Acrilamida: o que é e por que evitá-la?

A fritura de alimentos com alto teor de carboidratos consegue gerar a acrilamida, um elemento tóxico que aumenta o risco de desenvolver câncer.
Acrilamida: o que é e por que evitá-la?
Saúl Sánchez

Escrito e verificado por el nutricionista Saúl Sánchez em 27 Abril, 2021.

Última atualização: 27 Abril, 2021

A acrilamida é um composto tóxico presente em vários produtos que pode causar problemas à saúde humana. Ser exposto a este composto de forma pontual não gera muitos perigos; no entanto, a sua ingestão regular pode aumentar o risco de desenvolver patologias complexas.

Vamos mostrar como a acrilamida é produzida e em que tipos de alimento ela está presente. Então, você só precisará diminuir a sua presença na alimentação, além de promover bons hábitos como a prática regular de exercícios físicos e uma higiene adequada do sono.

O que é a acrilamida?

Conforme comentamos, a acrilamida é um composto residual gerado naturalmente a partir de produtos que contêm amido e que são submetidos a altas temperaturas, acima dos 120 graus Celsius. Desta forma, fritar, tostar e assar pode causar a síntese dessa toxina, com os seus consequentes riscos para a saúde.

Cabe destacar que, para que a acrilamida apareça, os alimentos devem conter amido e, portanto, carboidratos. Por esse motivo, os alimentos empanados são um terreno fértil ideal para a gênese desse composto nocivo.

Além disso, os cereais e grãos torrados em altas temperaturas também são suscetíveis a conter acrilamida na sua composição.

Algumas recomendações para reduzir o seu consumo

Diante desta situação, é ideal utilizar o cozimento com água como método culinário preferencial, assim como grelhar e assar em baixas temperaturas. É importante evitar empanar e fritar com óleo, bem como submeter os alimentos ao cozimento na brasa, como acontece nos churrascos.

A batata assada na brasa, por exemplo, é um alimento que se destaca pelo alto teor de acrilamida, uma vez que há a presença de amido em grandes quantidades neste tubérculo.

No entanto, a acrilamida não é encontrada apenas em alimentos que contêm amido. Ela também já foi detectada em plásticos e até mesmo na água potável por causa de tratamentos químicos inadequados.

Por este motivo, é importante consumir a água potável em garrafa de vidro e não de plástico, na medida do possível.

A acrilamida pode ser obtida a partir de alimentos fritos.
Muitos dos alimentos consumidos no Ocidente requerem o óleo para o seu preparo.

Efeitos da acrilamida

De acordo com o que afirmamos, a acrilamida é capaz de gerar um efeito tóxico no organismo. Sua ingestão está relacionada a um aumento do estado de inflamação sistêmica e a um aumento do risco de desenvolver alguns tipos de câncer.

Assim evidencia um estudo publicado na revista European Journal of Epidemiology. Acredita-se que essa substância tóxica seja capaz de promover a mutação do material genético, o que aumenta a incidência de tumores.

De fato, desde 1994, a acrilamida foi incluída no compêndio de substâncias capazes de causar câncer. Isso a coloca como uma substância tóxica com potencial perigo para a saúde humana. É necessário minimizar a sua ingestão, uma vez que ela poderia atuar sobre diversos tecidos, estimulando a formação de tumores pouco diferenciados e com capacidade de metástase.

Cabe destacar que a quantidade de acrilamida contida nos alimentos pode ser aumentada a partir dos processos digestivos, de acordo com algumas pesquisas recentes. Por esse motivo, é importante reduzir o seu consumo, pois é possível presumir uma certa síntese da substância em nível digestivo por causa das mudanças de pH.

Como reverter os efeitos da acrilamida?

Felizmente, é possível atenuar os efeitos nocivos da acrilamida no corpo. Estes se caracterizam por induzir estados inflamatórios e oxidativos e, portanto, será necessário que a dieta inclua elementos que exerçam a função oposta.

Os fitonutrientes seriam a chave para a prevenção de problemas maiores, uma vez que a sua capacidade antioxidante já foi demonstrada.

Graças a esses compostos, as espécies reativas de oxigênio recuperam os elétrons que perderam, tornando-se muito mais estáveis do ponto de vista químico. Assim, são geradas menos mutações no DNA, o que poderia reduzir o risco de desenvolver tumores.

De fato, as associações entre o consumo de fitonutrientes e a menor incidência de vários tipos de câncer já estão comprovadas atualmente. A curcumina, por exemplo, é uma arma muito poderosa nesse sentido.

A prática regular de exercícios físicos ajuda a prevenir estados oxidativos no organismo por causa do aumento na síntese de glutationa.

Este último composto pode ser fundamental na luta contra muitas patologias complexas, de acordo com um estudo publicado na revista Advances in Clinical Chemistry. Portanto, o exercício regular pode ser muito eficaz para atenuar o risco da acrilamida.

Os ultraprocessados geralmente contêm acrilamida

Os alimentos industrializados de origem ultraprocessada são caracterizados pela presença da acrilamida no seu interior. Eles geralmente contêm amidos e açúcares adicionados, para melhorar as suas características organolépticas.

Além disso, eles também são submetidos a vários processos em altas temperaturas, o que gera um terreno fértil ideal para a gênese da acrilamida.

De fato, há evidências que indicam que esse tipo de alimento tem um impacto negativo na saúde, aumentando o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Portanto, uma alimentação saudável é aquela que prioriza a presença de alimentos frescos ao invés dos industrializados.

Cabe ressaltar que os produtos manipulados pela indústria geralmente contêm aditivos na sua composição, com possíveis consequências negativas para a saúde. Um exemplo são os adoçantes artificiais, capazes de causar alterações na composição da microbiota intestinal.

Interações entre a acrilamida e a microbiota

pesquisas recentes que elucidam a possibilidade de uma interação entre a própria acrilamida e as bactérias responsáveis pela produção de ácido lático em nível intestinal.

Esses microrganismos poderiam utilizar este composto como substrato energético, desde que ele esteja presente em pequenas quantidades, a fim de garantir a sua sobrevivência. A consequência desse fenômeno ainda é desconhecida.

Não devemos nos esquecer de que as bactérias que se alojam no intestino têm um papel decisivo em relação à digestão e absorção. Diferentes perfis de microbiota poderiam até mesmo proteger contra a absorção de toxinas.

Adaptar a dieta a fim de aumentar a biodiversidade no trato digestivo pode ser uma solução possível para proteger o organismo contra a acrilamida e outras toxinas comumente consumidas, como os beta-amiloides.

Quase todos esses compostos têm a capacidade de atravessar as células intestinais, entrar na corrente sanguínea e atingir diferentes órgãos. Se essa capacidade dos compostos de se espalharem pelo corpo for eliminada, estaremos ganhando em saúde.

A acrilamida pode ser utilizada pela microbiota intestinal como substrato energético.
Parte do metabolismo da acrilamida no corpo é realizada pelas bactérias que constituem a microbiota intestinal.

Hábitos saudáveis para melhorar o funcionamento do organismo

Além de reduzir ao máximo o consumo de acrilamida, também é necessário garantir bons hábitos de vida para melhorar a saúde do organismo. Nesse sentido, é necessário realizar atividade física diariamente, além de tentar dormir pelo menos 7 horas diárias.

É durante o descanso que acontece a maioria dos processos que garantem a recuperação dos tecidos do corpo, aumentando assim a sua funcionalidade.

Por outro lado, conforme já destacamos, é preciso seguir uma dieta variada com a presença regular de alimentos de origem vegetal. Eles contêm antioxidantes que ajudam a prevenir mutações no material genético, responsáveis pela proliferação de diversos tipos de tumores.

A melatonina desenvolve um efeito que pode neutralizar os danos causados pela ingestão de acrilamida. O seu consumo em proporções moderadas pode ser benéfico.

Acrilamida, uma substância tóxica

Conforme você pode ver, a acrilamida é uma substância tóxica com potencial para afetar negativamente a saúde humana a médio prazo. Apesar disso, ela está presente em muitos dos alimentos consumidos regularmente.

Os ultraprocessados contêm grandes quantidades desse composto, embora também seja possível gerá-lo em casa por meio do cozimento dos amidos em altas temperaturas.

Devemos ter cuidado com a potabilidade da água e com a qualidade da sua embalagem para evitar o consumo de doses extras de acrilamida, o que prejudicaria o funcionamento do organismo. Nesse sentido, é sempre mais recomendável a água mineral em recipientes de vidro.

Devemos enfatizar, entretanto, que os efeitos da acrilamida no organismo podem ser atenuados desde que haja uma ingestão adequada de antioxidantes.

Eles podem ser encontrados em alimentos de origem vegetal e são responsáveis por neutralizar a produção de radicais livres e por reduzir o risco de mutações no material genético.

Além da alimentação, também é preciso cuidar de outros hábitos de vida. Tanto a atividade física quanto o descanso são essenciais. Caso contrário, o funcionamento do organismo poderá ser comprometido a qualquer momento.

Pode interessar a você...
O que é o prato de Harvard?
Muy SaludLeia em Muy Salud
O que é o prato de Harvard?

O prato de Harvard é um modelo alimentar que tem como objetivo melhorar os hábitos alimentares. A seguir, mais detalhes



  • Hogervorst JG., Brandt PA., Godschalk RW., Schooten FJ., et al., Interactions between dietary acrylamide intake and genes for ovarian cancer risk. Eur J Epidemiol, 32 (5): 431-441.
  • Sansano M., Heredia A., Peinado I., Andrés A., Dietary acrylamide: what happens during digestion. Food Chem, 2017. 237: 58-64.
  • Baranowska M., Bartoszek A., Antioxidant and antimicrobial properties of bioactive phytochemmicals from cranberry. Postepy Hig Med Dosw, 2016. 70 (0): 1460-1468.
  • Davidson KT., Zhu Z., Fang Y., Phytochemicals in the fight against cancer. Pathol Oncol Res, 2016. 22 (4): 655-60.
  • Teskey G, Abrahem R, Cao R, Gyurjian K, Islamoglu H, Lucero M, Martinez A, Paredes E, Salaiz O, Robinson B, Venketaraman V. Glutathione as a Marker for Human Disease. Adv Clin Chem. 2018;87:141-159.
  • Srour B, Fezeu LK, Kesse-Guyot E, Allès B, Méjean C, Andrianasolo RM, Chazelas E, Deschasaux M, Hercberg S, Galan P, Monteiro CA, Julia C, Touvier M. Ultra-processed food intake and risk of cardiovascular disease: prospective cohort study (NutriNet-Santé). BMJ. 2019 May 29;365:l1451.
  • Duda-Chodak A, Wajda Ł, Tarko T, Sroka P, Satora P. A review of the interactions between acrylamide, microorganisms and food components. Food Funct. 2016 Mar;7(3):1282-95.