Disfunção erétil: sintomas, causas e tratamento

A disfunção erétil é uma condição cuja incidência aumenta com a idade. O problema por si só não é grave, mas vem acompanhada de um forte estigma social que motiva as pessoas a irem ao médico.
Disfunção erétil: sintomas, causas e tratamento
Paula Villasante

Escrito e verificado por la psicóloga Paula Villasante em 11 Junho, 2021.

Última atualização: 11 Junho, 2021

A disfunção erétil é um tipo comum de disfunção sexual masculina multidimensional. Isso implica numa alteração em qualquer um dos componentes da resposta erétil, incluindo relacionais, orgânicos ou psicológicos.

A disfunção erétil ocorre quando um homem tem problemas para obter ou manter uma ereção. Esse é um problema que se torna mais comum com a idade e, de fato, afeta principalmente a homens com mais de 40 anos. Ainda assim, ela não é considerada como parte normal do envelhecimento.

Além das causas clássicas que podem levar ao problema, como diabetes mellitus ou hipertensão, existem outros fatores relacionados. Eles são estilo de vida, obesidade, limitação ou ausência de exercícios físicos e problemas no trato urinário.

As intervenções para aliviar os sintomas desse distúrbio incluem modificações no estilo de vida, dispositivos de ereção a vácuo ou agentes vasodilatadores injetáveis.

Ereção masculina e disfunção erétil

Disfunção erétil e problemas de relacionamento
Essa condição pode levar a problemas de relacionamento.

O pênis ereto sempre foi um símbolo da virilidade e das proezas sexuais de um homem. Embora não seja uma condição com risco de vida, o interesse em torno da disfunção erétil e seus remédios tem sido constante ao longo da história.

Assim, a disfunção erétil é definida como a ‘incapacidade de atingir ou manter uma ereção que seja suficiente para um desempenho sexual satisfatório‘. Ela afeta uma proporção considerável de homens, mesmo que ocorra ocasionalmente.

Dois aspectos principais podem estar envolvidos na disfunção erétil : ereção reflexa e ereção psicogênica. Ambos podem estar envolvidos na disfunção e estão sujeitos a intervenção terapêutica.

  • A ereção reflexa é alcançada tocando-se diretamente na haste do pênis, e está sob o controle dos nervos periféricos e das partes inferiores da medula espinhal.
  • A ereção psicogênica é alcançada por meio de estímulos eróticos ou emocionais. O sistema límbico do cérebro está diretamente relacionado a esse processo.

Causas da disfunção erétil

A disfunção erétil costumava ser considerada um distúrbio puramente psicogênico. No entanto, as evidências atuais sugerem que mais de 80% dos casos têm uma etiologia orgânica. As causas da disfunção erétil orgânica podem ser divididas em endócrinas e não endócrinas.

Causas não endócrinas

Entre as causas orgânicas não endócrinas da disfunção erétil, podemos encontrar o seguinte:

  • Vasculogênica (afetando o fluxo sanguíneo). Esta é a causa mais comum e pode envolver distúrbios do fluxo arterial e anormalidades do fluxo venoso.
  • Neurogênico (afetando a inervação e função nervosa).
  • Iatrogênico (relacionado ao tratamento médico ou cirúrgico).

As causas endócrinas que levam à disfunção erétil podem ser os níveis séricos de testosterona reduzidos.

Muitas vezes, a disfunção erétil orgânica envolve um componente psicológico. Independentemente do evento desencadeante, a disfunção erétil tem efeitos negativos nas relações interpessoais, humor e qualidade de vida.

Fatores de risco

Existem certos fatores de risco que podem potencializar o aparecimento da disfunção erétil:

  • Síndrome metabólica.
  • Hiperplasia benigna da próstata.
  • Doença cardiovascular.
  • Tabagismo.
  • Condições neurológicas centrais.
  • Lesão da medula espinal.
  • Depressão ou estresse.
  • Diabetes mellitus

Sintomas de disfunção erétil

Os sintomas dessa patologia podem ser divididos em sintomas psicogênicos e sintomas orgânicos.

Sintomas psicogênicos

  • Aparecimento repentino.
  • Função intermitente.
  • Ereção noturna.
  • O mais provável é que a resposta aos medicamentos convencionais, como os inibidores da fosfodiesterase tipo 5, será eficaz na redução dos sintomas.

Sintomas orgânicos

  • Início gradual.
  • Frequentemente progressivo.
  • Resposta consistentemente fraca.
  • A ereção é melhor de pé do que na posição deitada (na presença de vazamento venoso).

Diagnóstico de disfunção erétil

Os principais objetivos da avaliação desses pacientes são estabelecer se o transtorno é realmente disfunção erétil e determinar os fatores e comorbidades com risco de vida associados à disfunção erétil.

Histórico clínico

Tratamento da disfunção erétil
A abordagem de pacientes com disfunção erétil geralmente é multidisciplinar.

A base para o diagnóstico da disfunção erétil é um histórico médico e sexual adequado e completo. Durante a consulta inicial, o médico de atenção primária deve tentar obter um histórico psicossocial detalhado, enfocando a avaliação do paciente sobre sua atitude geral, desempenho sexual e conhecimento sobre sexo.

Muitas vezes, também é aconselhável entrevistar o casal. Ocasionalmente, um histórico médico pode revelar problemas psicológicos, que podem levar ao encaminhamento psiquiátrico.

Os pacientes que se queixam de ereções fracas podem sofrer de ejaculação precoce. Na disfunção erétil, a perda da ereção ocorre antes do orgasmo, enquanto na ejaculação precoce ocorre depois.

É importante determinar se a disfunção é orgânica ou psicogênica. Em geral, a presença de ereções rígidas pela manhã ou à noite, ou ereções rígidas antes de qualquer pensamento sexual, sugere uma causa principalmente psicogênica.

A disfunção erétil que começa repentinamente, tem curso intermitente ou de curta duração também sugere fatores psicogênicos em sua etiologia. Ao contrário, aquela que começa gradativamente e tem curso progressivo ou de duração prolongada sugere uma causa predominantemente orgânica.

Também é importante revisar antecedentes relevantes de drogas, incluindo o uso de álcool, tabaco ou drogas ilícitas e desejo sexual diminuído ou alterado.

Questionários padronizados

Questionários padronizados são freqüentemente usados para confirmar se o distúrbio é realmente disfunção erétil e para medir sua gravidade. Existem vários questionários disponíveis para esses casos, mas dois dos mais práticos são o Índice Internacional de Função Erétil e o Inventário de Saúde Sexual para Homens.

Exame físico

O exame físico na disfunção erétil é um bom método para explorar quaisquer concepções errôneas que o paciente possa ter sobre a relação entre esse problema e o comprimento do pênis, e sua masculinidade. Dois aspectos, geral e local, são geralmente levados em consideração no exame físico:

Exame físico geral

  • Características sexuais secundárias.
  • Pulsos e sensações.
  • Cicatrizes de cirurgias ou traumas anteriores.

Exame físico local

  • O pênis: são avaliados tamanho, cicatrizes, fibrose do meato uretral e elasticidade.
  • Escroto: tamanho e consistência testicular.
  • Exame retal: tamanho e consistência da próstata e vesículas seminais, avaliação do tônus do esfíncter anal e do reflexo bulbocavernoso.

Avaliação laboratorial

Em relação aos exames de sangue relevantes para o diagnóstico, são considerados os seguintes:

  • Glicemia em jejum.
  • Testosterona total.

Níveis baixos de testosterona livre ou total requerem avaliação hormonal adicional, incluindo hormônio luteinizante e prolactina.

Outras investigações mais específicas podem ser realizadas para a execução do diagnóstico, que incluem alguns questionários e testes.

Tratamento para disfunção erétil

Geralmente, o tratamento mais usado são os inibidores de PDE5. Outras modalidades de tratamento incluem modificação do estilo de vida, terapia com injeção, terapia com testosterona, dispositivos penianos e psicoterapia.

Terapia psicossexual e de casais

A terapia psicossexual é indicada quando problemas psicológicos significativos são reconhecidos. As técnicas mais comumente usadas incluem o seguinte:

  • Foco sensorial.
  • Educação sexual.
  • Terapia interpessoal.

Modificação do estilo de vida

Nesse distúrbio, é importante tratar fatores de estilo de vida, como:

  • Consumo de álcool.
  • Tabagismo.
  • Obesidade.
  • Sedentarismo.

Inibidores orais de PDE5

Os inibidores de PDE5 orais são considerados como tratamento de primeira linha. Essas drogas facilitam a ereção ao inibir a enzima PDE5, que é especificamente responsável pela degradação do monofosfato de guanosina cíclico (cGMP) nos músculos da região cavernosa lisa.

Esta inibição resulta em atividade prolongada do cGMP, o que reduz ainda mais as concentrações de cálcio intracelular, mantém o relaxamento do músculo liso e, portanto, resulta em ereções penianas rígidas. Atualmente, os inibidores PDE5 disponíveis são os seguintes:

  • Sildenafil (Viagra).
  • Tadalafil (Cialis).
  • Vardenafil (Levitra).
  • Udenafil (Zydena).
  • Mirodenafil (Mvix).

Testosterona

Embora a testosterona tenha ações importantes para manter a função erétil adequada, seu papel no tratamento desse problema é limitado. A terapia de reposição de testosterona é recomendada em homens com disfunção erétil que confirmaram baixos níveis de testosterona disponível.

Dispositivos de constrição a vácuo

Esses tipos de dispositivos funcionam aplicando pressão negativa contínua ao corpo do pênis, o que ajuda a drenar o sangue para os corpos cavernosos. Porém, as ereções criadas com este método não são naturais, pois são mecânicas e geram uma sensação de frio no pênis, e quase metade dos pacientes não fica satisfeita com este método.

Geralmente, esse tipo de tratamento é reservado para pacientes com relacionamento estável. Eles tendem a ter um histórico de fracasso com o tratamento com inibidor de PDE5 e recusam outras opções mais invasivas, como injeção intracavernosa ou implantação de próteses penianas.

Injeção intracavernosa e terapia transuretral

É considerado um tratamento de segunda linha para esse problema. Sua principal vantagem é que a ereção alcançada é previsível e ocorre rapidamente. A ereção geralmente ocorre em menos de 10 minutos, independentemente do desejo sexual.

Prótese peniana

O implante de prótese peniana costuma ser o último recurso para o tratamento da disfunção erétil, quando outras modalidades falharam ou o paciente não as prefere. Existem dois tipos principais de próteses penianas:

  • Prótese semirrígida : geralmente é mais fácil de implantar e tem maior durabilidade. No entanto, não pode produzir um pênis totalmente ereto.
  • Próteses infláveis – geralmente são feitas de duas ou três partes, o que permite criar uma ereção rígida.

A disfunção erétil é considerada um problema importante, que pode predizer o aparecimento de uma doença cardiovascular. No entanto, mais pesquisas ainda são necessárias para determinar um tratamento mais eficaz.

É um problema interessante, complexo e frequente, que obviamente requer atenção adequada. No caso de apresentar sintomas relacionados a essa condição, é aconselhável ir ao urologista o mais rápido possível para uma avaliação adequada.

Pode interessar a você...
Viagra: história e mecanismo de ação
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Viagra: história e mecanismo de ação

O Viagra é um medicamento que trata a disfunção erétil, mas, ao contrário do que as pessoas costumam pensar, não funciona sem um estímulo sexual ad...



  • Yafi, F. A., Jenkins, L., Albersen, M., Corona, G., Isidori, A. M., Goldfarb, S., … & Tan, R. (2016). Erectile dysfunction. Nature reviews Disease primers, 2(1), 1-20.
  • Shamloul, R., & Ghanem, H. (2013). Erectile dysfunction. The Lancet, 381(9861), 153-165.
  • McVary, K. T. (2007). Erectile dysfunction. New England Journal of Medicine, 357(24), 2472-2481.
  • Erectile dysfunction – Symptoms and causes. (2020). Retrieved 6 December 2020, from https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/erectile-dysfunction/symptoms-causes/syc-20355776