que poderiam ajudar a controlar o seu comportamento por meio de sistemas de recompensa, mas não é possível modificar as estruturas cerebrais que causam o transtorno.

2. Relações interpessoais

Conforme já mencionamos, os psicopatas não têm a capacidade de gerar vínculos emocionais reais com outras pessoas. Embora em algum momento possa parecer que sim, por trás desse comportamento há manipulação ou uma recompensa no final.

Por esse motivo, as suas relações são superficiais e caracterizadas por manipular ou usar o outro.

Os sociopatas, por outro lado, podem estabelecer vínculos com as pessoas mais próximas e nas quais podem chegar a confiar. Além disso, eles são muito leais às pessoas com as quais estabelecem esse tipo de relação.

É precisamente essa mistura entre impulsividade e irresponsabilidade com a lealdade e a manipulação que podem estabelecer que tem sido objeto de vários estudos nos quais foi evidenciado que os sociopatas são pessoas que conseguem alcançar posições de poder em certas organizações, embora a longo prazo isso acabe sendo contraproducente.

3. Planejamento e impulsividade

Outra das grandes diferenças entre psicopatas e sociopatas está no planejamento e na impulsividade. Assim, os psicopatas geralmente são muito organizados, fazem planos e são pouco impulsivos. Eles têm a capacidade de definir uma meta e de planejar diferentes estratégias que permitam alcançá-la.

Podem até mesmo orquestrar um plano A, B ou C a fim de considerar todas as suas opções. De fato, uma pesquisa publicada no Journal of Forensic and Legal Medicine indica que isso ocorre por causa de certas peculiaridades nas estruturas cerebrais dos psicopatas.

Essas seriam as responsáveis por esse comportamento violento, porém racional, apresentado por esse tipo de pessoa.

Enquanto isso, os sociopatas são impulsivos, podendo explodir a qualquer momento e se deixar dominar pelas suas emoções.

Assim, fazendo uma comparação quanto ao planejamento de um crime, o sociopata poderia deixar múltiplos vestígios que fariam com que fosse descoberto facilmente, enquanto os psicopatas planejariam cada detalhe para evitar que fossem presos.

4. Percepção pelas outras pessoas

Por causa das características próprias do psicopata é possível que ele passe despercebido pelas pessoas ao seu redor. Embora sejam incapazes de sentir empatia ou de vivenciar certos sentimentos, o seu poder de manipulação e estratégia é tão grande que eles podem reconhecê-los e imitá-los muito bem, se isso fizer parte de algum dos seus planos.

Este é o caso de Ted Bundy, um dos mais famosos assassinos em série do mundo. Embora tivesse uma namorada e uma vida aparentemente normal, ele conseguiu assassinar inúmeras mulheres, embora tenha confessado 36 homicídios. Após diversos exames, recebeu o diagnóstico de psicopatia.

O oposto ocorre com os sociopatas, que geralmente ficam na mira dos outros por causa dos seus comportamentos estranhos e isolados. Costumam chamar a atenção com muita facilidade. Diante de um homicídio, é normal que sejam denunciados pela sua forma de agir.

Um sociopata não é igual a um psicopata

Assim, embora para muitos estes termos sejam sinônimos, falar de um sociopata não é o mesmo do que falar de um psicopata. Trata-se de pessoas com características e comportamentos complexos, alguns semelhantes, mas nunca iguais. Conforme mencionamos, um sociopata pode superar aquilo que faz com que seja dessa maneira, enquanto um psicopata nunca poderia superar o seu transtorno.

  • Víquez, C. M. PSICOPATÍA VERSUS SOCIOPATÍA: SUPERACIÓN DE PARADIGMA, ESTEREOTIPOS Y COSTUMBRISMOS.
  • Rivas Vega, E. M. (2017). La sociópata y psicopatía en el Derecho penal español y en Derecho comparado.
  • Pozueco Romero, J. M., Romero Guillena, S. L., & Casas Barquero, N. (2011). Psicopatía, violencia y criminalidad: un análisis psicológico-forense, psiquiátrico-legal y criminológico (Parte II). Cuadernos de Medicina Forense, 17(4), 175-192.
  • Prado, B. C. (2019). Psicópatas, sociópatas y narcisistas perversos en la literatura policial. In Género negro sin límites (pp. 243-251). Andavira.
  • Ana Calzada-Reyes, Alfredo Alvarez-Amador, Lídice Galán-García, Mitchell Valdés-Sosa. EEG abnormalities in psychopath and non-psychopath violent offenders. Journal of Forensic and Legal Medicine. Volume 20, Issue 1, 2013. Pages 19-26. https://doi.org/10.1016/j.jflm.2012.04.027.
  • Pech, R.J. and Slade, B.W. (2007), “Organisational sociopaths: rarely challenged, often promoted. Why?”, Society and Business Review, Vol. 2 No. 3, pp. 254-269. https://doi.org/10.1108/17465680710825451
  • Valencia, Olga Lucía. (2007). Asimetrías cerebrales en la psicopatía. Diversitas: Perspectivas en Psicología, 3(2), 275-286. Retrieved April 09, 2021, from http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1794-99982007000200009&lng=en&tlng=es.
  • Jack Pemment. Psychopathy versus sociopathy: Why the distinction has become crucial. Aggression and Violent Behavior. Volume 18, Issue 5. 2013. Pages 458-461. https://doi.org/10.1016/j.avb.2013.07.001.
  • Marty, Meghan & Segal, Daniel. (2015). DSM-5: Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders.