Tipos de urticária

Existem muitos tipos de urticária com diferentes prognósticos e desencadeantes. Descobriremos as suas principais características a seguir.
Tipos de urticária

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 27 Agosto, 2021

Última atualização: 29 Agosto, 2021

De acordo com o American College of Allergy, Asthma and Immunology, a urticária afeta 20% da população pelo menos uma vez na vida. Ela é uma das doenças de pele mais comuns, cujos desencadeantes podem ser contados às dezenas. Ao contrário do que alguns acreditam, existem muitos tipos de urticária, cada uma com suas próprias manifestações.

Embora em geral o quadro não represente nenhum tipo de risco para as pessoas, recomenda-se que os pacientes com crises recorrentes busquem atendimento médico para controlar os surtos. Hoje vamos te orientar sobre as manifestações mais comuns dessa doença.

Quantos tipos de urticária existem?

Os tipos de urticária são muito variados.
Os dermatologistas geralmente consideram a origem e as manifestações clínicas da urticária para classificar a doença.

A urticária não é uma única condição com características, evolução ou desencadeantes específicos. Na verdade, ela agrupa uma série de manifestações cutâneas de erupções acompanhadas de inflamação e prurido. Nem sempre é fácil fazer a distinção, pois as linhas divisórias entre os tipos são muito tênues.

Segundo a Asociación de Afectados de Urticaria Crónica (AAUC), podemos distinguir os seguintes tipos:

1. Urticária espontânea

O desenvolvimento de sintomas cutâneos sem que haja um desencadeante aparente é conhecido como urticária espontânea. Os sintomas se desenvolvem em questão de minutos e podem afetar qualquer parte do corpo. Os pacientes não podem prever quando ocorrerão as crises, nem podem fazer nada para evitá-las. De acordo com a duração, dois subtipos são distinguidos:

Urticária aguda

Esses episódios duram algumas horas, dias ou se estendem por até 6 semanas. O Columbia University Irving Medical Center aponta que as possíveis causas desses quadros são alergias alimentares, transfusões de sangue, picadas de insetos e infecções. Os últimos são os principais causadores, portanto, pode-se desenvolver uma erupção na pele após um resfriado comum.

Outros possíveis desencadeantes são o contato com alguns medicamentos (como penicilina e sulfonamidas) e o estresse. Como a Global Allergy & Airways Patient Platform bem destaca, as crises costumam ser acompanhadas de ansiedade, pois os pacientes não encontram uma explicação razoável para o sintoma, e as reações podem ser intermitentes enquanto desaparecem.

Urticária crônica

Também ocorre espontaneamente, mas nesses casos os sintomas duram mais de 6 semanas. Não existe um limite médio para essas manifestações, que podem durar alguns meses ou anos sem que a causa exata da crise seja encontrada. Alguns pesquisadores apontam que até 50% das reações desse tipo têm uma origem autoimune.

Outros estudos sugerem que a infecção por parasitas também pode desencadeá-la. Apesar dessas teorias, não existe consenso sobre os desencadeantes.

Um artigo publicado em 2009 no European Journal of Allergy and Clinical Immunology indica que para um em cada três pacientes, a intensidade dos sintomas é reduzida se uma dieta livre de pseudoalergênicos for mantida.

Como essa variante pode durar anos e não existe um tratamento padrão, a eliminação de certos grupos de alimentos pode ser um paliativo acessível, fácil e prático, oferecendo resultados a uma porcentagem significativa dos pacientes com urticária crônica.

2. Urticária física

Nos tipos de urticária mencionados anteriormente não se conhece o desencadeante exato da manifestação cutânea. Com a urticária física ocorre o oposto, de forma que os pacientes podem incluir alguns hábitos para reduzir as crises. Existem muitos subtipos, dentre os quais destacamos os seguintes:

  • Urticária ao frio: como o próprio nome sugere, ela é desencadeada pela presença de baixas temperaturas. Alguns estudos sugerem que sua prevalência gira em torno de 3%. Ela pode ser acompanhada por um resfriado ou sintomas de uma alergia clássica.
  • Urticária ao calor: se manifesta com o aumento da temperatura, independentemente de o paciente estar ou não diretamente exposto ao sol. Os pesquisadores concordam que ela é mais comum entre as idades de 20 e 45 anos. Pode ser localizada ou generalizada em todo o corpo.
  • Urticária solar: é semelhante ao caso anterior, mas desta vez existe uma exposição direta aos raios solares. Quadros generalizados foram relatados, porém as crises são mais frequentes em áreas que foram expostas à luz solar.
  • Urticária de pressão retardada: se desenvolve quando a pele é pressionada por vários minutos ou horas. Por exemplo, ao estar sentado por muito tempo. Não é necessário haver fricção para que os sintomas se manifestem.
  • Urticária facticia: de acordo com o American Osteopathic College of Dermatology (AOCD), ela afeta até 5% da população. Também é conhecida como dermografismo e geralmente não é acompanhada de prurido. Ela pode se desenvolver na companhia de outros tipos de urticária.

3. Outros tipos de urticária

Alguns tipos de urticária podem piorar com a atividade física.
Alguns tipos raros de urticária podem ser desencadeados pelo contato prolongado e próximo com certos objetos, incluindo roupas. O exercício físico pode piorar os sintomas.

Além dos tipos de urticária já apresentados, os dermatologistas distinguem outros que não podem ser agrupados nessas categorias. Destacamos os seguintes:

  • Urticária aquagênica: é causada pelo contato com a água, seja no ambiente de trabalho ou porque as pessoas tomam banho excessivamente durante o dia. Em casos raros, pode ser gerada pelo suor.
  • Urticária de contato: é muito semelhante à dermatite de contato, de fato às vezes é muito difícil determinar a diferença entre as duas manifestações. A principal característica é que o paciente não desenvolve sintomas alérgicos, apenas uma erupção cutânea.
  • Urticária induzida por exercício: trata-se de uma variante rara, na qual os pacientes manifestam sintomas após realizar qualquer tipo de atividade física. Estudos indicam que às vezes ela pode ser acompanhada por reações anafiláticas, sem que tenha sido encontrada uma relação clara entre as duas condições.
  • Urticária colinérgica: neste caso, as erupções aparecem após o aumento da temperatura corporal. Febre, calor, atividade física, banhos quentes, fricção, estresse ou alimentos picantes, entre outros, podem causar esse tipo de urticária.

Algumas variantes não podem ser facilmente distinguidas de outras, por isso recomendamos que você procure atendimento médico para iniciar o tratamento e adotar hábitos destinados a corrigir as manifestações.

Às vezes, as causas podem estar relacionadas a reações alérgicas, de forma que o  médico pode descartar vários alérgenos durante o diagnóstico. No caso dos tipos de urticária com catalisadores específicos, deve-se evitar as atividades relacionadas a eles para prevenir que as crises atrapalhem o seu dia a dia.

Pode interessar a você...
Como posso saber se meu filho tem alergia?
Muy SaludLeia em Muy Salud
Como posso saber se meu filho tem alergia?

Existem vários padrões que permitem determinar se o seu filho apresenta crises alérgicas. Hoje mostraremos os tipos e sintomas mais comuns.



  • Bracken SJ, Abraham S, MacLeod AS. Autoimmune Theories of Chronic Spontaneous Urticaria. Front Immunol. 2019 Mar 29;10:627.
  • Claudy, A. (2001, November). Cold urticaria. In Journal of Investigative Dermatology Symposium Proceedings. Elsevier. 2001; 6 (2): 141-142.
  • Kolkhir P, Balakirski G, Merk HF, Olisova O, Maurer M. Chronic spontaneous urticaria and internal parasites–a systematic review. Allergy. 2016 Mar;71(3):308-22.
  • Magerl M, Pisarevskaja D, Scheufele R, Zuberbier T, Maurer M. Effects of a pseudoallergen-free diet on chronic spontaneous urticaria: a prospective trial. Allergy. 2010 Jan;65(1):78-83.
  • Pezzolo E, Peroni A, Gisondi P, Girolomoni G. Heat urticaria: a revision of published cases with an update on classification and management. Br J Dermatol. 2016 Sep;175(3):473-8.
  • Volcheck, G. W., & Li, J. T. (1997, February). Exercise-induced urticaria and anaphylaxis. In Mayo Clinic Proceedings. Elsevier. 1997; 72 (2): 140-147).