Diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética

A tomografia computadorizada e a ressonância magnética são duas técnicas de imagem diferentes, mas às vezes são usadas de forma complementar para detectar uma condição. Aqui, mostramos como elas diferem.
Diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador.

Última atualização: 14 março, 2023

A medicina avançou muito nas últimas décadas, permitindo ao profissional observar os tecidos internos do paciente sem ter que recorrer à cirurgia. Muitos métodos de diagnóstico usados hoje são minimamente invasivos e relatam uma grande quantidade de informações sobre o status individual. Você conhece as diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética?

Embora ambas as técnicas permitam observar o conglomerado de tecido interno do paciente, elas apresentam uma série de diferenças fundamentais. Continue lendo, pois a seguir apresentaremos os usos, características funcionais e contraindicações da tomografia computadorizada e ressonância magnética.

O que é uma tomografia computadorizada?

Antes de explorar as diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética, estamos interessados em descrevê-las extensivamente. Posteriormente iremos nos deparar com essas técnicas de imagem, mas primeiro é necessário conhecê-las em um nível funcional.

A tomografia axial computadorizada (também conhecida como tomografia computadorizada) é definida pelo National Cancer Institute (NCI) como: ‘um procedimento que usa um computador conectado a uma máquina de raios-x para criar uma série de imagens detalhadas do interior do corpo ‘. É uma espécie de estudo radiológico.

A tomografia computadorizada utiliza o uso de raios X, radiação corpuscular ionizante, invisível ao olho humano, capaz de passar por corpos opacos. A máquina encarregada de realizar o teste emite um feixe de raios X colimado (paralelo entre si) que incide sobre o elemento a ser estudado, no caso o paciente. O procedimento é realizado por meio de uma estrutura circular conhecida como gantry.

O gantry é o corpo vertical da unidade que possui um orifício central, no qual a mesa de exame é inserida com a pessoa deitada. Tem aproximadamente 70 centímetros de largura. O feixe de raios X incide em diferentes pontos do corpo enquanto é reposicionado em diferentes posições no espaço do gantry.

A radiação que não foi absorvida é captada pelos detectores de raios X (localizados na posição diretamente oposta ao feixe emitido), que geram uma imagem que é transmitida a um computador. Conforme indicado pelo Instituto Nacional de Imagem Biomédica e Bioingeneering, cada vez que os raios completam uma “rotação”, uma imagem 2D do paciente é construída.

A imagem não é obtida diretamente. Várias técnicas matemáticas sofisticadas são usadas para construir uma imagem 2D da seção do paciente a partir dos raios-X.

O que é uma ressonância magnética?

As diferenças entre CT e ressonância incluem sua precisão
A ressonância magnética pode detectar anormalidades mínimas em tecidos selecionados.

A ressonância magnética é uma técnica não invasiva que usa o mecanismo de ressonância magnética nuclear (RMN) para obter informações sobre a estrutura e função do corpo. Simplificando, a RMN tira proveito de certas propriedades mecânicas quânticas dos núcleos atômicos, a parte central dos átomos (e com carga positiva).

A ressonância magnética usa ímãs muito poderosos, que produzem um campo magnético que “força” os prótons no corpo do paciente a se alinharem de uma determinada maneira. Quando uma corrente de radiofrequência é pulsada através do indivíduo, os prótons são estimulados fora de equilíbrio, lutando contra a atração do campo magnético.

Todo esse conglomerado de terminologia pode parecer muito complexo, mas a ideia central dessa técnica é a seguinte: quando a corrente de radiofrequência é desligada, os núcleos de hidrogênio presentes na água do corpo (os citados prótons) se alinham com o campo magnético e liberar energia. Essa energia é detectada por uma série de receptores localizados na máquina.

Como na tomografia computadorizada, a ressonância magnética usa um dispositivo em forma de túnel, no qual o paciente é colocado em uma maca. A engenhoca contém os ímãs que irão criar o campo magnético mencionado. Às vezes, fluidos de contraste são necessários para fortalecer os sinais eletromagnéticos emitidos pelas células do corpo.

A ressonância usa um campo eletromagnético e um feixe de ondas de rádio. As informações recebidas são processadas e exibidas na forma de imagens em um computador.

As diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética

Agora que você sabe resumidamente como essas técnicas de imagem hospitalar funcionam, estamos prontos para explorar as diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética por seção. Você verá que há mais do que parece à primeira vista.

1. A tomografia computadorizada usa raios X, enquanto a ressonância magnética usa campos magnéticos

A tomografia computadorizada usa feixes de raios X que são captados por detectores específicos assim que passam pelo corpo do paciente. Por outro lado, a ressonância utiliza um campo eletromagnético e um feixe de ondas de rádio para modificar as propriedades dos prótons no corpo, obtendo assim uma imagem quando eles liberam energia.

Embora em ambos os casos sejam utilizados uma maca e um aparelho em formato de rosca com espaço central, a distinção é clara. A tomografia computadorizada faz uso de raios-X, enquanto a ressonância magnética não. Isso é de vital importância para entender os riscos e por que algumas pessoas se beneficiam muito mais de uma ressonância magnética com base no quadro clínico que apresentam.

A tomografia computadorizada usa radiação, o que pode danificar as células do corpo do paciente.

2. Os contrastes usados são diferentes

As imagens obtidas após a realização de uma tomografia computadorizada são geralmente em preto e branco, portanto, as estruturas e órgãos do paciente são visualizados em ampla escala de cinza. A dificuldade em distinguir nuances mostra que às vezes é necessário usar contrastes, uma série de compostos que são introduzidos no corpo para fazer uma estrutura claramente distinguível das demais.

Existem dois grandes grupos de contrastes para administrar antes de uma tomografia computadorizada, conforme indicado pelo portal MEDSIR. Estes são os seguintes:

  1. Contrastes positivos: absorvem maior quantidade de radiação (são radiopacos), de modo que a estrutura de interesse em que se acumulam aparece esbranquiçada na imagem do que o resto. Os contrastes positivos mais comumente usados nesta área são o sulfato de bário e os sais de iodo. Sua via de entrada é geralmente intravenosa, oral ou retal.
  2. Contrastes negativos: absorvem menos radiação (são radiotransparentes), de modo que a estrutura de interesse aparece na imagem mais escura e preta do que o resto. São gases, como oxigênio, CO₂ ou hélio.

Conforme indicado pelo portal Doctoralia, a ressonância também se beneficia em muitas ocasiões com o uso de contrastes, pois permitem uma melhor visualização da estrutura a ser analisada. Estes são os seguintes:

  1. Contrastes positivos: O contraste positivo mais conhecido é o gadolínio, um elemento metálico branco prateado raro. As soluções de gadolínio potencializam o sinal eletromagnético emitido pelas células, o que torna a imagem obtida mais clara e nítida.
  2. Contrastes negativos: eles consistem principalmente de ferro. Sua função é enfraquecer os sinais eletromagnéticos de certas áreas para destacar as estruturas próximas.

Como você pode ver, os tipos de contrastes usados marcam outra das diferenças vitais entre tomografia computadorizada e ressonância. O primeiro método usa sulfato de bário, sais de iodo e gases, enquanto o segundo geralmente usa gadolínio ou ferro.

3. Utilitários diversos

O uso de cada uma dessas técnicas é muito variado. Nós o analisamos separadamente e então enfrentamos suas diferenças com referência aos seus usos no ambiente clínico.

3.1 Usos do tomografia computadorizada

As peculiaridades técnicas da tomografia computadorizada permitem que seja um excelente método de imagem para detectar determinados quadros clínicos. Aqui estão alguns dos cenários em que este tipo de teste é mais usado, de acordo com a Mayo Clinic e outras fontes profissionais:

  1. É uma das ferramentas mais rápidas e precisas para examinar a pelve, o tórax e o abdômen. Isso ocorre porque ele fornece imagens transversais altamente detalhadas de todos os tipos de tecido.
  2. É usado em pacientes que sofreram contusões graves para detectar lesões internas. A tomografia computadorizada é muito útil para triagem de emergência de pessoas que sofreram um acidente de carro.
  3. É útil para discernir o que está causando dor abdominal, desconforto no peito ou falta de ar.
  4. A tomografia computadorizada é considerada o melhor método para detectar neoplasias malignas (cânceres) de abdome e tórax. Esse tipo de técnica de imagem permite identificar rapidamente a presença de um tumor, sua extensão e se ocorreu recidiva ou metástase.
  5. É usado para a identificação de possíveis doenças vasculares. Por exemplo, pode detectar uma embolia pulmonar.
  6. A tomografia computadorizada é utilizada para encontrar sinais compatíveis com estas patologias: neuroblastoma, tumor renal, linfoma, fibrose cística, complicações de apendicite, doença inflamatória intestinal, malformações congênitas e complicações após pneumonia, entre outras.

3.2 Usos de ressonância

Por outro lado, considera-se que as ressonâncias magnéticas geram imagens mais detalhadas do que as tomografias, mas são técnicas mais lentas, mais caras e relatam alguns problemas logísticos com o paciente. Conforme indicado pelo portal Radiology.info, estes são alguns dos usos mais importantes de uma ressonância magnética:

  1. Ele avalia o estado dos órgãos do tórax e abdômen, incluindo o coração, os pulmões e muitas outras estruturas.
  2. Avalia o estado dos órgãos localizados na região pélvica, como bexiga, útero, ovários e outras estruturas relacionadas à micção ou reprodução.
  3. Registra anormalidades no nível vascular e ganglionar.
  4. Permite detectar tumores malignos que escapam à tomografia computadorizada. Câncer de próstata, câncer uterino e alguns tipos de câncer de fígado são virtualmente indetectáveis pela tomografia computadorizada . Além disso, a metástase para o cérebro ou osso é muito melhor observada com uma ressonância magnética.
  5. Outras patologias detectadas por ressonância magnética: cânceres de tórax, abdômen e pelve, cirrose, colite ulcerosa, doença de Crohn, problemas cardíacos, inflamação vascular e problemas fetais, entre outros.

3.3 A diferença está na especificidade

A tomografia computadorizada é o primeiro tipo de teste avançado a ser realizado em todos os casos de suspeita de câncer. Em qualquer caso, se você deseja detectar uma metástase ou uma neoplasia no nível pélvico ou reprodutivo, uma ressonância magnética geralmente é mais útil.

Por outro lado, as ressonâncias magnéticas são muito eficazes na observação do feto dentro do útero da gestante, pois não está comprovado que causem danos ao feto. Mesmo assim, recomenda-se que a gestante não faça nenhum desses exames antes do primeiro trimestre, pois o campo magnético aplicado é bastante forte.

A tomografia computadorizada é usada para obter imagens gerais de certas áreas, enquanto a ressonância magnética oferece maior especificidade de imagem.

4. A ressonância magnética é um procedimento mais complicado e mais caro

Depois de expor essas diferenças de diagnóstico entre tomografia computadorizada e ressonância magnética, você certamente está se perguntando por que uma ressonância magnética não é realizada em todos os casos. A resposta é bastante simples: as ressonâncias magnéticas são consideravelmente mais caras.

Por outro lado, é necessário ressaltar que a tomografia computadorizada é realizada de forma rápida, uma vez que as imagens são geradas em questão de segundos e o exame completo raramente ultrapassa o tempo de 20 minutos. A ressonância magnética representa um cenário muito diferente, pois dura de 30 a 60 minutos (ou muito mais) e o paciente deve permanecer completamente imóvel para que a imagem não fique borrada.

Além disso, deve-se notar que o donut da máquina de ressonância magnética é muito mais estreito do que a estrutura tubular da tomografia computadorizada. Tudo isso faz com que as pessoas muito doentes, os idosos, as crianças e os pacientes com ansiedade ou claustrofobia se divirtam muito. Em casos especiais, é necessária sedação ou administração de analgésicos por via oral.

A ressonância magnética é mais precisa do que a tomografia computadorizada , mas também é consideravelmente mais cara e tecnicamente complicada. Pessoas com claustrofobia ou ansiedade podem ter muita dificuldade em enfrentá-la.

5. A tomografia computadorizada relata um certo risco de câncer

As diferenças entre CT e MRI incluem seus efeitos adversos
Paradoxalmente, um método diagnóstico usado para detectar tumores também pode ser o gatilho para o câncer em um número muito pequeno de pacientes.

Em primeiro lugar, é necessário enfatizar que uma tomografia computadorizada sempre salvará mais vidas do que pode custar, mas não poderíamos deixar  de comentar este último ponto como um encerramento da questão. Conforme indicado pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, a probabilidade de desenvolver um câncer fatal após uma tomografia computadorizada é de 1 em 2.000 pacientes.

O risco está no uso de raios X. Como a radiação ionizante é aplicada diretamente nas células, existe uma possibilidade muito pequena de que sofram danos no DNA, fazendo com que se transformem em células cancerosas com crescimento ilimitado. Como a ressonância magnética não usa esse tipo de radiação, não há risco de câncer associado.

De qualquer forma, uma coisa deve ficar clara: a probabilidade de desenvolver câncer após uma tomografia computadorizada é de 1 em 2000, mas as estimativas naturais são de que 1 em 5 humanos sofrerá naturalmente uma doença maligna durante sua vida (400 para cada 2.000). Em outras palavras, os benefícios desse exame superam em muito os danos potenciais.

O risco de um paciente desenvolver câncer após uma tomografia computadorizada é insignificante, mas deve ser lembrado de qualquer maneira.

Diferenças entre tomografia computadorizada e ressonância magnética: 2 excelentes técnicas de imagem

Apresentamos aqui 5 diferenças entre uma tomografia computadorizada e uma ressonância magnética, mas não queremos que você pense que uma é melhor do que a outra. Embora a tomografia computadorizada seja um pouco menos precisa do que sua contraparte, é um método de diagnóstico mais barato, simples de executar e mais rápido. Portanto, é quase sempre a primeira opção quando há suspeita de câncer ou lesão interna.

A ressonância magnética fornece uma imagem melhor dos tecidos e pode detectar neoplasias ocultas, mas é mais cara e demorada. Portanto, é realizada em ambientes mais específicos. Ambas as técnicas têm seus prós e contras, mas o médico saberá qual é a mais precisa e necessária em cada caso.

Pode interessar a você...
3 exames ginecológicos essenciais
Muy Salud
Leia em Muy Salud
3 exames ginecológicos essenciais

Existem 3 exames ginecológicos que são essenciais. Você quer saber quais são eles? Continue lendo!




Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.