Síndrome do intestino permeável: sintomas, causas e tratamento

A síndrome do intestino permeável é uma patologia descoberta recentemente que está intimamente relacionada aos hábitos alimentares. O seu tratamento é voltado para o alívio dos sintomas e mudanças no estilo de vida.

As condições gastrointestinais são bastante incômodas, com a maioria delas surgindo como resultado de processos inflamatórios no intestino. A síndrome do intestino permeável é uma entidade pouco conhecida que pode causar graves complicações. Você tem interesse em conhecer quais são os seus sintomas, causas e tratamento? A seguir, vamos contar tudo para você.

A mucosa intestinal é a maior barreira protetora do corpo humano depois da pele, possuindo uma área estendida de mais de 400 metros quadrados. Caracteriza-se pela sua permeabilidade seletiva, facilitando a passagem de nutrientes e bloqueando a entrada de agentes tóxicos ou nocivos para a saúde.

A síndrome do intestino permeável é uma patologia descoberta recentemente na qual há um distúrbio na permeabilidade da parede intestinal. Isto permite que substâncias nocivas e microrganismos atravessem a barreira protetora, passando para o sangue e atingindo os diversos órgãos do corpo.

Sintomas da síndrome do intestino permeável

A síndrome do intestino permeável é complexa.
Inchaço e desconforto abdominal são sintomas comuns.

As manifestações clínicas dessa condição geralmente são bastante inespecíficas, o que dificulta a sua identificação precoce. Em geral, costuma haver um quadro típico de um problema gástrico, caracterizado pelos seguintes sintomas:

  • Distensão abdominal.
  • Sensação de plenitude gástrica.
  • Náusea e diarreia.
  • Diminuição do apetite.
  • Sensação de cansaço inexplicável.
  • Dor de cabeça.
  • Dificuldade para perder peso.
  • Dor nas articulações.

Diante da perda da capacidade seletiva da mucosa, ocorre a entrada iminente de substâncias nocivas, toxinas e agentes patógenos. Assim, os pacientes podem apresentar sintomas nervosos, respiratórios, cardiovasculares, hormonais e osteoarticulares, dependendo do órgão-alvo afetado.

Por que ocorre?

A permeabilidade seletiva da mucosa intestinal pode apresentar alterações relacionadas ao seu excesso ou à sua falta, ou seja, ela pode aumentar ou diminuir em grande medida. A síndrome do intestino permeável se caracteriza por um aumento da permeabilidade, o que gera uma maior entrada de agentes nocivos no organismo.

Na maioria dos casos, a síndrome está associada a danos funcionais ou estruturais dos enterócitos, células responsáveis por regular a entrada e a saída de substâncias na luz intestinal.

Essa entidade geralmente está associada a uma longa lista de doenças inflamatórias gastrointestinais. Dentre elas, podemos encontrar a doença celíaca, a doença de Crohn, o intestino irritável, a gastrite, as úlceras gastroduodenais e as alergias alimentares.

A mucosa intestinal é recoberta por uma microbiota protetora que dificulta a alteração dos enterócitos por agentes externos e mantém a permeabilidade da membrana. No entanto, a exposição a determinadas substâncias pode alterar essa microbiota e, como consequência, causar um aumento na absorção de elementos indesejados.

Fatores de risco

Um dos principais fatores relacionados ao aumento da permeabilidade na parede intestinal é o estresse. De fato, foi demonstrada uma forte relação entre altos níveis de estresse e processos irritativos da mucosa gástrica. Além disso, o estresse também predispõe a múltiplas entidades patológicas ao deprimir a atividade do sistema imunológico.

Por outro lado, a dieta tem um papel fundamental na gênese da síndrome do intestino permeável. Nesse sentido, o consumo excessivo de carboidratos, gorduras e alimentos picantes pode prejudicar os enterócitos. Da mesma forma, o álcool e o café também podem irritar a mucosa intestinal.

Os antibióticos estão relacionados a um desequilíbrio na composição da flora intestinal protetora que é própria do organismo. Portanto, a administração desses medicamentos em doses excessivas e sem qualquer tipo de supervisão médica pode levar à disfunção do tecido gastrointestinal.

Diagnóstico

A síndrome do intestino permeável requer diagnóstico.
É necessário ir ao médico para um diagnóstico preciso.

A identificação da síndrome do intestino permeável se baseia na interpretação dos sintomas e na avaliação integral feita pelo especialista em gastroenterologia. Diante da suspeita clínica desta entidade, ele pode utilizar vários exames e técnicas exploratórias para confirmar a patologia.

Na maioria dos casos, essa síndrome está relacionada a outras doenças intestinais subjacentes, tais como doença celíaca ou úlceras gastroduodenais. Portanto, o médico pode usar exames sorológicos e a endoscopia com biópsia para determinar a causa.

Atualmente, existem exames não invasivos para avaliar a permeabilidade das paredes intestinais. Eles usam açúcares administrados por via oral que, posteriormente, são medidos na urina. Isso tem como objetivo orientar o diagnóstico de alteração, pelo excesso ou pela falta, de seletividade absortiva dos enterócitos.

Tratamento da síndrome do intestino permeável

O tratamento para essa condição geralmente se concentra no controle e no alívio dos sintomas da causa subjacente. O xiloglucano pode ser indicado sob estrita supervisão médica para o tratamento da síndrome do intestino permeável. Este polissacarídeo atua formando uma camada protetora que cobre e protege a mucosa intestinal.

Em relação ao tratamento medicamentoso, este geralmente é acompanhado por mudanças na dieta e no estilo de vida do paciente. Dessa forma, busca-se reduzir os fatores de risco que aumentam ou complicam os sintomas.

A abordagem psicológica e as atividades recreativas permitem reduzir os níveis de estresse da vida cotidiana. Por outro lado, foi demonstrado que a prática de exercícios regulares durante pelo menos 30 minutos diários, assim como uma higiene do sono adequada, reduzem o estresse e favorecem o fortalecimento do sistema imunológico.

Em relação à dieta alimentar, é preciso evitar o consumo excessivo de alimentos irritantes e de álcool, café e refrigerantes. Recomenda-se aumentar a ingestão de água e de produtos ricos em proteínas naturais e zinco. Além disso, o uso de probióticos fortalece a flora intestinal autóctone.

Uma patologia crescente

A síndrome do intestino permeável é uma entidade descoberta recentemente e, portanto, ainda são desconhecidas muitas das informações sobre o assunto. Essa condição surge como resultado do estilo de vida do ser humano e da sua dieta alimentar, juntamente  com a presença de alterações intestinais de base que pioram o seu curso e prognóstico.

A cada dia são registrados mais casos dessa doença que afeta a qualidade de vida de forma significativa. Ela apresenta sintomas inespecíficos e geralmente é identificada tardiamente. No entanto, a identificação precoce está associada a uma melhor evolução terapêutica; por isso, diante de qualquer sintoma incomum, não hesite em procurar ajuda médica.

  • Diaz Vidal L, Sánchez Pérez M, Aranda García Y. Síndrome del intestino permeable: una diana terapéutica en el control de la inflamación sistémica de origen autoinmune a tener en cuenta. Acta Reumática. 2014; 1 (2.6): 73-78.
  • Guarner F. Papel de la flora intestinal en la salud y en la enfermedad. Nutr. Hosp. 2007; 22( Suppl 2 ): 14-19.
  • Camilleri M, Madsen K, Spiller R, Greenwood-Van Meerveld B, Verne GN. Intestinal barrier function in health and gastrointestinal disease. Neurogastroenterol Motil. 2012;24(6):503-12
  • Romero M. Jenny. Síndrome intestino irritable: Prevalencia y estrés. Gen. 2009; 63( 3 ): 156-156.
  • Mena Miranda Vivian Rosario. El intestino en el proceso salud/enfermedad. Rev Cubana Pediatr. 2017; 89( 2 ): 203-230.
  • Farhadi, A, Banan, A., Fields, J., Keshavarzian, A. Intestinal barrier: An interface between health and disease. Journ Gastro & hepat. 2003;18:479-497.