As 3 doenças do ouvido mais comuns

As doenças que afetam o ouvido são patologias que alteram a audição e que, além disso, também podem alterar o equilíbrio e a postura das pessoas. Por isso, elas são muito incômodas.
As 3 doenças do ouvido mais comuns

Escrito por Luis Rodolfo Rojas Gonzalez, 18 Março, 2021

Última atualização: 18 Março, 2021

O ouvido é um dos órgãos mais sensíveis do corpo, que está envolvido não apenas na audição, mas também no equilíbrio. As doenças que afetam esse órgão são incômodas e podem dificultar a realização das atividades diárias. A seguir, vamos falar brevemente das 3 doenças do ouvido mais comuns.

Este órgão é constituído por 3 partes muito distintas, que cumprem funções específicas e que se complementam entre si. Em primeiro lugar, existe o ouvido externo, que é formado pelo pavilhão auricular e pelo conduto auditivo, que serão responsáveis por direcionar as ondas sonoras para as estruturas mais profundas.

O ouvido médio é constituído pela membrana timpânica e por diversos ossículos, que vão transmitir as ondas sonoras ao ouvido interno. Por fim, o ouvido interno é composto por uma parte membranosa e outra óssea. A primeira está envolvida na manutenção do equilíbrio, enquanto a segunda participa na interpretação das ondas acústicas.

As 3 doenças do ouvido mais comuns

As doenças mencionadas a seguir não constituem uma emergência médica, pois não colocam a vida das pessoas em risco. Porém, é preciso ter cuidados especiais com elas, pois geram um grande número de sintomas que podem se tornar incapacitantes.

Nesse sentido, entre as 3 doenças do ouvido mais comuns estão as seguintes:

Otite

A otite é uma infecção bacteriana ou viral que pode afetar tanto o ouvido médio quanto o externo. Esta é uma patologia muito comum durante a infância; de fato, alguns estudos mostram que 80% das crianças já tiveram pelo menos uma infecção de ouvido antes de completar 6 anos.

Um dos diagnósticos mais frequentes é a otite média, que pode ser aguda ou crônica dependendo do tempo de evolução.

A otite é uma das principais causas de prescrição de antibióticos no mundo todo.

Sintomas

O sintoma mais característico dessa doença é a dor de ouvido, de intensidade variável. Geralmente causa irritabilidade em crianças pequenas e, por esta razão, elas tendem a chorar incontrolavelmente. Por outro lado, os pacientes afetados também podem apresentar alguns dos seguintes sintomas:

  • Tinido ou zumbido.
  • Eliminação de fluido purulento.
  • Vertigem.
  • Febre.
  • Perda de audição.
A otite é uma das doenças do ouvido mais comuns.
O principal sintoma da otite média é a dor intensa, geralmente apenas de um lado.

Tratamento

O tratamento farmacológico tem como objetivo eliminar as bactérias causadoras do problema e reduzir a dor. Nesse sentido, o medicamento de primeira escolha é a amoxicilina associada a um analgésico como o paracetamol para reduzir a febre e a dor.

Em alguns casos de otite média, é necessária uma cirurgia para drenar o líquido contido no ouvido médio. Para isso, o especialista vai fazer uma incisão na membrana timpânica e inserir um pequeno tubo por onde sairá o líquido purulento.

Otosclerose

É uma doença que atinge adultos jovens, sendo uma das principais causas de perda auditiva nessa faixa etária. Estima-se que afete entre 0,2% e 1% da população mundial, porém, o número pode ser maior, uma vez que a fase inicial é assintomática.

Os ossículos do ouvido médio são constituídos por um tecido mole e vascularizado, por isso eles são muito móveis. Na otosclerose, esse tecido é substituído por outro mais denso e menos vascularizado. Essa alteração faz com que os ossos percam a mobilidade, gerando as manifestações clínicas.

Sintomas

Um dos sintomas característicos da otosclerose é a perda auditiva, assim como ocorre em algumas das doenças do ouvido mais comuns. Durante a fase inicial, as pessoas podem perceber zumbidos ou ruídos inexistentes.

Esta sintomatologia vai progredir com o tempo até que a perda auditiva seja evidente. Na maioria dos casos, começa em apenas um dos ouvidos, entretanto, geralmente se torna bilateral. O problema de audição será gradual e, portanto, inicialmente, haverá problemas apenas com tons baixos.

Algumas pessoas também podem sentir tonturas inexplicáveis e problemas de equilíbrio. Além disso, ambientes barulhentos podem causar confusão e surdez momentânea.

Tratamento

O uso de aparelhos auditivos ajuda a melhorar a surdez durante a sua fase inicial, porém, o problema vai progredir e será necessário usar aparelhos auditivos com maior potência. Embora o uso desses dispositivos não cure a surdez, eles são capazes de reduzir o seu impacto na qualidade de vida.

Por outro lado, existem 2 procedimentos cirúrgicos capazes de eliminar o problema. O primeiro consiste na retirada de uma porção do osso afetado, o que melhorará a sua mobilidade. Com o segundo, é possível remover todo o osso afetado e substituí-lo por uma prótese.

Doença de Ménière

A última patologia da nossa lista das doenças do ouvido mais comuns é a doença de Ménière. É caracterizada pelo acúmulo excessivo de fluido endolinfático em uma parte do ouvido interno chamada de labirinto membranoso.

Esta doença pode afetar indivíduos de todas as idades, no entanto, é encontrada com maior frequência em pessoas entre 40 e 60 anos, com cerca de 45.500 novos casos diagnosticados a cada ano. O labirinto membranoso participa da manutenção do equilíbrio e do controle postural e, por esta razão, podem ocorrer alterações na psicomotricidade.

Sintomas

O sintoma mais característico da doença de Ménière é a vertigem, que pode ser definida como a sensação de que objetos estão se movendo ao redor do corpo (ou vice-versa).

Essa doença é uma das principais causas de vertigem periférica, por isso é um diagnóstico que não deve ser descartado. A patologia em questão geralmente afeta apenas um dos ouvidos na maioria dos casos e, além disso, os pacientes podem apresentar algum dos seguintes sintomas:

  • Tinido ou zumbido.
  • Perda de audição.
  • Sensação de ouvido cheio ou congestionado.
A vertigem é uma das doenças do ouvido mais comuns.
A vertigem tem origem multicausal, mas os danos ao ouvido podem gerá-la com relativa frequência.

Tratamento

Felizmente, a doença de Ménière pode ser tratada para diminuir o impacto dos sintomas. O tratamento com medicamentos como diazepam, meclizina e glicopirrolato ajuda a diminuir a vertigem, o sintoma mais incapacitante.

Algumas mudanças no estilo de vida (tais como reduzir o consumo de sal, cafeína, álcool e tabaco) podem ajudar a melhorar a condição. A cirurgia geralmente é realizada quando todos os outros métodos falham, e tem como objetivo diminuir o líquido encontrado no saco endolinfático.

Outras doenças do ouvido comuns

Existem outras condições que podem afetar o ouvido, gerando sintomas muito incômodos, tais como os tampões de cera e os traumatismos no canal auditivo. Todas essas condições podem ser resolvidas rapidamente por um otorrinolaringologista, por isso é sempre aconselhável consultar um especialista.

As doenças do ouvido mais comuns podem ser muito incômodas, porém, todas melhoram com o tratamento adequado. Algumas dessas condições podem causar surdez a longo prazo, portanto, é preciso consultar um médico quando houver uma suspeita da sua existência.

Pode interessar a você...
Exame de sangue: como entendê-lo e quando é útil
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Exame de sangue: como entendê-lo e quando é útil

O exame de sangue, é um exame de rotina realizado para contar o número e os tipos de células presentes nesse fluido. A seguir, mais detalhes



  • Gimenez Serrano S. Afecciones comunes del oído. Farmacia Profesional. 2005; 19 (7): 40-45.
  • López-Escamez J. Papel de la medicina genómica en las enfermedades del oído medio e interno. Acta Otorrinolaringológica Española. 2012;63(6):470-479.
  • Emmett SD, Kokesh J, Kaylie D. Chronic Ear Disease. Med Clin North Am. 2018 Nov;102(6):1063-1079.
  • Pérez Alcázar M. Otitis. Tratamiento de la infección. Farmacia profesional. 2002; 15 (5): 44-49.
  • Salvador Casas J, Rodríguez D, Miranda G, de Grazia J. Otoesclerosis: revisión de aspectos etiopatogénicos, clínico-demográficos e imagenológicos. Revista Chilena de Radiología. 2016; 22 (3): 108-113.
  • Pérez López L, Belinchón de Diego A, Bermell Carrión A, Pérez Garrigues H, Morera Pérez C. Enfermedad de Ménière y migraña. Acta Otorrinolaringológica Española. 2006;57(3):126-129.