Como as mudanças climáticas afetam sua saúde

Você sabe como a mudança climática está afetando a saúde da população mundial? Mostramos a você o que os cientistas têm a dizer sobre isso.
Como as mudanças climáticas afetam sua saúde

Última atualização: 18 janeiro, 2023

Quando se pensa em mudança climática, raramente é em relação à saúde. Isso pelo menos entre os não especialistas, já que os cientistas alertam há décadas como isso terá efeitos enormes na saúde e na integridade da população. É por esta razão que hoje resumimos como as mudanças climáticas afetam a saúde geral.

Como aponta a Organização Mundial da Saúde (OMS), as mudanças climáticas afetam os determinantes sociais da saúde. Ou seja, acesso a moradia segura, água potável, alimentação suficiente e ar puro (entre outros). De acordo com as estimativas do mais alto órgão de saúde, a partir de 2030 as mudanças climáticas causarão 250.000 mortes adicionais por ano.

Como as mudanças climáticas afetam a saúde humana

Como bem aponta o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), as mudanças climáticas intensificam algumas ameaças atuais à saúde e promovem o surgimento de muitas outras.

Existem centenas de maneiras pelas quais isso afetará os níveis de saúde da população mundial, por isso é impossível coletar todas aqui. Em seguida, deixamos você com as áreas onde o impacto é mais sentido.

Contaminação do ar

Quando você pensa sobre a mudança climática, muitas vezes é em relação à poluição do ar. Existem muitas maneiras pelas quais a poluição do ar tem um impacto direto na saúde.

Segundo os pesquisadores, doenças como câncer de pulmão, DPOC, infecções respiratórias e asma podem se desenvolver ou piorar devido à qualidade do ar que você respira.

Crianças, idosos e portadores de doenças crônicas são os mais afetados, mas em geral toda a população está exposta a essas complicações devido à poluição do ar.

Segundo algumas estimativas, só a poluição do ar causa 3,3 milhões de mortes em todo o mundo. Como não parou de aumentar, espera-se que o número de mortes e complicações associadas aumente.

Doenças transmitidas por vetores

Mudanças climáticas e saúde devido à proliferação de vetores
O clima influencia diretamente na vida dos vetores transmissores de doenças infecciosas. Isso afeta diretamente o ser humano.

Fatores meteorológicos como temperatura, precipitação, umidade e vento estão associados a várias doenças infecciosas transmitidas por vetores.

Assim como as condições climáticas extremas (enchentes e furacões, por exemplo), de modo que uma alteração nesses valores aumenta ou diminui a probabilidade de manifestação de doenças transmitidas por vetores.

Mosquitos, pulgas e carrapatos podem expandir sua densidade populacional com base nas variáveis acima. Como as mudanças climáticas estão fazendo com que as áreas frias fiquem mais quentes e as mais quentes mais frias (em geral), a população desses vetores pode começar a aumentar.

Portanto, doenças como malária, febre amarela, dengue e outras podem ser comuns em regiões que geralmente não são endêmicas para essas doenças. Claro, isso só é possível nas áreas onde o vetor existe naturalmente.

Temperaturas extremas

Como todos sabem, uma das principais consequências das mudanças climáticas são os invernos mais frios e os verões mais quentes. Segundo a OMS, o número de pessoas expostas a ondas de calor aumentou cerca de 125 milhões entre 2000 e 2006.

De fato, todos os anos, milhares e milhares de pessoas em todo o mundo morrem devido às ondas de calor durante o verão. Estes podem piorar doenças cardiovasculares subjacentes, doenças respiratórias e doenças cerebrovasculares.

O frio extremo do inverno também causa milhares de mortes todos os anos, portanto, é outra maneira pela qual as mudanças climáticas afetam a saúde.

Doenças infecciosas transmitidas por alimentos e água

Variações nas temperaturas do ar e da água, padrões de precipitação, chuvas e desequilíbrios sazonais afetam diretamente a transmissão de doenças. Em particular, há evidências de que a mudança climática aumenta a incidência de doenças diarreicas. Por exemplo, salmonelose e campilobacteriose.

A OMS estima que 1,7 bilhão de casos de diarreia infantil são notificados a cada ano, e esse número pode aumentar nas décadas seguintes. Sua manifestação poderia apresentar uma tendência crônica, além de se desenvolver em áreas não endógenas dessas doenças. A diarreia é uma condição subestimada que representa um grave problema de saúde.

Segurança alimentar

Especialistas apontam que as mudanças climáticas têm impacto direto na segurança alimentar. Mudanças drásticas no clima interferem na produção e oferta de alimentos.

Os esforços para lidar com perdas e gargalos podem aumentar os preços dos alimentos, de modo que milhões de pessoas em todo o mundo terão dificuldade em acessá-los.

Mudanças nos padrões alimentares podem forçar as pessoas a optar por alimentos não saudáveis (mas mais baratos) ou se expor diretamente a episódios de fome.

Como consequência, milhões serão expostos todos os anos à desnutrição, obesidade, problemas de desenvolvimento (no caso das crianças) e terão maior chance de manifestar doenças crônicas.

Saúde mental

Mudanças climáticas e saúde mental
O sensacionalismo excessivo em relação ao tema das mudanças climáticas tem levado muitas pessoas a sofrerem de transtornos de ansiedade.

Por algumas décadas, o termo eco-ansiedade foi popularizado para se referir à angústia, ao medo e às preocupações em relação às mudanças climáticas e ao futuro.

Os pesquisadores também relatam um aumento na depressão, distúrbios do sono, distúrbios de estresse pós-traumático e até pensamentos suicidas. Tudo isso pode surgir como antecipação dos acontecimentos e como conseqüência de sua passagem.

Episódios de migração devido a desastres e mudanças climáticas, perdas econômicas, mudanças radicais no estilo de vida e presságios negativos em relação ao futuro aumentarão ainda mais esses episódios.

Especialistas apontam que nesses contextos o desequilíbrio no bem-estar psicológico terá consequências diretas na saúde física da população.

Considerações Finais sobre Mudanças Climáticas e Saúde

Além de tudo o que foi dito, deve-se lembrar que a maioria dos governos está atualmente engajada na luta contra as mudanças climáticas. Um tremendo progresso foi feito na área, apenas às vezes ofuscado por previsões do fim do mundo.

Certamente, o fim do planeta como consequência direta das mudanças climáticas foi profetizado por mais de cinquenta anos; e quase todas as previsões a esse respeito estavam erradas.

As palavras acima não diminuem o que foi dito acima, nem negam a existência das mudanças climáticas. A sua intenção é apelar à tranquilidade, sobretudo tendo em conta a forma como as alterações climáticas afetam a saúde mental.

Participar ativamente dos planos e programas que visam minimizar o impacto da atividade humana no clima é a melhor coisa que você pode fazer para ajudar a evitar as consequências apontadas.

 



  • Carlton EJ, Woster AP, DeWitt P, Goldstein RS, Levy K. A systematic review and meta-analysis of ambient temperature and diarrhoeal diseases. Int J Epidemiol. 2016 Feb;45(1):117-30.
  • Cianconi P, Betrò S, Janiri L. The Impact of Climate Change on Mental Health: A Systematic Descriptive Review. Front Psychiatry. 2020;11:74. Published 2020 Mar 6.
  • Lake IR, Hooper L, Abdelhamid A, et al. Climate change and food security: health impacts in developed countries. Environ Health Perspect. 2012;120(11):1520-1526.
  • Lelieveld J, Evans JS, Fnais M, Giannadaki D, Pozzer A. The contribution of outdoor air pollution sources to premature mortality on a global scale. Nature. 2015 Sep 17;525(7569):367-71.
  • Kurt OK, Zhang J, Pinkerton KE. Pulmonary health effects of air pollution. Curr Opin Pulm Med. 2016;22(2):138-143.
  • Padhy SK, Sarkar S, Panigrahi M, Paul S. Mental health effects of climate change. Indian J Occup Environ Med. 2015;19(1):3-7.

Los contenidos de esta publicación se redactan solo con fines informativos. En ningún momento pueden servir para facilitar o sustituir diagnósticos, tratamientos o recomentaciones provenientes de un profesional. Consulta con tu especialista de confianza ante cualquier duda y busca su aprobación antes de iniciar o someterse a cualquier procedimiento.