O que é um medicamento genérico?

Hoje em dia existem dois grandes grupos de medicamentos, os de marca e os genéricos. Este último grupo tem um preço mais baixo, porém ainda não geram confiança na população.

As pessoas têm confiado por muito tempo em nomes de marcas de medicamentos por causa de sua eficácia. No entanto, nos últimos anos surgiu uma alternativa chamada medicamento genérico, que proporciona os mesmos efeitos com um preço de compra mais baixo.

O tratamento das doenças que afetam o homem evoluiu ao longo dos anos. A sociedade passou da aplicação de substâncias naturais sem dosagem ao uso de medicamentos precisos. Os primeiros laboratórios que sintetizaram drogas  se tornaram populares rapidamente e receberam a confiança da população.

É importante lembrar que os medicamentos são constituídos, em geral, por um princípio ativo e excipientes. O princípio ativo será o responsável por gerar o efeito farmacológico, um exemplo disso é o paracetamol. Os excipientes, por sua vez, conferem certas qualidades aos medicamentos para assim facilitar seu uso.

O que é um medicamento genérico?

Um medicamento genérico é semelhante ao original.
Hoje esses medicamentos representam boa parte dos medicamentos prescritos na saúde pública.

Um medicamento genérico é definido como “qualquer medicamento que tenha a mesma composição qualitativa e quantitativa em princípios ativos e a mesma forma farmacêutica”.

Em suma, são todos aqueles compostos que possuem as mesmas propriedades farmacocinéticas e farmacodinâmicas de um medicamento de referência. Esse tipo de medicamento deve passar por um grande número de estudos que mostram que possuem a mesma biodisponibilidade e efeitos no organismo.

Todos esses compostos devem ter uma aparência diferente da droga que os originou. Além disso, é importante que sejam nomeados com base no princípio ativo utilizado e não no laboratório. O rótulo desses medicamentos deve ter a sigla EFG, que significa Equivalente Farmacêutico Genérico.

Os medicamentos comercializados atualmente têm uma patente, portanto, um medicamento genérico não pode ser comercializado até que a patente tenha expirado.

Diferenças entre um medicamento genérico e um medicamento de marca

No momento, não há grandes diferenças na composição dos medicamentos. Por lei, os medicamentos genéricos e de marca devem usar o mesmo princípio ativo. Isso significa que devem ser os mesmos em sua estrutura química, ter a mesma dosagem e gerar o mesmo efeito.

Esses compostos também devem ter a mesma forma de apresentação, por isso também são muito semelhantes em sua administração. A principal diferença entre os dois tipos de drogas está na aparência, que deve ser bem diferente para evitar problemas jurídicos.

Nesse sentido, os genéricos devem utilizar cores diferentes das utilizadas pelo medicamento de marca, devendo também incorporar em seus rótulos as siglas mencionadas acima. Especialistas afirmam que o processo de fabricação e comercialização dos medicamentos de marca leva mais tempo.

A afirmação acima se deve ao fato de que os medicamentos de marca precisam passar por pesquisa, desenvolvimento e estudos clínicos. Já o medicamento genérico segue o mesmo processo de fabricação estabelecido pela marca industrial, porém pode agregar excipientes extras ou incorporar alguma inovação.

Vantagem

A principal vantagem dos genéricos está no preço de venda. De acordo com os dados da Associação Espanhola de Medicamentos Genéricos (AESEG),por exemplo, eles são entre 40% e 60% mais baratos que os medicamentos de marca.

A redução do preço deve-se ao fato de que não devem amortizar todos os gastos incorridos na fase de pesquisa e estudo. Isso significa economia para o cidadão comum, que terá que pagar menos por um medicamento genérico, mas terá os mesmos benefícios e até as mesmas interações.

Esse tipo de medicamento também contribui para a racionalização do gasto público, pois reduz a conta com remédios. Com a redução do custo dessas contas, são liberados recursos públicos para o estado, que podem ser aplicados em outras áreas da saúde de maior necessidade.

As marcas não são prejudicadas pelos medicamentos genéricos, pois só podem circular quando a patente expira. Este documento legal pode ser válido por um período que pode variar entre 10 e 20 anos, que normalmente é o suficiente para recuperar o dinheiro investido.

Mitos mais frequentes sobre genéricos

medicamento genérico
Os governos garantem que os medicamentos genéricos sejam semelhantes aos originais.

Embora o uso de medicamentos genéricos esteja aumentando em todo o mundo, ainda existem muitos mitos e dúvidas sobre eles. Uma das afirmações mais populares é que eles possuem 20% menos do princípio ativo, porém nada poderia estar mais longe da realidade.

Vários estudos garantem que um medicamento genérico tem a mesma bioequivalência que seu equivalente de marca. Isso significa que ambos os compostos têm a mesma dose de princípio ativo e são capazes de gerar as mesmas reações no organismo.

O que é uma realidade é que sua absorção pode variar em 20% entre cada pessoa dependendo de variáveis individuais. No entanto, este não é um fenômeno exclusivo dos genéricos, pois pode ser observado até mesmo entre 2 lotes diferentes de um medicamento de marca.

Também é possível ouvir que um medicamento genérico não tem a mesma legalidade de uma marca. No entanto, eles devem passar por vários testes para demonstrar sua eficácia e, portanto, ser capazes de receber a aprovação das autoridades competentes.

Entre as entidades encarregadas de autorizar a comercialização de genéricos estão a Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios (AEMPS), bem como a European Medicine Agency ( EMA ). Nos Estados Unidos, a autoridade responsável pela verificação é a US Food and Drug Administration ( FDA ).

Compostos seguros com resultados eficazes

Um medicamento genérico, na maioria dos casos, usa o mesmo princípio ativo e até os mesmos excipientes do seu homólogo de marca, gerando assim o mesmo efeito farmacológico. As únicas diferenças apreciáveis estão na aparência e no preço, uma vez que os genéricos são mais baratos.

Todos os medicamentos disponíveis, inclusive os genéricos, podem desencadear efeitos colaterais indesejados, portanto seu uso deve ser feito com prévia autorização médica.

  • Rodríguez de la Cuerda A. El sector de los medicamentos genéricos en España. Papeles de economía española. 2019; (160): 192-195.
  • Aranda M, Rosasco M. La farmacia de los medicamentos genéricos. Revista Colombiana de Ciencias Químico-Farmacéuticas. 2019;48(2):357-371.
  • Andrade C. Bioequivalence of generic drugs. J Clin Psychiatry. 2015 Sep;76(9):e1130-1.
  • The Lancet Oncology. Generic drugs: are they the future for affordable medicine? Lancet Oncol. 2018 Feb;19(2):149.
  • Uhl K, Peters JR. How the FDA Ensures High-Quality Generic Drugs. Am Fam Physician. 2018 Jun 1;97(11):696-697.
  • Alfonso-Cristancho R, Andia T, Barbosa T, Watanabe JH. Definition and Classification of Generic Drugs Across the World. Appl Health Econ Health Policy. 2015 Aug;13 Suppl 1(Suppl 1):S5-11.