Venlafaxina: o que é e para que serve?

Todas os psicofármacos alteram a concentração ou o efeito dos neurotransmissores no organismo. A venlafaxina prolonga a ação da serotonina e da noradrenalina, o que ajuda a tratar a depressão.

Os antidepressivos são um grupo de medicamentos usados para tratar a depressão e outras doenças psiquiátricas. O seu efeito farmacológico é gerado por meio da intervenção na ação dos diversos neurotransmissores. Um desses medicamentos é a venlafaxina, mas o que ela é e para que serve?

Em termos gerais, a depressão é uma patologia que apresenta múltiplos sintomas. No entanto, caracteriza-se pela apatia e falta de motivação para realizar atividades prazerosas. A doença pode afetar qualquer indivíduo, embora estudos mostrem que 64,3% dos pacientes diagnosticados são mulheres.

O tratamento para a depressão se baseia na combinação entre a terapia psicológica e o uso de medicamentos. Por isso, há um grande número de compostos diferentes que ajudam a melhorar os sintomas apresentados. Todos os compostos desta natureza têm um efeito retardado, por isso devem ser consumidos por um longo período de tempo.

O que é a venlafaxina?

O medicamento em questão é um antidepressivo pertencente ao grupo dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina e da noradrenalina. Portanto, a venlafaxina atua prolongando o efeito dessas substâncias têm no organismo.

A forma de administração do medicamento é por via oral e ele está disponível em comprimidos de liberação imediata e comprimidos de liberação prolongada. A dosagem também pode variar, sendo possível encontrar o composto com 37,5 miligramas, 75 miligramas e 150 miligramas do princípio ativo.

O medicamento em questão tem boa absorção intestinal, que não é afetada pela ingestão de alimentos e bebidas. Porém, é necessário estar atento ao seu uso por pacientes com insuficiência hepática, uma vez que este órgão não será capaz de processar todo o medicamento adequadamente.

Existem várias apresentações comerciais da venlafaxina.
Este medicamento está disponível apenas para consumo por via oral.

Mecanismo de ação do medicamento

Antes de falar sobre o mecanismo de ação do medicamento é preciso falar um pouco mais sobre a relação entre a serotonina e a depressão. O neurotransmissor em questão influencia os centros cerebrais que regulam a estabilidade do humor, portanto, aumentar a sua concentração ajuda a reduzir o impacto de patologias psiquiátricas.

A serotonina é secretada por um conjunto de neurônios em um espaço histológico denominado fenda sináptica. Uma vez liberada, essa substância entrará em contato com receptores localizados na membrana de outro neurônio.

Após um certo tempo, a serotonina será recaptada pelo neurônio inicial, diminuindo assim a sua concentração na fenda.

O metabólito ativo do medicamento, O-desmetilvenlafaxina, está envolvido no processo de recaptação da serotonina. O composto terá a função de bloquear o receptor SERT, responsável por captar o neurotransmissor. Dessa forma, os níveis de serotonina permanecerão elevados no cérebro.

Além disso, o medicamento também é capaz de inibir a recaptação da noradrenalina por meio do bloqueio dos transportadores NAT. Esse efeito é importante porque vários estudos demonstraram o papel desse neurotransmissor na patogênese e no tratamento da depressão.

Para que serve a venlafaxina?

Conforme mencionado anteriormente, este medicamento é usado para tratar a depressão em adultos. No entanto, também é útil no tratamento de outras doenças psiquiátricas comuns, como a ansiedade. Esta patologia é caracterizada por uma preocupação excessiva diante de situações consideradas normais.

Nesse sentido, tanto os comprimidos de liberação lenta quanto os de liberação rápida são muito úteis para aliviar os sintomas apresentados. Além disso, o medicamento também é útil no tratamento das seguintes condições:

  • Ataques de pânico.
  • Transtorno de ansiedade social.
  • Dor neuropática.

A grande importância deste tipo de medicamento reside no fato de que ele é necessário para resolver o quadro clínico apresentado.

A doença pode ser impossível de controlar se os medicamentos antidepressivos não forem utilizados.

Como deve ser tomada?

As instruções específicas para a administração da venlafaxina sempre devem ser fornecidas pelo médico responsável. De acordo com a bula interna do medicamento, a dose inicial recomendada é de 75 miligramas por dia, porém, a dose inicial será de 37,5 miligramas para os pacientes com ataques de pânico.

Esse medicamento é bem tolerado pelo organismo e, por isso, uma pessoa pode consumir uma dose máxima de até 375 miligramas por dia dividida em 3 ou 4 doses. Em alguns casos, o especialista pode aumentar a dose inicial do medicamento gradativamente, porém, o aumento deve ser feito apenas uma vez por semana.

Os comprimidos devem ser tomados todos os dias, mais ou menos no mesmo horário e de preferência com alimentos. A venlafaxina é um medicamento de administração oral que deve ser engolido inteiro e, portanto, os comprimidos não devem ser cortados ou esmagados.

A suspensão do tratamento só deve ser feita sob supervisão médica para evitar o aparecimento de efeitos colaterais. É importante diminuir a dose progressivamente antes de interromper o tratamento.

Efeitos colaterais da venlafaxina

Assim como acontece com todos os medicamentos comercializados, o composto em questão apresenta um certo grau de toxicidade e, por esta razão, podem surgir efeitos adversos. No entanto, os sintomas apresentados geralmente não limitam as atividades diárias e tendem a desaparecer após alguns dias.

A segurança da venlafaxina conta com o respaldo de vários estudos nos quais apenas 6,4% das pessoas tratadas apresentaram efeitos colaterais. Dentre os sintomas mais frequentes associados ao consumo desse medicamento, destacam-se:

  • Tontura.
  • Dor de cabeça.
  • Náusea.
  • Boca seca.
  • Transpiração diurna e noturna.
A venlafaxina causa distúrbios gastrointestinais com relativa frequência.
Manifestações gastrointestinais inespecíficas são comuns durante o consumo de venlafaxina.

Precauções e contraindicações

A principal contraindicação para o consumo deste medicamento é a presença de alergia ao princípio ativo ou a qualquer um dos seus excipientes. Além disso, a venlafaxina também não deve ser ingerida se algum medicamento pertencente aos IMAOs (um grupo diferente de antidepressivos) tiver sido tomado nos últimos 14 dias.

Por outro lado, este composto não deve ser administrado em pessoas com menos de 18 anos de idade, por isso ele não é útil no tratamento da ansiedade infantil. Isso ocorre porque as crianças têm maior probabilidade de desenvolver efeitos colaterais, entre os quais se destacam os pensamentos suicidas.

As mulheres grávidas devem ter muito cuidado com o consumo deste medicamento. A venlafaxina só deve ser prescrita por um médico quando os benefícios do seu uso superam os riscos. O medicamento é capaz de atravessar a barreira placentária e afetar o bebê, além de aumentar o risco de sangramento vaginal se for consumido no último trimestre da gravidez.

Também há algumas situações que devem ser comunicadas ao especialista antes do início do tratamento, entre as quais se destacam as seguintes:

  • Consumo de outros medicamentos.
  • Presença de doença hepática ou renal.
  • Problemas oculares, como o glaucoma.
  • Histórico de doenças cardiovasculares, convulsões, agressividade ou transtorno bipolar.

Um medicamento seguro com poucos efeitos colaterais

A venlafaxina é um medicamento muito útil no tratamento do transtorno depressivo maior e outras condições psiquiátricas. Essa droga aumenta a concentração de serotonina e norepinefrina no cérebro, dois neurotransmissores que intervêm no equilíbrio do humor, melhorando os sintomas da depressão.

O medicamento em questão só deve ser utilizado mediante prescrição médica e de acordo com as orientações do especialista. O consumo descontrolado do composto pode levar ao aparecimento de efeitos colaterais graves.

  • Llanes THM, López SY, Vázquez AJL, et al. Factores psicosociales que inciden en la depresión del adulto mayor. Revista de Ciencias Médicas de la Habana. 2015;21(1):65-74.
  • Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios. Prospecto interno: Venlafaxina Retard STADA 75 mg cápsulas duras de liberación prolongada EFG. Documento diponible online en: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/69152/Prospecto_69152.html#introducci-n.
  • Wellington K, Perry CM. Venlafaxine extended-release: a review of its use in the management of major depression. CNS Drugs. 2001;15(8):643-69.
  • Roca B, Baca B. Respuesta y remisión en pacientes depresivos con síntomas de ansiedad tratados con venlafaxina retard en atención primaria. Actas Espanolas de Psiquiatria. 2006, 3(34):  p162-168.
  • Suwała J, Machowska M, Wiela-Hojeńska A. Venlafaxine pharmacogenetics: a comprehensive review. Pharmacogenomics. 2019 Jul;20(11):829-845.
  • Aiyer R, Barkin RL, Bhatia A. Treatment of Neuropathic Pain with Venlafaxine: A Systematic Review. Pain Med. 2017 Oct 1;18(10):1999-2012.