As 10 doenças mais comuns no inverno

Existem muitas doenças que são comuns no inverno. Quase todas elas aumentam de prevalência devido ao agrupamento de seres humanos em ambientes fechados.
As 10 doenças mais comuns no inverno

Escrito por Sara Santos Lorente, 21 Agosto, 2021

Última atualização: 18 Setembro, 2021

O inverno é uma época de descanso em locais fechados, pois as baixas temperaturas impedem a realização de atividades vertiginosas ou perigosas no campo, na praia, na montanha e em outros ambientes. Embora pareça irônico, existem doenças comuns no inverno que aumentam a taxa de mortalidade geral em comparação com o resto das estações anuais.

Conforme indicado pela American Council of Science and Health, dezembro, janeiro e fevereiro são os meses com a maior taxa de mortalidade do ano, enquanto durante o verão a taxa de mortalidade é consideravelmente reduzida em países de alta renda. Você quer saber por quê? Nas linhas a seguir, mostramos as 10 doenças mais comuns no inverno e seu potencial patológico.

Quais são as doenças mais comuns no inverno?

Antes de entrarmos totalmente nas doenças de inverno, estamos interessados ​​em explorar por que nesta época do ano, a taxa de mortalidade aumenta tanto. Resumimos os possíveis motivos na lista a seguir:

  • As ondas de calor são mortais, mas as ondas de frio são piores. Em termos gerais, em um dia médio de inverno, a taxa de mortalidade é 15% maior do que em um dia de verão. Além disso, as temperaturas extremamente baixas matam 20 vezes mais do que as muito altas. Uma onda de frio intenso é muito perigosa.
  • Baixas temperaturas favorecem a disseminação de vírus. Nas seções a seguir, explicaremos essa correlação.

Como o USA Today relata, de todas as mortes relacionadas ao clima em americanos, 63% são por exposição excessiva ao frio e hipotermia, enquanto 31% são atribuíveis à insolação. Sem dúvida, o frio é mais perigoso para o homem: descubra conosco 10 doenças comuns no inverno e seu fardo epidemiológico.

A taxa de mortalidade em países de alta renda atinge seu nível mais baixo nas estações temperadas, com média de 18ºC.

1. Gripe

A gripe é uma doença infecciosa causada pelos vírus influenza A e B, ambos da família Orthomyxoviridae. Os surtos epidemiológicos anuais no inverno ocorrem devido à influenza A, embora a importância para a saúde das variantes B, C e D também são importantes.

Os microrganismos mencionados são vírus e, como tal, não podem se reproduzir por conta própria. Sem a maquinaria típica de replicação celular, eles devem invadir as células do hospedeiro, construir seu genoma com ribossomos celulares e se reproduzir e se multiplicar exponencialmente em um curto período de tempo. Todo esse processo (e a resposta imunológica) causam os sintomas da infecção.

Estima-se que a incidência da gripe seja de 10 a 20% em todo o mundo, ou seja, 1 em cada 5 pessoas ou 2 em cada 10 estão sofrendo de gripe em qualquer momento e local. No entanto, esse valor aumenta até 40-60% em algumas faixas etárias.

Além dos números epidemiológicos, por que a incidência de infecções de gripe aumenta durante o inverno? A Harvard University propõe os seguintes mecanismos:

  1. Durante o inverno, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados com as janelas fechadas. Isso favorece a concentração de vírus no ambiente e facilita a transmissão.
  2. Os dias são mais curtos no inverno. Portanto, recebemos menos luz solar e a síntese de vitamina D e melatonina é difícil. De certa forma, isso pode comprometer um pouco o sistema imunológico.
  3. O vírus permanece em suspensão por mais tempo quando a umidade está baixa e o ar flui. Se a umidade relativa fosse muito alta nesse momento, os microrganismos precipitariam mais rapidamente com o vapor d’água e a transmissão seria reduzida.

2. Resfriado


A premissa para o resfriado comum é a mesma: quanto mais tempo passamos dentro de casa, os vírus são transmitidos com mais facilidade. Além disso, o ressecamento das membranas mucosas das vias aéreas superiores (devido às baixas temperaturas e ao vento) também pode favorecer a entrada de patógenos em nossos organismos de maneira mais eficiente e fácil.

Seja como for, o resfriado é outra das 10 doenças mais comuns no inverno. Essa infecção do trato respiratório superior é causada por diversos vírus, entre os quais se destacam: rinovírus, coronavírus, adenovírus e até mesmo os citados vírus influenza. Mesmo assim, deve-se observar que os sintomas do resfriado são muito mais leves do que os da gripe.

A probabilidade de resfriado no inverno é extremamente alta: os adultos adoecem desse grupo viral 2 a 6 vezes por ano, enquanto as crianças adoecem de 6 a 10. Apesar da leveza dos sintomas, essa condição é a causa de 40%  absenteísmo no trabalho e 30% de absenteísmo escolar.

3. Asma

Durante o inverno, as pessoas passam mais tempo em ambientes fechados com as janelas fechadas. Isso favorece a concentração de vírus no ambiente

A asma é uma doença crônica que faz com que as vias respiratórias nos pulmões inchem e se estreitem. Isso resulta em respiração ofegante, tosse, falta de ar e outros sintomas associados à falta de oxigênio. De acordo com o European Respiratory Journal, 4,3% da população mundial é asmática, embora o número seja provavelmente muito maior.

Para pacientes com essa condição, o inverno pode ser a pior época do ano. Isso se deve aos seguintes motivos:

  1. Nesta temporada, o ar costuma ficar mais seco devido à ação do vento. Quando o trato respiratório é exposto a essas condições, as membranas mucosas ficam secas e ocorre irritação. Essa sintomatologia pode ser muito exacerbada em pessoas com asma.
  2. Os sintomas da asma podem piorar se o paciente tiver uma infecção concomitante das vias respiratórias, como um resfriado ou gripe.
  3. Os exercícios e as atividades físicas são mais exigentes no inverno, devido ao frio e ao vento. Esse esforço excessivo pode afetar as pessoas com asma.

Os sintomas da asma são iguais no inverno e nas outras estações, mas podem piorar nas épocas mais frias. Beber muita água, respirar o máximo possível pelo nariz e sempre levar o inalador consigo são boas soluções para evitar desconforto crônico.

4. Conjuntivite

Conjuntivite é definida como inflamação da conjuntiva, uma membrana mucosa que cobre a parte posterior das pálpebras e a parte frontal do globo ocular. Os sintomas mais comuns nessa condição são vermelhidão do globo ocular, coceira, sensações de “areia” nos olhos, secreção, crostas e lacrimejamento excessivo.

Embora seja verdade que a conjuntivite pode ser causada por bactérias, fungos, parasitas, alérgenos, corpos estranhos e produtos químicos, estima-se que 36% dos casos em adultos tenham uma clara origem viral. Adenovírus, vírus varicela-zóster e herpes simplex são os principais suspeitos.

A regra é a mesma para resfriados e gripes: à medida que passamos mais tempo juntos em ambientes fechados, a conjuntivite viral pode explodir no inverno. Felizmente, essa doença é autolimitada e geralmente se resolve sozinha em 1 a 3 semanas. Para aliviar os sintomas, compressas frias podem ser colocadas no olho afetado.

A conjuntivite viral é uma das doenças mais comuns no inverno. Por outro lado, o bacteriano pode apresentar picos no verão, já que costuma ser transmitido pela água de piscinas e lagos.

5. Infecções de ouvido

As infecções de ouvido, especificamente o tipo de otite média, são doenças comuns no inverno. Geralmente ocorrem como consequência direta de um forte resfriado, principalmente em crianças entre 3 meses e 3 anos de idade, conforme indicado pelo portal de Manuais MSD. Eles são mais comuns nessas idades porque as estruturas do ouvido dos bebês não estão totalmente desenvolvidas.

Os adenovírus, rinovírus, enterovírus e vírus sincicial respiratório são importantes para explicar a patogênese da otite. Como a conjuntivite viral, geralmente é uma patologia de autocura, ou seja, resolve sozinha em alguns dias. No entanto, podem ser tomados medicamentos para aliviar os sintomas.

6. Amigdalite estreptocócica

Como o nome sugere, a amigdalite estreptocócica  é uma infecção bacteriana geralmente causada por estreptococos do grupo A. Pode aparecer em pessoas de todas as idades, embora seja mais comum em crianças entre 5 e 15 anos de idade. De acordo com o CDC, esta patologia relata um pico epidemiológico em 2 épocas do ano: inverno e primavera.

Este tipo de faringite se apresenta com os seguintes sintomas: dor de garganta de início rápido, odinofagia (dor ao engolir líquidos), febre, dor de cabeça, desconforto abdominal e vômitos, especialmente em crianças pequenas. Os antibióticos são necessários neste quadro clínico, pois reduzem a duração dos sintomas, minimizam a transmissão e previnem complicações.

Esta doença é transmitida de pessoa para pessoa pelo contato com secreções nasais ou saliva.

7. Enxaqueca

As enxaquecas são dores de cabeça muito fortes que podem apresentar sintomas muito preocupantes, como náuseas, vômitos e sensibilidade a luzes e sons altos. Embora as causas específicas desse quadro clínico ainda não tenham sido totalmente esclarecidas, sabe-se que ela decorre de atividade cerebral anormal.

O 50% da população mundial sofre de dores de cabeça uma vez por ano e 90% as experimentaram em algum momento de suas vidas. Em qualquer caso, a prevalência global da enxaqueca é um pouco menor, com uma probabilidade de sofrer ao longo da vida de 18%. Só por causa de sua alta incidência, torna-se automaticamente uma das doenças mais comuns no inverno.

Como indica a Clínica Mayo, em algumas pessoas as mudanças climáticas podem causar desequilíbrios serotonérgicos, que estão associados ao aparecimento de enxaquecas. Os gatilhos relacionados ao resfriado também pioram os sintomas de dor de cabeça que podem surgir de qualquer outra causa.

8. Depressão sazonal

Embora possa não parecer à primeira vista, a depressão ou transtorno afetivo sazonal é uma entidade clínica reconhecida, conforme demonstrado pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. Esta condição psiquiátrica geralmente aparece no final do outono e início do inverno e geralmente termina no início da primavera. Alguns de seus sintomas são os seguintes:

  • Tristeza e perspectiva sombria.
  • Sensação de desesperança, irritação e perspectiva pessimista.
  • Perda de interesse em atividades que antes eram uma fonte de excitação e bem-estar.
  • Energia baixa.
  • Dormir muito ou dificuldade em dormir.
  • Aumento de peso.
  • Pensamentos suicidas recorrentes.

Embora as causas exatas desse distúrbio sejam desconhecidas, foi descoberto que ele pode estar relacionado a um desequilíbrio da serotonina no ambiente cerebral. O principal tratamento é a fototerapia, pois espera-se que, ao recuperar horas de luz perdidas pelo clima, o paciente volte ao estado de ânimo normal.

Lembre-se de que ficar triste a longo prazo nunca é a norma. A depressão sazonal é real e pode ser tratada com base no conhecimento científico.

9. Bronquite

Bronquite é uma patologia caracterizada pela inflamação do revestimento dos brônquios, estruturas que transportam ar para os alvéolos pulmonares. Pacientes com essa condição geralmente tossem muco espesso e descolorido, têm dificuldade para respirar, manifestam fadiga, sentem desconforto no peito e podem apresentar sintomas febris.

A bronquite aguda é causada em 90% dos casos por agentes virais, que se propagam pela exposição direta a gotículas emitidas na tosse e espirros por uma pessoa doente. Como o resto das doenças virais desta lista, sua prevalência aumenta no inverno devido à coexistência em ambientes fechados.

10. Infecções sinusais

As infecções sinusais, mais conhecidas como sinusite, ocorrem quando o fluido se acumula nas cavidades cheias de ar atrás das bochechas e se comunica com as passagens nasais (seios paranasais). A maioria desses quadros é de origem viral, embora às vezes também possam ser atribuídas a infecções bacterianas.

Dependendo do grupo populacional, a sinusite ocorre em 15-40 habitantes por 1000 e aproximadamente 0,5% das infecções respiratórias são complicadas por esta condição. Alguns dos sintomas mais comuns são: coriza, congestão nasal, dor facial, dor de cabeça, mau hálito e tosse.

Essa situação geralmente se resolve sozinha. Se passarem 10 dias e o quadro não melhorar, é necessária uma consulta médica urgente.

Um grupo de patologias de origem comum

Como você deve ter observado, a grande maioria das doenças mencionadas aqui são de origem viral. Todas elas são doenças comuns no inverno por um motivo simples: os humanos tendem a se agrupar em ambientes fechados quando está frio, portanto, a disseminação de patógenos por meio de gotículas e outros meios transportados pelo ar é muito mais fácil.

Prevenir essas doenças é difícil, pois morar com outras pessoas implica exposição a agentes virais comuns. Mesmo assim, quase todos os quadros se resolvem sozinhos com alguns dias de descanso e consumo de muitos líquidos.

Pode interessar a você...
Dieta e sistema imunológico: o que você precisa saber
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Dieta e sistema imunológico: o que você precisa saber

A dieta é um elemento fundamental na modulação do funcionamento do sistema imunológico. Veremos em detalhes tudo o que você precisa saber.