Alimentos orgânicos: características e benefícios

Os pesticidas podem causar danos renais e hepáticos a médio prazo. Por isso, os alimentos orgânicos são uma boa alternativa, pois garantem que não contêm esses elementos.
Alimentos orgânicos: características e benefícios
Saúl Sánchez

Escrito e verificado por el nutricionista Saúl Sánchez em 20 Abril, 2021.

Última atualização: 20 Abril, 2021

A demanda por alimentos orgânicos vem aumentando nos últimos anos. Eles têm a vantagem de não utilizar agrotóxicos ou produtos que alterem o seu valor nutricional, o que gera um impacto positivo sobre o próprio produto.

No entanto, cabe observar que esse tipo de alimento é mais caro do que os seus equivalentes não certificados. Portanto, nem todos podem ter acesso a eles. Além disso, é preciso considerar que a produção é menor, uma vez que surgem algumas dificuldades a este respeito, tais como pragas ou intempéries.

Características dos alimentos orgânicos

Conforme mencionamos, os produtos orgânicos são todos aqueles produtos agrícolas que são cultivados sem o uso de pesticidas ou fertilizantes artificiais. Para obter esta certificação, eles precisam passar por uma série de análises rigorosas em termos de composição e método de produção e cultivo, o que os distingue claramente dos seus concorrentes.

Além disso, este tipo de alimento não pode provir, de forma alguma, de variedades de sementes ou plantas transgênicas. Portanto, garante-se que eles tenham um caráter natural em comparação com outros produtos industrializados que são obtidos através de métodos de produção extensiva onde prevalece a quantidade de alimentos gerados, não os processos utilizados para isso.

Para a fermentação de plantas que geram alimentos transgênicos, utiliza-se um composto natural formado por fermentos de animais e restos de outras plantas.

Além disso, esses produtos comestíveis geralmente são encontrados em recipientes ou embalagens também ecológicas, o que reduz o impacto do ser humano no planeta, bem como as emissões de CO2 para a sua fabricação.

Benefícios dos alimentos orgânicos

A comida orgânica é variada.
A variedade de alimentos orgânicos é enorme!

O consumo de alimentos orgânicos apresenta uma série de benefícios em relação aos seus congêneres sem certificação.

Menor ingestão de pesticidas

Apesar dos estudos contraditórios a esse respeito, muitos especialistas afirmam que a ingestão regular de pesticidas pode ser prejudicial à saúde. Alguns deles mostraram algum poder no aumento do risco de desenvolver câncer. Assim afirma um ensaio publicado na revista Cancer Causes & Control.

O fígado é um órgão muito sensível à ingestão desses compostos, pois é o responsável pela sua a desintoxicação. Por esse motivo, a sua demanda de trabalho aumenta quando são consumidos alimentos que os contenham, o que pode levar ao aparecimento de ineficiências funcionais.

Também é possível encontrar artigos científicos, como o publicado na revista Environmental Health, que afirmam que a exposição regular a agrotóxicos pode causar problemas renais. De fato, vários são os autores que relacionam essas substâncias ao desenvolvimento de insuficiência, tudo isso a médio prazo.

Embora nem todos os pesticidas sejam igualmente agressivos, está claro que eles são prejudiciais à saúde, pelo menos em termos gerais. Muitos deles são de natureza solúvel em água e, portanto, lavar os alimentos antes do consumo geralmente elimina boa parte deles.

No entanto, a remoção de elementos lipossolúveis não é tão fácil. Nestes casos, sempre há uma ingestão maior.

Menor pegada ambiental

Um dos problemas das plantações massivas e extensivas é o fato de serem pouco respeitosas com o meio ambiente. Aerossóis, pesticidas e métodos utilizados para a produção aumentam o buraco na camada de ozônio, o que contribui progressivamente para o desenvolvimento das mudanças climáticas.

Nesse sentido, optar pelos métodos de cultivo tradicionais e orgânicos representa um grande alívio para a saúde do planeta. Porém, há uma limitação importante: por meio de práticas respeitosas seria impossível alimentar toda a população.

Isso ocorre porque os métodos agrícolas tradicionais geram uma menor produção, além de serem mais sensíveis às intempéries e estarem mais expostos a pragas.

O resultado de tudo o que foi discutido é que muitas safras precisam ser descartadas, desperdiçando muito tempo e esforço.

Por outro lado, o resultado obtido não tem uma aparência tão magnífica quanto a dos alimentos não oriundos de lavouras orgânicas, que geralmente apresentam modificações genéticas em suas sementes para adequar o produto final às preferências do consumidor em termos de aparência.

No entanto, o sabor dos alimentos orgânicos é muito mais intenso e natural do que o dos seus equivalentes. Embora a sua cor possa deixar bastante a desejar, de geralmente apresentarem imperfeições no seu exterior e de que a sua aparência nem sempre seja das mais apetitosas, eles são superiores em termos de aroma e sabor. Nesse quesito, eles não têm rivais.

O valor nutricional dos alimentos orgânicos é semelhante ao dos seus equivalentes

Apesar das vantagens apontadas, cabe destacar que o valor nutricional dos alimentos orgânicos é idêntico ao dos vegetais geneticamente modificadas ou cultivados com agrotóxicos.

Porém, a sua ingestão é totalmente recomendada por causa da presença de fitonutrientes no seu interior. É importante lembrar que esses elementos têm se mostrado capazes de auxiliar na prevenção do desenvolvimento de doenças crônicas.

Além disso, esses alimentos também possuem vitaminas e minerais essenciais na sua composição, para garantir um bom estado de saúde. Alguns desses elementos, como a vitamina C, são capazes de promover a síntese endógena de colágeno. Além disso, ela também apresenta um poder de ativação do sistema imunológico, conforme evidenciado por um estudo publicado na revista Nutrients.

No entanto, é verdade que certas variedades transgênicas de alimentos de origem vegetal podem conter uma concentração maior de alguns elementos, tais como fibras e macronutrientes.

Nos vegetais, entretanto, essa diferença não é tão significativa como no caso dos produtos de origem animal. O salmão transgênico, por exemplo, tem 25% mais proteína do que as variedades orgânicas e tradicionais.

O crescente mercado de alimentos orgânicos

Os alimentos orgânicos são fáceis de comprar.
Um lado positivo dos alimentos orgânicos é que eles são facilmente acessíveis.

A verdade é que, nos últimos anos, houve um crescimento exponencial do mercado de produtos orgânicos. Isso ocorre por causa da crescente preocupação das pessoas com a saúde.

Muitas delas estão começando a se dar conta dos efeitos dos agrotóxicos e outros poluentes no corpo humano e, por isso, procuram reduzir o seu consumo.

Além disso, os alimentos orgânicos também não contêm aditivos. Esses elementos, embora na sua maioria inócuos, podem levar a problemas de saúde a médio prazo.

Alguns deles, como os adoçantes artificiais, são capazes de impactar negativamente a biodiversidade da microbiota intestinal. Assim afirma um estudo publicado na revista Nutrients.

Por outro lado, é possível encontrar alguns conservantes que têm o poder de aumentar o risco de câncer.

De acordo com uma pesquisa publicada na revista Nutrients em 2019, os nitritos adicionados aos produtos cárneos são capazes de aumentar a incidência de câncer de cólon e, por isso, são considerados perigosos, embora o seu uso não seja limitado.

Os alimentos orgânicos são livres de todos eles, então o risco de problemas crônicos derivados da sua ingestão é reduzido.

Orgânico nem sempre significa saudável

Embora os alimentos orgânicos tenham uma série de vantagens e benefícios, eles nem sempre podem ser considerados produtos saudáveis. Por exemplo, um produto elaborado a partir de elementos de origem vegetal, cultivados através de métodos tradicionais, porém misturados com uma grande quantidade de açúcar de mesa, pode levar o rótulo de alimento orgânico.

No entanto, essa combinação não pode ser considerada benéfica para o corpo de forma alguma. Portanto, o mais recomendável é não confiar totalmente nas alegações nutricionais que aparecem nos rótulos.

É sempre aconselhável procurar a parte do rótulo onde são listados os ingredientes que compõem o produto, juntamente com o seu valor nutricional.

Por meio das informações coletadas em ambos os documentos, é possível categorizar um alimento como bom ou ruim. A partir de então, é possível decidir se ele pode ser introduzido na dieta de forma pontual ou se deve ser consumido regularmente porque contém nutrientes necessários para o corpo.

O medo irracional dos transgênicos

Antes de concluir, é necessário fazer uma menção especial aos produtos transgênicos. Embora, via de regra, geralmente seja preferível o consumo de alimentos orgânicos, os transgênicos também não devem ser descartados automaticamente, uma vez que não são nocivos.

As modificações a que são submetidos geram uma maior facilidade de cultivo, ou alguma alteração positiva no seu valor nutricional ou nas suas características organolépticas. Mas, de qualquer forma, o fato de terem sofrido uma modificação do genoma não significa que eles sejam prejudiciais à saúde.

De fato, a engenharia de alimentos é uma ciência que avançou muito nos últimos anos. A maioria dos produtos que consumimos atualmente passou por algum processo de modificação genética e nem por isso tem um impacto negativo na saúde.

A expectativa é que, nos próximos anos, a ciência continue avançando para oferecer alimentos cada vez mais saudáveis e fáceis de cultivar ou produzir.

Alimentos orgânicos, alimentos livres de pesticidas

Uma das principais vantagens dos alimentos orgânicos é que eles não contêm agrotóxicos, conforme já mencionamos. Esta é uma boa notícia em termos de saúde. Além disso, eles geralmente respeitam o meio ambiente. Tendo em vista o futuro incerto que aguarda o planeta com o atual índice de exploração, este é um dado que deve ser considerado.

De qualquer forma, não é preciso ter um medo irracional dos produtos transgênicos ou daqueles que não foram cultivados por meio de métodos orgânicos. O fato de conterem pesticidas geralmente não é positivo, mas o fato de terem sido geneticamente modificados para oferecer vantagens não é uma má notícia de forma alguma.

Pode interessar a você...
O que é o prato de Harvard?
Muy SaludLeia em Muy Salud
O que é o prato de Harvard?

O prato de Harvard é um modelo alimentar que tem como objetivo melhorar os hábitos alimentares. A seguir, mais detalhes



  • VoPham T, Bertrand KA, Hart JE, Laden F, Brooks MM, Yuan JM, Talbott EO, Ruddell D, Chang CH, Weissfeld JL. Pesticide exposure and liver cancer: a review. Cancer Causes Control. 2017 Mar;28(3):177-190. doi: 10.1007/s10552-017-0854-6. Epub 2017 Feb 13. PMID: 28194594; PMCID: PMC5336347.
  • Valcke M, Levasseur ME, Soares da Silva A, Wesseling C. Pesticide exposures and chronic kidney disease of unknown etiology: an epidemiologic review. Environ Health. 2017 May 23;16(1):49. doi: 10.1186/s12940-017-0254-0. Erratum in: Environ Health. 2017 Jun 20;16(1):67. PMID: 28535811; PMCID: PMC5442867.
  • Barbieri R, Coppo E, Marchese A, Daglia M, Sobarzo-Sánchez E, Nabavi SF, Nabavi SM. Phytochemicals for human disease: An update on plant-derived compounds antibacterial activity. Microbiol Res. 2017 Mar;196:44-68. doi: 10.1016/j.micres.2016.12.003. Epub 2016 Dec 19. PMID: 28164790.
  • Carr AC, Maggini S. Vitamin C and Immune Function. Nutrients. 2017 Nov 3;9(11):1211. doi: 10.3390/nu9111211. PMID: 29099763; PMCID: PMC5707683.
  • Crowe W, Elliott CT, Green BD. A Review of the In Vivo Evidence Investigating the Role of Nitrite Exposure from Processed Meat Consumption in the Development of Colorectal Cancer. Nutrients. 2019 Nov 5;11(11):2673. doi: 10.3390/nu11112673. PMID: 31694233; PMCID: PMC6893523.
  • Plaza-Diaz J, Pastor-Villaescusa B, Rueda-Robles A, Abadia-Molina F, Ruiz-Ojeda FJ. Plausible Biological Interactions of Low- and Non-Calorie Sweeteners with the Intestinal Microbiota: An Update of Recent Studies. Nutrients. 2020 Apr 21;12(4):1153. doi: 10.3390/nu12041153. PMID: 32326137; PMCID: PMC7231174.