Ranitidina: o que é e para que se serve?

Daniela Andarcia · 6 junho, 2021
A ranitidina é uma droga controversa. Em alguns países, sua venda é até proibida. Descubra para que é usada, quais são seus efeitos colaterais e por que seu uso tem sido limitado.

A ranitidina é um medicamento disponível em várias apresentações, geralmente há tipos vendidos com e sem receita médica. Ela é usada no tratamento de várias doenças, como úlceras estomacais ou níveis elevados de acidez.

Seu princípio ativo é conhecido pelo mesmo nome, ranitidina. Atualmente, vários países proibiram a venda desse medicamento, pois foram encontrados níveis inaceitáveis de NDMA, uma substância que pode ser cancerígena.

Zantac é a marca que fabrica a ranitidina em comprimido de uso oral, embora o medicamento também possa ser encontrado como genérico. Vamos te mostrar tudo o que você precisa saber a esse respeito.

Para que a ranitidina é usada?

Ranitidina reduz a azia
A ranitidina reduz a azia e também os efeitos do refluxo gastroesofágico.

A ranitidina é usada para tratar vários problemas, tais como:

Em geral, é receitado como um tratamento de curto prazo, embora isso dependa do problema a ser tratado.

Como o medicamento é administrado?

Antes de indicar a dose, frequência e tipo de ranitidina a ser tomada, alguns fatores devem ser levados em consideração pelo médico:

  • Tipo de problema.
  • Idade.
  • Gravidade da doença.
  • Reação ao medicamento.
  • Presença de outras doenças.

Tipos de ranitidina

O nome comercial Zantac e a ranitidina genérica podem ser encontrados em comprimidos orais de 150 a 300 miligramas. No entanto, esse medicamento também está disponível em cápsulas, xarope ou como solução injetável.

Doses

É bom lembrar que as doses podem variar de acordo com o problema. Normalmente, os pacientes com idades entre 17 e 64 anos recebem uma dose de 150 miligramas duas vezes ao dia, ou 300 miligramas a serem tomados apenas uma vez a cada 24 horas. Alguns médicos recomendam tomá-lo antes de dormir ou depois do jantar.

Para bebês com menos de um mês de idade, esse não é um medicamento seguro. Porém, do primeiro mês aos 16 anos, o médico pode prescrever uma dose de 2 a 4 miligramas duas vezes ao dia, de acordo com o peso corporal.  A dose de 300 miligramas por dia não pode ser excedida.

Ela não é recomendada para pessoas com mais de 65 anos, pois pode causar alucinações, delírio ou outros efeitos colaterais. Se necessário, o especialista pode recomendar uma dose mais baixa.

Quem não deve tomar?

A ranitidina pode não ser segura em alguns casos. Na presença dessas doenças ou condições, o médico deve ser informado.

  • Diabetes.
  • Dieta pobre em cálcio ou sal.
  • Problemas renais.
  • Fenilcetonúria.
  • Alergia à ranitidina.

Como já dissemos, este medicamento não pode ser administrado a bebês com menos de um mês de idade. Há evidências científicas de que a ranitidina pode torná-los mais propensos a desenvolver infecções e até aumentar a probabilidade de morte. No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias a esse respeito.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

A dor de cabeça é um dos efeitos colaterais da ranitidina.
Os efeitos negativos desta droga são variados, mas geralmente leves.

Os efeitos da ranitidina em comprimido podem ser divididos em dois grupos; efeitos colaterais comuns e os considerados graves.

Efeitos colaterais comuns

Se esses efeitos não desaparecerem em alguns dias, você deve consultar o seu médico.

Efeitos colaterais graves da ranitidina

Se você tiver algum desses sintomas, deve consultar o seu médico imediatamente:

  • Urina escura.
  • Dor forte de estômago.
  • Icterícia.
  • Confusão, cansaço ou agitação extrema.
  • Distúrbios visuais.
  • Alucinações.
  • Taquicardia.
  • Dificuldade de respiração.

Se você notar qualquer outro problema, consulte seu médico imediatamente. Nem todos os efeitos colaterais estão nesta lista, porque cada pessoa pode apresentar sinais diferentes.

O que acontece se eu esquecer uma dose?

Como vimos, esse medicamento não é seguro; portanto, é aconselhável buscar um médico especialista  para suspender o uso ou começar a usar uma medicação alternativa.

O que fazer em caso de overdose?

Ligue para o 192 ou vá imediatamente a um pronto-socorro.

Como armazenar ou descartar este medicamento?

Como acontece com todos os medicamentos, as instruções da embalagem devem ser seguidas. A regra geral é manter os comprimidos na embalagem original e, neste caso, em local fresco.

Quanto ao descarte, você nunca deve jogar remédios no vaso sanitário. Você pode jogar os comprimidos não utilizados no lixo, juntamente a algo que impossibilite o consumo, ou levá-los a um coletor adequado na farmácia.

Ranitidina, uma droga proibida em alguns países

Embora ainda esteja sob investigação, a ranitidina pode aumentar a probabilidade de desenvolver certas doenças, razão pela qual alguns países proibiram sua venda. É usado para tratar úlceras estomacais ou intestinais ou para prevenir que elas aconteçam novamente.

Lembre-se de não tomar este medicamento com outras substâncias; a ingestão simultânea pode alterar a ação e causar efeitos colaterais graves. Consulte o seu médico e interrompa o uso se notar distúrbios visuais, dor de estômago forte ou outros sintomas.

Por fim, saiba que este artigo é para fins informativos e não substitui uma consulta ou conselho médico. Evite a automedicação e tome apenas medicamentos aprovados pelo seu médico.

  • U.S. Food and Drug Administration. FDA Requests Removal of All Ranitidine Products (Zantac) from the Market. Available from: https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/fda-requests-removal-all-ranitidine-products-zantac-market
  • Boyd, E. J., Wilson, J. A., & Wormsley, K. G. (1983). Review of ulcer treatment: role of ranitidine. Journal of clinical gastroenterology, 5 Suppl 1, 133–141. https://doi.org/10.1097/00004836-198312001-00013
  • Thomson, A. B., Babiuk, L., Kirdeikis, P., Zuk, L., Marriage, B., & Bowes, K. (1994). A dose-ranging study of ranitidine and its effect on intragastric and intra-oesophageal acidity in subjects with gastro-oesophageal reflux disease. Alimentary pharmacology & therapeutics, 8(4), 443–451. https://doi.org/10.1111/j.1365-2036.1994.tb00312.x
  • Morgan KA, Ahlawat R. Ranitidine. [Updated 2021 Mar 20]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2021 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK532989/
  • Santana, R., Santos, V. S., Ribeiro-Júnior, R. F., Freire, M. S., Menezes, M., Cipolotti, R., & Gurgel, R. Q. (2017). Use of ranitidine is associated with infections in newborns hospitalized in a neonatal intensive care unit: a cohort study. BMC infectious diseases, 17(1), 375. https://doi.org/10.1186/s12879-017-2482-x
  • Vial, T., Goubier, C., Bergeret, A., Cabrera, F., Evreux, J. C., & Descotes, J. (1991). Side effects of ranitidine. Drug safety, 6(2), 94–117. https://doi.org/10.2165/00002018-199106020-00002