Tratamento da doença de Parkinson

O Parkinson é uma doença neurodegenerativa crônica que, embora não tenha cura, tem tratamento. Isso pode ser personalizado de acordo com o estágio em que o paciente se encontra e outros aspectos.
Tratamento da doença de Parkinson

Última atualização: 03 janeiro, 2023

O tratamento da doença de Parkinson visa principalmente retardar a progressão da doença e proporcionar ao paciente a melhor qualidade de vida possível. Para isso, existem várias estratégias que vão desde a farmacológica até a cirúrgica.

Dependendo do estágio da doença em que o paciente se encontra, dos sintomas que mais impactam sua vida, seu histórico médico, entre outros aspectos, o tratamento dá maior ênfase a um ou outro ponto. Por esse motivo, nem todas as pessoas são tratadas exatamente da mesma forma.

A vantagem de que o tratamento pode ser personalizado até certo ponto ajuda a facilitar o funcionamento do dia a dia da pessoa.

Prescrições

O tratamento da doença de Parkinson inclui vários medicamentos
Existem muitos medicamentos para controlar a doença, embora até agora não haja cura.

Da Fundação para Pesquisa Michael J. Fox, eles alertam que encontrar a combinação certa de medicamentos para o tratamento de sintomas motores é um processo que requer tempo e esforço, tanto por parte do médico quanto do paciente.

Além disso, lembram que em todos os momentos devemos estar atentos não só aos avanços que os medicamentos podem proporcionar, mas também aos efeitos colaterais que podem ocorrer.

Além da medicação antiparkinsoniana, o tratamento pode incluir medicação sintomática para controlar os efeitos  secundários.

Os medicamentos prescritos no tratamento da doença de Parkinson (também conhecidos como medicamentos antiparkinsonianos ) têm como objetivo imitar o efeito da dopamina ou otimizar a ação desse neurotransmissor no cérebro. Isso ajuda a controlar os sintomas.

A base do tratamento é levodopa (um precursor da dopamina) + carbidopa (um inibidor da descarboxilase). Porém, é importante lembrar que, dependendo do caso, podem ser prescritos dois ou mais medicamentos. Então, dependendo da idade do paciente, a dose irá variar. De acordo com o Manual do MSD, em idosos geralmente é reduzido.

A levodopa demonstrou ser eficaz na redução da rigidez, melhoria da mobilidade e redução do tremor em pacientes. E de acordo com a fonte já citada, “permite que muitos afetados com uma doença leve retornem a um nível de atividade quase normal, e também permite que alguns que estavam confinados à cama voltem a andar”.

Outros medicamentos prescritos podem incluir o seguinte:

  • Agonistas da dopamina: pramipexol, ropinirol, apomorfina HCl.
  • Inibidores da monoamina oxidase (inibidores da MAO): rasagilina, selegilina.
  • Inibidores da catecol-O-metiltransferase (COMT): entacapona, opicapona, tolcapona.
  • Outros medicamentos anticolinérgicos, incluindo alguns anti-histamínicos e antidepressivos tricíclicos, para aumentar a ação da levodopa.
  • Amantadina (Gocovri).

A istradefilina (Nourianz) é um medicamento aprovado em 2019 pelo FDA como suplemento à base levodopa + carbidopa. Ajuda a bloquear a sinalização de dopamina.

Terapia específicas

Os pacientes que apresentam sintomas graves durante os períodos de inatividade (que também são de natureza imprevisível) podem recorrer a terapias específicas. Elas podem ser usadas quando necessário, em vez de dentro de um cronograma específico, e fornecem alívio mais rápido do que medicamentos orais. Os mais proeminentes são os seguintes:

  • Inbrija (via de inalação).
  • Kynmobi (rota sublingual).

Gerenciando efeitos colaterais de medicamentos

Alucinações e movimentos involuntários (discinesias) são alguns dos efeitos colaterais que os pacientes podem sentir após um longo período de tratamento medicamentoso. Embora possam ser angustiantes, a boa notícia é que podem ser tratados ajustando as doses dos medicamentos e fazendo outros ajustes.

  • O já mencionado Gocavri ajuda nas discinesias.

Tratamento para problemas associados

Pacientes com doença de Parkinson geralmente precisam de tratamento para outros problemas de saúde associados, como depressão, ansiedade, insônia, choro inexplicável, demência e outros. Dependendo do caso, o médico prescreve alguns medicamentos ou outros.

Medicamentos de venda livre

Para o alívio dos desconfortos mais comuns derivados da doença de Parkinson, alguns medicamentos de venda livre podem ser usados. Por exemplo, analgésicos (como o ibuprofeno, para dores musculares), suplementos de fibras (para constipação) ou suplementos de vitamina D ou cálcio (para manter a saúde óssea).

Em pacientes com problemas para engolir, alguns medicamentos espessantes de líquido também podem ser necessários (para evitar que alimentos ou bebidas vão para as vias respiratórias em vez de para o estômago).

Tratamento cirúrgico

O tratamento da doença de Parkinson inclui neurocirurgia
Os neurocirurgiões podem fornecer algum alívio para os sintomas motores da doença por meio de uma variedade de intervenções.

Para diminuir os sintomas nos casos em que a medicação é insuficiente, alguns tratamentos cirúrgicos são levados em consideração:

  • Estimulação cerebral profunda.
  • Cirurgia de ultrassom focalizado.

Terapias de movimento

Como complemento ao anterior, temos que tratar a rigidez muscular, dificuldades na manutenção do equilíbrio, problemas com a fala e deglutição, podendo-se recorrer a disciplinas como fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia.

    Estilo de vida

    O estilo de vida desempenha um papel importante na complementação de qualquer tratamento, seja para o Parkinson ou outra doença. Quanto mais você aposta na manutenção de bons hábitos de vida, mais benefícios podem ser obtidos com a estratégia terapêutica e melhor qualidade de vida você ganhará em curto e longo prazo.

    Manter uma ingestão adequada de água e fontes de fibras, bem como fontes de ácidos graxos ômega 3, permite prevenir e aliviar problemas de prisão de ventre e outros desconfortos, mas também manter uma nutrição adequada.

    Por outro lado, seguir uma rotina de exercícios (ou sessões de ioga ou tai chi) contribui muito para o bem-estar, pois ajuda a manter a função, aliviar o desconforto físico e drenar a tensão emocional acumulada.

    Pode interessar a você...
    Diagnóstico da doença de Parkinson
    Muy Salud
    Leia em Muy Salud
    Diagnóstico da doença de Parkinson

    O diagnóstico da doença de Parkinson geralmente não é tão rápido quanto deseja o paciente. Você quer saber o motivo? Vamos te explicar a seguir.




    Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.