Norvasc (amlodipina): tudo o que você precisa saber

O Norvasc, também conhecido pelo nome do seu composto ativo amlodipina, é um medicamento frequentemente usado para tratar hipertensão e angina de peito. Aprenda como funciona esse medicamento, quais as contraindicações e efeitos colaterais que ele possui.
Norvasc (amlodipina): tudo o que você precisa saber

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 25 Junho, 2021

Última atualização: 25 Junho, 2021

O Norvasc é um medicamento da família dos bloqueadores dos canais de cálcio. Esse grupo de drogas, também conhecidas como bloqueadores dos canais de cálcio, inibe a entrada de cálcio nas artérias e no coração. Isso produz um efeito relaxante e vasodilatador, e uma redução na frequência cardíaca média.

Norvasc é o nome comercial do composto ativo amlodipina. Ele também é comercializado com o nome do genérico, em em diversos países é encontrado sob as marcas Katerzia, Monopina, Istin ou Amlor. Pode ser usado sozinho ou em combinação com outros medicamentos a partir dos 6 anos de idade. Hoje mostraremos tudo o que você precisa saber sobre esse medicamento, incluindo os efeitos colaterais que ele pode gerar.

Para que é usado o Norvasc?

O Norvasc é usado para tratar insuficiência cardíaca.
Existem muitas doenças cardiovasculares que podem melhorar com o uso regular da amlodipina. Ela é administrada sozinha ou em combinação com outros medicamentos.

Norvasc é um medicamento aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) e pela European Medicines Agency (EMA ) para tratar a hipertensão, angina de peito crônica e angina vasoespástica. Também pode ser usado para tratar doenças das artérias coronárias e insuficiência cardíaca. No entanto, os três primeiros usos são os mais comuns.

Esse medicamento pode ser usado sozinho ou combinado a outras drogas; embora não cure a doença, ajuda a mantê-la estável e neutralizar os sintomas. No caso da angina de peito, a amlodipina não alivia a dor se ela já estiver presente, mas pode prevenir que ela ocorra a médio e longo prazo quando o tratamento permanente é iniciado.

Evidências sugerem que o tratamento em conjunto com outros bloqueadores de cálcio pode ser útil no caso da doença de Raynaud (reduzindo os ataques em até 33%), embora esse uso não seja aprovado por nenhuma das agências acima.

A ingestão desse medicamento só deve ser feita sob supervisão de um especialista. Se você suspeitar que sofre de alguma das condições acima, procure atendimento médico para fazer uma confirmação diagnóstica. A automedicação não é recomendada, especialmente se aplicada em situações nas quais o Norvasc é contraindicado.

Contraindicações ao tratamento com Norvasc

A primeira contraindicação do medicamento é em caso de hipersensibilidade ou reações alérgicas ao seu componente primário, a amlodipina.

Antes de iniciar o uso do medicamento o especialista deve avaliar as possibilidades, além de fazer um acompanhamento nos primeiros dias para reduzir a dose ou efetuar a troca para outro medicamento. Outros contextos onde seu uso deve ser evitado são os seguintes:

Gravidez

Embora os estudos e pesquisas atuais sugerem que os riscos de tomar o medicamento são menores do que se acreditava anteriormente, o FDA classifica o Norvasc como uma droga de categoria C para mulheres grávidas. Sua administração deve ser feita somente quando os benefícios superam os riscos e sempre avaliando a reação a cada semana.

Não há dados suficientes para apoiar o uso durante a lactação, portanto o medicamento deve ser administrado com cuidado após o parto. Em certas doses, a amlodipina pode prolongar o trabalho de parto e até a gestação.

Crianças menores de 6 anos

Não foram feitos estudos suficientes para recomendar o uso do medicamento em crianças menores de 6 anos de idade. Portanto, os efeitos colaterais ou as repercussões a longo prazo são desconhecidas se um tratamento permanente for adotado. O ideal nesse caso é buscar alternativas comprovadas por pesquisas ou prescritas sob estrita supervisão médica.

Pacientes com mais de 65 anos

Também não há estudos suficientes sobre como a droga atua em pacientes com mais de 65 anos de idade. Portanto, a administração deve ser feita com cautela. Em qualquer caso, deve-se começar com pequenas doses e depois aumentar de acordo com o grau de tolerância do paciente.

Por outro lado, a amlodipina pode interagir com outras drogas e, assim, diminuir sua eficácia. Se já estiver sendo feito um tratamento à base de pimozida, ácido fusídico sistêmico, bromperidol, abametapir ou conivaptan, pode ser necessário ajustar a dose ou escolher outra alternativa.

Efeitos colaterais de tomar Norvasc

O Norvasc pode produzir vários efeitos indesejados no organismo.
Uma vez que muitas pessoas que tomam Norvasc também usam outros medicamentos, pode ser difícil determinar qual deles está causando os efeitos colaterais.

A maioria dos efeitos colaterais da amlodipina está relacionada à dose tomada pelo paciente. Quando ocorrem esses efeitos, pelo menos na maior parte das vezes, eles têm intensidade baixa ou moderada. O FDA identificou os seguintes sintomas:

  • Geral: dores nas costas, mal-estar, ganho de peso e calafrios.
  • Cardiovascular: hipotensão, taquicardia, arritmias cardíacas, bradicardia e vasculite.
  • Sistema nervoso periférico e central: tremores, vertigens e hipoestesia.
  • Gastrointestinais: anorexia, prisão de ventre, diarréia e vômitos.
  • Psiquiátricos: distúrbios do sono, depressão, ansiedade, nervosismo e disfunção sexual.
  • Sistema urinário : noctúria e outros distúrbios da frequência da urina.

Outros possíveis efeitos adversos são dispnéia, visão turva, hiperglicemia, sudorese e inchaço. A maioria desses eventos ocorre apenas em 1-2% da população, embora a porcentagem possa ser maior dependendo do contexto. Se os sintomas forem moderados ou graves, um especialista deve ser consultado em busca de uma alternativa ou ajuste na dose.

Dosagem e armazenamento do Norvasc

O medicamento é comercializado na maioria dos países em doses de 2,5, 5 e 10 miligramas. Recomenda-se sempre começar com a menor dose e aumentá-la gradativamente nas semanas seguintes até atingir o máximo, caso necessário. A ingestão costuma ser feita uma vez ao dia, de preferência pela manhã.

Como não há evidência de interação com alimentos ou bebidas, não é necessário tomar o medicamento em jejum; de qualquer forma, isso depende dos critérios do especialista. Se você se esqueceu de tomar o medicamento, tome sua dose o mais rápido possível, a menos que faltem menos de 12 horas para a próxima.

Não interrompa a medicação sem supervisão médica e não aumente a dose se sentir que os sintomas da doença estão piorando. O Norvasc deve ser armazenado em local seco e a uma temperatura superior a 15 graus Celsius.

Estudos indicam que as concentrações plasmáticas da droga podem ser maiores na presença de insuficiência hepática e renal grave. Você deve comunicar essas condições ao especialista para analisar um possível ajuste na dose. Se você optar pelo medicamento na forma líquida, lembre-se de agitá-lo bem antes de tomar.

Pode interessar a você...
Como a hipertensão afeta as mulheres
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Como a hipertensão afeta as mulheres

A hipertensão em mulheres pode se desenvolver durante ou após a menopausa, ou por meio do uso de anticoncepcionais.



  • Ahn, H. K., Nava-Ocampo, A. A., Han, J. Y., Choi, J. S., Chung, J. H., Yang, J. H., … & Park, C. T. Exposure to amlodipine in the first trimester of pregnancy and during breastfeeding. Hypertension in pregnancy. 2007; 26(2): 179-187.
  • Meredith, P. A., & Elliott, H. L. Clinical pharmacokinetics of amlodipine. Clinical pharmacokinetics. 1992; 22(1): 22-31.
  • Mito, A., Murashima, A., Wada, Y., Miyasato‐Isoda, M., Kamiya, C. A., Waguri, M., … & Ito, S. Safety of amlodipine in early pregnancy. Journal of the American Heart Association. 2019; 8(15).
  • Thompson, A. E., & Pope, J. E. Calcium channel blockers for primary Raynaud’s phenomenon: a meta-analysis. Rheumatology. 2005; 44(2): 145-150.