Neurônios: características, tipos e funções

Os neurônios formam uma rede extensa e complexa que permite processar o mundo como você o faz. Vamos ver como isso é possível por meio de seus tipos e características.
Neurônios: características, tipos e funções

Última atualização: 23 janeiro, 2023

O sistema nervoso central é composto pelo cérebro e pela medula espinhal. Este é o centro de comando de todo o corpo, o local onde as informações são processadas. Para conseguir o último, ele usa dois tipos de células nervosas: neurônios e glia. Embora se acredite que esta última seja mais abundante, na realidade as primeiras recebem todos os aplausos como atrizes principais.

As células desse tipo atuam como mensageiros de informações. Tudo o que você pode sentir, fazer e pensar é graças a elas. De acordo com o Queensland Brain Institute, acredita-se que o adulto médio tenha cerca de 100 bilhões de neurônios. Abaixo, revisamos suas características, tipos e algumas de suas funções básicas.

Características do neurônio

Os neurônios têm uma estrutura básica
De modo geral, os neurônios compartilham aspectos estruturais básicos. Eles são divididos em corpo ou soma, axônio e dendritos.

As células neurais usam impulsos elétricos e sinais químicos para criar uma extensa rede que processa e envia informações. Até muito recentemente, os cientistas acreditavam que as células desse tipo não podiam ser geradas após uma certa idade.

Hoje sabemos que a neurogênese (o mecanismo pelo qual novos neurônios são criados) é completamente real. As evidências indicam que esse processo se mantém até mesmo em pessoas mais velhas, por volta dos 80 anos. Podemos distinguir três partes básicas dessas células:

  1. Corpo celular: também conhecido como soma. Dentro do corpo está localizado o núcleo das células e, portanto, seu DNA. O núcleo funciona como uma fábrica de proteínas que depois viajam para outras partes do neurônio.
  2. Axônio: também conhecido como a principal fibra ramificada ou fibra nervosa. Assemelha-se a uma longa cauda e está ligada ao corpo celular. Eles têm tamanhos diferentes, embora possamos classificá-los como pequenos ou grandes. Alguns medem menos de um milímetro e outros podem atingir mais de um metro (conectam a medula espinhal aos pés).
  3. Dendritos: são responsáveis por receber e derivar informações. Eles enviam substâncias químicas chamadas neurotransmissores no processo conhecido como sinapse química. Eles têm uma estrutura ramificada que varia em tamanho. Pense nos dendritos como as raízes de uma árvore.

Podemos distinguir um quarto dessas células, a bainha de mielina. Este é um material gorduroso que cobre os axônios para isolá-los, protegê-los e evitar a interferência de outras células neuronais próximas. Às vezes, essa estrutura pode ser danificada e levar a doenças, como esclerose múltipla.

Eles também aceleram o processo de condução dos impulsos nervosos. Pacientes com esclerose múltipla apresentam deterioração dessa bainha, causando erros de comunicação.

Tipos de neurônios

Como existem bilhões dessas células em seu corpo, não é fácil categorizá-las em grupos específicos. Apesar disso, três tipos de neurônios são freqüentemente distinguidos. O Instituto Nacional de Doenças Neurológicas e Derrame indica o seguinte.

Sensorial

Como o próprio nome indica, as células desse tipo são responsáveis pelo processamento das informações dos sentidos. Você pode ver, ouvir, sentir, cheirar e saborear alimentos graças a eles. O processamento desses dados pode ser mecânico (um ruído distante) ou químico (moléculas que entram em contato com as papilas gustativas).

Por tudo isso, os pesquisadores consideram os neurônios sensoriais essenciais para detectar sinais de perigo. A velocidade média de leitura e envio de informações é de 120 metros por segundo. A maioria dos tipos de neurônios sensoriais são pseudounipolares. Ou seja, seu axônio se divide em duas fibras.

Motores

São aqueles que processam e enviam informações do sistema nervoso central para os músculos, glândulas e órgãos de todo o corpo. Eles são responsáveis por gerar movimento por meio da troca de neurotransmissores. Eles também são conhecidos como células neuronais da medula espinhal (a maioria delas está alojada lá) ou neurônios eferentes.

Dois subtipos de neurônios motores foram identificados: inferior e superior. Os primeiros fazem conexões da medula espinhal aos músculos. Este último, do cérebro à medula espinhal. Sua estrutura é multipolar. Ou seja, eles têm um único axônio e muitos dendritos. É o neurônio que geralmente se reflete em materiais acadêmicos.

Transmissão

Embora nem todos compartilhem as mesmas características, os outros tipos de neurônios são chamados de retransmissão, retransmissão ou interneurônios. Sua missão é servir de ponte entre as células anteriores, para que formem um circuito altamente complexo.

Eles também podem se comunicar uns com os outros, criando suas próprias redes individuais. Esse processo tem sido relacionado a funções associadas à aprendizagem, tomada de decisão, neurogênese e até mesmo assimilação de reflexos. Seu design é multipolar.

Funções do neurônio

Neurônios e sua importância
O ser humano é quem é devido ao seu sistema nervoso, e algo semelhante acontece com os animais, apesar de seu cérebro não ser tão desenvolvido.

A maneira como você percebe o mundo só é possível por meio da atividade neural. Neste momento, você está lendo e processando isso, graças à extensa rede de circuitos do sistema nervoso central e periférico. O que você faz e diz, ou pensou em fazer ou dizer, é graças a eles. O que você sente e percebe também.

Em termos mais técnicos, as funções dos neurônios são as seguintes:

  1. Recebe informações.
  2. Interpreta esses sinais (para saber o que fazer com eles).
  3. Comunica os sinais a outros neurônios, músculos, glândulas e órgãos (se aplicável).

Embora seja muito simples de descrevê-lo, na realidade esse mecanismo hoje intriga os cientistas que estão encarregados de estudá-lo. Não é totalmente compreendido, embora seus aspectos centrais sejam. Todo o processo é feito por meio da sinapse e dos neurotransmissores.

Em suma, tudo o que você faz é possível graças a centenas de milhões de células microscópicas que se conectam entre si em uma extensa rede. Eles podem se regenerar até a velhice para suprir os milhares que você perde a cada dia. São três tipos com desenhos diferenciados em sua estrutura para facilitar a transmissão das informações.

Pode interessar a você...
Diferenças entre cérebro e cerebelo
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Diferenças entre cérebro e cerebelo

Embora existam várias diferenças entre o cérebro e o cerebelo, esses órgãos interagem para desempenhar funções cognitivas.



  • Boldrini M, Fulmore CA, Tartt AN, Simeon LR, Pavlova I, Poposka V, Rosoklija GB, Stankov A, Arango V, Dwork AJ, Hen R, Mann JJ. Human Hippocampal Neurogenesis Persists throughout Aging. Cell Stem Cell. 2018 Apr 5;22(4):589-599.e5.
  • Donnelly CR, Chen O, Ji RR. How Do Sensory Neurons Sense Danger Signals? Trends Neurosci. 2020 Oct;43(10):822-838.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.