Pneumotórax: sintomas, causas e tratamento

O diagnóstico dessa condição geralmente se baseia em achados clínicos. No entanto, existem estudos complementares que podem ajudar em caso de dúvida.
Pneumotórax: sintomas, causas e tratamento
Diego Pereira

Escrito e verificado por el médico Diego Pereira em 09 Abril, 2021.

Última atualização: 09 Abril, 2021

O pneumotórax é uma patologia que envolve o colapso pulmonar como consequência da entrada de ar na cavidade pleural. Pode ser causado por várias condições, embora os casos traumáticos sejam os mais frequentes em algumas populações.

A seguir, você vai encontrar um breve artigo sobre as principais características dessa condição. Continue lendo para saber mais!

Anatomia e fisiologia do sistema respiratório

O pneumotórax é uma doença do sistema respiratório.
O sistema respiratório humano é complexo e pode ser afetado por diversas condições.

O sistema respiratório é composto pelas vias respiratórias e pelos pulmões. As primeiras são constituídas por laringe, traqueia, brônquios, bronquíolos e alvéolos. Os pulmões são constituídos por um tecido conjuntivo altamente elástico.

Certamente, também existe tecido vascular proveniente do coração, cujos vasos sanguíneos menores estão intimamente relacionados aos alvéolos.

Os pulmões estão localizados na cavidade torácica e são circundados por um tecido denominado pleura. Este é dividido em duas camadas muito finas, porém resistentes. A que fica mais perto da superfície externa dos pulmões é chamada de visceral e a que fica preso às paredes do tórax é chamada de parietal.

O espaço entre elas é chamado de cavidade pleural e contém uma pequena quantidade de líquido. Graças a um complexo mecanismo relacionado à diferença de pressão entre a atmosfera e o interior dos pulmões, ocorre um fenômeno denominado ventilação.

Assim, o ser humano é capaz de inspirar ar rico em oxigênio e expirar ar com abundante dióxido de carbono, proveniente do metabolismo de todas as células. Esse processo é chamado de troca gasosa.

Quando o oxigênio chega aos alvéolos, ele se desloca até os vasos sanguíneos, que drenam no lado esquerdo do coração para distribuir o sangue para o restante do corpo. Caso contrário, o dióxido de carbono passa dos pequenos vasos para os alvéolos, para que esse gás possa ser expelido para fora do corpo.

Definição e sintomas de pneumotórax

O pneumotórax é uma emergência médica causada pela entrada de ar na cavidade pleural. Conforme mencionamos anteriormente, ela naturalmente contém uma pequena quantidade de líquido. O ar pode vir tanto de dentro quanto de fora do corpo. Neste último caso, o motivo geralmente é um traumatismo torácico.

Por causa de alguns fenômenos físicos, o pulmão do lado afetado pode entrar em colapso. Portanto, as manifestações clínicas decorrem da falta abrupta de oxigenação. Os sintomas são muito característicos e os mais frequentes são os seguintes:

  • Dificuldade para respirar (dispneia).
  • Aumento da freqüência cardíaca (taquicardia).
  • Ventilação rasa, mas acompanhada de aumento da frequência respiratória (taquipneia).
  • Tosse seca.
  • Nervosismo.
  • Transpiração intensa.

Fatores de risco para o pneumotórax

Embora um grande número de casos de pneumotórax ocorra como consequência de traumatismos torácicos abertos, existem algumas patologias que aumentam a probabilidade de sofrer casos primários ou espontâneos. Algumas dessas condições são as seguintes:

  • Histórico pessoal de pneumotórax, independentemente da causa.
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).
  • Tabagismo crônico.
  • Necessidade de ventilação mecânica por causa de qualquer patologia. Esses pacientes geralmente estão em unidades de terapia intensiva.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a DPOC é uma doença inflamatória crônica que afeta o tecido pulmonar.

É mais comum em pacientes com mais de 40 anos e geralmente surge como consequência do tabagismo ou da exposição à fumaça de biomassa. Este último caso é mais frequente nas comunidades rurais, onde se cozinha com lenha.

Tipos e causas

É possível distinguir quatro tipos de pneumotórax, cujas diferenças residem nos mecanismos fisiopatológicos: traumático, iatrogênico, relacionado à ventilação mecânica e espontâneo.

Traumático

Geralmente é o mais frequente em pacientes jovens, especialmente aqueles que vivem em áreas violentas. Tanto os ferimentos por arma branca quanto por arma de fogo são capazes de causar um pneumotórax traumático.

A perfuração da pleura parietal tem como consequência direta a comunicação entre o exterior e a cavidade pleural. Por causa da diferença de pressão, o ar entra na cavidade, causando colapso pulmonar quase imediato.

Iatrogênico e relacionado à ventilação mecânica

O termo iatrogenia é usado para designar qualquer problema médico relacionado a um ato terapêutico. Isso pode ser causado por erro humano ou como um efeito adverso de algum tratamento.

Durante alguns procedimentos, tais como canulação do acesso venoso através da veia subclávia, biópsia pulmonar e toracocentese, é possível que ocorra um pneumotórax iatrogênico.

Por outro lado, os pacientes com insuficiência respiratória geralmente requerem ventilação mecânica e internação em unidades de terapia intensiva ou semi-intensiva. Isso torna possível o fornecimento artificial tanto da pressão quanto do oxigênio necessários para garantir uma mecânica pulmonar adequada.

Às vezes, isso pode ter como consequência uma expansão pulmonar excessiva e a ruptura dos alvéolos, o que favorece o aparecimento do pneumotórax e do enfisema subcutâneo. Este caso também é considerado como iatrogenia.

Espontâneo

Este último tipo de pneumotórax é o que tende a causar problemas diagnósticos, já que não há uma causa evidente para os sintomas. Ele pode ser subclassificado em primário e secundário. A diferença reside no fato de que o último tipo ocorre em pacientes com patologias pulmonares prévias.

Alguns dos casos primários ocorrem em pacientes com bolhas pulmonares não diagnosticadas previamente. Trata-se de uma estrutura cheia de ar que geralmente está localizada nos ápices pulmonares. Podem se formar como resultado de infecções atuais ou anteriores, como acontece na tuberculose e em alguns casos de pneumonia.

Diagnóstico de pneumotórax

O pneumotórax pode ser diagnosticado de várias maneiras.
O diagnóstico de pneumotórax geralmente é feito com uma radiografia simples do tórax.

Na grande maioria dos casos, o diagnóstico é clínico. Alguns exames complementares podem ser utilizados apenas nos casos em que a vida do paciente não está imediatamente comprometida.

Destes, a radiografia simples do tórax é a mais indicada. O colapso tanto do pulmão quanto das suas estruturas vasculares geralmente é muito evidente, embora em alguns pacientes isso possa passar despercebido. Neste último caso, o uso de uma tomografia computadorizada pode ser benéfico.

Tratamento

O objetivo do tratamento é retirar o ar de dentro da cavidade pleural, para promover a expansão pulmonar adequada e o restabelecimento da mecânica desse sistema. Dependendo do caso, podem ser utilizados tratamentos cirúrgicos e não cirúrgicos.

O tratamento cirúrgico por excelência é a videotoracoscopia, que permite localizar e fechar as áreas onde há vazamento de ar. É muito útil em casos de pneumotórax espontâneo.

Em casos traumáticos, a inserção de um tubo flexível favorece a saída do ar. No entanto, como a recorrência na forma de pneumotórax espontâneo pode ser alta, é recomendável um procedimento cirúrgico para selar permanentemente o local da lesão inicial.

Pneumotórax, uma emergência médica

Embora alguns casos de pneumotórax possam ser tratados dentro de várias horas, eles podem progredir para uma forma potencialmente fatal chamada de pneumotórax hipertensivo. Portanto, é necessário procurar um pronto-socorro caso sejam apresentados os referidos sintomas.

Pode interessar a você...
Síndrome do choque tóxico: sintomas e causas
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Síndrome do choque tóxico: sintomas e causas

A síndrome do choque tóxico é uma doença muito rara e fatal, que pode aparecer como uma complicação de diversas infecções.



  • González C. Neumotórax espontáneo a tensión. SEMERGEN 2010;36(4):227-229.
  • González Fernández AM, Torres Torres AR, Valverde Molina J. Traumatismo torácico, neumotórax, hemoptisis y tromboembolismo pulmonar. Protoc diagn ter pediatr 2017;1:189-209.
  • Johnson NN, Toledo A, Endom EE. Pneumothorax, pneumomediastinum and pulmonary embolism. Pediatr Clin N Am. 2010;57:1357-83.
  • Porcel J. Neumotórax espontáneo. Medicina Integral 2001;38(1):3-7.
  • Roberts DJ, Leigh-Smith S, Faris PD, Ball ChG, Robertson HLBlacmore Ch, et al. Clinical manifestations of tension pneumothorax: protocol for a systemic review and meta-analysis. Syst Rev. 2014;3:3.
  • Ossés J, et al. Neumotórax. Revista Medicina Respiratoria 2003;1:35-40.