8 benefícios dos abraços de acordo com a ciência

São tantos os benefícios dos abraços! Essa é uma ação que, quando dada ou recebida, impacta positivamente a saúde física e mental.

Você já pensou nos benefícios dos abraços? Certamente, quando você abraça alguém ou recebe um abraço, você se sente feliz ou, em alguns casos, relaxado. A verdade é que os benefícios dessa ação tão bela e calorosa vão muito mais além, e isso já foi comprovado pela ciência.

O que é um abraço? É uma expressão que pode simbolizar muitas coisas dependendo da pessoa que o oferece. Pode mostrar segurança, proteção, amor ou apoio. Inclusive, dependendo da situação, pode transmitir outros sentimentos e até mesmo aliviar a tristeza de quem os recebe.

Os 8 benefícios dos abraços de acordo com a ciência

A seguir, você vai conhecer os principais benefícios dos abraços, o que fará com que cada vez que você der um abraço, você pense em tudo o que está oferecendo para a pessoa à sua frente. E isso não é tudo; enquanto você abraça alguém, você também recebe esses benefícios.

1. Reduzem o estresse

De acordo com um estudo científico, fornecer apoio por meio do tato reduz o estresse tanto da pessoa que é confortada quanto da pessoa que o oferece. Neste ensaio, foram amostrados 20 casais, dos quais os homens foram submetidos a choques elétricos que tinham como objetivo gerar uma sensação desagradável, enquanto as suas parceiras os seguravam pelo braço.

O que esse teste concluiu é que houve uma redução na atividade de algumas partes do cérebro das mulheres que estão associadas ao estresse, enquanto aquelas associadas às recompensas maternas tiveram maior atividade.

Isso significa que, ao abraçar alguém para mostrar apoio, é possível obter os mesmos resultados.

Os benefícios do abraço incluem a redução do estresse.
Muitas situações estressantes, como a carga de trabalho, podem ser atenuadas com abraços.

2. Controlam a pressão arterial

É incrível! Os abraços nos ajudam a reduzir os níveis de pressão arterial e a frequência cardíaca. Isso foi comprovado por um estudo científico por meio de um belo teste. O exercício incluiu uma amostra de 366 adultos que tinham um relacionamento amoroso e que foram divididos em dois grupos.

Assim, um grupo teve que ficar de mãos dadas durante 10 minutos e se abraçar durante 20 segundos antes de começar a falar em público, uma atividade estressante. O outro grupo apenas se sentou ao lado dos seus parceiros em silêncio total durante esse mesmo período de tempo.

Os resultados concluíram que os casais que se abraçaram diminuíram os níveis de pressão arterial e frequência cardíaca, em comparação com o grupo que não teve esse contato.

3. Fortalecem o sistema imunológico

Outro benefício dos abraços está no fortalecimento do sistema imunológico devido à ação da ocitocina, um hormônio que tem sido utilizado na indução do parto e no estímulo à produção de leite.

Mas como os abraços e esse hormônio estão relacionados? Uma pesquisa científica mostra que a ocitocina pode ser liberada de várias maneiras. Uma delas é por meio da estimulação sensorial pelo tato ou pelo calor, ou seja, a sua liberação pode ser estimulada graças aos abraços.

Este estudo indica que a ocitocina tem um efeito do tipo ansiolítico, promove o crescimento e faz com que as feridas se cicatrizem mais facilmente. Além disso, esse hormônio também reduz os níveis de cortisol e, com isso, o estresse.

4. Melhoram a saúde cardiovascular

A ocitocina também tem influência na saúde cardiovascular das pessoas. A razão para esse benefício é que esse hormônio modula, conforme mencionamos anteriormente, as respostas taquicárdicas produzidas pelo estresse.

Além disso, foi comprovado que ela tem um papel preponderante no controle cardiovascular central, como é o Núcleo do Trato Solitário (NTS), situado na região caudal do bulbo raquidiano.

Aqui reside a terminação e a projeção das fibras aferentes viscerais e cardiovasculares dos nervos glossofaríngeo e vago, que se dirigem para o sistema nervoso central.

5. Reduzem os medos

De acordo com um artigo publicado na Association for Psychological Science, que reúne algumas conclusões de diferentes estudos sobre o impacto dos abraços, aponta-se que eles ajudam as pessoas a reduzir os medos.

Este artigo aponta que há uma maior influência nas pessoas com baixa autoestima, que tendem a enfrentar maiores preocupações existenciais.

Neste texto, há uma revelação muito notável que é a de que abraçar objetos inanimados, como um ursinho de pelúcia, pode ter o mesmo efeito que abraçar um ser vivo. Isso se deve ao poder do contato interpessoal.

6. Melhoram o estado de humor

Quando abraçamos uma pessoa, ocorre um aumento da serotonina e, por consequência, uma melhora no nosso estado de humor. Esse hormônio atua como um neurotransmissor que também aumenta a sensação de prazer e felicidade. É por isso que quando você está triste e alguém te abraça, você começa a se sentir melhor.

Quando há baixos níveis de serotonina no sistema nervoso, isso pode levar à depressão. Portanto, abraçar mais pode estimular esse hormônio e melhorar o estado de humor das pessoas que sofrem com essa condição.

Os benefícios dos abraços são múltiplos.
Abraços se traduzem em felicidade! Quanto mais eles forem dados, melhor.

7. Diminuem a dor

De acordo com uma publicação do Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos, existe um termo denominado “toque terapêutico” relacionado à capacidade curativa que o contato físico exerce sobre os sintomas de algumas doenças crônicas. Os efeitos do também chamado “toque curativo” estão sendo investigados.

Nesse sentido, este estudo preliminar descreve a sua influência no controle da dor em pacientes com fibromialgia. De acordo com esta pesquisa, os pacientes foram submetidos a seis diferentes tratamentos de toque terapêutico, mostrando uma diminuição significativa da dor em cada um deles.

8. Melhoram a comunicação

A comunicação entre as pessoas geralmente fica reduzida ao campo verbal ou facial, deixando de lado tudo o que pode ser comunicado por meio do tato. Uma pesquisa indica que, por meio de abraços ou outras expressões desse tipo, é possível expressar diferentes tipos de emoções.

Este teste levou os seus participantes a tocarem uma pessoa desconhecida em diferentes partes do corpo a fim de dar a conhecer as suas emoções.

Como resultado, as pessoas conseguiram decodificar emoções como ira, medo, raiva, amor, gratidão e simpatia. Elas até mesmo identificaram felicidade e tristeza, duas emoções que se acreditava que não poderiam ser comunicadas dessa forma.

Dê e receba os benefícios dos abraços

Conforme você pode ver, os abraços têm vários benefícios e isso foi comprovado pela ciência. Agora, você deve estar se perguntando qual é a dose de abraços que deve ser dada e recebida para obter esses benefícios. Não há uma resposta precisa. Portanto, abrace e se deixe abraçar tantas vezes quanto possível a cada dia.

Lembre-se de que essa forma de expressão é essencial em todas as fases da vida, especialmente na infância. Nessa idade, as crianças aumentam a sua autoestima, geram um maior nível de empatia e entendem com mais facilidade a importância de expressar os seus sentimentos sem medo.

Além disso, ao estimular a ocitocina, as crianças crescem mais saudáveis e têm uma maior probabilidade de curar as suas feridas se forem mais abraçadas. Nos casos em que os pequenos crescem com ausência de amor e contato físico, como acontece em muitos orfanatos, a capacidade de afeto e empatia pode ser afetada, principalmente na idade adulta.

  • Inagaki TK, Eisenberger NI. Neural correlates of giving support to a loved one. Psychosom Med. 2012 Jan;74(1):3-7. doi: 10.1097/PSY.0b013e3182359335. Epub 2011 Nov 9. PMID: 22071630.
  • Grewen KM, Anderson BJ, Girdler SS, Light KC. Warm partner contact is related to lower cardiovascular reactivity. Behav Med. 2003 Fall;29(3):123-30. doi: 10.1080/08964280309596065. PMID: 15206831.
  • Uvnas-Moberg K, Petersson M. Oxytocin, ein Vermittler von Antistress, Wohlbefinden, sozialer Interaktion, Wachstum und Heilung [Oxytocin, a mediator of anti-stress, well-being, social interaction, growth and healing]. Z Psychosom Med Psychother. 2005;51(1):57-80. German. doi: 10.13109/zptm.2005.51.1.57. PMID: 15834840.
  • Touch May Alleviate Existential Fears for People With Low Self-Esteem. Association For Psychological Sciencie. 2013.
  • Denison, Barbara MSN, ARNP, HNC, QTTT/P Touch the Pain Away: New Research on Therapeutic Touch and Persons With Fibromyalgia Syndrome, Holistic Nursing Practice: May-June 2004 – Volume 18 – Issue 3 – p 142-150
  • Hertenstein, M. J., Holmes, R., McCullough, M., & Keltner, D. (2009). The communication of emotion via touch. Emotion, 9(4), 566–573. https://doi.org/10.1037/a0016108
  • Rosa Garrido Ferández. Oxitocina y control central cardiovascular. Interacciones en el nucleo del tracto solitario. Universidad de Málaga, España. 2003. Disponible en: https://dialnet.unirioja.es/servlet/tesis?codigo=217389