3 benefícios do chocolate de acordo com a ciência

1 abril, 2021
This article has been written and endorsed by el nutricionista Saúl Sánchez
É importante escolher um bom chocolate para conseguir aproveitar ao máximo os benefícios do seu consumo, evitando os riscos da ingestão de açúcares adicionados.

O chocolate é um dos alimentos com maior aceitação pela população. É consumido em todas as partes do mundo e possui maravilhosas características organolépticas. Porém, nem todos os que são encontrados no mercado têm a mesma qualidade. Vamos falar sobre os benefícios do chocolate e como escolher o chocolate ideal.

Para isso, precisamos nos aprofundar no conceito de chocolate. Por esse nome, estamos nos referindo a um produto que contém uma quantidade significativa de cacau juntamente com uma porcentagem variável de açúcar e gorduras adicionados. Além disso, também pode conter leite ou oleaginosas.

O bom chocolate contém muito cacau

O principal dado para identificar um bom chocolate é a quantidade de cacau que ele contém. Este ingrediente é responsável pela coloração marrom escura, bem como pelas suas características organolépticas.

Trata-se de um alimento de origem vegetal que, em seu estado natural, destaca-se pelo seu amargor. Essa é a razão pela qual o açúcar é adicionado para neutralizar essa intensidade que não agrada a todos os paladares.

O cacau, como ingrediente vegetal, é caracterizado por seu conteúdo de fitonutrientes saudáveis. Também contém proteínas (embora de baixo valor biológico) e gorduras saudáveis. Ele é responsável por todos os benefícios do chocolate. Por isso, quanto maior a porcentagem de cacau em relação ao produto total, melhor.

Então, qual é o problema do chocolate?

A maioria das variedades de chocolate que encontramos no mercado se destacam por apresentarem uma baixa concentração de cacau. É adicionado um excesso de açúcares simples no seu preparo, a fim de fornecer um sabor doce que tem muito mais aceitação.

Cabe destacar que o consumo regular dessas substâncias demonstrou ser capaz de promover o surgimento da obesidade e do diabetes.

Além disso, é possível detectar aditivos ou gorduras trans adicionadas ao chocolate industrializado que continuam a prejudicar a sua qualidade. Por esse motivo, a maioria dos nutricionistas alertam sobre o consumo habitual desse tipo de alimento.

Porém, quando falamos em chocolate sem adição de açúcares (ou com poucos) e com alto percentual de cacau, as coisas mudam.

Os benefícios do chocolate com bastante cacau são maiores do que as apresentações comerciais com bastante açúcar e leite.
O consumo de chocolates com muito açúcar e leite está relacionado ao aumento do tecido adiposo.

Os 3 benefícios do chocolate de qualidade

A seguir, vamos explicar quais são os principais benefícios do chocolate com alto teor de cacau, bem como a posição da ciência a esse respeito.

1. Modulação da pressão arterial

A hipertensão é um dos fatores de risco cardiovascular. Ela é, em parte, determinada pela dieta. É considerada perigosa quando os níveis de certas substâncias são excedidos, aumentando assim a incidência de doenças fatais.

Felizmente, este é um parâmetro que responde muito bem às mudanças no estilo de vida. A prática de atividade física regular e a transição para uma dieta saudável podem modular os níveis de pressão arterial, protegendo assim a saúde do coração.

Os fitonutrientes do chocolate podem reduzir a pressão arterial, de acordo com um estudo publicado na revista Frontiers in Nutrition. Isso ocorre porque os antioxidantes contidos no cacau aumentam a síntese de óxido nítrico, um poderoso vasodilatador. Desta forma, é favorecida uma melhor vascularização.

Apesar disso, cabe considerar que os açúcares simples têm a capacidade de aumentar a pressão arterial, por isso se torna fundamental escolher um chocolate que não contenha esses ingredientes. Só assim esses efeitos benéficos poderão ser experimentados.

2. Menor incidência de patologias complexas

A oxidação é um dos mecanismos subjacentes a muitas patologias crônicas e complexas. Os radicais livres são gerados a partir de processos fisiológicos e metabólicos e se acumulam nos tecidos, causando danos a médio e longo prazo. Para limitar esse risco, é essencial consumir substâncias que sejam capazes de neutralizar o seu aparecimento.

Os antioxidantes, conforme o próprio nome sugere, têm a capacidade de ceder um elétron aos radicais livres, gerando assim um equilíbrio no potencial elétrico. Desta forma, a sua atividade é reduzida e, como consequência, também são reduzidos os possíveis danos associados.

É preciso ter em mente que a maioria dos compostos antioxidantes são encontrados em alimentos de origem vegetal. Geralmente são fitonutrientes responsáveis por fornecer cor ou sabor amargo aos alimentos.

O chocolate se destaca pelo seu conteúdo de fitonutrientes, por causa da presença do cacau entre os seus ingredientes. Ele conseguiu demonstrar a sua capacidade antioxidante e, por isso, a sua ingestão está associada à redução da incidência de diversas patologias complexas.

3. Efeito anti-inflamatório

Os flavonoides do cacau também conseguem exercer um efeito anti-inflamatório, essencial para quem pratica atividade física intensa. O exercício físico provoca um aumento dos processos inflamatórios a curto prazo, por causa do estresse muscular e fisiológico.

A capacidade de exercer uma correta modulação desses processos pode significar a diferença entre uma recuperação rápida ou o aparecimento de problemas que impeçam o desempenho adequado.

Há evidências que indicam que o consumo de chocolate com alto teor de cacau ou a suplementação com os flavonoides geram benefícios para a recuperação do atleta.

O consumo regular de flavonoides reduz os marcadores de dano muscular, bem como os inflamatórios. O resultado é que o atleta consegue voltar a ter um desempenho no mais alto nível em um menor período de tempo.

Como incluir o chocolate na dieta?

Já comentamos que escolher um bom chocolate é fundamental para poder usufruir dos seus benefícios. Porém, também devemos saber como introduzi-lo corretamente na dieta para poder explorar todos os seus efeitos positivos.

É preciso ter em mente que este se trata, em geral, de um alimento com alto teor calórico. Isso porque ele conta com uma concentração significativa de lipídios, provenientes do cacau.

As gorduras não representam um risco para a saúde, mas o fato de propor uma dieta hipercalórica sim. Foi demonstrado que a obesidade e o sobrepeso são capazes de interferir no correto funcionamento dos sistemas. Esta é uma situação a ser evitada.

Por isso, é importante consumir chocolate, porém em doses moderadas. Um bom momento para incluí-lo na dieta é no lanche do meio da manhã e no lanche da tarde.

Desta forma, é possível consumir fitonutrientes, gorduras que promovem uma sensação de saciedade e uma certa quantidade de proteínas. É importante que cada porção não ultrapasse 50 gramas, para manter o equilíbrio calórico diário.

Também não é uma má ideia combinar o chocolate com algum outro alimento vegetal, como as oleaginosas. Elas completam o aporte de micronutrientes e fornecem uma maior porcentagem de proteína.

Cabe destacar que há evidências indicando que as proteínas são capazes de estimular a sensação de saciedade, portanto, é possível obter muitos benefícios a partir da combinação dos dois alimentos.

Quanto maior o teor de cacau, mais aumentam os benefícios do chocolate
Consumir uma pequena porção de chocolate com alto teor de cacau pode ser benéfico para o corpo.

Quais chocolates devem ser evitados?

De acordo com os dados fornecidos anteriormente, é importante evitar os chocolates que apresentam alta concentração de açúcares adicionados na sua composição. Da mesma forma, também não é aconselhável consumir aqueles que contêm adoçantes artificiais em excesso.

É verdade que os adoçantes são, na sua maioria, livres de calorias e mantêm o sabor doce dos alimentos, mas os seus efeitos a longo prazo ainda não são conhecidos. Existem divergências sobre como eles podem afetar a saúde por um longo período de tempo.

Por enquanto, sabe-se que eles impactam negativamente a microbiota, alterando a sua diversidade e composição.

De fato, especula-se que um alto consumo de adoçantes artificiais poderia promover o desenvolvimento de doenças como o diabetes. Eles foram até mesmo associados a outras doenças inflamatórias de natureza intestinal. Por esse motivo, é necessário consumi-los com cautela.

Sempre que possamos acessar um chocolate com pelo menos 85% de cacau na sua composição, devemos priorizar essa escolha. Desta forma, vamos nos certificar de que o seu conteúdo de fitonutrientes é adequado e que as quantidades de açúcar, se estiverem presentes, serão limitadas.

É preciso ter em mente que estes produtos não apresentam um sabor tão doce quanto o chocolate com leite e açúcar habitual. No entanto, esta é uma transição que deve ser feita para salvaguardar um bom estado de saúde.

A princípio, o seu sabor amargo causará estranheza, mas, aos poucos, o corpo se acostuma. É possível aumentar a intensidade do chocolate gradativamente, até atingir níveis de 95% de cacau, amargo mas saudável.

Chocolate, um alimento com benefícios

Conforme já explicamos, o chocolate é um alimento de origem vegetal que traz diversos benefícios à saúde. No entanto, é fundamental escolhê-lo corretamente. Caso contrário, poderíamos estar aumentando o risco de desenvolver diabetes e obesidade, algo nada aconselhável.

Por isso, recomendamos sempre verificar o rótulo do chocolate antes de adquiri-lo. Dessa forma, você poderá garantir que ele contenha altas porcentagens de cacau. Não se deixe enganar por mensagens de marketing, pois muitas vezes há informações tendenciosas que podem levar a erros.

Lembre-se também de que, apesar de ser um alimento saudável, ele deve ser consumido com moderação. É bastante calórico por causa da sua concentração de lipídios e, por isso, não é aconselhável que apareça em excesso na dieta. Caso contrário, o balanço energético pode ficar desequilibrado, gerando consequências indesejáveis.

O ideal é consumir cerca de 50 gramas de chocolate por dia, nos lanches. Se for acompanhado por oleaginosas, o valor nutricional do alimento em questão aumentará ainda mais. Assim, o teor de proteínas e minerais essenciais será maior, o que está associado a um melhor estado de saúde.

  • Johnson RJ, Sánchez-Lozada LG, Andrews P, Lanaspa MA. Perspective: A Historical and Scientific Perspective of Sugar and Its Relation with Obesity and Diabetes. Adv Nutr. 2017 May 15;8(3):412-422.
  • Ludovici V, Barthelmes J, Nägele MP, Enseleit F, Ferri C, Flammer AJ, Ruschitzka F, Sudano I. Cocoa, Blood Pressure, and Vascular Function. Front Nutr. 2017 Aug 2;4:36.
  • Magrone T, Russo MA, Jirillo E. Cocoa and Dark Chocolate Polyphenols: From Biology to Clinical Applications. Front Immunol. 2017 Jun 9;8:677.
  • Decroix L, Soares DD, Meeusen R, Heyman E, Tonoli C. Cocoa Flavanol Supplementation and Exercise: A Systematic Review. Sports Med. 2018 Apr;48(4):867-892.
  • Ortega FB, Lavie CJ, Blair SN. Obesity and Cardiovascular Disease. Circ Res. 2016 May 27;118(11):1752-70
  • Kung B, Anderson GH, Paré S, Tucker AJ, Vien S, Wright AJ, Goff HD. Effect of milk protein intake and casein-to-whey ratio in breakfast meals on postprandial glucose, satiety ratings, and subsequent meal intake. J Dairy Sci. 2018 Oct;101(10):8688-8701.