Causas e fatores de risco da doença de Lyme

A doença de Lyme é uma patologia transmitida por vetores, e é comum em certas regiões. Felizmente, seus fatores de risco são bem conhecidos, o que torna possível tomar medidas para evitar sua ocorrência.
Causas e fatores de risco da doença de Lyme

Última atualização: 27 dezembro, 2022

Alguns vírus e bactérias são capazes de se reproduzir dentro de insetos e artrópodes que se alimentam de sangue. Dessa forma, eles são capazes de infectar humanos quando o inseto se alimenta deles, causando doenças. Uma das patologias que são transmitidas dessa forma é a doença de Lyme, portanto, suas causas e fatores de risco devem ser conhecidos.

A doença de Lyme é uma infecção causada por um tipo específico de bactéria chamada espiroqueta, que é capaz de afetar certos carrapatos. Estudos mostram que é endêmica na Europa, afetando entre 8 e 27% dos trabalhadores florestais em países como Holanda e Alemanha.

Causas da doença de Lyme

Causas e fatores de risco para a doença de Lyme incluem uma picada de inseto
A infecção começa com a picada de um carrapato que contém o microorganismo causador, que é transmitido aos humanos.

De um modo geral, é uma infecção rara na população em geral, afetando certas pessoas com alto nível de exposição. Felizmente, as causas e os fatores de risco da doença de Lyme estão bem descritos, portanto, medidas apropriadas podem ser tomadas para evitá-la.

A transmissão da doença se dá apenas pela picada de carrapatos contaminados com os germes específicos. Nesse sentido, nenhum caso de transmissão de pessoa para pessoa ou de animal para homem foi descrito. Nem houve relatos de transmissão durante a amamentação, transfusão de sangue ou contato sexual.

Picada de carrapato infectado

Para uma pessoa desenvolver a doença, ela deve ser picada por um carrapato contaminado com uma espiroqueta do gênero Borrelia. Estudos determinam que o agente causal pode variar dependendo da localização geográfica, sendo B. burgdorferi o mais frequente nas Américas, enquanto na Ásia e na Europa também pode ser devido a B. afzelii e B. garinii.

Deve-se notar que nem todo artrópode pode transmitir a doença. Nesse sentido, os carrapatos que funcionam como vetores são principalmente aqueles pertencentes ao gênero Ixodes. As espécies específicas também variam de acordo com a região, nos Estados Unidos é mais frequente I. scapularis, enquanto na Europa é I. ricinus, por exemplo.

Bactérias do gênero Borrelia geralmente infectam certos animais de campo, como camundongos de pés brancos, ovelhas e outros pequenos mamíferos, que funcionam como reservatórios. Isso significa que eles são infectados pela bactéria sem sofrer da doença. Os carrapatos geralmente infectam-se ao se alimentar desses animais, possibilitando sua transmissão ao homem após uma picada.

Picadas de carrapatos podem ser difíceis de notar, permitindo que grudem na pele por tempo suficiente para infectar o hospedeiro. Um carrapato deve se alimentar entre 36 e 48 horas para transmitir a doença. No entanto, os primeiros sintomas, como eritema e febre, podem levar semanas para aparecer.

Fatores de risco para doença de Lyme

Ao conhecer as causas da doença de Lyme, você pode determinar rapidamente seus fatores de risco para a doença. Nesse sentido, pessoas que vivem em regiões próximas à floresta ou no campo têm maior risco de contrair a infecção. Isso porque os reservatórios e vetores da patologia são abundantes nessas áreas.

Por outro lado, a doença é mais comum durante o verão ou nos meses mais quentes do ano, porque as pessoas são mais ativas. Durante esses meses, é comum a prática de atividades ao ar livre, o que predispõe a população a sofrer algumas doenças infecciosas, entre elas a doença de Lyme. Outros fatores de risco que devem ser destacados são os seguintes:

  • Trabalhar ou passar muito tempo em regiões arborizadas ou com vegetação abundante.
  • Ter animais de estimação como cães e gatos.
  • Fazer atividades na floresta.
  • Estar em contato constante com animais que podem servir de reservatório.
  • Ter a pele muito exposta ao ar livre.
  • Não remover corretamente os carrapatos do corpo.

Quando ver o médico?

As causas e fatores de risco da doença de Lyme dependem de cada pessoa
Existem muitos sintomas que podem motivar uma consulta médica. Na verdade, aqueles com maiores fatores de risco devem comparecer mais rapidamente.

Nem todas as picadas de carrapato transmitem a doença de Lyme. Nesse sentido, só será necessário consultar o médico quando ocorrerem sintomas anormais após a picada de um carrapato. Os primeiros sintomas podem desaparecer por conta própria após alguns dias, no entanto, isso não significa que a doença tenha desaparecido.

O tratamento da infecção é muito mais eficaz se começar durante o estágio inicial localizado da doença, portanto, um diagnóstico precoce é essencial. Quando não tratada, a doença pode levar a certas complicações, como artrite, condições neurológicas e até mesmo aumentar o risco de fibromialgia.

A prevenção é essencial

As medidas de prevenção da doença de Lyme consistem em eliminar as causas e fatores de risco existentes. Você pode evitar ter a pele muito exposta e usar repelente de insetos para reduzir o risco de infecção.

Em caso de picada, o mais importante é retirar o carrapato corretamente o mais rápido possível, sem esmagá-lo e evitando deixar qualquer parte grudada na pele. Felizmente, o tratamento da doença é eficaz, exigindo apenas o uso de certos antibióticos, como a doxiciclina ou a amoxicilina.

Pode interessar a você...
As 15 fobias mais comuns
Muy Salud
Leia em Muy Salud
As 15 fobias mais comuns

As fobias são descritas como um medo irracional e patológico. Descubra as 15 fobias mais comuns, suas características e causas.



  • García Meléndez M, Skinner Taylor C, Salas Alanís J, Ocampo Candiani J. Enfermedad de Lyme: actualizaciones. Gaceta Médica de México. 2014;150:84-95.
  • Chomel B. Lyme disease. Rev Sci Tech. 2015;34(2):569-76.
  • Ross Russell A, Dryden M, Pinto A, Lovett J. Lyme disease: diagnosis and management. Pract Neurol. 2018;18(6):455-464.
  • Mead PS. Epidemiology of Lyme disease. Infect Dis Clin North Am. 2015;29(2):187-210.
  • Carriveau A, Poole H, Thomas A. Lyme Disease. Nurs Clin North Am. 2019;54(2):261-275.
  • Schoen RT. Lyme disease: diagnosis and treatment. Curr Opin Rheumatol. 2020;32(3):247-254.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.