Listeriose: tudo que você precisa saber

A listeriose é uma infecção rara que pode levar a complicações graves. Ensinamos tudo o que se sabe sobre ele.
Listeriose: tudo que você precisa saber

Última atualização: 02 janeiro, 2023

A listeriose é uma doença que ocorre por infecção pela bactéria Listeria monocytogenes. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), são notificados em média 0,1 a 10 casos por milhão de habitantes a cada ano. Portanto, é uma doença muito rara e também sujeita a complicações.

Embora possa haver casos isolados, a maioria dos episódios se apresenta na forma de surtos. Ou seja, quando a doença surge em um grupo limitado de pessoas e em uma área geográfica específica, podendo compartilhar a mesma origem ou origem. Existem dois tipos de doença: invasiva e não invasiva. Falaremos sobre isso a seguir.

Sintomas de listeriose

Febre na listeriose
Os sintomas da listeriose podem ser muito diversos, dependendo da gravidade da doença. A febre é uma manifestação comum na maioria dos casos.

A listeriose é uma doença que tende a se complicar com muita facilidade. A Food and Drug Administration (FDA) alerta que até 94% das pessoas infectadas precisam ser hospitalizadas. Desses casos, entre 20% e 30% terminam em óbitos. No entanto, tudo depende das características com as quais a doença ocorre.

De fato, os casos leves são geralmente classificados como listeriose não invasiva e afetam principalmente adultos saudáveis. Também é conhecido em alguns contextos como gastroenterite febril listerial e se distingue pelos seguintes sintomas:

O período de incubação é curto e geralmente não gera complicações além das indicadas. Os casos mais graves são descritos como listeriose invasiva e afetam grupos de risco, como mulheres grávidas, bebês ou crianças pequenas, pacientes com sistema imunológico comprometido (pacientes com câncer ou HIV ) e adultos mais velhos. As estatísticas apresentadas pelo FDA correspondem a esses casos.

Episódios desse tipo têm um período de incubação mais longo. Pode demorar várias semanas e até meses. Nesse momento, a bactéria se aloja e se multiplica no fígado antes de ser liberada na corrente sanguínea. Quando isso acontece, os pacientes desenvolvem os seguintes sintomas:

  • Dor muscular.
  • Febre.
  • Meningite
  • Encefalite.
  • Septicemia.

Segundo os pesquisadores, a infecção é em média 20 vezes mais comum em mulheres grávidas do que em outros tipos de população. Embora geralmente não represente problemas para a mãe, pode ser fatal para o feto. É por esse motivo que a maioria dos casos requer hospitalização.

Transmissão de listeriose

A listeriose é contraída pela infecção pela bactéria L. monocytogenes. Este microrganismo tem um habitat muito variado e suporta temperaturas extremas (em comparação com outros semelhantes). Por exemplo, pode habitar água, solo, plantas e animais. Além disso, pode tolerar condições ácidas, salgadas e com concentrações de umidade muito baixas.

Ao mesmo tempo, suporta muito bem as baixas temperaturas (pode até continuar a reproduzir-se nestas condições). Isso nos diz que a bactéria pode sobreviver mesmo em alimentos devidamente refrigerados. Dito isso, a infecção é transmitida principalmente pela ingestão de alimentos com a bactéria.

Outras maneiras de contrair listeria são manipulando alimentos contaminados (por exemplo, rações para animais de estimação) e tocando superfícies ou utensílios com a bactéria. Uma vez em suas mãos, ele se move para dentro de você quando você toca inesperadamente as membranas mucosas (olhos, nariz, orelhas e boca). Os bebês são infectados pela placenta da mãe.

Embora, em teoria, qualquer alimento possa ser infectado pela bactéria, alguns têm maior probabilidade de estar infectados do que outros. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) alertam para os seguintes grupos:

  • Queijos feitos com leite não pasteurizado.
  • Alimentos crus (alfafa, rabanete, alguns tipos de feijão e assim por diante).
  • Melões.
  • Produtos para salsichas (presuntos e outros).
  • Fast food (hambúrgueres e cachorros-quentes).
  • Peixe defumado.
  • Leite cru não pasteurizado.
  • Patê.

O cozimento adequado dos alimentos, a pasteurização e os agentes sanitizantes costumam ser eficazes para eliminar as bactérias. Ainda assim, a contaminação pode ocorrer após a realização desses procedimentos.

Diagnóstico de listeriose

O processo de diagnóstico da listeriose começa com a avaliação dos sintomas do paciente. Com base nisso, o especialista suspeitará de uma possível infecção bacteriana, além de revisar o histórico de hábitos da pessoa. Dessa forma, ele fará uma cultura bacteriana a partir de uma amostra de sangue, líquido cefalorraquidiano, placenta e outros.

Os exames de sangue são amplamente utilizados para diagnósticos diferenciais. Como os sintomas podem ser facilmente confundidos com outros tipos de infecções ou doenças, a mediação de uma cultura confirmatória é muito importante. Exames de fezes e urina também podem ser feitos como suplemento.

Se for relatado um surto de listeria relacionado a determinados grupos de alimentos ou marcas que você inclui em sua dieta, é recomendável suspender o consumo e ir a um especialista para fazer testes de eliminação. Tente agir rapidamente, especialmente se você fizer parte de grupos de risco.

Opções de tratamento

Tratamento intravenoso para listeriose
Como a maioria das pessoas com listeriose precisa de hospitalização, o uso de antibióticos intravenosos é uma parte essencial da terapia.

Tal como acontece com outros tipos de infecções bacterianas, a maioria dos pacientes é tratada com antibióticos. A dosagem e o uso destes variam de acordo com a gravidade dos sintomas. Seu uso pode até ser ignorado se o paciente estiver estável, tiver um sistema imunológico forte e for um adulto saudável.

Em grupos de risco, o tratamento com esses medicamentos não é opcional. Você deve agir imediatamente, pois não é incomum que a infecção piore de forma inesperada. Drogas específicas também podem ser prescritas para combater os sintomas agudos.

Tenha em mente que, embora a listeriose seja uma doença rara, você deve incluir os respectivos métodos de prevenção em sua rotina. Eles não são diferentes dos métodos de prevenção para protegê-lo de outras infecções. Destacamos o seguinte:

  • Evite o contato de suas mãos com as membranas mucosas.
  • Lave as mãos freqüentemente com sabão por pelo menos 20 segundos.
  • Lave frutas e vegetais.
  • Certifique-se de respeitar a cozedura dos alimentos.
  • Evite comer pratos crus.
  • Reduza o consumo de enchidos.
  • Mantenha os padrões de limpeza em sua cozinha e em toda a sua casa.
  • Mantenha sua geladeira limpa.
  • Limpe os utensílios da cozinha regularmente.
  • Fique atento aos boletins de surtos que estão sendo relatados em sua comunidade.

Caso tenha sido diagnosticado com listeriose, e além de seguir o tratamento, descanse para acelerar a sua recuperação. Ele também tenta monitorar os sintomas para encaminhá-los ao especialista se houver complicações.



  • Janakiraman, V. Listeriosis in pregnancy: diagnosis, treatment, and prevention. Reviews in Obstetrics and Gynecology. 2008; 1(4): 179.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.