Hiperpigmentação pós-inflamatória e acne: como se relacionam?

A hiperpigmentação pós-inflamatória pode afetar muitas pessoas que sofreram com acne em algum momento de suas vidas. Explicaremos mais sobre essa condição a seguir.
Hiperpigmentação pós-inflamatória e acne: como se relacionam?

Escrito por Maite Córdova Vena, 27 Junho, 2021

Última atualização: 27 Junho, 2021

A acne é um dos problemas de pele mais comuns na população. Os cravos e espinhas que ela produz costumam ser desconfortáveis e angustiantes para quem sofre. No entanto , a hiperpigmentação pós-inflamatória é algo que também pode causar tanto ou mais sofrimento do que a própria acne.

Embora saibamos que essa não é a coisa certa a fazer, quando nos deparamos com um cravo ou espinha, procuramos diferentes formas de manipulá-los, com o único objetivo de fazê-los desaparecer da pele.

O problema de fazer isso é que, além de piorar a espinha que estamos tocando, isso pode machucar ainda mais a pele ao redor, espalhar a infecção para outras áreas e acabar escurecendo essa parte da pele.

Sim, a acne não deixa apenas cicatrizes. Também pode deixar “marcas” que são desconfortáveis. Vamos ver mais sobre isso a seguir.

Causas da hiperpigmentação

A hiperpigmentação pós-inflamatória está relacionada à melanina.
O aparecimento de manchas vermelhas é uma combinação de fenômenos inflamatórios e alterações na melanina.

Conforme observado no Manual MSD, a hiperpigmentação – também conhecida como hiperpigmentação causada por inflamação ou hipercromia pós-inflamatória – “pode ocorrer como resultado de lesões como cortes e queimaduras, ou de inflamação causada por doenças como acne e lúpus ”.

Em outras palavras: após uma lesão ou inflamação, dependendo de como são curadas, os melanócitos produzem mais melanina. Por exemplo, após tratar uma espinha bastante inflamada, podemos notar que nessa área temos a pele de um tom diferente, mais escuro, depois que a crosta cai.

Sintomas

A hiperpigmentação pós-inflamatória pode afetar homens e mulheres, independentemente do tom da pele.

É caracterizada por produzir áreas de cores diferentes do resto da tez. Podem ser chamados de escurecimentos ou manchas (na esfera coloquial) e variam de acordo com o tom de pele da pessoa e grau de impacto na pele.

  • As marcas podem ser rosadas, avermelhadas, roxas, marrons ou mesmo pretas.
  • No caso da acne, embora seja comum que as marcas sejam decorrentes do manuseio caseiro de cravos e espinhas, elas também podem surgir em decorrência de alguns tratamentos de pele, como dermoabrasão e peelings químicos. Por esse motivo, em muitos casos, a consulta com um o dermatologista é tão importante.
  • Pessoas com pele de tonalidade média a escura tendem a ter marcas mais severas e duradouras, conforme indicado por evidências científicas.
  • Muitas pessoas com acne (ou que já tiveram acne em algum momento da vida) apresentam algum grau de hiperpigmentação pós-inflamatória.

Fator tempo

Em muitos casos de hiperpigmentação de acne pós-inflamatória, as marcas desaparecem com o tempo. Mas para que isso aconteça sem deixar vestígios, o ideal é limitar a exposição prolongada ao sol e ter paciência.

Conforme indicado em artigo publicado na revista Elsevier, é recomendável que pessoas com hiperpigmentação usem protetor solar diariamente, de acordo com o tipo de pele, o ano todo, mesmo em dias nublados. Principalmente para evitar um maior escurecimento das áreas afetadas, bem como uma maior disparidade no tom da pele em geral.

Os autores do artigo também indicam que, embora o tratamento da hiperpigmentação pós-inflamatória nem sempre seja necessário, as opções são diversas. Vamos comentar sobre elas a seguir.

Tratamento

A hiperpigmentação pós-inflamatória pode ser tratada com cremes.
Felizmente, os dermatologistas podem recomendar vários produtos tópicos para clarear as manchas.

Além de proteger a pele do sol e avaliar o progresso da cicatrização da pele ao longo do tempo, em alguns casos pode ser necessário aplicar um tratamento despigmentante. Sobre isso, o artigo referido afirma o seguinte:

  • A hidroquinona é uma substância despigmentante muito comum em tratamentos de hiperpigmentação pós-inflamatória. Pode ser encontrada em concentrações de 2 a 10%. Embora a partir de 2% seja necessária receita médica.
  • Dependendo do tipo de pele, o dermatologista pode considerar uma concentração ou outra. Tudo isso para prevenir reações incômodas como irritação, vermelhidão e descamação.
  • O tratamento com hidroquinona é frequentemente indicado por longos períodos de tempo. A partir de 2 a 3 meses.
  • O ácido kójico é muito útil no tratamento da hiperpigmentação pós-inflamatória. Geralmente é combinado com ácido glicólico ou hidroquinona, mas, ao contrário deste último, os efeitos irritantes são muito mais brandos.
  • Existem fórmulas despigmentantes que possuem um determinado fator de proteção solar, mas mesmo assim a eficácia é reduzida. Portanto, no entanto, é recomendado aplicar um filtro solar de alto fator adicionalmente.
  • Qualquer que seja o produto, ele nunca deve ser aplicado em feridas abertas, queimaduras, mucosas ou áreas com eczema.
  • Se as marcas não melhorarem após dois meses de tratamento, será fundamental consultar um dermatologista.
  • Os peelings químicos e a terapia a laser também são opções de tratamento nos casos em que a pele não responde aos medicamentos tópicos.

O que fazer a respeito?

Se você perceber que após sofrer uma lesão a sua pele tende a ficar pigmentada, é recomendável consultar um dermatologista sobre os tipos de produtos que devem ser usados diariamente, bem como quais medidas seriam mais adequadas para o seu caso. A prevenção da hiperpigmentação desempenha um papel tão importante quanto a adesão ao próprio tratamento.

Se você sofre de psoríase, dermatite atópica, acne ou tem pele queimada, também deve consultar um especialista sobre o que fazer para se cuidar e prevenir reações adversas.

Infelizmente, nesses casos não é válido usar nenhum produto vendido sem receita com propriedades clareadoras, pois eles poderiam piorar o problema em vez de contribuir para a melhoria. Por isso, é melhor consultar a opinião de um profissional e proceder com segurança, conforme indicado por ele.

It might interest you...
O chocolate causa acne?
Muy SaludLeia em Muy Salud
O chocolate causa acne?

Em algum momento de nossas vidas, podemos muito bem ter ouvido que o chocolate causa acne. Agora, é realmente assim?