Investigação

A abordagem mista ou multimétodo constitui o nível mais alto de integração entre as abordagens qualitativas e quantitativas. Saiba mais neste artigo.
Investigação
Paula Villasante

Escrito e verificado por la psicóloga Paula Villasante em 08 Setembro, 2021.

Última atualização: 08 Setembro, 2021

A pesquisa científica é entendida como um processo, termo que significa algo dinâmico, mutante e que evolui. Esse processo é composto por múltiplas etapas intimamente ligadas entre si, que ocorrem ou não de forma sequencial ou contínua.

Desta forma, a investigação começa com uma ideia e uma abordagem, e termina com a coleta, análise de dados e um relatório do estudo.

Na área da saúde, a pesquisa é realizada principalmente dentro de duas correntes de pensamento:

  • De um lado, encontramos as pesquisas quantitativas, vinculadas à tradição positivista.
  • Do outro, está a pesquisa qualitativa, muitas vezes relacionada à investigação naturalística.

Os projetos de pesquisa

Os projetos de pesquisa normalmente possuem dois objetivos principais:

  • Gerar conhecimento e teorias.
  • Resolver problemas práticos.

Assim, um projeto de pesquisa é um processo que visa a produção de conhecimento científico. Ele é composto por várias etapas intimamente relacionadas. Além disso, é uma forma de apresentar problemas e buscar soluções para eles, pois existe interesse teórico ou prático.

Abordagens de pesquisa

Pesquisa de computador.

Ao longo da história da ciência, surgiram várias correntes de pensamento como o empirismo, o materialismo dialético, o positivismo, a fenomenologia e o estruturalismo. Estas correntes deram origem a diversas formas de busca do conhecimento.

Desde a segunda metade do século 20, essas tendências foram divididas principalmente em duas abordagens: a abordagem quantitativa e a abordagem qualitativa de pesquisa.

Em termos gerais, ambas abordagens usam cinco fases semelhantes e relacionadas :

  • São realizadas a observação e avaliação dos fenômenos.
  • São estabelecidas suposições ou ideias como consequência da observação e avaliação realizada.
  • O grau de fundamento das suposições ou ideias é testado e demonstrado.
  • Tais suposições ou ideias são revisadas com base em evidências ou análises.
  • São propostas novas observações e avaliações para esclarecer, modificar, cimentar e/ou apoiar as suposições e ideias; ou mesmo para gerar outras.

A abordagem quantitativa

A abordagem quantitativa tem origem nos trabalhos de Auguste Comte (1798-1857) e Emile Durkheim (1858-1917). Eles propuseram que o estudo dos fenômenos sociais precisava ser científico. Ou seja, pode ser adquirido por meio da aplicação do método científico. Desta forma, os autores argumentavam que todos os fenômenos podem ser medidos.

A seguir apresentamos as características dessa abordagem:

  • Usa a coleta e análise de dados para responder a uma ou várias questões de pesquisa e testar as hipóteses previamente estabelecidas.
  • Se baseia em medições numéricas, contagens e, muitas vezes, no uso de estatísticas para estabelecer com precisão os padrões de comportamento em uma população.
  • É fundamentada em um esquema dedutivo e lógico. É reducionista e busca generalizar os resultados dos estudos por meio de amostras representativas.
  • Ela primeiro escolhe uma ideia, que depois transforma em uma ou várias questões de pesquisa.
  • Uma ou várias hipóteses são derivadas da questão de pesquisa e uma estratégia é desenvolvida para prová-la ou refutá-la.
  • As variáveis são medidas e definidas em um determinado contexto.
  • As medidas obtidas são analisadas por métodos estatísticos.
  • É estabelecida uma série de conclusões sobre a hipótese.
  • As hipóteses são testadas, usando projetos de pesquisa apropriados.
  • A maneira confiável de conhecer a realidade é por meio da coleta e análise de dados de acordo com certas regras lógicas.
  • Ela está associada a experimentos, pesquisas com questões fechadas ou estudos que utilizam instrumentos de medição padronizados.
  • Essa abordagem é a mais utilizada nas ciências exatas e nas ciências da saúde.

Exemplos dessa abordagem são os estudos de prevalência, de caso e controle, de coortes, ensaios clínicos, etc., amplamente utilizados na saúde, como já mencionamos.

Cientistas no laboratório.

A abordagem qualitativa

Essa abordagem teve sua origem com Max Weber (1864-1920) e também nas ciências sociais. Essa corrente reconhece que os significados subjetivos e a compreensão do contexto devem ser considerados onde o fenômeno ocorre, além da necessidade da descrição e medição das variáveis sociais.

Esta abordagem é caracterizada por:

  • Geralmente é usada primeiro para descobrir e refinar questões de pesquisa e, às vezes, hipóteses são testadas.
  • Ela se baseia em métodos de coleta de dados sem medição numérica, como a descrição e observação do fenômeno. O processo é flexível e se move entre os eventos e a interpretação dos mesmos.
  • Seu propósito é reconstruir a realidade. Frequentemente, é chamada de ‘holística’, sendo baseada em um esquema indutivo.
  • Ela é orientada por áreas ou temas significativos, e não se destina a generalizar os resultados das pesquisas.
  • A questão da pesquisa e as hipóteses podem ser desenvolvidas antes, durante ou após a coleta e análise dos dados.
  • Ela é frequente nos fenômenos sociais, pois sua ênfase não está na mensuração das variáveis envolvidas, mas sim no seu entendimento. Não é realizada uma análise estatística.
  • Às vezes é denominada pesquisa naturalística, fenomenológica, interpretativa ou etnográfica.
  • Os métodos de coleta de dados utilizam técnicas que não tem com objetivo medir ou associar as medições a números. Algumas delas são:
    • Observação estruturada.
    • Entrevistas abertas.
    • Revisão de documentos.
    • Discussão em grupo.
    • Avaliação de experiências pessoais.
    • Análise da história de vida.
    • Análise semântica e de discursos cotidianos.
    • Integração com grupos ou comunidades.
  • A pesquisa é basicamente conduzida em ambientes naturais. Neles, os participantes se comportam da mesma forma que o fazem em seu dia a dia.
  • As variáveis não são definidas para fins de manipulação ou controle experimental.
  • O pesquisador observa eventos comuns e atividades cotidianas conforme elas ocorrem em ambientes naturais. Assim, ele se envolve diretamente com as pessoas que estuda e com suas experiências pessoais.
  • As técnicas de pesquisa e habilidades sociais são usadas de forma flexível.

Alguns exemplos dessa abordagem são os estudos fenomenológicos, etnográficos, antropológicos, estudos de teoria fundamentada, pesquisa holística, estudo de caso, pesquisa de grupo de foco, etc.

A abordagem mista

A abordagem mista ou multimétodo constitui o nível mais alto de integração entre as abordagens qualitativas e quantitativas. Ambas são combinadas ou mescladas ao longo do processo de pesquisa ou, pelo menos, na maioria das etapas.

Ela requer uma gestão completa das abordagens e uma mentalidade aberta, e acrescenta complexidade ao desenho do estudo, contemplando todas as vantagens de cada uma das abordagens.

Vantagens da abordagem mista:

  • Complementaridade.
  • Ampliação da compreensão teórica.
  • Validade aumentada.
  • Expansão das fronteiras do conhecimento.

Obstáculos para o desenvolvimento da pesquisa:

  • Vieses epistemológicos.
  • Maior capacitação do pesquisador.
  • Custos.
  • Desafios analíticos.
  • Preconceitos dos editores.

Essas duas abordagens de pesquisa apresentam diferenças tanto na metodologia quanto na teoria. No entanto, ambas têm como objetivo a busca do conhecimento, encontrando  restrições e desafios semelhantes. Portanto, a escolha do método adequado depende da sensibilidade e filosofia do pesquisador, mas também da questão de pesquisa.

Pode interessar a você...
10 tipos de falácias lógicas e argumentativas
Muy SaludLeia em Muy Salud
10 tipos de falácias lógicas e argumentativas

Embora a lista de falácias lógicas e argumentativas seja bastante extensa, vamos apresentar uma lista com as 10 mais recorrentes. Continue lendo!



  • Hernández Sampieri, R., Fernández Collado, C., & Baptista Lucio, P. (1996). Metodología de la Investigación. Mac Graw Hill, México.
  • Grinnell, R. (1997). Social Research and Evaluation. Quantitative and Qualitative Approaches.
  • Vargas, A. (1999). Metodología de la Investigación. Spanta. México.
  • Vega-Malagón, G., Ávila-Morales, J., Vega-Malagón, A. J., Camacho-Calderón, N., Becerril-Santos, A., & Leo-Amador, G. E. (2014). Paradigmas en la investigación. Enfoque cuantitativo y cualitativo. European Scientific Journal, ESJ, 10(15).