Como a enxaqueca é diagnosticada

Um dos motivos mais frequentes de consulta é a enxaqueca, um distúrbio neurológico que pode ser muito incapacitante e requer uma série de cuidados pessoais.
Como a enxaqueca é diagnosticada

Escrito por Maite Córdova Vena, 30 Julho, 2021

Última atualização: 30 Julho, 2021

Em termos gerais, poderíamos dizer que a enxaqueca é um tipo de dor de cabeça que às vezes pode ser pulsátil ou latejante, podendo ir de moderada a intensa até se tornar um desconforto incapacitante. Agora, como você chega a um diagnóstico de enxaqueca?

O diagnóstico da enxaqueca envolve um processo que, dependendo do caso, pode ser mais ou menos demorado. Por exemplo, se você tem um histórico familiar de enxaqueca e foi capaz de manter um registro de como ela o afeta, o médico terá mais informações e, mais cedo, poderá determinar quais exames seriam os mais relevantes para chegar ao diagnóstico correto.

Todas as informações que você puder fornecer na entrevista com o médico, junto com seu histórico médico familiar e alguns exames físicos e neurológicos serão muito úteis. Porém, antes de tudo isso, existe a autoavaliação.

Autoavaliação

Diagnóstico de enxaqueca em mulheres
Quando os episódios de dor ocorrem de forma recorrente, é importante fazer uma autoavaliação dos sintomas associados. Isso será muito útil quando você for ao médico.

Quando você tem um desconforto (seja uma possível enxaqueca ou outro), a primeira coisa que você pode fazer é autoavaliar. Para fazer isso, você pode se basear nas seguintes perguntas:

  • Como é essa  dor?
  • Qual é a sua extensão?
  • Quanto dura?
  • Que outro desconforto isso me causa? Por exemplo: náusea, tontura, dor ou rigidez no pescoço e ombros, falta de energia, sonolência, confusão, dificuldade de concentração, etc.
  • Impediu-me de continuar com a minha rotina e em que medida?
  • O que eu suspeito que pode ter causado o desconforto?
  • Foi um desconforto específico (devido à menstruação ou falta de sono, por exemplo) ou é recorrente?
  • Você notou algum “sinal de alerta” antes do problema em si? Por exemplo: sensibilidade à luz, sons, cheiros, irritabilidade, fadiga, etc.
  • O desconforto piora com o esforço físico?

Há médicos que recomendam manter um diário ou caderno para registrar o incômodo e assim poder obter mais informações a respeito. Hoje em dia isso pode ser feito em um bloco de notas no celular ou tablet, um aplicativo para dores de cabeça de enxaqueca, ou em um caderno comum, o que você preferir.

    Reconhecimento de episódios não relacionados à enxaqueca

    Se você já experimentou enxaquecas, é provável que tenha identificado um padrão específico. Assim, cada vez que um novo episódio aparece, você tem mais ou menos uma ideia de como vai ser e o que ajudou em outros casos.

    O padrão geralmente é mantido ao longo do tempo. No entanto, se mudar repentinamente e você não souber o que pode estar acontecendo com você e notar sintomas como os que vamos mencionar a seguir, você deve consultar o seu médico o mais rápido possível.

    • Febre alta.
    • Erupções cutâneas.
    • Perda de consciência.
    • Vômito constante e incapacidade de manter alimentos e líquidos no estômago.
    • Perda de visão (de um ou ambos os olhos) e outros sintomas incomuns.

    Exames de laboratório

    Além das informações que você pode fornecer ao médico na entrevista, o profissional fará um exame físico para detectar sinais que possam indicar um defeito neurológico. Isso pode incluir o seguinte, de acordo com o Dr. Julián Pascual, especialista em Neurologia do Hospital Universitário de Salamanca:

    • Verificação dos sinais vitais (pressão arterial e frequência cardíaca).
    • Ausculta cardíaca.
    • Exame das estruturas pericraniais (seios paranasais, artérias, músculos paravertebrais e articulação temporomandibular)
    • Grau de mobilidade e presença de sensibilidade na região cervical.

    Após disso, o exame neurológico como tal incluirá: sinais meníngeos, fundo de olho, campos visuais, pupilas, sensibilidade facial, força, reflexos osteotendinosos, respostas plantares e marcha.

    Exames de sangue e outros exames

    Após a conclusão do exame físico, o médico pode solicitar um exame de sangue para verificar como estão seus valores. Alguns dos tipos de exames de sangue que ele pode solicitar são:

    Outros exames podem incluir:

    • Encefalograma.
    • Ecocardiograma.
    • Punção lombar.

    Exames de imagem

    De acordo com os especialistas da Mayo Clinic, alguns exames de imagem podem ser necessários para se chegar a um diagnóstico de enxaqueca. Os mais comuns são a ressonância magnética e a tomografia computadorizada.

    Tomografia computadorizada (TC) do cérebro

    O diagnóstico de enxaqueca inclui a realização de exames de imagem
    Em muitos casos, os estudos de imagem podem identificar os gatilhos da enxaqueca. Por exemplo, alguns tumores.

    A tomografia computadorizada do cérebro é um dos exames mais necessários para chegar ao diagnóstico da enxaqueca. Ajuda a detectar tumores, infecções e outros problemas médicos que podem estar por trás da dor de cabeça.

    Como indica um artigo publicado na revista Anales de Radiología México: “sua principal utilidade consiste em excluir a presença de alterações estruturais como causa secundária de cefaléia”.

    Imagem de ressonância magnética do cérebro (MRI)

    A imagem de ressonância magnética do cérebro ou ressonância magnética “permite obter uma imagem do interior do corpo sem o uso de raios X ou outras radiações ionizantes. A ressonância magnética pode mostrar pequenos detalhes de diferentes tecidos “, segundo os especialistas do Medline Plus.

    Por meio desse exame é possível detectar tumores, hemorragias cerebrais, infecções e outras condições do sistema nervoso que podem explicar algumas causas da enxaqueca.

    Outros exames que o médico pode pedir são uma angiografia ou tomografia computadorizada ou ressonância magnética da coluna cervical.

    Diagnóstico diferencial

    “Embora os neurologistas tenham cinco vezes mais probabilidade de diagnosticar corretamente uma enxaqueca do que os clínicos gerais, muitos consideram o diagnóstico de cefaléia tensional primeiro “, expõe uma atualização recente sobre o tópico.

    O diagnóstico da enxaqueca não é fácil, portanto, é necessário ter paciência durante o processo. No entanto, a ciência não para de trabalhar para melhorar essa situação. Hoje, a International Headache Society disponibiliza vários guias para especialistas para facilitar o diagnóstico.

    Pode interessar a você...
    Os 5 anti-inflamatórios mais usados
    Muy SaludLeia em Muy Salud
    Os 5 anti-inflamatórios mais usados

    Descubra quais são os anti-inflamatórios mais usados no mundo, muitos deles essenciais para algumas doenças crônicas.