O que é a hipomagnesemia?

Níveis reduzidos de magnésio no corpo são mais comuns do que as pessoas imaginam. Se o problema não for tratado, pode levar a várias complicações, incluindo o desenvolvimento de outros desequilíbrios eletrolíticos. Aprenda o que se sabe sobre hipomagnesemia a seguir.
O que é a hipomagnesemia?

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 17 Junho, 2021

Última atualização: 17 Junho, 2021

A hipomagnesemia é um distúrbio caracterizado por baixos níveis de magnésio no sangue. Os valores de eletrólitos geralmente variam entre 1,5 e 2,5 mg / dL em um adulto saudável. Quando a condição ocorre, eles podem cair até cerca de 0,7 mmol / L. Se o problema não for tratado, pode levar a complicações graves ou fatais.

É muito comum que o transtorno se desenvolva na companhia de outros distúrbios eletrolíticos, como hipocalcemia (diminuição do cálcio no corpo) e hipocalemia (redução dos níveis de potássio); e claro, ela também pode ser apresentada isoladamente. Hoje comentaremos tudo sobre essa doença: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento.

Sintomas de hipomagnesemia

A hipomagnesemia pode causar sintomas digestivos.
Distúrbios gastrointestinais inespecíficos costumam ser comuns no desenvolvimento dessa condição.

Quando a diminuição dos valores não é tão significativa, o transtorno geralmente não gera sintomas. Uma pessoa pode sofrer de hipomagnesemia sem saber, de forma que o problema é descoberto em um exame de rotina ou quando o desequilíbrio progride para um nível superior. Quando isso acontece, ocorre o seguinte:

  • Náuseas.
  • Vômitos.
  • Fadiga.
  • Anorexia.
  • Retardo no crescimento (em crianças e jovens).
  • Espasmos musculares.
  • Mudanças de humor.

Em alguns casos, especialmente em crianças, o problema também pode desenvolver convulsões. Se não for tratado adequadamente, causa distúrbios em diferentes partes do corpo que favorecem o desenvolvimento de outros sintomas. Por exemplo, foi demonstrado que causa hipertensão e problemas cardiovasculares.

De fato, as evidências indicam que a principal complicação gerada pela hipomagnesemia são as arritmias cardíacas. Vários estudos indicam que os baixos níveis de magnésio também podem levar à pré-eclâmpsia, eclâmpsia, Alzheimer e distúrbios psicossociais como o TDAH. Nesse sentido, os sintomas variam de acordo com o desenvolvimento da doença.

Por outro lado, esse transtorno pode piorar algumas condições prévias que o paciente já possui. Por exemplo, a hipomagnesemia foi associada a uma piora no controle do diabetes tipo 2. De fato, por isso é importante o diagnóstico precoce, para iniciar o tratamento com o objetivo de retornar aos valores normais de magnésio no sangue.

Causas de hipomagnesemia

Existem várias causas para a hipomagnesemia. Muitas vezes, o desenvolvimento do distúrbio não se deve a um único fator, mas é o resultado da confluência de dois ou mais. Entre os mais comuns destacamos os seguintes:

Nutrição deficiente

É raro que um déficit na ingestão de magnésio possa desenvolver a doença. Isso ocorre porque a maioria das pessoas mantém uma dieta que permite receber a quantidade mínima de eletrólitos. Grãos integrais, nozes, vegetais de folhas verdes e chocolate são apenas alguns dos alimentos que o contêm.

Há décadas a relação entre a deficiência desses eletrólitos e o desenvolvimento da doença foi estudada. Sua manifestação é mais comum em pessoas desnutridas e naqueleas que receberam nutrição parenteral por um tempo prolongado.

Esse tipo de nutrição, administrada por via intravenosa, também pode levar a condições semelhantes, como a hipofosfatemia, conforme demonstrado pelas evidências.

Síndrome do osso faminto

Também conhecido como redistribuição ou translocação de magnésio, ocorre quando o eletrólito é depositado nos ossos. Foram investigados o mecanismo pelo qual isso ocorre e as sequelas a longo prazo. É uma condição relativamente comum entre aqueles com hiperparatireoidismo ou hipertireoidismo após uma paratireoidectomia ou tireoidectomia, respectivamente.

Vazamento gastrointestinal

A redução nos níveis de magnésio também pode ser causada por problemas gastrointestinais. Estudos determinaram que diarreia, doença celíaca, síndrome de Crohn , intolerância à lactose, síndrome do intestino curto e intervenções cirúrgicas (como ileostomia) podem desencadear essa condição.

Ingestão de alguns medicamentos

Ingerir inibidores da bomba de prótons (como o omeprazol) pode gerar o transtorno, conforme indicado por evidências. Embora este grupo de medicamentos seja o mais comum, há outros tipos que também podem desencadear a doença:

  • Diuréticos (tiazidicos e alça).
  • Antifúngicos.
  • Antibióticos aminoglicosídeos.
  • Medicamentos usados durante a quimioterapia.
  • Inibidores da calcineurina.

Outras possíveis causas da condição incluem gravidez, perdas renais primárias e secundárias, diabetes não controlada, pancreatite, sudorese extrema, transtornos por uso de álcool, uso de drogas recreativas, vômitos e algumas doenças genéticas, raras, como síndrome de Bartter ou síndrome de Gitelman.

Como você pode ver, a hipomagnesemia pode se desenvolver por vários motivos. Por isso é um transtorno mais comum e superestimado do que realmente se imagina, como sugerem alguns estudos.

Diagnóstico de hipomagnesemia

A hipomagnesemia
Embora existam várias causas para a suspeita de um caso de hipomagnesemia, os exames de sangue são os que permitem o diagnóstico.

A melhor maneira de diagnosticar a deficiência de magnésio é por meio de um teste sérico. Antes de fazer isso, o especialista fará uma entrevista e um exame físico direcionado. Tudo isso permitirá que você determine as probabilidades de desenvolvimento da doença e suas possíveis causas subjacentes.

Se o resultado do teste sérico for igual ou inferior a 0,7 mmol / L, o desequilíbrio será confirmado. Como complemento, também pode ser realizado um teste de urina. O valor informado é apenas referencial pois, em alguns contextos, concentrações mais elevadas podem ser indicativos da doença. Por exemplo, isso acontece em pacientes diabéticos.

Fazer um teste de urina de apoio é recomendado para a obtenção de valores mais objetivos. Às vezes, o desenvolvimento do teste sérico pode apresentar valores baixos, mas em parte porque as concentrações de magnésio não estão totalmente concentradas no sangue.

Em qualquer caso, o médico determinará o mecanismo mais seguro de diagnóstico antes de prosseguir com a aplicação do tratamento.

Tratamento para a doença

As evidências indicam que a melhor forma de tratar a hipomagnesemia é por meio da reposição dos eletrólitos. Isso pode ser feito por via oral, pelo uso de medicamentos ou por via intravenosa. A escolha geralmente depende da quantidade do composto no corpo.

Se for muito baixo, a via intravenosa será escolhida; se a diminuição não for tão severa, a ingestão oral será preferida. Nesse caso, é possível escolher entre:

  • Citrato de magnésio.
  • Cloreto de magnésio.
  • Lactato de magnésio.
  • Gluconato de magnésio.

A administração deve ser feita de forma controlada, principalmente para evitar o desenvolvimento de hipermagnesemia. Se as causas do quadro forem identificadas, o especialista também iniciará um tratamento específico para combatê-las. Ele também recomendará uma dieta rica em magnésio para manter os níveis normais.

Sabe- se que essa reposição eletrolítica é demorada. Dias, semanas e até meses podem passar antes que os valores recomendados sejam atingidos. Tudo depende do fator que gerou a condição e de como o corpo reage ao tratamento.

Quando são desenvolvidas sequelas como hipocalcemia, hipocalemia e outros desequilíbrios, o tratamento deve ser específico para revertê-los.

Caso você sofra de algum problema relacionado a essa condição, é necessário fazer um monitoramento anual dos níveis de magnésio para controlá-los. Se você desenvolver os sintomas descritos, não hesite em procurar assistência médica. O desequilíbrio geralmente é tratado de forma fácil com a mediação de um especialista.

It might interest you...
O que é o prato de Harvard?
Muy SaludLeia em Muy Salud
O que é o prato de Harvard?

O prato de Harvard é um modelo alimentar que tem como objetivo melhorar os hábitos alimentares. A seguir, mais detalhes



  • Ahmed, F., & Mohammed, A. Magnesium: the forgotten electrolyte—a review on hypomagnesemia. Medical Sciences. 2019; 7(4): 56.
  • Ayuk, J., & Gittoes, N. J. Treatment of hypomagnesemia. American journal of kidney diseases. 2014; 63(4): 691-695.
  • Chillarón, J. J., Ballesta, S., & Le-Roux, J. A. F. Reconocer y tratar la hipomagnesemia. FMC-Formación Médica Continuada en Atención Primaria. 2019; 26(10): 571-573.
  • Chrysant, S. G., & Chrysant, G. S. Association of hypomagnesemia with cardiovascular diseases and hypertension. International Journal of Cardiology Hypertension. 2019; 1, 100005.
  • Fitzgerald, M. G., & Fourman, P. An experimental study of magnesium deficiency in man. Clinical science. 1956; 15: 635-647.
  • Gommers, L. M., Hoenderop, J. G., Bindels, R. J., & de Baaij, J. H. Hypomagnesemia in type 2 diabetes: a vicious circle?. Diabetes. 2016; 65(1): 3-13.
  • Gröber, U., Schmidt, J., & Kisters, K. Magnesium in prevention and therapy. Nutrients. 2015; 7(9): 8199-8226.
  • Jain, N., & Reilly, R. F. Hungry bone syndrome. Current opinion in nephrology and hypertension. 2017; 26(4): 250-255.
  • Martinez, M. J., Martinez, M. A., Montero, M., Campelo, E., Castro, I., & Inaraja, M. T.Hypophosphatemia in postoperative patients with total parenteral nutrition: influence of nutritional support teams. Nutricion hospitalaria. 2006; 21(6): 657-660.
  • Mouw, D. R., Latessa, R. A., & Sullo, E. J. What are the causes of hypomagnesemia?. Clinical Inquiries, 2005 (MU).
  • Pérez González, E., Santos Rodríguez, F., & Coto García, E. Homeostasis del magnesio: Etiopatogenia, clínica y tratamiento de la hipomagnesemia. A propósito de un caso. Nefrología (Madrid). 2009, 29(6): 518-524.
  • RONDÓN-BERRÍOS, Helbert. Hipomagnesemia. En Anales de la Facultad de Medicina. UNMSM. Facultad de Medicina. 2006: 38-48.
  • Zipursky, J., Macdonald, E. M., Hollands, S., Gomes, T., Mamdani, M. M., Paterson, J. M., … & Juurlink, D. N. Proton pump inhibitors and hospitalization with hypomagnesemia: a population-based case-control study. PLoS Med. 2014; 11(9): e1001736.