Sistema imunológico: características e funções

O sistema imunológico é composto por dois tipos de resposta básica: a inata e a adaptativa. Ambas estão intimamente relacionadas e compartilham até mesmo os tipos de células.
Sistema imunológico: características e funções
Samuel Antonio Sánchez Amador

Escrito e verificado por el biólogo Samuel Antonio Sánchez Amador.

Última atualização: 26 Março, 2021

A vida dos seres vivos é uma guerra contínua contra os microrganismos patogênicos. Por exemplo, os humanos são um terreno fértil perfeito para doenças e patologias contagiosas, uma vez que vivemos em núcleos populacionais aglutinados onde vírus e bactérias poderiam existir livremente se não fosse pelos medicamentos e pelo sistema imunológico.

Não estamos apenas em terreno conjectural, pois, de acordo com o Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME), 95% da população humana apresenta alguma doença em algum momento e lugar. O corpo é um verdadeiro bastião de complexidade, o que o torna muito atraente para vírus e bactérias.

Felizmente, os seres vivos possuem um sistema imunológico tanto inato quanto adaptativo que nos permite combater as infecções, antes e durante o seu desenvolvimento. Se você deseja conhecer todas as peculiaridades e corpos celulares envolvidos neste mecanismo biológico (quase) perfeito, continue lendo.

O que é o sistema imunológico?

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, o sistema imunológico pode ser definido como uma rede de células, tecidos e órgãos (e as substâncias que eles produzem) que ajudam o corpo a combater infecções e outras doenças. É necessário destacar esta última distinção porque, às vezes, as ameaças vêm de dentro.

Quando pensamos nesse conjunto de barreiras tanto físicas quanto celulares, vêm à nossa mente as infecções por vírus, bactérias, protozoários e parasitas mais complexos (como os nematoides), mas nem sempre é assim. Às vezes, o sistema imunológico responde a uma substância química tóxica, ou até mesmo a uma célula cancerosa interna, fagocitando-a.

Assim, postula-se que o sistema imunológico existe como uma resposta evolutiva à agressão tanto endógena quanto exógena. Suas funções são a defesa contra patógenos e a imunovigilância diante de falhas em processos internos, tais como tumores, doenças autoimunes ou alergias.

Componentes do sistema imunológico

Conforme indicado por uma publicação da Revista Médica Clínica las Condes, do ponto de vista fisiológico e funcional, o sistema imunológico se divide em duas variantes. Isso não é totalmente correto na prática por dois motivos:

  1. O sistema imunológico inato ativa o sistema adquirido em resposta a infecções. Por exemplo, as células Natural Killer (NK) da parte inata apresentam os antígenos do patógeno aos linfócitos, ativando-os.
  2. O sistema imunológico adquirido usa os mecanismos efetores do sistema inato para eliminar microrganismos patogênicos.

Portanto, estamos diante de dois mecanismos intimamente relacionados, que foram separados para fins informativos. Manteremos essa distinção imaginária nas linhas a seguir, mas não se esqueça de que estamos diante dos dois lados da mesma moeda do ponto de vista fisiológico e funcional. Onde há diferenças, pontes são construídas.

O sistema imunológico é composto por células e substâncias solúveis.
Existem muitos tipos de linfócitos, que são uma parte fundamental da imunidade celular.

Sistema imunológico inato

O sistema imunológico inato (SII) é a primeira barreira fisiológica que os microrganismos devem superar se quiserem se reproduzir dentro do corpo. Geralmente pensamos em corpos celulares como macrófagos ou células Natural Killer (NK) neste caso, mas, na verdade, existem muitos outros mecanismos.

Dentro do sistema imunológico (tanto inato quanto específico), existem dois tipos de glóbulos brancos, conforme indicado pelo portal especializado em saúde Radys Children. São os seguintes:

  1. Fagócitos: células que destroem microrganismos invasores. Monócitos, macrófagos, neutrófilos, células dendríticas e mastócitos se enquadram nesta categoria.
  2. Linfócitos: células que permitem que o corpo se lembre de invasores anteriores para eliminá-los de forma mais rápida e eficaz. Os linfócitos B e T se enquadram nesta categoria.

A seguir, vamos mostrar os mecanismos gerais através dos quais o sistema imunológico inato impede a entrada de anticorpos no corpo ou, na sua falta, evita a sua multiplicação descontrolada.

Barreiras físicas

Você sabia que a saliva, a pele, as mucosas e o suor são considerados parte do sistema imunológico inato? Por exemplo, os fluidos biológicos secretados por certos epitélios, tais como saliva, muco ou urina, apresentam defensinas, peptídeos antimicrobianos que impedem a proliferação de certos microrganismos nas superfícies corporais.

Outros fatores, como o pH ácido no estômago e o pH neutro na superfície vaginal e na pele também são mecanismos químicos que reduzem as chances de crescimento de patógenos. Essas barreiras, tanto físicas (fluxo de ar e barreiras celulares, por exemplo) quanto químicas são inerentes aos seres humanos, mas são os primeiros impedimentos para vírus e bactérias.

Células especializadas

Conforme indicado pela British Society for Immunology, algumas das células especializadas do sistema imunológico inato são as mais comuns na corrente sanguínea humana. É o caso dos neutrófilos, que respondem por 62% do total de leucócitos circulantes, com a função de serem os primeiros a responder diante de uma infecção microbiana.

Os neutrófilos são responsáveis por fagocitar os patógenos de forma inespecífica, sendo encontrados em grande quantidade no pus. Outros exemplos celulares do sistema imunológico inato são os macrófagos e as células Natural Killer (NK), que são glóbulos brancos que destroem o microrganismo patogênico.

Sistema imunológico adaptativo

De acordo com o NIH, a imunidade adaptativa é o tipo de resposta que ocorre quando o sistema imunológico de uma pessoa responde a uma substância estranha, como um vírus ou bactéria, de maneira específica.

Ou seja, esse mecanismo é especializado em detectar diferentes moléculas do germe (antígeno) e melhorar a capacidade de defesa com exposições sucessivas a ele.

Os linfócitos (B e T) e os anticorpos desempenham um papel essencial na imunidade adaptativa. A imunidade adaptativa diante de um antígeno pode durar semanas, meses ou até mesmo por toda a vida do indivíduo. Este tipo de resposta é caracterizado por certos dogmas:

  1. Especificidade: o sistema imunológico adaptativo reconhece diferentes tipos de antígenos e responde a eles de forma específica.
  2. Diversidade: também responde a um grande número de antígenos expressos por microrganismos diversos.
  3. Memória: amplifica a intensidade e a eficácia das respostas imunológicas diante de sucessivas exposições ao mesmo antígeno já combatido. As vacinas, essenciais para evitar surtos epidemiológicos, baseiam-se nessa premissa.
  4. Especialização: gera respostas ideais com base no microrganismo que deve ser combatido.
  5. Ausência de reatividade a si mesmo: evita lesões no próprio hospedeiro ao responder a antígenos estranhos. Os autoantígenos se apresentam nas membranas das nossas células e sinalizam aos corpos imunológicos para não atacá-los. Às vezes, esses mecanismos podem falhar.

Vamos descrever brevemente as peculiaridades dos leucócitos especializados no sistema adaptativo nas linhas a seguir.

Os anticorpos são uma parte fundamental do sistema imunológico.
Os anticorpos, depois de serem produzidos pelas células plasmáticas, ligam-se aos microrganismos patogênicos e promovem a sua eliminação.

Linfócitos B

Os linfócitos B são um tipo de glóbulo branco que produz anticorpos. Eles são formados a partir de células-mãe da medula óssea e também são conhecidos como células do tipo B.

De acordo com a Clínica Universidade de Navarra, são os únicos tipos de células capazes de produzir e liberar anticorpos na corrente sanguínea. Devido à importância intrínseca desse processo, estima-se que os linfócitos B representem até 30% dos leucócitos circulantes no sangue de um indivíduo adulto.

Os linfócitos B são a base da resposta imune humoral. Quando antígenos (substâncias apresentadas pelo patógeno que suscitam uma resposta imune) interagem com uma pequena população de linfócitos B, eles se proliferam, levando à expansão do clone.

Depois disso, eles se diferenciam em plasmócitos capazes de produzir anticorpos específicos contra o referido antígeno.

Os linfócitos B também se diferenciam em células de memória, que se lembram do agente infeccioso e respondem a ele de forma efetiva em infecções posteriores. Esta é a base do processo de vacinação.

Linfócitos T

Os linfócitos T também são leucócitos que se formam na medula óssea e ajudam o organismo a combater infecções e fenômenos nocivos, como o câncer. São combatentes diretos e também produtores de citocinas, substâncias biológicas que ajudam a ativar outros componentes do sistema imunológico, um dos quais são os macrófagos.

As células T são classificadas em dois tipos de acordo com os seus marcadores de superfície: T CD4+ T e CD8+. Em geral, pode-se dizer que esse tipo de célula ajuda outros elementos do sistema imunológico a se ativar e agir contra o antígeno relevante. Não vamos nos deter mais nisso, mas lembre-se de que estas são células muito complexas.

Anticorpos

Nomeamos esse elemento biológico várias vezes, portanto, não podemos terminar sem descrevê-lo brevemente. Conforme indicado por documentos profissionais, os anticorpos e imunoglobulinas são definidos como produtos dos linfócitos B capazes de se ligar especificamente a um fragmento do antígeno.

Os antígenos são qualquer substância reconhecida como estranha ou perigosa pelo sistema imunológico. Além disso, se o antígeno em questão for capaz de produzir uma resposta imune específica, ele é considerado um imunógeno.

Embora o sistema imunológico devesse reconhecer apenas substâncias estranhas, às vezes esse mecanismo de proteção pode falhar, levando a reações autoimunes.

Os anticorpos ou imunoglobulinas são glicoproteínas capazes de se ligar ao seu antígeno específico em sua porção variável, enquanto a porção invariável representa o ponto de união de outros corpos celulares imunitários. Para que se tenha uma ideia geral, os anticorpos patrulham o sangue e se ligam aos patógenos, sinalizando para outras células onde atacar.

Em geral, as funções dos anticorpos podem ser resumidas nos seguintes pontos:

  1. Neutralizam toxinas, ou seja, substâncias patogênicas para o indivíduo, que são fabricadas por diferentes organismos.
  2. Ativam um grupo de proteínas chamadas complemento, que também fazem parte do sistema imunológico. Isso é chamado de sistema complemento.
  3. Ativam corpos celulares que eliminam o patógeno, tais como macrófagos ou mastócitos.

Existem vários tipos de anticorpos ou imunoglobulinas: IgA, IgG, IgM, etc. Às vezes, os próprios anticorpos podem reconhecer tecidos ou células corporais inofensivas como substâncias nocivas, causando assim as doenças autoimunes.

Resumo: a importância do sistema imunológico

Percorremos o sistema imunológico de forma rápida e superficial, mas deixamos de abordar muitos termos específicos. Se quisermos que você tenha uma ideia, trata-se da seguinte: o sistema imunológico inato e o sistema imunológico adquirido atuam em conjunto para combater infecções externas e falhas internas prejudiciais ao hospedeiro.

Infelizmente, às vezes, o sistema imunológico pode falhar. Existem patologias (como a trombocitopenia imune), em que os anticorpos sinalizam erroneamente células benéficas para o organismo (neste caso, as plaquetas), marcando-as e favorecendo a sua eliminação.

Essas doenças autoimunes podem ser graves a longo prazo e prejudiciais para o indivíduo.

Assim como toda máquina intrincada e mecanismo biológico, o sistema imunológico não está livre de erros. O importante é que, na maioria das vezes, ele age a nosso favor e nos protege diante de danos externos e internos. Sem ela, a vida como a conhecemos atualmente seria impossível, principalmente com os padrões de saúde a que estamos acostumados.

Pode interessar a você...
Deficiência de vitamina B12: quais são as suas consequências?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Deficiência de vitamina B12: quais são as suas consequências?

A deficiência de vitamina B12 pode condicionar negativamente o estado de saúde, pois pode gerar patologias, como a anemia.