Teste ergométrico: em que consiste?

Os sintomas de muitas doenças cardiovasculares geralmente não aparecem durante o repouso. Por isso, os exames que estudam o coração durante a atividade física, como o teste ergométrico, são muito úteis para o seu diagnóstico.
Teste ergométrico: em que consiste?

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 29 Abril, 2021

Última atualização: 29 Abril, 2021

O coração é um dos órgãos mais importantes do corpo humano, pois é responsável pela distribuição do sangue oxigenado para manter a vitalidade dos tecidos. Atualmente, existem vários exames para verificar o seu funcionamento, tanto em repouso quanto durante o exercício. Um desses exames é o teste ergométrico; mas, em que ele consiste?

O fornecimento de sangue a todo o músculo cardíaco é feito por 2 artérias de grande calibre chamadas de artérias coronárias. Essas artérias de distribuem ao longo de todo o órgão e transportam o sangue oxigenado para todas as fibras musculares.

Quando há uma obstrução parcial das artérias coronárias, o coração consegue funcionar bem em estado de repouso. No entanto, ele pode falhar quando a demanda por sangue aumenta em certas situações, como os exercícios.

O que é um teste ergométrico?

O teste ergométrico é amplamente utilizado.
O teste ergométrico é usado para diagnosticar várias condições cardiovasculares.

Uma maneira fácil de definir este exame é como o estudo da atividade cardíaca durante o exercício. O teste ergométrico é um teste de resistência física ao qual as pessoas são submetidas para determinar o funcionamento do coração em grandes esforços.

Este teste pode ser feito tanto com exercícios físicos quanto com medicamentos. O objetivo final é aumentar a frequência cardíaca em 85% a mais do que os valores normais recomendados para a idade. Outro objetivo do teste é causar o aparecimento de sintomas de doenças cardiovasculares, como as dores no peito.

Os sintomas de algumas das doenças cardíacas mais comuns aparecem apenas quando o coração trabalha em velocidades muito altas. Portanto, diversos estudos confirmam a utilidade do teste ergométrico no diagnóstico de patologias cardíacas e na classificação dos pacientes que chegam ao pronto-socorro com sintomas dessa natureza.

Para que é utilizado?

Na maioria dos casos, esse exame é usado como um estudo diagnóstico e prognóstico para muitas doenças cardiovasculares. Pacientes com essas condições podem não apresentar alterações significativas no eletrocardiograma (EKG) ou apresentar sintomas anormais durante o repouso.

Quando o coração bate mais rápido, a demanda de sangue por parte do músculo cardíaco aumenta e, portanto, o suprimento de sangue pode ser insuficiente. A irrigação insuficiente é a principal causa de alguns sintomas, como a angina de peito. Nesse sentido, o teste ergométrico pode ser utilizado nas seguintes condições:

  • Diagnóstico de doença arterial coronariana.
  • Estudo de certos tipos de arritmias.
  • Estratificação de pacientes com doença arterial coronariana.
  • Monitoramento das pessoas com patologias cardíacas.

Por outro lado, alguns estudos estabelecem que esse teste também pode ser utilizado para fazer medições fisiológicas. Desta forma, os atletas são submetidos a ele para determinar o seu nível de condição física e como parte do controle do treinamento.

Como é feito um teste ergométrico?

Este é um teste simples que geralmente leva cerca de 60 minutos. Em primeiro lugar, o especialista colocará alguns eletrodos no seu peito, braços e pernas, que serão conectados a um dispositivo chamado eletrocardiógrafo e vão rastrear a atividade elétrica do seu coração.

Também é possível colocar um dispositivo no braço para monitorar a pressão arterial durante o teste. Antes de começar, é preciso registrar a pressão arterial e fazer um eletrocardiograma de controle. Então, o médico vai instruir o paciente a subir em uma esteira ou bicicleta ergométrica.

No início, a caminhada ou pedalada será leve; porém, a velocidade, inclinação e resistência devem aumentar para que o esforço realizado seja maior. O ajuste das variáveis citadas deve ser feito a cada 2 ou 3 minutos até que a frequência cardíaca estabelecida pelo médico seja atingida ou até o início dos sintomas.

Uma vez que o teste for finalizado, a equipe médica deverá monitorar o paciente durante 10-15 minutos ou até que a frequência cardíaca volte ao normal. Os especialistas devem estar muito atentos a qualquer alteração da pressão arterial ou do eletrocardiograma, pois isso geralmente é um indicativo da presença de alguma patologia.

O teste ergométrico também pode ser realizado com a administração de medicamentos como dipiridamol ou adenosina. Esta opção é reservada para aqueles pacientes que não conseguem andar na esteira por tempo suficiente por causa de outras condições, como a obesidade.

Como se preparar para este teste?

Felizmente, as pessoas não precisam de uma preparação extensa para um teste ergométrico. Uma das recomendações gerais que devem ser seguidas é o uso de roupas soltas e calçados confortáveis para facilitar a execução dos exercícios correspondentes.

Além disso, também é aconselhável aparar os pelos nas áreas onde serão colocados os eletrodos para que haja um melhor contato com a pele. Caso contrário, podem ocorrer medidas inespecíficas e o aparecimento de imagens errôneas no eletrocardiograma, chamadas de artefatos.

Por outro lado, recomenda-se não ingerir nenhum tipo de alimento nas 4 horas anteriores à avaliação, pois podem surgir vômitos ou náuseas não relacionados a um quadro cardiovascular. Alimentos com cafeína também devem ser evitados, pois eles aumentam a frequência cardíaca e a pressão arterial.

Quais são as suas contraindicações?

O teste ergométrico não pode ser feito por alguns pacientes.
O histórico recente de infarto do miocárdio é uma contraindicação para a realização deste exame.

De um modo geral, este é um teste muito seguro. Suas complicações são o infarto e a morte súbita, que são muito raros e aparecem em 1 de cada 5.000 pacientes avaliados, de acordo com o manual MSD. No entanto, o teste ergométrico apresenta uma série de contraindicações, entre as quais se destacam:

  • Infarto agudo do miocárdio nas últimas 48 horas.
  • Estenose aórtica sintomática.
  • Insuficiência cardíaca descompensada.
  • Episódios agudos de miocardite, pericardite, dissecção aórtica ou embolia pulmonar.

Um teste seguro e confiável

O teste ergométrico é uma ferramenta muito útil para o diagnóstico de doenças cardíacas relacionadas às artérias coronárias. Porém, também é um instrumento utilizado para determinar o estado físico de atletas e verificar o progresso no seu treinamento.

Este exame aumenta a frequência cardíaca em quantidades consideráveis; portanto, ele sempre deve ser realizado por profissionais da saúde qualificados. As complicações deste teste não devem ser esquecidas apesar de serem raras, por isso é recomendável consultar um médico de confiança diante de qualquer dúvida.

Pode interessar a você...
O que é a síndrome do coração partido?
Muy Salud
Leia em Muy Salud
O que é a síndrome do coração partido?

A síndrome do coração partido é um evento cardiovascular geralmente desencadeado por situações muito estressantes. Continue lendo!



  • Sanchis J, Bodí V, Llácer Á, Núñez J, Antonio Ferrero J, Chorro F. Valor de la prueba de esfuerzo precoz en un protocolo de unidad de dolor torácico. Revista Española de Cardiología. 2002;55(10):1089-1092.
  • Arós F, Boraita A, Alegría E, Alonso Á, Bardají A, Lamiel R et al. Guías de práctica clínica de la Sociedad Española de Cardiología en pruebas de esfuerzo. Revista Española de Cardiología. 2000;53(8):1063-1094.
  • Calderón Montero F, Benito Peinado P, García Zapico A. Aplicación práctica de las pruebas de esfuerzo. Instituto Nacional de Educación física Madrid. 2002; 11 (4): 202-209.
  • Casajús, J.A., Piedrafita, E., Aragonés, M.T, Criterios de maximalidad en pruebas de esfuerzo. Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y del Deporte. 2009;9(35):217-231.
  • Garner KK, Pomeroy W, Arnold JJ. Exercise Stress Testing: Indications and Common Questions. Am Fam Physician. 2017;96(5):293-299.
  • Daniels KJ. Cardiac stress testing review for the primary care provider. Nurse Pract. 2019;44(6):48-55.