Gases e ansiedade: como eles se relacionam?

Os transtornos psiquiátricos têm a capacidade de se manifestar de várias maneiras no corpo. Dessa forma, a ansiedade pode causar o aparecimento de sintomas como gases.
Gases e ansiedade: como eles se relacionam?

Última atualização: 02 junho, 2023

A ansiedade é uma patologia psiquiátrica caracterizada pelo medo excessivo de um evento que não representa um perigo real. Esse distúrbio está associado a diferentes sintomas, como tremores ou queda de cabelo. No entanto, a ansiedade também pode causar manifestações incomuns, como gases.

Vários estudos mostram que a ansiedade é uma das doenças psiquiátricas mais prevalentes em todo o mundo. O número de pessoas afetadas dependerá da região, no entanto, estima-se que até 28% da população sofre com isso nos países desenvolvidos.

Os transtornos psiquiátricos geram somatização, ou seja, o desenvolvimento de sintomas físicos por meio do substrato psicológico. Somatização é o mecanismo pelo qual patologias como a ansiedade geram gases, diarreia ou outros distúrbios digestivos.

Principais sintomas de ansiedade

O medo excessivo é o principal sintoma de ansiedade. Pessoas com esse transtorno tendem a ficar constantemente inquietas e preocupadas com a proximidade de um determinado evento.

O medo sofrido vai estimular o sistema nervoso autônomo, o que vai gerar o aparecimento dos seguintes sinais:

  • Tremores
  • Dor no peito.
  • Palpitações
  • Transpiração intensa.
  • Náusea.
  • Dificuldade para respirar.

A ansiedade também pode causar o aparecimento de sintomas em outros sistemas. Os sinais gastrointestinais aparecem em até 75,3% das pessoas afetadas. Os principais são indigestão e gases, mas também pode haver diarreia ou prisão de ventre.

Ansiedade em um homem com gás.
A ansiedade afeta diferentes sistemas do corpo devido à ativação excessiva do sistema nervoso.

Como os gases e a ansiedade estão relacionados?

Antes de discutir a relação entre gases e ansiedade, é importante considerar a inervação do trato gastrointestinal. O controle dos movimentos intestinais é dado pelo plexo mioentérico, que faz parte do sistema nervoso autônomo. O plexo mioentérico está relacionado ao sistema nervoso central, portanto, eles podem afetar um ao outro.

Pessoas com ansiedade têm uma alteração nas concentrações de um neurotransmissor chamado serotonina. Essa substância desempenha várias funções no organismo, sendo uma delas o controle do peristaltismo intestinal. Dessa forma, a diminuição da serotonina reduzirá os movimentos intestinais.

A desaceleração do peristaltismo fará com que a microbiota intestinal atue por mais tempo sobre os alimentos, favorecendo o aparecimento de gases. Além disso, estudos mostram que a ansiedade está relacionada ao aparecimento de uma condição chamada síndrome do intestino irritável.

As manifestações clínicas da síndrome do intestino irritável podem variar em cada pessoa, portanto haverá pacientes com predomínio de diarreia e outros com constipação. Dentre os sintomas da síndrome do intestino irritável com predomínio de constipação, destacam-se gases, inchaço e indigestão.

A relação entre gases e ansiedade também se deve aos hábitos alimentares das pessoas afetadas. Pessoas ansiosas tendem a comer mais rápido, por isso engolem grandes quantidades de ar que mais tarde permanecerão no intestino.

A ansiedade aumenta a ingestão de alimentos ricos em gordura e carboidratos, levando a um aumento na produção de gases. Pessoas ansiosas também tendem a se movimentar muito e até aumentar a quantidade de exercícios diários. O aumento dos movimentos corporais afeta o peristaltismo, o que explica o aparecimento de gases por essa via cinética.

Como reduzir os gases na ansiedade?

A melhor forma de reduzir o aparecimento de gases é tratando a ansiedade, por isso é fundamental procurar atendimento médico. Os transtornos de ansiedade são muito variados; o especialista estudará cada caso em particular para escolher a melhor abordagem terapêutica. Em termos gerais, a abordagem combina ansiolíticos e terapias psicológicas.

Por outro lado, também existem medicamentos de venda livre que reduzem o aparecimento de gases. As pessoas podem tomar carvão ativado ou simeticona. No entanto, é sempre aconselhável consultar o médico antes de tomar qualquer medicamento.

Pessoas com ansiedade podem reduzir o aparecimento de gases fazendo mudanças simples quando se trata de comer. Algumas das recomendações que podem ser úteis são as seguintes:

  • Mantenha uma alimentação saudável e equilibrada.
  • Coma devagar.
  • Evite bebidas carbonatadas.
  • Não coma alimentos difíceis de digerir.
  • Não fume.
  • Evite chicletes e doces.
  • Reduza a ingestão de alimentos fritos e fast food.
Comida lixo em uma mulher ansiosa.
Os comportamentos ansiosos levam a uma dieta rica em produtos geradores de gases, como alimentos ultraprocessados e fast food.

Duas condições intimamente relacionadas

Gases e ansiedade estão intimamente relacionados. Pessoas ansiosas apresentam várias alterações do sistema nervoso que geram o aparecimento de sintomas gastrointestinais. Além disso, elas têm certos comportamentos compulsivos quando se trata de comer, o que aumenta a entrada de ar e a produção de gases.

A presença de gases abdominais, bem como a expulsão de arrotos e flatulência, podem ser os gatilhos para múltiplos transtornos de ansiedade. Felizmente, existem diferentes medicamentos capazes de controlar esses sintomas. Além disso, pequenas mudanças na hora de comer são muito úteis para diminuir seu impacto na vida diária.

Pode interessar a você...
O que é fibra dietética?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
O que é fibra dietética?

Vamos explicar o que é fibra dietética e quais são os benefícios de seu consumo quando feito regularmente.



  • Martínez M, López D. Trastornos de ansiedad. Revista Neurología, Neurocirugía y Psiquiatría. 2011; 44(3): Jul-Sep: 101-107.
  • Fiestas-Teque L, Vega-Dienstmaier J, Síntomas físicos en pacientes con trastornos de ansiedad y depresión que acuden a la consulta externa de psiquiatría del Hospital Nacional Cayetano Heredia. Revista de Neuro-Psiquiatría. 2012;75(2):47-57.
  • Pellissier S, Bonaz B. The Place of Stress and Emotions in the Irritable Bowel Syndrome. Vitam Horm. 2017;103:327-354.
  • O’Mahony SM, Clarke G, Dinan TG, Cryan JF. Irritable Bowel Syndrome and Stress-Related Psychiatric Co-morbidities: Focus on Early Life Stress. Handb Exp Pharmacol. 2017;239:219-246.
  • Foster JA, McVey Neufeld KA. Gut-brain axis: how the microbiome influences anxiety and depression. Trends Neurosci. 2013 May;36(5):305-12.
  • Malan-Muller S, Valles-Colomer M, Raes J, Lowry CA et al. The Gut Microbiome and Mental Health: Implications for Anxiety- and Trauma-Related Disorders. OMICS. 2018 Feb;22(2):90-107.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.