Fibromialgia juvenil: tudo que você precisa saber

A fibromialgia juvenil é uma doença que afeta milhares de crianças e adolescentes em todo o mundo. Infelizmente, isso tem um efeito negativo na qualidade de vida.
Fibromialgia juvenil: tudo que você precisa saber

Última atualização: 25 janeiro, 2023

Os distúrbios musculoesqueléticos, como a fibromialgia, tendem a afetar os adultos mais velhos com mais frequência. No entanto, essas patologias também são sofridas pelos mais jovens. Um exemplo é a fibromialgia juvenil, que tem um impacto significativo no aspecto acadêmico e social das crianças.

A fibromialgia juvenil é uma doença caracterizada por dor muscular crônica. Eles são acompanhados por outros sintomas, como fadiga e dor de cabeça. Estudos mostram que até 6% das crianças podem apresentar sintomas, sendo mais freqüentes entre 12 e 13 anos.

Essa doença pode ser registrada em crianças e adolescentes de ambos os sexos, porém, é até 4 vezes mais frequente em meninas. Infelizmente, a patologia pode influenciar significativamente o estilo de vida.

Sintomas

O principal sintoma da fibromialgia juvenil é a dor crônica na musculatura esquelética, geralmente referida com intensidade elevada. De um modo geral, a dor referida pela criança é generalizada. Apesar disso, é mais intenso na região cervical e lombar, ombros, quadris, joelhos e mãos.

A dor característica geralmente aparece após um evento desencadeante, como cirurgia, infecção ou estresse psicológico prolongado. Geralmente é definida como uma dor surda, ou seja, um incômodo ou peso. Além disso, a intensidade do sintoma pode aumentar com a atividade física e mudanças ambientais.

Crianças com fibromialgia juvenil costumam ter problemas para adormecer e permanecer dormindo, o que pode causar sintomas de vários tipos. Nesse sentido, crianças que sofrem com a doença também podem apresentar as seguintes manifestações:

  • Dores de cabeça constantes.
  • Fadiga crônica ou falta de energia.
  • Rigidez articular de menos de 30 minutos após um sono prolongado.
  • Síndrome do intestino irritável
  • Patologias psiquiátricas, como ansiedade ou depressão.
Menina com fibromialgia juvenil.
As crianças podem expressar dor abdominal como um sinal cardinal de sua fibromialgia juvenil.

Causas da fibromialgia juvenil

O aparecimento da fibromialgia juvenil está relacionado a várias alterações do sistema nervoso central. Eles geram uma interpretação errada da dor. Estudos mostram que essas alterações aparecem em crianças com predisposição genética e que são submetidas a estressores prolongados.

Em termos gerais, as mudanças apresentadas fazem com que mesmo os estímulos mais suaves sejam percebidos como dolorosos. Dessa forma, a percepção de um toque, por exemplo, é interpretada de forma prolongada e generalizada.

Os cientistas não conseguiram determinar o gene específico que predispõe à doença. Porém, crianças com essa patologia apresentam alterações na região promotora do gene transportador da serotonina e no gene da enzima COMT.

Por outro lado, os gatilhos externos podem ser muito variados. Acidentes, abuso sexual e abuso escolar são freqüentemente os mais comuns. Certas situações de estresse emocional para a criança, como o divórcio dos pais, também são responsáveis.

As crianças que preenchem as condições acima são mais propensas a desenvolver fibromialgia juvenil. No entanto, a probabilidade de ocorrência aumenta em meninas com história familiar de fibromialgia ou doença reumática.

Como é diagnosticado?

O diagnóstico da fibromialgia juvenil é um verdadeiro desafio médico, uma vez que não existem exames laboratoriais que confirmem a sua presença. Nesse sentido, o médico deve se basear no exame físico e na ausência de outras patologias com sintomas semelhantes.

Apesar de tudo, o especialista deverá indicar a realização de exames laboratoriais e de imagem. Isso é feito para descartar doenças que causam dor crônica, como artrite ou danos aos nervos periféricos.

Uma das características mais importantes para o diagnóstico da doença é a presença de dor crônica superior a 3 meses. Deve aumentar de intensidade ao palpar certos pontos característicos chamados pontos de gatilho. Além disso, sintomas adicionais, como fadiga, dor de cabeça e dificuldade de concentração, devem ser considerados.

Por sua vez, os critérios para o diagnóstico de fibromialgia em adultos também podem ser aplicados em adolescentes. Estes incluem a presença de dores musculares nas 2 semanas anteriores à consulta, fadiga e problemas de sono nos últimos 3 meses.

Tratamento da fibromialgia juvenil

Infelizmente, a fibromialgia juvenil é uma doença sem cura. Nesse sentido, sua abordagem terá como objetivo o alívio dos sintomas e a adaptação da criança ao convívio com a doença. Os pais devem fazer uma mudança drástica em seu estilo de vida para evitar que o distúrbio interfira nas atividades diárias.

As crianças geralmente precisam de uma abordagem multidisciplinar para lidar com a doença. Estudos mostram que a combinação de fisioterapia, exercícios e consultas com o psicólogo ajudam a criança a recuperar todas as suas funções progressivamente.

A realização de exercícios de intensidade leve ou moderada tem sido associada à melhora da mobilidade articular. Nesse sentido, exercícios aeróbicos entre 20 e 30 minutos são recomendados pelo menos 3 dias por semana.

Por outro lado, intervenções psicológicas e terapias comportamentais podem ajudar a modificar a resposta da criança à dor. Eles permitem a identificação de gatilhos e auxiliam os acometidos a retornar às suas atividades diárias.

O uso de medicamentos é muito controverso na fibromialgia juvenil, pois os antiinflamatórios não esteroidais geralmente não melhoram a dor. Os únicos medicamentos recomendados nesses casos são anticonvulsivantes, como a pregabalina, e alguns antidepressivos. No entanto, seu uso deve ser feito sob estrita prescrição e supervisão médica.

Em última análise, deve-se ter cuidado para garantir que as crianças tenham um sono adequado. O sono reparador foi associado a uma redução significativa da dor.

Bom descanso em menina com fibromialgia juvenil.
É essencial estabelecer uma boa rotina de sono para crianças com essa condição.

Uma doença com curso crônico que merece atenção

A fibromialgia juvenil é uma patologia caracterizada por dores musculares com duração superior a 3 meses e que costuma afetar crianças de todas as idades. Embora possa aparecer em qualquer idade, é mais comum entre os 12 e 13 anos.

Essa patologia também é caracterizada por outros sintomas, como fadiga, depressão e ansiedade, que podem durar algum tempo após o desaparecimento da dor. Isso faz com que a doença diminua significativamente a qualidade de vida.

Infelizmente, o diagnóstico é muito difícil e não existe um tratamento específico. No entanto, o monitoramento com vários profissionais de saúde pode melhorar a tolerância à dor.

Pode interessar a você...
Diferenças entre anorexia e bulimia
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Diferenças entre anorexia e bulimia

As diferenças entre anorexia e bulimia são múltiplas, mas compartilham sua gravidade e letalidade. Contaremos a você as diferenças entre elas.



  • Clemente Garulo D. Fibromialgia juvenil y síndrome de fatiga crónica. Protoc diagn ter pediatr. 2020;2:311-323.
  • De Sanctis V, Abbasciano V, Soliman AT, Soliman N et al. The juvenile fibromyalgia syndrome (JFMS): a poorly defined disorder. Acta Biomed. 2019 Jan 23;90(1):134-148.
  • Daffin M, Gibler RC, Kashikar-Zuck S. Measures of Juvenile Fibromyalgia. Arthritis Care Res (Hoboken). 2020 Oct;72 Suppl 10(Suppl 10):171-182.
  • Tesher MS. Juvenile Fibromyalgia: A Multidisciplinary Approach to Treatment. Pediatr Ann. 2015 Jun;44(6):e136-41.
  • Gmuca S, Sherry DD. Fibromyalgia: Treating Pain in the Juvenile Patient. Paediatr Drugs. 2017 Aug;19(4):325-338.
  • Matera E, Palumbi R, Peschechera A, Petruzzelli MG et al. Juvenile Fibromyalgia and Headache Comorbidity in Children and Adolescents: A Literature Review. Pain Res Manag. 2019 Jun 3;2019:3190829.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.