Escoliose: sintomas, causas e tratamento

A escoliose é uma condição comum que afeta a coluna vertebral e sua forma. A maioria dos casos não são graves e, portanto, não requerem um tratamento agressivo.
Escoliose: sintomas, causas e tratamento
María Vijande

Escrito e verificado por la farmacéutica María Vijande em 17 Setembro, 2021.

Última atualização: 17 Setembro, 2021

O termo escoliose se refere a uma curvatura da coluna vertebral, que tem a forma de “S” ou “C”, dependendo de seu padrão de desvio no plano do corpo. Estima-se que entre 2% e 4% da população pediátrica e adolescente tem uma escoliose de mais de 10 graus, o número mínimo para estabelecer um diagnóstico.

Por outro lado, estudos que serão discutidos abaixo estimam que a taxa de pessoas com escoliose na população em geral é de cerca de 3,5%. Além disso, é uma condição com um claro viés feminino, com 4 mulheres para cada homem afetado. A incidência geral varia de 2% a 13,6% da população total.

A progressão da escoliose depende do desenvolvimento e do crescimento do paciente, tornando-se mais evidente durante os surtos de crescimento típicos da puberdade e da adolescência. Se você quiser saber tudo sobre esta condição, que é tão difundida quanto desconhecida, continue lendo.

A base fisiológica da coluna vertebral

Devemos começar estabelecendo certos pilares da coluna vertebral. Esta estrutura óssea, na forma de uma haste longitudinal, é a base do esqueleto axial do ser humano e protege a medula espinhal. Graças a ela, sinais aferentes e eferentes podem ser enviados com segurança entre o cérebro e cada parte do corpo.

A unidade da coluna vertebral é a vértebra, como declarado pelo Departamento de Ortopedia. Os humanos, desde que nos tornamos adultos, têm um total de 33 vértebras, que são distribuídas da seguinte forma:

  1. Região cervical (C, entre as vértebras C1 e C7): estes são os grupos vertebrais que formam o pescoço. Eles permitem o movimento da cabeça nos diferentes eixos e são considerados a porção mais móvel da coluna vertebral de todas. Entre as diferentes vértebras que o compõem, destaca-se o Atlas (C1), ligado à base do crânio.
  2. Região dorsal ou torácica (D, entre as vértebras D1 e D12): constitui a maior parte da coluna vertebral, e é composta de vértebras maiores e mais espessas que as vértebras cervicais, mas com menor mobilidade. Esta região é um dos pilares básicos para a manutenção postural e locomoção.
  3. Região lombar (L, entre as vértebras L1 e L5): a região mais maciça e mais espessa de toda a coluna vertebral, pois deve suportar uma grande parte do peso do corpo. É a área que causa mais problemas, pois a dor lombar é a principal causa de incapacidade em 160 países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
  4. Região sacral (S, entre as vértebras S1 e S5): as 5 vértebras desta área são soldadas, formando o que conhecemos hoje como o sacro.
  5. Cóccix: um osso curto e estranho formado por 4 vértebras fundidas. Em humanos, é o vestígio de uma cauda, que aparece universalmente nos vertebrados durante o desenvolvimento embrionário. Acredita-se ser uma estrutura sem uso específico, mas como os estudos indicam, ainda não se sabe o suficiente sobre este osso.

Deve-se observar que a coluna vertebral ou dorso contém 4 curvaturas naturais: a cervical, torácica, lombar e sacral. Como veremos em seções posteriores, isto é de grande importância no diagnóstico da escoliose.

O que é escoliose?

A escoliose causa dores nas costas
Esta condição está freqüentemente associada a dor crônica.

A escoliose pode ser definida como “desvio lateral ou desvio para a esquerda ou direita da coluna vertebral”. Em outras palavras, é uma deformidade tridimensional nesta estrutura óssea que excede 10 graus, de acordo com a Clínica Universidade de Navarra.

A curvatura que define a escoliose pode ser primária e única (em forma de C) ou, alternativamente, pode apresentar-se na forma de duas curvas, uma primária e outra secundária compensatória, com uma disposição em forma de S. Além disso, a escoliose pode ocorrer apenas na região lombar ou torácica, mas geralmente ocorre entre as duas (seção toracolombar).

A respeito do diagnostico, cada escoliose pode ser definida de acordo com a forma da curva, localização, direção, magnitude e agente etiológico causador. Cada uma dessas categorias é discriminada abaixo.

Forma da curva

Com base neste parâmetro, a escoliose pode ser definida como estrutural ou não-estrutural. No primeiro caso, a coluna vertebral não só gira de um lado para o outro como estrutura, mas as vértebras também giram com ela. Isto causa uma proeminência ou deformidade na caixa torácica do paciente.

Na escoliose não estrutural, as vértebras não giram, de modo que a estrutura geral não “torce” em seu próprio eixo. Portanto, a compressão e deformação da caixa torácica não ocorre.

Localização

Dependendo do local de apresentação, a escoliose também pode ser dividida em múltiplas categorias, conforme indicado pelo Centro de Redução de Escoliose. Com esta premissa em mente, trazemos a você as seguintes categorias:

  • Escoliose torácica: refere-se à curvatura na seção média das costas, ou seja, na região torácica ou dorsal da coluna vertebral. Estes são os tipos mais comuns de escoliose e, infelizmente, muitas vezes levam à deformação da caixa torácica e até mesmo dos ombros e da postura geral do paciente.
  • Escoliose lombar: ocorre na região lombar. Normalmente faz com que um quadril seja mais alto que o outro, o que também altera o comprimento total das pernas. Como uma exceção à regra, este tipo de escoliose pode ocorrer devido a processos degenerativos relacionados à idade.
  • Escoliose toracolombar: a curvatura está entre as regiões lombar e torácica. É a variante mais comum em casos congênitos ou casos associados a problemas neuromusculares.

Além de tudo isso, a escoliose pode virar para a esquerda em sua curvatura (dextroscoliose) ou para a direita (levoscoliose). Não vamos nos concentrar mais neste parâmetro devido à complexidade morfológica envolvida, pois é suficiente saber que a disposição das curvas proporciona uma tipologia muito extensa.

Idade em que aparece

Este fator é bastante auto-explicativo. A escoliose infantil é aquela que se apresenta entre o nascimento e os 3 anos de idade, e refere-se apenas a 1% dos casos idiopáticos (sem causa aparente) na faixa etária pediátrica. Curiosamente, 60% dos bebês com esta condição prematura são meninos.

A escoliose juvenil, por outro lado, é a escoliose que ocorre entre os 4 e 10 anos de idade. É responsável por 10-15 % da escoliose infantil idiopática e, neste caso, há um preconceito em relação ao gênero feminino. Além desses dados de idade precoce, vale a pena notar que a escoliose adolescente é a variante mais comum de todas.

Portais como o The Open Orthopaedics Journal estimam que a escoliose em adolescentes varia em prevalência de o,5% a 5,2% da população geral, com um número esperado de 4 afetados por 100 no total. Até 85 % dos casos nesta variante do quadro clínico são idiopáticos, ou seja, a causa real da condição não é conhecida.

Sintomas de escoliose

A maioria da escoliose em adolescentes (a maior parte da apresentação) é assintomática, ou seja, não se manifesta de forma alguma além da deformidade física. Entretanto, a Sociedade Argentina de Pediatria (SAP) estipula que 25% dos pacientes desenvolvem alguma forma de dor inicialmente e 9% desenvolvem desconforto no acompanhamento.

Se a dor acima mencionada estiver presente, outros sintomas podem também aparecer. Entre todas elas, podemos destacar as seguintes:

  • Dor lombar irradiando pelas pernas.
  • Fraqueza e uma sensação de cansaço ao manter uma postura por muito tempo.
  • Ombros ou quadris que parecem irregulares. Dependendo da curvatura e do local de apresentação, esta anormalidade pode ocorrer na seção superior ou inferior do corpo.
  • Dor nas extremidades superiores
  • Finalmente, o sinal clínico principal é uma curvatura (ou 2) na coluna vertebral que vai além dos 10 graus.

Deve-se notar que a curvatura geralmente não progride no eixo em que ocorre. Aqueles com menos de 30 graus tendem a permanecer como estão (os mais comuns), enquanto que se ultrapassarem 50 graus, são de se esperar desvios maiores. Nos casos em que a escoliose é detectada, a progressão é geralmente à taxa de 1 grau por ano.

Causas da escoliose

A escoliose pode ser primária (idiopática) ou secundária. No primeiro caso, a causa subjacente ao quadro clínico não é conhecida e, no segundo caso, é. Como mencionado acima, a grande maioria da escoliose juvenil surge sem causa aparente, o que torna o diagnóstico e tratamento precoce muito difícil.

Dentro do grupo idiopático, várias causas são consideradas, tais como desequilíbrios hormonais (daí a maior prevalência nas mulheres), crescimento assimétrico, desequilíbrios musculares e, acima de tudo, fatores genéticos hereditários.

De acordo com o portal StatPearls, até 30% das pessoas com escoliose têm um membro da família afetado.

Por outro lado, a escoliose secundária é explicada principalmente por doenças congênitas ao nascimento (10% do total de casos) ou doenças neuromusculares (15%). As pessoas com escoliose secundária podem saber melhor o que esperar de sua condição e se preparar para o tratamento.

Tratamento

solução cirúrgica da escoliose
Muitos casos exigem cirurgia.

O tratamento da escoliose depende inteiramente da causa subjacente da condição. Entretanto, como observa a Clínica Mayo, a maioria das crianças com escoliose primária geralmente não requer nenhuma abordagem, pois a curvatura é muito pequena. Mesmo assim, nunca fazer um acompanhamento.

Quando a curvatura é pronunciada o suficiente para apresentar complicações (20 graus), é necessário um acompanhamento intenso. Além disso, se a condição aumentar a uma taxa de 5 graus em 6 meses ou 10 graus em um ano, é necessário um tratamento imediato, pois a escoliose com efeitos graves pode ser atingida.

O objetivo do tratamento da escoliose pode ser diferenciado nas seguintes frentes:

  1. Prevenir a progressão da(s) curvatura(s).
  2. Para conseguir uma correção considerável das deformidades nos diferentes planos do corpo.
  3. Melhorar a aparência física do paciente.
  4. Para prevenir a incapacidade a longo prazo.

Para atingir estes objetivos, os dispositivos de imobilização são frequentemente escolhidos para crianças pequenas com escoliose. Estes não corrigem a curvatura por si mesmos, mas podem ajudar a evitar que ela se torne mais evidente durante o desenvolvimento do esqueleto do paciente. Este dispositivo deve ser usado durante 23 horas por dia e os resultados nem sempre são os desejados.

Fontes já citadas indicam que quanto mais jovem a idade de apresentação, mais agressivo deve ser o tratamento. Isto significa que quase toda escoliose congênita ou com causa neuromuscular deve ser tratada cirurgicamente, especialmente se ocorrer ao nascimento. Nesses casos, a estratégia a seguir é a fusão vertebral.

Nesta abordagem, os cirurgiões soldam 2 ou mais vértebras da coluna vertebral juntas para que não possam mais se mover. A operação geralmente termina com um prognóstico positivo, embora seja possível que infecções, hemorragias ou danos aos nervos possam ocorrer como resultado da operação.

Em qualquer caso, deve-se lembrar que a maioria das escolioses com menos de 20 graus não prosperam com o tempo. Nesses cenários, não é necessário nenhum tratamento.

Uma entidade clínica diversificada

Se uma coisa é clara para nós depois de passar por estas linhas, é que a escoliose é uma das doenças ósseas mais etiologicamente variadas. Os tipos de escoliose podem ser distinguidos com base na idade de apresentação, localização, curva óssea, agentes causadores e muito mais. Cada variante tem suas próprias características.

Entretanto, deve-se observar que muitas dessas condições não progridem com o tempo e, portanto, o paciente pode levar uma vida relativamente normal. Se a curvatura aumentar acentuadamente, a condição pode ser tratada por meio de cirurgia ou dispositivos de imobilização.

Pode interessar a você...
7 dicas para melhorar a postura das costas
Muy Salud
Leia em Muy Salud
7 dicas para melhorar a postura das costas

A postura inadequada das costas está associada a dores, lesões e problemas no funcionamento dos músculos, órgãos e processos básicos do corpo.



  • Andrés Domingo, P. (2017). Infecciones de transmisión sexual. Pediatria Integral.
  • Guhl, F. (2009). Enfermedad de Chagas : Realidad y perspectivas. Revista Biomédica.
  • OMS. (2005). Guías para el tratamiento de las infecciones de transmisión sexual. Organizacion Mundial de la Salud.