Sinvastatina: usos e efeitos colaterais

Muitas das doenças cardiovasculares conhecidas atualmente podem surgir como resultado do aumento dos níveis de colesterol no sangue. Por isso, existem medicamentos como a sinvastatina, que ajudam o organismo a controlar esses níveis.

O aumento dos níveis de colesterol e triglicerídeos no sangue pode ter consequências graves para a saúde das pessoas. Mudanças no estilo de vida e o uso de certos medicamentos podem levar esses níveis de volta ao normal. Um dos medicamentos usados para esse fim é a sinvastatina; porém, quais são os seus efeitos colaterais?

O colesterol é uma substância gordurosa sintetizada pelo corpo e que também podemos obter por meio da alimentação, que é utilizada na membrana celular e como precursor de certos hormônios. Esta substância está distribuída na corrente sanguínea como lipoproteína de alta densidade (HDL) e lipoproteína de baixa densidade (LDL).

Diversos estudos mostram que um aumento na ingestão de alimentos ricos em gordura e certas mutações genéticas aumentam os níveis de colesterol sérico. Esse aumento pode favorecer o aparecimento de doenças cardiovasculares, como a aterosclerose.

O que é a sinvastatina?

A sinvastatina é usada para a aterosclerose.
A aterosclerose é uma consequência do acúmulo de lipídios nas paredes arteriais.

O medicamento em questão é um fármaco proveniente de produtos microbianos pertencentes ao grupo das estatinas. Assim como acontece com todos os medicamentos pertencentes a esse grupo, a principal função da sinvastatina é reduzir os níveis de colesterol no sangue, especialmente o LDL.

Muitas pessoas conhecem o LDL como o “colesterol ruim” porque este é o colesterol que geralmente se acumula nas paredes dos vasos sanguíneos. Portanto, os compostos procuram diminuir os níveis de LDL e aumentar os níveis de HDL, a fim de favorecer a eliminação de compostos gordurosos do sistema.

A sinvastatina é um medicamento eficaz que atinge a sua concentração máxima no sangue em apenas 2 horas. A ingestão desse composto deve ser feita por via oral através de comprimidos revestidos por uma película e ele pode ser encontrado em apresentações de 5 a 80 miligramas.

Para que é usada?

Conforme já dissemos, a sinvastatina é prescrita para os pacientes com níveis de colesterol sérico acima dos valores normais. No entanto, só é indicada nos casos em que a dieta e as mudanças no estilo de vida não tiverem levado aos efeitos desejados.

Nesse sentido, o medicamento é utilizado por pacientes com hipercolesterolemia primária, bem como por pessoas com hiperlipidemia mista. É importante ressaltar que a hiperlipidemia mista é o aumento do colesterol e de outras substâncias gordurosas no sangue.

O uso de estatinas também pode ajudar no controle de doenças hereditárias, como a hipercolesterolemia familiar homozigótica. Além disso, também ajuda a prolongar a vida e prevenir complicações em pessoas com doença coronariana.

Mecanismo de ação da sinvastatina

A sinvastatina é um antagonista direto da enzima hidroxi-metil-glutaril coenzima A redutase. Isso significa que este é um medicamento que atua no local ativo da enzima e bloqueia a sua ação, impedindo a transformação do HMG-CoA em mevalonato, limitando assim a síntese do colesterol.

Esse bloqueio desencadeia uma série de atividades bioquímicas que têm como objetivo a redução dos níveis séricos de LDL. Por sua vez, também aumenta os níveis de HDL para facilitar a eliminação do colesterol. Por fim, o bloqueio enzimático também gera a diminuição dos isoprenóides intracelulares, outro intermediário na síntese do colesterol.

Em crianças, estudos mostram que o uso de estatinas em geral pode gerar uma diminuição dos níveis de colesterol entre 17 e 45%. No entanto, isso depende da estatina utilizada e da dose administrada.

Como tomar o medicamento?

Este medicamento para controlar os níveis de colesterol deve ser ingerido inteiro, sem triturar ou mastigar e, de preferência, juntamente com as refeições. O ideal é consumir os comprimidos durante a noite, porém, é de vital importância consultar o médico e seguir as suas instruções.

De acordo com a bula interna do medicamento, a dose inicial recomendada fica entre 10 e 40 miligramas. A dose pode então ser ajustada pelo médico conforme necessário até atingir um máximo de 80 miligramas em dose única, durante a noite.

O médico pode prescrever doses mais baixas de sinvastatina se o paciente estiver tomando outros medicamentos ou se tiver doença renal.

Possíveis efeitos colaterais da sinvastatina

A sinvastatina pode causar desconforto.
Pode haver desconforto gastrointestinal ao consumir a sinvastatina.

Assim como acontece com todos os medicamentos comercializados, a sinvastatina pode causar alguns efeitos colaterais quando consumida. No entanto, esses efeitos geralmente não são tão intensos e não limitam a realização de outras atividades na maioria dos casos.

Dentre os efeitos adversos mais frequentes produzidos pelo consumo desse medicamento redutor do colesterol, destacam-se os seguintes:

  • Diarreia.
  • Náuseas.
  • Dor abdominal.
  • Constipação.
  • Flatulência.
  • Dor de cabeça.
  • Urticária.

Também podem aparecer outros sintomas mais graves, tais como mialgia, rabdomiólise e miosite, embora a sua incidência seja muito baixa. No entanto, é importante consultar o médico imediatamente ao perceber qualquer alteração estranha no estado de saúde.

Avisos e contraindicações

Uma das principais contraindicações ao consumo da sinvastatina é a alergia ao princípio ativo ou a qualquer um dos excipientes do composto. Os processos alérgicos podem se manifestar com a inflamação de várias áreas do corpo, febre e dificuldade para respirar.

Por outro lado, ela também é contraindicada para pacientes com insuficiência hepática ou alguma doença hepática ativa, como a hepatite. A gravidez e a amamentação são contraindicações absolutas, pois o medicamento em questão pode ter efeitos negativos na saúde do bebê.

A sinvastatina pode aumentar o efeito dos medicamentos anticoagulantes no organismo e, portanto, o seu consumo simultâneo não é recomendado. Além disso, também não é recomendado tomar este medicamento juntamente com imunossupressores, pois ele aumenta o risco de rabdomiólise.

Por fim, o composto deve ser usado com cautela pelas pessoas com histórico de alergia a outras estatinas, alcoolismo ativo e histórico de doença hepática ou de transplante de órgãos.

O tratamento deve ser acompanhado por mudanças na dieta

O medicamento em questão é um fármaco utilizado para reduzir os níveis de colesterol sérico em diferentes patologias. A sua ação é exercida por meio do bloqueio de uma enzima, limitando a biossíntese do colesterol. No entanto, o seu uso deve ser acompanhado por mudanças na dieta e no estilo de vida para que sejam obtidos melhores resultados.

O consumo da sinvastatina é seguro na maioria dos casos, embora haja a possibilidade de desenvolver efeitos colaterais graves, como a rabdomiólise. Por isso, é muito importante seguir as instruções fornecidas pelo especialista e tirar todas as dúvidas que possam existir antes de iniciar o tratamento.

  • Maldonado Saavedra O, Ramírez Sánchez I, García Sánchez J, Ceballos Reyes G, Méndez Bolaina E. Colesterol: Función biológica e implicaciones médicas. Rev. mex. cienc. farm. 2012; 43( 2 ): 7-22.
  • González Jiménez E, Álvarez Ferre J. Estatinas: Características y Efectos sobre el Control Lipídico en el Niño y Adolescente Obeso. Rev Clin Med Fam. 2011; 4( 1 ): 69-75.
  • Agencia Española de Medicamentos y Productos Sanitarios. Prospecto: Simvastatina Pensa 20 mg comprimidos recubiertos con película EFG. Documento disponible en: https://cima.aemps.es/cima/dochtml/p/65880/Prospecto_65880.html#introducci-n
  • Cejka J, Kratochvíl B, Císarová I, Jegorov A. Simvastatin. Acta Crystallogr C. 2003 Aug;59(Pt 8):o428-30.
  • Pedersen TR, Tobert JA. Simvastatin: a review. Expert Opin Pharmacother. 2004 Dec;5(12):2583-96.
  • de Faria CA, Zanette DL, Silva WA Jr, Ribeiro-Paes JT. PAI-1 inhibition by simvastatin as a positive adjuvant in cell therapy. Mol Biol Rep. 2019 Feb;46(1):1511-1517.