Diferenças entre veias e artérias

As veias e artérias são vasos sanguíneos que permitem o fluxo de sangue do coração para todos os tecidos do corpo. Você quer saber suas diferenças?
Diferenças entre veias e artérias

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 11 Setembro, 2021

Última atualização: 20 Setembro, 2021

O sistema circulatório é essencial para a concepção da própria vida. Dentro de um ser humano adulto médio há cerca de 4,5 litros de sangue (7% do peso corporal), um tecido conjuntivo líquido responsável pelo transporte de oxigênio, dióxido de carbono e resíduos para ou de cada célula viva em nosso corpo. Para entender a circulação, é necessário mencionar as diferenças entre veias e artérias.

Embora pareçam estruturas com a mesma função, as veias e artérias apresentam certas características fisiológicas e funcionais que as tornam únicas. Se você deseja conhecer as características dessas partes vitais do sistema circulatório, encorajamos você a continuar lendo.

Visão geral do sistema circulatório

Antes de explorar as diferenças entre veias e artérias, achamos interessante citar alguns dados importantes sobre o sistema circulatório e seu funcionamento no corpo humano. O portal informativo Live Science e outras fontes nos ajudam a trazer a você as seguintes informações de interesse:

  1. O ser humano médio tem 4,5 a 5 litros de sangue em seu corpo. Isso é 7-10% do peso corporal total.
  2. Este sistema é composto de artérias, arteríolas, veias, vênulas e capilares. Se todas essas estruturas presentes no corpo fossem colocadas em sequência, elas ocupariam aproximadamente 100.000 quilômetros.
  3. As células sanguíneas por excelência são as hemácias (eritrócitos) e estas são responsáveis ​​pelo transporte de oxigênio para todos os tecidos do corpo. Sua proporção na corrente sanguínea é 1000 vezes maior que a dos leucócitos.
  4. Existem cerca de 5.000.000 de glóbulos vermelhos por milímetro cúbico de sangue. Cada uma dessas células contém 270 milhões de moléculas de hemoglobina. Por sua vez, cada hemoglobina carrega 4 moléculas de oxigênio.
  5. O coração é o órgão central e é responsável por bombear todo o sangue pelo corpo. Estima-se que bata cerca de 2,5 bilhões de vezes durante uma vida de 75 anos.

No humano, o sistema circulatório é constituído pelo sangue, por um conjunto de condutos (veias, artérias e capilares, entre outros) e pela bomba motriz conhecida por todos: o coração. É necessário distinguir cada estrutura em um nível fisiológico, uma vez que várias patologias circulatórias variam em gravidade e prognóstico dependendo do local afetado.

Quais são as diferenças entre veias e artérias?

Agora que você sabe o que é o sistema circulatório e algumas de suas partes essenciais, estamos prontos para explorar as diferenças entre veias e artérias em vários níveis: funcional, fisiológico, anatômico e patológico. Continue lendo.

1. As artérias “vão”, enquanto as veias “voltam”

O National Cancer Institute (NIH) define a artéria como um vaso sanguíneo que transporta sangue do coração para os tecidos e órgãos do corpo. Por outro lado, a mesma instituição argumenta que a veia transporta o fluido sanguíneo dos órgãos e tecidos para o coração. O primeiro tipo de conduíte sai do coração “para fora”, enquanto o segundo vai de volta para ele.

A maioria das artérias carrega sangue oxigenado, exceto a pulmonar e a umbilical. Por outro lado, a maioria das veias carrega em seu interior fluido sanguíneo desoxigenado e cheio de dióxido de carbono, mas também há exceções. Embora a saturação de oxigênio seja a primeira das diferenças entre veias e artérias, também é a mais básica.

Exceções à regra

Apesar das disparidades, os dois tipos de vasos sanguíneos são essenciais para o entender o funcionamento do sistema circulatório

Dizer que as artérias transportam sangue com oxigênio (representado pela cor vermelha) e as veias com líquido livre (azul) é o mais confortável, mas nem sempre é verdade. As seguintes artérias transportam sangue desoxigenado:

  • Artérias pulmonares: a artéria pulmonar esquerda e a artéria pulmonar direita emergem de um único ducto arterial no lado esquerdo do coração e se comunicam com os capilares do tecido sanguíneo pulmonar. Graças a essas estruturas, os alvéolos recebem sangue e podem oxigená-lo durante o processo respiratório.
  • Artérias umbilicais: existem duas artérias umbilicais, uma de cada lado do corpo e localizada na região abdominal. Sua função é transportar sangue desoxigenado do feto para a placenta. Eles são locais críticos de punção para a obtenção de amostras quando os bebês estão em estado de doença grave.

Também existem veias que não transportam sangue desoxigenado. Estes são os seguintes:

  • Veias pulmonares: realizam o trabalho oposto ao das artérias pulmonares, pois recolhem o sangue oxigenado dos capilares pulmonares e o transportam para o coração. A partir daí, o oxigênio pode ser distribuído para o resto dos tecidos.
  • Veias umbilicais: as veias umbilicais transportam sangue oxigenado da placenta materna para o feto em desenvolvimento. Essas estruturas desaparecem uma semana após o nascimento.

Como você pode ver, as veias e artérias pulmonares seguem a premissa oposta ao resto do sistema circulatório. Por isso, sua funcionalidade é dividida e analisada em um circuito próprio: o sistema circulatório pulmonar. O caso da circulação umbilical é ainda mais especial, pois suas estruturas se degradam e se modificam após o nascimento do feto.

2. As partes de cada vaso sanguíneo são diferentes

Outra diferença entre veias e artérias está em sua composição no nível fisiológico. Em qualquer caso, deve-se notar que todos os vasos sanguíneos têm um arranjo concêntrico de 3 camadas com propriedades díspares:

  • Túnica íntima: é a camada mais interna de ambas as artérias e veias. É composto de células endoteliais (corpos achatados que revestem as paredes dos vasos), que por sua vez estão em contato direto com o fluxo sanguíneo ou lúmen do vaso.
  • Túnica média: essa camada é composta por células musculares lisas (corpos celulares com comprimentos entre 20 e 500 micrômetros e diâmetro entre 8 e 10 micrômetros) e também contém fibras de elastina, formadas por uma proteína que confere resistência e elasticidade aos tecidos.
  • Túnica adventícia: é a camada externa de tecido conjuntivo fibroso que envolve todos os vasos sanguíneos. É essencial para a regulação das funções das paredes vasculares.

Embora todos os vasos sanguíneos tenham a mesma estrutura geral, deve-se notar que cada camada pode variar em composição e funcionalidade. Por exemplo, a túnica média é muito mais desenvolvida nas artérias do que nas veias e é quase imperceptível nos capilares sanguíneos.

Por este último motivo, costuma-se dizer que as veias são menos “musculares” do que as artérias.

3. Diferentes tipos de veias e artérias

Por ahora, las diferencias entre arterias y venas son claras: las primeras suelen llevar sangre oxigenada a los tejidos y están más musculadas, mientras que las segundas devuelven el líquido sanguíneo cargado de CO₂ al corazón para que este gas se pueda intercambiar con los pulmones durante a respiração. Embora a circulação pulmonar não siga essa regra, ela é aplicável no restante dos processos.

Além dessas distinções básicas, existem disparidades entre os dois vasos sanguíneos em termos de tipologia. O portal médico Healthline permite-nos mostrar-lhe os diferentes tipos de artérias na seguinte lista:

  1. Artérias elásticas: as artérias elásticas são as maiores artérias próximas ao coração, como a aorta ou pulmonar. Têm uma túnica central muito grossa e adaptável, pois devem esticar quando o coração se contrai para bombear o sangue.
  2. Artérias musculares: diferem das artérias elásticas por terem mais músculo liso e menos fibras elásticas do que a contraparte mencionada. Eles geralmente são de tamanho médio.
  3. Arteríolas: são as menores unidades deste tipo antes de atingir o nível capilar. Para que uma arteríola seja considerada como tal, ela deve ter um diâmetro menor que 40-100 mícrons. Eles representam os principais pontos de resistência vascular.

Por outro lado, os seguintes tipos de veias podem ser registrados:

  1. Veias profundas: como o nome sugere, essas veias estão localizadas longe das camadas mais superficiais do corpo. Elas têm válvulas unilaterais que evitam que o sangue reflua e seus músculos o ajudam a continuar seu caminho para o coração. Elas representam um problema médico muito importante, pois é muito difícil acessá-las em condições patológicas.
  2. Veias superficiais: estão muito mais próximas da pele e são facilmente acessíveis. Elas têm o mesmo tipo de válvulas das veias profundas, mas não são circundadas por músculos. Portanto, esses tipos de vasos venosos não empurram ativamente o fluido sanguíneo para o coração e o fluxo é mais lento.
  3. Vênulas: são análogas às arteríolas, mas na região venosa. Elas são os primeiras a direcionar o sangue para o coração após o contato entre os capilares sanguíneos.

Cada vaso sanguíneo é dividido em 3 subtipos diferentes, mas como você deve ter visto, o sistema de classificação é um pouco diferente. Os tipos de veias são definidos mais por sua localização em termos de “profundidade”, enquanto as artérias são classificadas pela composição de suas camadas (principalmente a túnica média).

Embora este seja um padrão, existem critérios mais qualificados para veias e artérias.

4. Diferenças de pressão

A pressão arterial sistólica é superior à diastólica

Quando o coração se contrai e empurra o sangue para os vasos sanguíneos, eles sentem alguma pressão. Uma das diferenças mais importantes entre veias e artérias reside nesse parâmetro, pois pode elucidar certas patologias crônicas que devem ser tratadas.

Conforme indicado pela  Biblioteca Nacional de Medicina de los Estados Unidos, o termo pressão arterial se refere à força exercida pelo sangue ao empurrar as paredes dos tecidos das artérias ao avançar. Este conceito é dividido em 2 valores: sistólico (quando o coração se contrai) e diastólico (quando está em repouso).

A pressão arterial sistólica é superior à diastólica e os respectivos valores normais são 120/80 milímetros de mercúrio (mmHg). Diz-se que uma pessoa tem hipertensão quando as pressões constantes pairam ou excedem o limite de 140/90 mmHg.

A pressão venosa, por outro lado, refere-se à força exercida pelo sangue nas paredes dos vasos venosos ao passar. Seus valores são muito mais baixos do que na variante arterial e, além disso, é medido em 2 pontos diferentes:

  1. Pressão Venosa Central (PVC): Este termo se refere à pressão exercida pelo sangue na veia cava superior. Reflete a quantidade de sangue que retorna ao coração e seu valor médio está entre 0 e 5 mmHg.
  2. Pressão venosa periférica (PVP): este valor é medido nas veias fora do tórax (vasos extratorácicos). É um pouco mais alto que o PVC e depende da localização do vaso analisado. Em geral, seus valores variam entre 16 mmHg e 5 mmHg.

Como você pode ver, a pressão arterial é sempre muito maior do que a venosa, já que a complacência das veias é muito maior (embora o volume de sangue seja grande). Além disso, quando falamos em hipertensão, estamos sempre nos referindo aos valores de pressão sistólica / diastólica nas artérias, nunca nas veias.

Mais de 40% da população adulta em países de alta renda é hipertensa. Até 37% dos pacientes não receberam o diagnóstico relevante e não conhecem sua doença.

Diferenças entre veias e artérias: dois lados da mesma moeda

As diferenças entre veias e artérias são múltiplas, mas podem ser resumidas em uma ideia central: as artérias carregam sangue carregado de oxigênio para os tecidos do corpo, enquanto as veias devolvem sangue carregado de CO2 e resíduos metabólicos para o coração. O sistema circulatório pulmonar é a exceção a esta regra geral.

Apesar das disparidades, os dois tipos de vasos sanguíneos são essenciais para o entender o funcionamento do sistema circulatório e de suas possíveis patologias. Embora as artérias sejam mais conhecidas por uma das doenças crônicas mais difundidas no mundo (hipertensão), as veias são igualmente importantes quando se trata de compreender o fluxo sanguíneo em nosso corpo.



  • Aiswarya, C. S., Sampath, S., Aggarwal, D., & Kumar, A. A. Study of Thyroid Function in Alcohol Dependence Syndrome. International Journal of Contemporary Medical Research. 2018; (5).
  • Balhara YP, Deb KS. Impact of alcohol use on thyroid function. Indian J Endocrinol Metab. 2013 Jul;17(4):580-7.
  • Carlé A, Bülow Pedersen I, Knudsen N, Perrild H, Ovesen L, Rasmussen LB, Jørgensen T, Laurberg P. Graves’ hyperthyroidism and moderate alcohol consumption: evidence for disease prevention. Clin Endocrinol (Oxf). 2013 Jul;79(1):111-9.
  • Majumdar SK, Shaw GK, Thomson AD. Thyroid status in chronic alcoholics. Drug Alcohol Depend. 1981 Feb;7(1):81-4.
  • Meinhold CL, Park Y, Stolzenberg-Solomon RZ, Hollenbeck AR, Schatzkin A, Berrington de Gonzalez A. Alcohol intake and risk of thyroid cancer in the NIH-AARP Diet and Health Study. Br J Cancer. 2009 Nov 3;101(9):1630-4.
  • McAdams, B. S., & Rizvi, A. How does Alcohol Use af ect Thyroid Function? Illustrative Case and Literature Review. Journal of Thyroid Disorders & Therapy. 2015; (4).
  • Ozsoy S, Esel E, Izgi HB, Sofuoglu S. Thyroid function in early and late alcohol withdrawal: relationship with aggression, family history, and onset age of alcoholism. Alcohol Alcohol. 2006 Sep-Oct;41(5):515-21.
  • Parodi, R., Montero, J., Ferreti, M. V., Chiganer, G., Lema, S., Ferrado, M., … & Greca, A. Asociación entre Hipertiroidismo y Patología Hepática. Presentación de dos casos y revisión de la literatura. Gland Tir Paratir. 2008; 17: 28-33.