Como diminuir o açúcar no sangue?

Saber como baixar o açúcar no sangue é essencial para todos os pacientes diabéticos, a fim de evitar as complicações da hiperglicemia. Felizmente, existem muitas técnicas úteis e eficazes. Vamos falar sobre elas a seguir.
Como diminuir o açúcar no sangue?

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 13 Junho, 2021

Última atualização: 14 Junho, 2021

O aumento anormal dos níveis de açúcar no sangue é uma condição médica conhecida como hiperglicemia. A hiperglicemia prolongada pode causar danos a diferentes tecidos, por isso é importante saber como diminuir o açúcar no sangue.

Os níveis elevados de glicose no sangue podem ter uma ampla variedade de causas, desde uma dieta rica em carboidratos até o uso de certos medicamentos, como os corticosteróides. Esta é uma complicação comum em pessoas com diabetes, embora estudos afirmem que ela aparece em um número significativo de pacientes sem histórico da doença.

Existem muitas complicações associadas à hiperglicemia, como cetoacidose diabética e síndrome hiperosmolar hiperglicêmica. Desta forma, reduzir o açúcar no sangue é essencial para evitar maiores danos. Uma das maneiras mais rápidas de fazer isso é tomando insulina de ação rápida, embora existam outras medidas úteis.

Administrar insulina

A insulina pode ser necessária para baixar o açúcar no sangue
A administração subcutânea de insulina é especialmente útil na redução rápida dos níveis de açúcar no sangue. O tipo de insulina usada depende do contexto.

A insulina é um hormônio sintetizado nas células beta do pâncreas, cuja principal função é introduzir glicose nas células para que ela seja utilizada como energia. Dessa forma, a administração de insulina exógena é uma das formas mais rápidas de controle da hiperglicemia, tanto em pacientes hospitalizados quanto em não hospitalizados.

O tipo de insulina usada para controlar a hiperglicemia súbita em pacientes com diabetes tipo 1 é a insulina de ação rápida, que atua em menos de 15 minutos. Porém, seu uso é mais limitado em pessoas com diabetes tipo 2, nas quais a primeira opção é o uso de outros tipos de medicamentos.

Esse hormônio é administrado por via subcutânea, ou seja, sob a pele. Um dos locais de aplicação mais frequentes é o abdômen devido ao seu grande suprimento sanguíneo, embora também possa ser aplicado em outras regiões.

Estudos demonstram que a administração de insulina melhora o prognóstico de pacientes hospitalizados com hiperglicemia, pois reduz de forma eficaz o açúcar no sangue.

Fazer exercício e diminuir a ingestão de carboidratos

Mudanças no estilo de vida são essenciais para o tratamento dos diferentes tipos de diabetes. A atividade física e os exercícios ajudam a reduzir significativamente os níveis de glicose no sangue a curto e longo prazo, especialmente em pacientes com diabetes ou hiperglicemia.

O exercício contínuo faz com que os músculos se contraiam, o que aumentará a entrada de glicose nas células por uma via que não depende da insulina. A estimulação constante dos músculos também aumenta a sensibilidade à insulina, efeito que pode durar até 24 horas.

O mais recomendável é monitorar os níveis de glicose no sangue antes e depois do exercício para perceber variações. Um aumento acentuado na ingestão de carboidratos pode levar à hiperglicemia, portanto, reduzir a ingestão pode ajudar a diminuir o açúcar no sangue.

Os carboidratos são uma parte essencial da dieta das pessoas, portanto, não devem ser eliminados completamente. Pessoas com hiperglicemia devem procurar fontes desse macronutriente que não têm tanto impacto nos níveis de açúcar no sangue. Nesse sentido, é aconselhável substituir o pão e a farinha por frutas, vegetais e grãos inteiros.

Beber muita água

A água é um componente fundamental para a vida, pois permite manter o equilíbrio do organismo. Pessoas com diagnóstico de diabetes devem beber muita água, especialmente se tiverem hiperglicemia. Durante esse estado, o corpo aumentará a produção de urina e outros líquidos para expelir o excesso de glicose.

O corpo só será capaz de produzir uma grande quantidade de urina se tiver água suficiente, por isso a ingestão de líquido facilita a eliminação da glicose, ajudando a baixar o açúcar no sangue. O consumo de outros líquidos sem açúcar também tem o mesmo efeito, além de prevenir a desidratação e manter a temperatura corporal em valores normais.

Por outro lado, estudos mostram a relação entre consumo de água e hiperglicemia, razão pela qual aqueles com ingestão abundante de água têm menos probabilidade de sofrer com a doença.

As necessidades diárias de água podem variar de pessoa para pessoa, mas em termos gerais é aconselhável consumir pelo menos 2 litros ou 8 copos de água por dia.

Reduzir o estresse

Para reduzir o açúcar no sangue você precisa reduzir o estresse
Fatores psicológicos estão fortemente ligados aos desequilíbrios metabólicos. Por esse motivo, controlar o estresse faz parte da abordagem do diabetes.

O estresse é uma condição que pode afetar a saúde das pessoas de várias maneiras, incluindo um aumento repentino nos níveis de açúcar no sangue. Esse estado patológico gera a secreção de hormônios como o glucagon e o cortisol, que tendem a gerar um estado transitório de hiperglicemia.

Quando as pessoas são submetidas a estresse constante, a hiperglicemia gerada perdura com o tempo e pode causar danos. Nesse sentido, é recomendável que as pessoas evitem situações estressantes na medida em que seja possível.

Atividades recreativas relaxantes como ioga, exercícios e meditação também apresentam bons resultados.

Não esquecer de tomar a medicação

Pessoas com diabetes devem tomar uma série de medicamentos conhecidos como hipoglicemiantes, que manterão os níveis de açúcar no sangue adequados. A glicose no sangue pode aumentar abruptamente quando você omite uma ou mais doses do medicamento correspondente.

Para resolver esta situação, será necessário ingerir a dose adequada assim que tiver oportunidade. Desta forma, as pessoas com diabetes tipo 1 terão que tomar sua dose de insulina e aqueles com diabetes tipo 2 tomarão seus medicamentos.

É importante tomar a dose usual e não dobrá-la, pois isso pode levar a uma condição chamada hipoglicemia.

Quando ir ao médico para diminuir o açúcar no sangue?

Níveis elevados de açúcar no sangue podem rapidamente se tornar uma situação médica com risco de vida. Neste sentido, é de vital importância saber reconhecer os sintomas desta patologia, entre os quais se destacam:

  • Sede excessiva ou polidipsia.
  • Aumento do volume miccional ou poliúria.
  • Hálito com sabor frutado.
  • Dificuldade para respirar.
  • Dor de estômago.

Todos devem consultar um médico imediatamente quando mostrarem um nível de glicose no sangue igual ou superior a 300 miligramas por decilitro em duas leituras aleatórias. Outra bandeira vermelha a observar são os níveis elevados de glicose no sangue por mais de uma semana. Ambas condições são indicativas de um agravamento da doença.

O monitoramento constante da glicose é importante

Todas as pessoas com diagnóstico de diabetes devem manter um controle constante da glicose no sangue ao longo do dia. Isso permitirá que medidas adequadas sejam tomadas para baixar o açúcar no sangue, quando necessário, a fim de prevenir quaisquer complicações.

As técnicas acima mencionadas são úteis, embora seja melhor manter o médico informado sobre a situação.

Pode interessar a você...
Teste de O’Sullivan ou exame de açúcar durante a gravidez: em que consiste?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Teste de O’Sullivan ou exame de açúcar durante a gravidez: em que consiste?

As mulheres estão sujeitas a certas doenças durante a gravidez. Um dos testes que elas devem realizar é o teste de O'Sullivan.



  • Sánchez M, Luna M, Villarreal Y, Zerpa Y, Bermúdez A. Manejo de la hiperglucemia en el paciente hospitalizado con diabetes mellitus. Rev. Venez. Endocrinol. Metab. 2014; 12(1): 34-40.
  • McDonnell M, Umpierrez G. Insulin Therapy for the Management of Hyperglycemia in Hospitalized Patients. Endocrinology and Metabolism Clinics of North America. 2012;41(1):175-201.
  • Roussel R, Fezeu L, Bouby N, Balkau B, Lantieri O, Alhenc-Gelas F et al. Low Water Intake and Risk for New-Onset Hyperglycemia. Diabetes Care. 2011;34(12):2551-2554.
  • Echouffo-Tcheugui JB, Garg R. Management of Hyperglycemia and Diabetes in the Emergency Department. Curr Diab Rep. 2017;17(8):56.
  • Duggan EW, Carlson K, Umpierrez GE. Perioperative Hyperglycemia Management: An Update. Anesthesiology. 2017;126(3):547-560.
  • Kharode I, Coppedge E, Antal Z. Care of Children and Adolescents with Diabetes Mellitus and Hyperglycemia in the Inpatient Setting. Curr Diab Rep. 2019;19(10):85.