As 10 doenças mais mortais

As doenças mais letais dependem da condição socioeconômica da região em que ocorrem. Você sabia que a diarreia mata 525.000 crianças a cada ano?
As 10 doenças mais mortais

Escrito por Maite Córdova Vena, 23 Agosto, 2021

Última atualização: 18 Setembro, 2021

No ano de 2020, 59,23 milhões de pessoas morreram na Terra. Este número parece astronômico e alarmante, mas devemos ter em mente que existem mais de 7670 bilhões de seres humanos em todo o planeta. Por exemplo, nos Estados Unidos ocorrem 869,7 mortes por 100.000 habitantes por ano, ou seja, menos de 1% da população total morre anualmente em países de alta renda.

Embora a esperança de vida na União Europeia seja de 85,10 anos para as mulheres e 82,40 para os homens, existem certas patologias devastadoras que podem acabar com a vida dos seres humanos de forma rápida ou lenta, mas inexoravelmente. Felizmente, a maioria das doenças mais mortais está associada à velhice e à senescência biológica.

Além disso, por mais estranho que pareça, muitas das doenças graves não são transmissíveis e não podem ser atribuídas a bactérias, vírus e outros parasitas. Continue lendo, pois neste espaço mostramos quais são as doenças mais mortais do mundo.

Quais são as 10 doenças mais mortais do mundo?


Conforme indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2019 apenas 10 doenças causaram 55% das mais de 55 milhões de mortes ocorridas. Várias patologias causam a morte, mas deve-se destacar que, dependendo da situação socioeconômica do país em que olhamos, as causas da senescência podem ser muito diferentes.

Por exemplo, em países de alta renda, a principal causa de morte é a doença isquêmica do coração. De qualquer forma, se consultarmos regiões desfavorecidas e com baixo índice de qualidade de vida, a principal causa de morte é a morbidade neonatal.

Esta comparação é melhor compreendida conhecendo os seguintes dados: em várias regiões europeias existem em média 32 médicos por cada 10.000 habitantes, enquanto na África o número é de 2 profissionais para o mesmo número de pessoas. Sem dúvida, a desigualdade significa que uma doença inofensiva em regiões de alta renda é fatal em locais com sistemas sociais e de saúde fracos.

Com esta ideia em mente, achamos interessante explorar as doenças mais mortais em contexto, ou seja, levando em consideração também as áreas desfavorecidas. Agora, conheça conosco as 10 patologias que lideram o número de mortes no mundo.

As doenças mais mortais não são as de maior potencial patológico, mas sim as que objetivamente mais matam a cada ano no mundo.

1. Doença isquêmica do coração: o número 1 das doenças mais mortais

Se falamos de fatalidade em países de alta renda, sem dúvida a doença isquêmica do coração ou a doença coronariana leva o duvidoso prêmio de ser a que mais vidas tira a cada ano. Conforme indicado pela  Revista Española de Cardiología, este tipo de doença cardiovascular causa cerca de 4 milhões de mortes em toda a Europa a cada ano.

Este valor representa 47% das mortes em toda a região, para além de provocar perdas superiores a 196 milhões de euros por ano. Existem vários tipos de doenças cardíacas, incluindo as seguintes:

  • Angina pectoris: apresenta-se na forma de uma dor opressiva localizada na região retroesternal. A angina de peito é causada pelo fornecimento insuficiente de sangue (oxigênio) às células do miocárdio, sem causar necrose celular. Por sua vez, essa condição pode passar por 6 estágios diferentes. A variante estável piora com o esforço físico.
  • Angina microvascular: Esta condição também se apresenta na forma de dor opressiva, mas a análise do coração e a angiografia coronária são normais. Suas causas são desconhecidas, embora várias hipóteses tenham sido propostas.
  • Infarto agudo do miocárdio: este termo, mais conhecido como “ataque cardíaco”, refere-se à falta de suprimento sanguíneo para alguma área desse órgão. É causada por uma obstrução das artérias coronárias e a taxa de mortalidade após o diagnóstico ultrapassa 15%.

2. Acidente vascular cerebral

O acidente vascular cerebral (AVC), é uma das doenças mais mortais do mundo. Como indica a World Stroke Organization,, 1 em cada 4 pessoas com mais de 25 anos sofrerá um AVC em algum momento de sua vida. Isso se traduz em 13 milhões de novos casos a cada ano.

A taxa de sobrevida em 5 anos após esse evento varia de 31% a 24% dos pacientes, dependendo de sua variante. O AVC pode ser dividido nas seguintes entidades clínicas:

  • Acidente vascular cerebral isquêmico: nesta condição, um vaso sanguíneo que irriga o cérebro é bloqueado por um coágulo e o fluxo sanguíneo é interrompido. 80% dos acidentes vasculares cerebrais são isquêmicos.
  • Acidente vascular cerebral hemorrágico: neste caso, um vaso sanguíneo enfraquece e se rompe, liberando sangue para o cérebro. Uma contusão muito forte, um aneurisma ou angiopatia amilóide cerebral podem desencadear isso.

A prevalência geral desse grupo de doenças é de 3,5% em pessoas com mais de 65 anos. Do total de sobreviventes, mais de 30% necessitam de reabilitação e 27% apresentam algum tipo de disfunção no dia a dia. Sem dúvida, esta é uma das doenças que mais geram incapacidades na população idosa.

3. Condições neonatais

Infelizmente, é necessário tocar em um assunto que muitas vezes é esquecido em regiões de alta renda: as mortes de crianças pequenas. Conforme indicado pelo portal Statista, 311 em cada 1000 crianças menores de 5 anos morriam na África anualmente em 1955. Hoje, esse número é muito menor (71 por 1000), mas ainda é preocupante.

Algumas das causas mais comuns de morte neonatal são: infecções respiratórias agudas, complicações antes do parto, complicações durante o parto, defeitos congênitos e diarreia. Apesar de a situação ser melhor do que antes, não podemos esquecer que a cada 11 segundos morre uma mulher grávida ou um recém-nascido no mundo.

A morte neonatal está totalmente ligada à condição socioeconômica da região em análise.

4. Doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

A DPOC, sinônimo de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, é uma patologia respiratória de natureza crônica na qual os brônquios ficam obstruídos e o tecido das paredes alveolares é destruído (enfisema). Essa patologia ocorre a partir da inalação de tabaco e certos compostos químicos por um longo tempo, como combustíveis, carvão, lenha e outros poluentes industriais.

A mortalidade geral por DPOC em 1990 a classificou em sexto lugar em termos de mortalidade, com 2,2 milhões de mortes anualmente. Em 2000 subiu para a posição 4 e em 2020 para a 3, conforme indicado pela revista Archivos de Bronconeumología. Em pacientes com mais de 65 anos, a probabilidade de morte 7 anos após o diagnóstico pode chegar a 48%.

A principal causa de morte por DPOC é a progressão da própria doença. A falta de ar e a tosse crônica podem dificultar muito a sobrevivência dos idosos que a apresentam, mas, além disso, essa patologia também relata um alto risco de câncer de pulmão. Nesse ponto, a realidade é ela mesma: fumar mata.

5. Infecções do trato respiratório inferior

O principal sintoma das infecções do trato respiratório inferior é a tosse. O ser humano tosse para expectorar corpos estranhos presentes na árvore brônquica, e esse ato costuma ser sinal de infecção, falta de ar, neoplasias e muito mais.

Tosse aguda – com menos de 3 semanas de duração – geralmente indica uma patologia viral ou infecciosa de fácil resolução, mas em sua variante crônica é muito mais preocupante. Esses tipos de infecções são mais comuns em mulheres do que em homens e cerca de 44 casos são detectados por 1000 habitantes por ano, com picos evidentes no inverno devido a padrões sazonais.

Embora as infecções do trato respiratório inferior sejam quase anedóticas em países de alta renda, é necessário lembrar que nem todas as regiões têm os mesmos sistemas de saúde. Se o agente causador for bacteriano e não houver antibióticos disponíveis, o paciente pode desenvolver pneumonia bacteriana grave, levando a infecções sistêmicas e morte.

6. Doenças diarreicas, uma das mais mortais

a letalidade de uma patologia não se refere apenas à sua capacidade de matar, mas ao quão comum é sua ocorrência

Certamente você não esperava uma patologia como essa entre as doenças mais mortais do mundo. A triste realidade é que esse tipo de condição é a segunda causa de mortalidade infantil no mundo, conforme apontado pela OMS. Além disso, são condições clínicas evitáveis ​​e tratáveis ​​que, a cada ano, matam mais de 525.000 crianças menores de 5 anos.

Em todo o mundo, cerca de 1,7 bilhão de casos de doenças diarreicas infantis ocorrem anualmente. No passado, a desidratação e a perda de fluidos eram os gatilhos para quase todas as mortes nesses casos, mas acredita-se que a sepse e a disseminação de uma infecção entérica sejam os principais culpados.

Na maioria das regiões de baixa renda, as doenças diarreicas encontram sua resposta em agentes virais, bacterianos, helmínticos e protozoários (Entamoeba histolytica). O último protozoário causa 50 milhões de novas infecções a cada ano e apenas 70.000 mortes.

Na Europa, menos de 5% da população é portadora de E. histolytica, mas a história é muito diferente em outras regiões menos favorecidas.

7. Tuberculose

A tuberculose (TB) é uma infecção bacteriana causada pelo agente Mycobacterium tuberculosis. Esse patógeno é transmitido pelo ar, viajando em gotículas emitidas por uma pessoa infectada ao tossir. Como indicam os estudos, a taxa reprodutiva do microrganismo causador é de até 4,3 em países como a China. Em outras palavras, uma pessoa infectada infecta 4 antes de ser curada.

Nos estágios iniciais da infecção, o paciente apresenta sinais genéricos, como febre, cansaço, falta de apetite e perda de peso. 25% dos casos ativos apresentarão infecção que chega aos pulmões, dando início ao quadro grave. Nesse ponto da doença, tosse incessante com muco ou sangue e suores noturnos são normais.

Sem tratamento, estima-se que cerca de 50-60% dos pacientes com tuberculose morrem em 5 anos após o diagnóstico.

8. Cirrose hepática

Novamente, outra das doenças mais mortais que você provavelmente não esperava, competindo com a doença isquêmica do coração ou derrame. O termo “cirrose hepática” refere-se a cicatrizes no fígado, resultando em função hepática anormal. A condição surge como consequência de uma lesão crônica e contínua nesse órgão.

A cirrose é uma das principais causas de morte em países de alta renda, já que, sem ir mais longe, os Estados Unidos registram 5,5 milhões de pacientes a cada ano – 2% da população. Nessa mesma região, ocorrem 27.000 mortes anuais por falência desse órgão, tornando-se a sétima causa de morte.

Os estágios mais avançados da cirrose são fáceis de reconhecer, pois o paciente apresenta icterícia ou amarelecimento dos tecidos. Como o fígado não consegue filtrar e formar a bile adequadamente, a bilirrubina é armazenada no corpo e causa esse tom de pele alarmante. Estima-se que 800.000 pessoas morrem de cirrose a cada ano.

9. Diabetes

O diabetes mellitus é tão comum na sociedade em geral que não poderia ser esquecido nesta lista. De acordo com a OMS, o número de diabéticos aumentou dramaticamente nas últimas décadas, de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014. Essa condição é uma causa direta de muitos casos de cegueira, ataque cardíaco, derrame e muito mais.

Vamos mais longe, pois a mesma fonte argumenta que o diabetes causou 1,5 milhão de mortes em 2019. Curiosamente, o diabetes tipo 2 pode ser evitado com exercícios adequados, uma dieta saudável, um estilo de vida ativo e exames médicos de rotina. Na maioria dos casos, essa doença é evitável e fácil de resolver.

No diabetes, o hormônio insulina não funciona bem ou não é produzido em quantidades suficientes e a glicose se acumula no sangue.

10. Doenças derivadas de acidentes de trânsito

Os acidentes de trânsito não são uma patologia em si, mas podem levar a condições de risco de vida, como contusões na cabeça, hemorragia interna, choque hipovolêmico, paralisia completa ou parcial e muito mais. Todos os anos, 1,35 milhão de pessoas morrem em acidentes de carro, ou o que é, 3.700 vidas são perdidas todos os dias na estrada.

Além disso, esses tipos de eventos também variam em termos de frequência e gravidade dependendo da região analisada. Como indica o CDC, os acidentes de trânsito são 3 vezes mais comuns em regiões de baixa renda em comparação com países ricos.

A taxa de mortalidade por acidentes com veículos aumenta quanto mais empobrecida é a região.

As doenças mais mortais

Como você deve ter visto, a letalidade de uma patologia não se refere apenas à sua capacidade de matar, mas ao quão comum é sua ocorrência. Se 100 em cada 100.000 pessoas são afetadas por uma doença, é de se esperar que ela cause mais complicações sociais do que uma extremamente fatal que afeta apenas 1 por milhão de habitantes.

Por isso, aparecem nesta lista velhos conhecidos que não costumam estar associados à morte: infecções, diabetes e diarreia, por exemplo. É preciso também manter a perspectiva: o que em um país de alta renda é um dia na cama e um tratamento com antibióticos, em uma região empobrecida pode significar a morte a longo prazo.

Pode interessar a você...
Antibióticos
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Antibióticos

Os antibióticos são medicamentos usados no tratamento de infecções bacterianas. É por isso que são conhecidos como antibacterianos.