Como a acne é diagnosticada?

Diagnosticar a acne é muito simples e qualquer pessoa pode fazê-lo apenas olhando para as espinhas e cravos. Porém, é sempre aconselhável procurar atendimento médico especializado para confirmar o diagnóstico feito.
Como a acne é diagnosticada?

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 27 Maio, 2021

Última atualização: 31 Maio, 2021

Acne é uma doença da pele caracterizada pelo aparecimento de comedões e pústulas em regiões como rosto, peito e costas. Esta patologia é um dos motivos mais frequentes de consulta na área da dermatologia. Você quer saber como a acne é diagnosticada? Continue lendo!

A doença em questão pode surgir por diversas causas, estando intimamente relacionada à obstrução dos poros da pele e às variações hormonais. A acne geralmente aparece em áreas visíveis da pele e tem um processo inflamatório característico, tornando-a muito fácil de reconhecer.

Alguns estudos estabelecem que essa patologia pode afetar até 85% dos americanos em algum momento de suas vidas. Nesse sentido, pode-se dizer que é uma das patologias mais fáceis de reconhecer e que a população em geral tende a se autodiagnosticar sem a necessidade de recorrer a um especialista.

Como a acne é diagnosticada?

 a acne
A revisão pelo dermatologista geralmente é suficiente.

A acne é uma das doenças mais comuns, especialmente em adolescentes. Sua alta prevalência a torna uma patologia muito fácil de diagnosticar, mesmo se você não tiver conhecimento médico adequado.

Apesar de uma pessoa poder diagnosticar a doença com precisão, é sempre necessário ir ao dermatologista. Só o especialista poderá fazer um diagnóstico preciso do tipo de acne que você sofre para iniciar o tratamento adequado.

Agora você deve estar se perguntando, como o dermatologista diagnostica a acne? Ele usa o histórico do paciente e realiza uma inspeção precisa das lesões. Ambas as etapas são essenciais quando se trata de diferenciar a acne de alguma outra patologia.

Histórico do paciente e questionário

O histórico do paciente é uma das ferramentas fundamentais de todo médico, na qual se refletem vários dados pessoais do paciente. Esses dados são úteis no diagnóstico de uma doença e no estabelecimento do tratamento a ser seguido para sua resolução.

No caso específico da acne, o médico deve primeiro indagar sobre o aspecto das lesões e das áreas afetadas. Também é importante determinar a presença de qualquer patologia associada à acne, como a síndrome dos ovários policísticos ou o consumo de medicamentos como corticosteróides.

Por outro lado, o especialista deve perguntar se algum parente próximo sofreu de acne em algum momento de sua vida. Isso porque alguns estudos mostraram a relação entre determinados genes e a presença de acne em alguns adolescentes.

Avalição física

A avalição física da acne é um procedimento mais rápido e simples do que obter um histórico médico. Consistirá na inspeção das lesões e das áreas afetadas. É aconselhável que essas lesões não sejam manipuladas manualmente, pois podem gerar maiores danos à pele.

A inspeção ajudará o dermatologista a avaliar a gravidade do processo inflamatório e determinar o estágio da doença. O especialista também deve procurar sinais de outras patologias que possam explicar a presença de acne, como aumento de certos hormônios ou gravidez.

Estudos clínicos

Um dermatologista diagnostica a acne usando apenas as dois passos já descritos. Nesse sentido, a cultura das lesões, análises laboratoriais e estudos de imagem geralmente não são necessários para a inspeção de rotina.

No entanto, existem certas exceções a esta regra geral, e que devemos conhecer. O dermatologista pode indicar a cultura das lesões nos casos em que a acne é muito grave e não melhora com o tratamento usual. Isso com o fim de determinar o agente etiológico e tentar erradicá-lo com um medicamento mais agressivo.

Testes de níveis hormonais no sangue são indicados apenas em pacientes que apresentam sinais de excesso de andrógenos. Além disso, exames de imagem como a tomografia computadorizada só serão indicados quando houver suspeita da presença de um tumor que explique os desequilíbrios hormonais.

Quais são os diagnósticos diferenciais?

Como a acne é diagnosticada e qual a sua diferença com a foliculite
A infecção dos folículos capilares pode, em alguns casos, ser confundida com acne.

Embora a acne seja diagnosticada de forma rápida e fácil, as lesões que a doença apresenta podem ser confundidas com outras patologias. Todas essas condições têm um tratamento diferente, por isso é muito importante aprender a diferenciá-las umas das outras.

Uma das patologias que podem ser confundidas com acne é a rosácea. Ela, causa avermelhamento da pele do rosto com o consequente aparecimento de pápulas e pústulas.

A foliculite pode ser confundida com acne. Ela causa inflamação e infecção de um ou mais folículos capilares. Essa condição é mais comum em homens com pele oleosa e barba espessa. Outras condições com as quais um diagnóstico diferencial deve ser feito incluem o seguinte:

  • Alguns tipos de dermatites.
  • Aumento do tamanho das glândulas sebáceas.
  • Queratose pilar.
  • Erupções alérgicas ou causadas pelo consumo de drogas.

Uma patologia fácil de diagnosticar

Como a acne é uma das patologias mais comuns, milhões de pessoas sabem exatamente como ela é, por isso é diagnosticada rapidamente. Na maioria dos casos, é necessário apenas inspecionar a área afetada para confirmar a presença da doença e o grau dela.

Esta doença pode deixar cicatrizes graves na área afetada, por isso é de vital importância fazer uma consulta com o dermatologista. Só este especialista poderá verificar e indicar o tratamento adequado para acne, e assim evitar consequências estéticas.

Pode interessar a você...
Mascne: o que é e como tratar?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Mascne: o que é e como tratar?

Mascne é o termo usado para descrever as erupções cutâneas causados pelo uso da máscara. Vamos mostrar detalhadamente o que causa esse problema



  • Zhang M, Qureshi AA, Hunter DJ, Han J. A genome-wide association study of severe teenage acne in European Americans. Hum Genet. 2014;133(3):259-64.
  • Pozo Román T. Protocolo del acné. ADOLESCERE: Revista de Formación Continuada de la Sociedad Española de Medicina de la Adolescencia. 2014; 2(3): 30-36.
  • De los Santos C. Diagnóstico y tratamiento del acné. Tendencias en medicina. 2016; 25(49): 95-101.
  • Ramírez Hernández W. Manejo y tratamiento del acné ( bases para el diagnóstico y tratamiento). Revista Médica de Costa Rica y Centroamérica. 2014; 71(609): 107-110.
  • Titus S, Hodge J. Diagnosis and treatment of acne. Am Fam Physician. 2012 Oct 15;86(8):734-40.
  • Eichenfield LF, Krakowski AC, Piggott C, Del Rosso J et al. Evidence-based recommendations for the diagnosis and treatment of pediatric acne. Pediatrics. 2013;131 Suppl 3:S163-86.