Por que temos febre quando estamos doentes e como baixá-la?

A febre é um sinal inequívoco de que estamos doentes ou de que algo não está funcionando bem no nosso organismo. Ela é uma grande aliada no combate às infecções, porém, pode ter consequências graves se não for devidamente controlada.

O corpo humano é capaz de indicar por conta própria quando algo não está funcionando da forma adequada. Isso é feito através de diversos sinais e sintomas. Um dos sinais mais característicos de uma doença é a presença de febre, mas por que temos febre quando estamos doentes? Continue lendo, pois vamos falar sobre isso.

A temperatura corporal normal pode variar de pessoa para pessoa; além disso, estudos mostram que ela pode depender da área onde é medida e do momento do dia. De um modo geral, a temperatura corporal média é de 37 graus Celsius, mas ela pode aumentar alguns graus durante a noite.

Manter a temperatura em 37 graus Celsius garante o bom funcionamento do organismo. Se a temperatura sobe ou desce excessivamente, o corpo apresenta danos em nível celular que podem levar à morte do paciente.

O que é a febre?

A questão de por que temos febre quando estamos doentes tem uma resposta muito ampla.
Embora as causas mais comuns para a febre sejam as infecciosas, também existem outras.

Antes de saber por que temos febre quando estamos doentes, primeiramente é necessário definir esse sintoma. De forma simplificada, a febre pode ser definida como um aumento na temperatura corporal de uma pessoa acima dos 38 graus Celsius, na qual deve haver um aumento no ponto de ajuste hipotalâmico.

A febre deve ser diferenciada da febrícula, que é um aumento de temperatura inferior a 1 grau. Esse sintoma é muito comum em várias patologias, principalmente as de natureza infecciosa, como a pneumonia.

A febre é considerada um mecanismo de defesa contra patógenos, uma vez que a maioria desses microrganismos não é capaz de sobreviver a altas temperaturas. Infelizmente, as nossas próprias células também são afetadas pelo aumento da temperatura.

Ao atingir uma temperatura de 40 graus Celsius, o corpo se torna incapaz de exercer as suas funções adequadamente. Se a temperatura continuar subindo e atingir os 43 graus, as proteínas são alteradas e o paciente pode falecer. Entre as condições que podem causar febre, destacam-se as seguintes:

Por que temos febre quando estamos doentes?

Em primeiro lugar, precisamos saber que a temperatura corporal é regulada por uma estrutura localizada no cérebro conhecida como hipotálamo. Esse órgão é capaz de desencadear mecanismos periféricos que aumentam ou diminuem a temperatura do corpo humano quando necessário.

Infelizmente, existem substâncias capazes de alterar esse controle tão preciso, gerando assim variações inesperadas e patológicas. Uma maneira fácil e rápida de entender por que temos febre quando estamos doentes é conhecer a fisiopatologia desse sintoma.

Quando um patógeno entra no corpo, ele é capaz de sintetizar uma série de substâncias que ativam o sistema imunológico, conhecidas como pirogênios exógenos. As células que compõem esse sistema serão capazes de capturar essas substâncias e de sintetizar proteínas especializadas que são chamadas de pirogênios endógenos.

O papel dos pirogênios endógenos na febre

Estes últimos desencadeiam o processo inflamatório, mas não conseguem entrar no cérebro. No entanto, eles interagem com estruturas próximas, o que induzirá a síntese de uma substância chamada prostaglandina E2.

Essa substância vai viajar para o hipotálamo, onde será capaz de inibir as células sensíveis ao calor e estimular as sensíveis ao frio.

A interação entre as células hipotalâmicas e a prostaglandina E2 aumentará o ponto de ajuste hipotalâmico, tendo como resultado a ativação dos sistemas geradores de calor. Por sua vez, todos os mecanismos dissipativos serão inibidos, fazendo com que a temperatura corporal aumente bruscamente.

Os processos inflamatórios e neoplásicos e os medicamentos também são capazes de causar a síntese de pirogênios endógenos pelo sistema imunológico. Dessa forma, é possível constatar a presença de febre na ausência de um processo infeccioso.

Como baixar a febre?

Por que temos febre quando estamos doentes? Existem muitos motivos e medicamentos para essa condição.
Felizmente, existem vários medicamentos para baixar a febre.

É importante observar que a febre nem sempre deve ser reduzida; de fato, estudos afirmam que as razões para baixar a febre são muito poucas. Isso porque ela é um mecanismo que o organismo possui para tratar e combater uma lesão e, dessa, forma, ela pode ser uma aliada em múltiplas ocasiões.

A febre só deve ser reduzida em pacientes com problemas cardíacos ou respiratórios crônicos e quando ultrapassar os 40 graus Celsius. Além disso, também é preciso baixar a febre em crianças com menos de 3 meses, uma vez que o seu corpo ainda não está bem desenvolvido. No restante dos pacientes, a febre pode ser reduzida apenas para melhorar a sua condição física geral.

Atualmente, há um grande número de medicamentos antipiréticos como, por exemplo, o paracetamol. A maioria desses compostos é segura para uso, no entanto, é aconselhável consultar o médico antes de iniciar a consumi-los. Isso tem como objetivo ingerir a dose adequada e evitar o aparecimento de efeitos colaterais.

Por outro lado, foi demonstrado que os banhos com 30 minutos de duração são úteis para diminuir a febre em crianças pequenas. Essa técnica é muito mais eficaz se realizada após a administração de um medicamento antipirético. Em termos gerais, o mais recomendável é beber bastante água, usar roupas leves e manter repouso enquanto houver febre.

Os pirogênios são a principal causa da febre

A principal razão pela qual temos febre quando estamos doentes é a presença de pirogênios endógenos na corrente sanguínea. Substâncias como a interleucina 1 (IL-1), a interleucina 6 (IL-6) ou o fator de necrose tumoral (TNF) são capazes de gerar alterações no hipotálamo e gerar o aumento da temperatura corporal.

Apesar de ser um sintoma bastante incômodo, a febre é uma aliada do organismo no combate às infecções. Porém, é sempre necessário consultar um especialista antes de iniciar qualquer terapia, pois ele é o único capaz de determinar a origem do problema e o tratamento mais adequado.

  • Padilla-Raygoza N, Ruiz-Paloalto M, Díaz-Guerrero R, Olvera-Villanueva G, Maldonado A, Raygoza-Mendoza M. Correlación de mediciones de temperatura corporal con 3 termómetros: ótico, cutáneo y digital, en niños mexicanos. Enfermería Clínica. 2014;24(3):175-182.
  • Bartfai T, Conti B. Fever. ScientificWorldJournal. 2010 Mar 16;10:490-503.
  • Mohr P. Cómo no perder el control ante la fiebre. Arch.argent.pediatr 2004; 102(1): 80.
  • Álpizar Caballero L, Medina Herrera E. Fisiopatología de la Fiebre. Rev Cub Med Mil. 1999;  28( 1 ): 49-54.
  • Alpízar Caballero L, Medina Herrera E. La fiebre: Conceptos básicos. Rev Cubana Pediatr. 1998;  70( 2 ): 79-83.
  • Herskovic P. Tratamiento sintomático de la fiebre. Rev. chil. pediatr. 1999; 70( 5 ): 431-432.