Remédios naturais para o refluxo ácido

Você sofre de refluxo ácido? Nesse caso, preste atenção aos seguintes remédios naturais que podem ser usados para reduzir os sintomas.
Remédios naturais para o refluxo ácido
Saúl Sánchez

Escrito e verificado por el nutricionista Saúl Sánchez em 18 Agosto, 2021.

Última atualização: 18 Agosto, 2021

Existem vários remédios naturais que podem ser aplicados para tratar o refluxo ácido. Com isso o paciente experimenta a redução nos sintomas, bem como uma diminuição no desconforto. No entanto, muitas das soluções que apresentaremos a seguir não abordam a origem do problema.

É importante considerar que o refluxo ácido pode ser causado por vários fatores diferentes. O ideal é identificar o elemento desencadeador, para assim iniciar um tratamento eficaz. Às vezes pode ser necessário recorrer à farmacologia.

Os alimentos desencadeadores devem ser evitados

Alguns alimentos são capazes de desencadear sintomas de refluxo ácido. É necessário identificar as tolerâncias individuais e, na medida do possível, evitar os alimentos mais associadas ao desconforto.

Os produtos que mais comumente causam problemas de acidez ou refluxo são café, chá, chocolate, comida picante, bebidas alcoólicas, refrigerantes ou sucos, alimentos fritos, empanados, pré-cozidos e ultraprocessados, tomates e derivados. Até mesmo frutas cítricas podem provocar sintomas. Isso é evidenciado por um estudo publicado na Current Medicinal Chemistry.

O ideal é eliminar da dieta os alimentos capazes de aumentar a produção de ácido estomacal ou que gerem digestões lentas e difíceis. Nesse sentido, também é recomendável fazer refeições pequenas, para promover um esvaziamento gástrico rápido e reduzir o desconforto.

É importante lembrar que as gorduras possuem a capacidade de retardar o esvaziamento gástrico. Além disso, as variedades trans promovem estados inflamatórios no corpo. Portanto, é fundamental priorizar o consumo de lipídios de qualidade e em quantidades moderadas.

Da mesma forma, dietas pobres em carboidratos mas com quantidades significativas de proteínas podem ser úteis no controle do refluxo, especialmente quando ele está associado a uma infecção por Helicobacter pylori. Nestes casos, é fundamental reduzir o substrato energético da bactéria, ou seja, os açúcares.

Helicobacter pylori.
H. pylori é uma bactéria associada à gastrite. Uma dieta que restrinja seu substrato será benéfica.

É necessário melhorar o estado da composição corporal

De acordo com uma pesquisa publicadas na revista Gastroenterology, a obesidade e o excesso de peso são fatores de risco para o desenvolvimento de refluxo ácido. Isso ocorre porque o excesso de gordura abdominal e visceral pode pressionar os tecidos, dificultando o funcionamento dos esfíncteres e promovendo o aparecimento da hérnia de hiato.

Alcançar um estado de composição corporal adequado deve ser uma das prioridades quando se trata de melhorar o controle do refluxo ácido. Para isso, pode-se optar por uma redução dos carboidratos na dieta, através de protocolos de jejum intermitente e pelo aumento da prática de exercícios físicos.

É fundamental estabelecer hábitos de vida saudáveis para alcançar uma remissão a médio prazo. Geralmente quando o paciente experimenta uma perda de peso significativa costuma se sentir melhor, reduzindo o número de crises e ocasiões em que o refluxo é um verdadeiro incômodo.

Preste atenção aos hábitos alimentares

Não basta apenas eliminar da dieta os alimentos que comprovadamente causam refluxo ácido ou que são de digestão difícil. Também é necessário ter cuidado com os hábitos alimentares. Por exemplo, comer muito rápido faz com que o estômago trabalhe mais, retardando o esvaziamento.

É imprescindível mastigar bem cada garfada para garantir que a parte da digestão efetuada na boca seja realizada de forma correta. Para isso pode ser necessário eliminar as distrações durante a alimentação. Assistir televisão ou falar ao telefone na hora das refeições não é recomendável.

Por outro lado, é aconselhável evitar refeições muito fartas. É mais adequado planejar um esquema de lanches ao longo do dia, de volume reduzido e digestão fácil. É necessário que elas contenham proteínas de alta qualidade, gorduras do tipo cis e vegetais abundantes.

Não é aconselhável ir para a cama logo após o jantar

Uma das principais recomendações para o tratamento do refluxo é evitar ir para a cama logo após o jantar. A posição horizontal do corpo favorece a volta do conteúdo do estômago pelo esôfago quando o esfíncter não é competente. Por este motivo, é aconselhável aguardar 2 ou 3 horas antes de se deitar após o jantar.

Também pode ser útil dormir com o corpo levemente ereto e a cabeça ligeiramente elevada. Isso reduz o risco de desenvolvimento de refluxo ácido à noite. Além disso, é possível aumentar a velocidade do esvaziamento gástrico, o que se traduz em menos problemas. Isso é evidenciado por uma investigação publicada no Journal of Gastroenterology and Hepatology .

O ideal nesses casos é usar travesseiros de cunha, embora também existam dispositivos conhecidos como elevadores de cama que cumprem a função. Claro, é necessário ter cuidado caso a pessoa sofra de problemas no pescoço ou nas costas.

Evite usar roupas justas

As roupas também podem influenciar o risco de desenvolver refluxo ácido. Calças ou acessórios que pressionem o abdome, como cintos, podem dificultar a passagem do bolo alimentar pelo trato digestivo.

Nesse caso, a incidência de refluxo ácido aumenta. Para isso, é recomendável garantir que as calças estejam sempre um pouco largas.

Reduzir o estresse é fundamental

Pessoas com altos níveis de estresse têm uma maior probabilidade de sofrer de refluxo ácido. De acordo com um estudo publicado na revista Annals of Medicine and Surgery, pessoas que estejam nervosas ou que tendem a sofrer de ansiedade têm um maior risco de sofrer de refluxo.

Por esse motivo é fundamental adotar estratégias que permitam o relaxamento. A meditação pode ser uma delas. Ela ganhou adeptos nos últimos anos e permite controlar a ansiedade.

A prática de exercícios físicos no dia a dia é outra das ferramentas essenciais para o controle do estresse. Eles ajudarão a promover um melhor descanso e a atingir um estado ideal de composição corporal, já que muitos benefícios derivam da sua implementação.

Existem até certos suplementos dietéticos com potencial de relaxamento. Um deles é a melatonina, que comprovadamente melhora a qualidade do sono e reduz o risco de desenvolver depressão ou ansiedade. Ela pode ser consumida diariamente antes de dormir e não tem efeitos colaterais.

É necessário parar de fumar

A nicotina é uma das substâncias capazes de enfraquecer o esfíncter esofágico, fazendo com que o conteúdo da bolsa estomacal suba novamente pelo tubo. O tabagismo é considerado um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento do refluxo ácido, conforme evidenciado por pesquisas publicadas na revista Best Practice & Research.

Em geral, os hábitos tóxicos estão associados a um risco aumentado de desenvolver este problema. O álcool também gera um aumento na produção de ácido estomacal, danifica as mucosas e provoca alterações negativas na microbiota.

Parar de fumar melhora o refluxo ácido.
O abandono do tabaco é fortemente recomendado para pacientes com refluxo ácido.

Outros remédios naturais eficazes

Além dos que já foram citados, existem outros remédios naturais que podem facilitar o controle do refluxo ácido, reduzindo sua frequência e intensidade. Isso inclui gengibre, suco de aloe vera, açafrão, alcaçuz e mel. No entanto, nem todos eles apresentam evidências sólidas.

Agora, uma prática que acumulou recomendações de especialistas nos últimos anos é o consumo de suplementos probióticos. Essas bactérias conseguem colonizar áreas do trato digestivo, alterando o pH do meio e promovendo uma boa digestão. Certas cepas podem ser úteis para reduzir os sintomas dessa patologia.

No entanto, escolher o probiótico adequado nem sempre é fácil. O melhor nesse caso é consultar um profissional. É necessário escolher um produto que contenha uma cepa comprovadamente eficaz para o problema. Por outro lado, é importante que o número de unidades formadoras de colônias seja superior ao mínimo estabelecido.

Existem remédios naturais para o tratamento do refluxo ácido

Como você pôde ver, uma série de remédios naturais podem ser usados para facilitar o controle do refluxo ácido. Eles reduzem os sintomas e aumentam a qualidade de vida do paciente, o que também é fundamental para alcançar um bom estado nutricional.

Cabe destacar que o mais importante é evitar o estresse, os hábitos tóxicos e o excesso de peso. Somente com essas 3 modificações a progressão da patologia será reduzida significativamente. Além disso, é necessário modificar a dieta alimentar para evitar o consumo de alimentos que provoquem um uma maior secreção ácida.

Por fim, não se esqueça de praticar exercícios diariamente. A atividade física ajuda a promover o relaxamento, a dormir melhor à noite e a manter um estado de composição corporal ideal.

Pode interessar a você...
Transtorno de estresse pós-traumático: sintomas e características
Muy SaludLeia em Muy Salud
Transtorno de estresse pós-traumático: sintomas e características

O transtorno de estresse pós-traumático é uma psicopatologia incapacitante para o paciente, continue lendo para saber mais.



  • Surdea-Blaga T, Negrutiu DE, Palage M, Dumitrascu DL. Food and Gastroesophageal Reflux Disease. Curr Med Chem. 2019;26(19):3497-3511. doi: 10.2174/0929867324666170515123807. PMID: 28521699.
  • Richter JE, Rubenstein JH. Presentation and Epidemiology of Gastroesophageal Reflux Disease. Gastroenterology. 2018 Jan;154(2):267-276. doi: 10.1053/j.gastro.2017.07.045. Epub 2017 Aug 3. PMID: 28780072; PMCID: PMC5797499.
  • Khan BA, Sodhi JS, Zargar SA, et al. Effect of bed head elevation during sleep in symptomatic patients of nocturnal gastroesophageal reflux. J Gastroenterol Hepatol. 2012;27(6):1078-82. doi10.1111/j.1440-1746.2011.06968.
  • Awadalla NJ. Personal, academic and stress correlates of gastroesophageal reflux disease among college students in southwestern Saudi Arabia: A cross-section study. Ann Med Surg (Lond). 2019 Oct 10;47:61-65. doi: 10.1016/j.amsu.2019.10.009. PMID: 31687134; PMCID: PMC6806375.
  • Xie Z, Chen F, Li WA, Geng X, Li C, Meng X, Feng Y, Liu W, Yu F. A review of sleep disorders and melatonin. Neurol Res. 2017 Jun;39(6):559-565. doi: 10.1080/01616412.2017.1315864. Epub 2017 May 1. PMID: 28460563.
  • Ness-Jensen E, Lagergren J. Tobacco smoking, alcohol consumption and gastro-oesophageal reflux disease. Best Pract Res Clin Gastroenterol. 2017 Oct;31(5):501-508. doi: 10.1016/j.bpg.2017.09.004. Epub 2017 Sep 7. PMID: 29195669.
  • Cheng J, Ouwehand AC. Gastroesophageal Reflux Disease and Probiotics: A Systematic Review. Nutrients. 2020 Jan 2;12(1):132. doi: 10.3390/nu12010132. PMID: 31906573; PMCID: PMC7019778.