Gota: sintomas, causas e tratamento

A gota é uma doença que ataca as articulações e pode ter consequências graves, além de afetar a qualidade de vida do paciente. Conheça os sintomas e tratamento para ela.

A gota é uma doença crônica muito comum em humanos, afetando entre 1 e 2% dos adultos em países desenvolvidos. É uma condição que se origina devido aos depósitos de uma substância chamada urato monossódico nos tecidos.

Ela está sendo cada vez mais estudada, pois afeta negativamente as pessoas e foi demonstrado que qualquer pessoa pode desenvolvê-la. Os artigos científicos reconhecem que essa é uma doença grave que gera incapacidades a médio e longo prazo, pois tem um grande impacto na qualidade de vida das pessoas.

Esta doença geralmente se apresenta com ataques de dor súbitos e intensos. Além disso, há vermelhidão, inchaço e sensibilidade nas áreas articulares. Esses sintomas se tornam mais perceptíveis à medida que os pacientes envelhecem.

Causas da gota

A gota tem muitas causas
Alguns hábitos alimentares podem favorecer o aparecimento dessa doença.

A gota é derivada de depósitos de cristais de urato monossódico que se formam nas articulações, sendo esta a principal causa. Esses cristais se alojam nos tecidos articulares e periarticulares.

Esses cristais são formados a partir da alta concentração de ácido úrico no corpo. Trata-se de um composto que se forma pelo metabolismo das purinas, substâncias naturalmente presentes no organismo e que também são derivadas de alimentos como fígado, anchovas e cerveja.

Grande parte dessa substância viaja constantemente pelo organismo, através da corrente sanguínea. Normalmente ela se dissolve no sangue e é excretada na urina, mas às vezes o corpo produz uma quantidade tão grande que não é possível eliminar o suficiente. É quando os cristais de urato se formam e se acumulam.

Fatores de risco

Como fatores de risco para o desenvolvimento da gota, destacam-se o consumo de alimentos que fornecem ao organismo maiores quantidades de ácido úrico. O consumo exagerado de cerveja é um comportamento de risco predominante para muitas pessoas, bem como sucos naturais ou bebidas adoçadas com xarope de milho.

Além disso, revistas médicas documentaram a existência de outros tipos de fatores de risco, como:

  • Hipertensão arterial: reduz a taxa de filtração glomerular que ocorre nos rins. É durante esse processo que o excesso de ácido úrico é eliminado.
  • Obesidade: o corpo das pessoas obesas produz uma quantidade maior de ácido úrico, que não pode ser completamente excretado pelos rins.
  • Dieta: uma dieta desequilibrada onde predomina o consumo de carnes, frutos do mar e bebidas açucaradas pode elevar os níveis de ácido úrico.
  • Drogas diuréticas tiazídicas : essas drogas, como a aspirina, são usadas para tratar hipertensão. Essas substâncias podem aumentar os níveis de ácido úrico.
  • Sexo e idade: embora a gota seja comum em homens, após a menopausa as mulheres têm maior probabilidade de desenvolver a doença, devido a baixos níveis de ácido úrico.

Sintomas de gota

Geralmente, os sintomas da gota são de início súbito e costumam atacar à noite. A seguir, citaremos alguns dos mais frequentes.

Dor intensa nas articulações

Sintomas de gota
A dor é o sintoma mais representativo, além de inflamação.

Embora a gota afete todas as articulações, geralmente afeta o dedão do pé ou o hálux do pé com maior impacto. É por isso que o pé apresenta um inchaço que inflama e causa dor.

Este mesmo sintoma pode aparecer nos tornozelos, joelhos, cotovelos, pulsos e até mesmo nos dedos. A dor mais forte pode durar entre as primeiras 4 a 12 horas após o início.

Desconforto que persiste

Depois que a dor inicial diminuir, será comum o desconforto nas articulações durar alguns dias ou semanas. Além desse desconforto podem ocorrer ataques subsequentes que geralmente duram mais do que o primeiro episódio e afetam muitas outras articulações.

Inchaço e vermelhidão

Durante e após episódios dolorosos de gota, a área da articulação pode ficar inchada e inflamada, apresentando uma coloração vermelha. Elas também tendem a ficar mais quentes que o resto do corpo.

Limitação de movimento

Devido à inflamação e à dor que podem durar semanas após a crise mais intensa, você pode sentir que não consegue mover bem as articulações e que essa mobilidade é dolorosa. Movimentos lentos e controlados são recomendados para não lesionar ainda mais a área articular.

Diagnóstico

O diagnóstico inicial é feito com base nos sintomas relatados pelo paciente e nos sinais do exame físico. Além disso, uma amostra de fluido pode ser aspirada das articulações com uma agulha. O objetivo desta extração é identificar cristais de urato monossódico.

Da mesma forma, o líquido sinovial extraído das articulações pode ser analisado para fazer uma contagem de leucócitos, que pode estar aumentada. Além disso, uma amostra de urina de 24 horas é coletada para identificar a presença de ácido úrico.

Caso seja confirmada a presença destes elementos, isso indica que, devido ao aumento desse ácido, o corpo o está eliminando por meio desse mecanismo.

Há ocasiões em que a gota está tão avançada que as articulações das mãos são gravemente afetadas. Nestes casos, uma radiografia é realizada para observar o estado real e fazer um diagnóstico mais preciso de todas as complicações.

Tratamento de gota

A gota é uma doença dolorosa que requer tratamento imediato para o alívio dos sintomas. No entanto, foi demonstrado que os sintomas diminuem espontaneamente em algumas semanas. O tratamento é dado de acordo com as necessidades de cada pessoa e a intensidade de suas dores.

O tratamento é por via farmacológica e alguns estudos têm demonstrado que quanto mais rápido é iniciado, mais eficaz é. O uso de medicamentos deve ser constante, pois se eles forem usados apenas durante uma crise não serão tão eficazes, já que o organismo se torna resistente ao tratamento. Alguns dos medicamentos mais comumente usados são os seguintes:

  • Antiinflamatórios não esteróides (AINEs) : um exemplo é o ibuprofeno. Geralmente, todos os antiinflamatórios tipo AINEs que foram testados são eficazes no controle dos sintomas da gota. Esses medicamentos devem ser tomados com outros para atenuar os sintomas gástricos.
  • Glicocorticosteroides : neste grupo de drogas está a prednisolona, que geralmente é eficaz na maioria das pessoas. Os glicocorticosteroides são indicados para pessoas com gota que, devido à idade ou doenças subjacentes, não podem tomar AINEs.
  • Colchicina: este medicamento foi o primeiro a demonstrar eficácia contra a doença da gota. No entanto, seu maior problema é a janela terapêutica estreita. Isso faz com que a droga dure muito menos tempo fazendo efeito no corpo e, portanto, é necessário tomar outra dose da droga.

Como prevenir seu aparecimento?

Como parte da prevenção desta doença, é indicado evitar todos os alimentos ou bebidas que possam aumentar as altas concentrações de ácido úrico no organismo. Além de constantes check-ups médicos para monitorar se o tratamento está funcionando ou para fazer uma mudança para medicamentos que melhorem a qualidade de vida do paciente.

Gota, se cuidar é prevenir

Agora você conhece informações gerais e específicas sobre a gota, que costuma ter efeitos graves que podem reduzir a qualidade de vida das pessoas.

É necessário relatar os sintomas e seguir o tratamento prescrito pelo profissional de saúde para evitar complicações como cálculos renais, que aparecem quando os cristais de urato se acumulam no trato urinário.

  • Chalès, G., Coiffier, G., & Albert, J. D. (2017). Gota. EMC-Aparato Locomotor, 50(4), 1-21.
  • Goicoechea, M., García-de Vinuesa, S., Arroyo, D., & Luño, J. (2012). Hiperuricemia, gota y enfermedad renal crónica. Nefrología Sup Ext, 3(2), 8-15.
  • Ruiz, F. P., López, J. R., & Beites, A. M. H. (2009). Influencia de la historia natural de la enfermedad en el diagnóstico previo en pacientes con gota. Reumatología Clínica, 5(6), 248-251.
  • Gómez, E. P., & Mascaró, F. S. (2009). Hiperuricemia y gota. Revista Terapéutica del Sistema Nacional de Salud, 33(4), 110-115.
  • Suárez, M. C. L., Ferrín, R. E. M., Cunalata, E. F. A., Mosquera, L. F. V., & Ramírez, M. I. T. (2020). Diagnóstico, tratamiento y prevención de la gota. Correo Científico Médico de Holguín, 24(1).
  • Paladines Tene, A. C. (2021). La gota como trastorno metabólico del catabolismo de las purinas (Bachelor’s thesis, Machala: Universidad Técnica de Machala).
  • Fernández, D., Londolo, J., Santos, P., Reyes, E., Valle, R. Tratamiento de la gota aguda. Revista Med. 17 (2): 245-251, 2009
  • E. Pascual Gómez, A. Martínez Sanchís. Artropatías microcristalinas.