Gânglios linfáticos inchados: causas e tratamento

Os gânglios linfáticos inchados são um problema de saúde muito incômodo. Geralmente aparecem devido a infecções, embora também possam surgir como resultado de uma neoplasia maligna.

O inchaço nos gânglios é um problema incômodo que pode surgir devido a várias patologias, muitas delas benignas. No entanto, os gânglios linfáticos inchados são um sinal claro de que algo não está bem com o corpo; por isso, é importante conhecer todas as causas prováveis.

O sistema imunológico é composto por uma variedade de órgãos e células que se complementam, dando ao corpo diferentes tipos de imunidade. Os gânglios linfáticos fazem parte desse sistema e a sua principal função é a criação de glóbulos brancos, bem como a filtragem da linfa.

Esses órgãos estão distribuídos por todo o corpo, no entanto, eles formam agrupamentos em certas áreas, tais como pescoço, virilha, axilas, mandíbula e queixo. Portanto, os gânglios linfáticos inchados são mais perceptíveis nessas áreas, embora a sua localização possa variar.

Causas dos gânglios linfáticos inchados

É importante esclarecer que o inchaço nos gânglios não é uma doença em si, mas sim um achado clínico de múltiplas doenças. Além disso, considera-se que eles estão aumentados quando ultrapassam os 2 cm em áreas como pescoço ou axilas e quando ultrapassam 1,5 cm na virilha.

Em termos gerais, os gânglios linfáticos podem ficar inchados devido a 3 causas principais: processos infecciosos, neoplasias malignas e linfomas.

Processos infecciosos

Diversos estudos afirmam que as infecções são a causa mais comum para o aparecimento de gânglios linfáticos inchados em crianças. Todas as doenças causadas por bactérias, vírus, parasitas ou fungos podem causar o aumento no tamanho dessas estruturas.

As infecções são uma causa comum de gânglios inchados.
As infecções do trato respiratório geralmente causam gânglios inchados no pescoço.

Este é um achado muito comum em infecções virais do trato respiratório superior e em infecções em regiões próximas ao pescoço, como a garganta e os ouvidos. Por outro lado, os gânglios linfáticos inchados também podem aparecer em infecções sistêmicas, tais como leishmaniose ou malária.

Vários são os processos fisiológicos que podem explicar a inflamação dos gânglios em processos infecciosos, entre os quais se destacam os seguintes:

  • Proliferação de linfócitos e macrófagos dentro dos gânglios linfáticos.
  • Infiltração de células inflamatórias extrínsecas.

Neoplasias malignas

Todos os tipos de câncer existentes são capazes de proliferar e atingir o sistema linfático, causando uma infiltração metastática das células cancerosas. Esta infiltração será capaz de causar o inchaço dos gânglios linfáticos afetados, cuja localização varia dependendo da origem do tumor.

Apesar de ser uma doença grave, trata-se de um achado pouco comum na prática médica. Alguns estudos mostram que as doenças malignas causam cerca de 12,7% de todas as adenopatias diagnosticadas. No entanto, as pessoas devem estar atentas aos seguintes sintomas:

  • Aumento generalizado dos gânglios sem causa evidente.
  • Perda de peso superior a 10%.
  • Gânglios com mais de 3 cm.
  • Evolução clínica superior a 4 semanas.
  • Localização supraclavicular.

Linfomas

Os linfomas são um grupo específico de neoplasias que acometem os gânglios linfáticos, que causam inflamação por meio de uma proliferação patológica de linfócitos e macrófagos. Atualmente, foi descoberto um grande número de linfomas, muitos deles malignos e muito agressivos.

Essas doenças podem ser tão graves que representam a oitava causa de morte por câncer em países como o México, por exemplo. No entanto, a sua frequência é baixa, sendo o linfoma não Hodgkin uma das patologias mais frequentes.

O principal sinal de alerta para esta doença é o aumento do tamanho dos gânglios linfáticos. Nesse sentido, quanto maior a área afetada, maior a probabilidade de ser um linfoma.

Características dos gânglios inchados

Os gânglios linfáticos inchados podem ser causados por infecções virais, como a faringite, ou por neoplasias malignas. Nesse sentido, as suas características podem variar dependendo da patologia causadora do problema e, por isso, elas são de grande importância na área médica.

A avaliação clínica dos gânglios inchados é essencial para chegar a um diagnóstico.
Existem certos padrões clínicos que permitem ao médico presumir a origem dos gânglios inchados.

As características da inflamação podem orientar o especialista se o caso se trata de um processo infeccioso ou de uma doença maligna. Em termos gerais, os gânglios inchados causados por infecções têm as seguintes características:

  • Dolorosos ao toque.
  • Consistência mole.
  • Bordas mal definidas.
  • Móveis.
  • A pele que os recobre pode ficar vermelha e quente.

A maioria dos processos malignos ou neoplásicos também apresentam características semelhantes quando afetam o sistema em questão. Desta forma, os gânglios linfáticos podem estar da seguinte forma:

  • Consistência dura.
  • Não são dolorosos ao toque.
  • Bordas bem definidas.
  • Imóveis.

Os linfomas são um caso particular, pois as características dos gânglios inchados serão muito semelhantes às observadas nos processos infecciosos. No entanto, a principal diferença é que os gânglios afetados pelo linfoma não são dolorosos.

Tratamento para os gânglios linfáticos inchados

O melhor método para tratar o inchaço dos gânglios linfáticos sempre será eliminar a patologia subjacente. Nesse sentido, eles geralmente voltam ao tamanho normal alguns dias após a resolução do processo infeccioso.

No caso das neoplasias malignas e linfomas, o tratamento é mais complexo e geralmente é necessária a remoção cirúrgica do gânglio. Por sua vez, a aplicação de ciclos de quimioterapia e radioterapia pode ajudar a eliminar as células cancerosas remanescentes.

Por outro lado, também podem ser tomadas certas medidas que, embora não curem a doença de base, ajudarão a reduzir os sintomas nos gânglios. Nesse sentido, a aplicação de compressas mornas na região ajuda a reduzir a inflamação.

Tomar analgésicos de venda livre pode ajudar a reduzir a dor em processos infecciosos; no entanto, é preciso sempre consultar o médico antes de tomar qualquer medicamento.

Finalmente, fazer repouso ajuda na recuperação de muitas doenças e, portanto, atividades físicas extenuantes devem ser evitadas.

Considerações gerais

Os gânglios linfáticos inchados podem estar relacionados a diferentes patologias, sendo as infecções a sua principal causa. Assim, o fortalecimento do sistema imunológico pode ser uma forma eficaz de prevenir o surgimento desse problema de saúde.

Esse achado clínico pode ser evidenciado em algumas neoplasias malignas e, portanto, este é um sinal que não deve ser subestimado. Infelizmente, não há um tratamento específico para os gânglios linfáticos inchados; por isso, a melhor solução será eliminar a patologia subjacente.

  • Castro Martín J. Enfermedades que cursan con adenopatías. FMC: Formación Médica Continuada en Atención Primaria. 1999; 6 (6): 381-392.
  • Pessey J, Rose X, Vergez S. Adenopatías cervicales. EMC – Otorrinolaringología. 2009;38(1):1-16.
  • García Aguado J. Estudio del paciente con adenopatías periféricas. En: AEPap ed. Curso de Actualización Pediatría 2010. Madrid: Exlibris Ediciones; 2010. p.31-42.
  • Rocco R, Fränkel J, Villarreal M, Latella A, Braier J. Linfoadenopatías periféricas: diferencias entre enfermedades benignas y neoplásicas. Medicina Infantil. 1999; 6(2): 120-135.
  • Pérez-Zúñiga JM, Aguilar-Andrade C, Álvarez-Vera JL, Augusto-Pacheco M et al. Generalidades sobre linfomas. Rev Hematol Mex. 2018; 19(4): 174-188.
  • Gaddey HL, Riegel AM. Unexplained Lymphadenopathy: Evaluation and Differential Diagnosis. Am Fam Physician. 2016 Dec 1;94(11):896-903.