Alergia ou hipersensibilidade: tudo o que você precisa saber!

Gilberto Sánchez · 13 março, 2021
A OMS passou a classificar as doenças alérgicas entre as seis patologias mais comuns no mundo. Estima-se que possam afetar 20% da população mundial. Curiosamente, os países desenvolvidos e industrializados são mais afetados do que os demais.

A alergia ou hipersensibilidade é muito comum atualmente e constitui uma das principais doenças crônicas que o ser humano pode sofrer. A alergia é causada por uma resposta exagerada do sistema imunológico a substâncias que, em geral, são inofensivas.

Pacientes alérgicos, embora possa não parecer, não sofrem apenas de um problema de saúde física. Essa patologia também tem um impacto psicológico importante, pois diminui significativamente a qualidade de vida.

Entre os sintomas alérgicos podemos encontrar, entre outros, cefaleia, espirros, obstrução nasal ou lacrimejamento. É por isso que, em muitas ocasiões, podemos confundir um episódio alérgico ou de hipersensibilidade com um resfriado. Saiba mais neste artigo.

O que é a alergia ou hipersensibilidade?

A alergia ou hipersensibilidade é uma reação exagerada do sistema imunológico diante de substâncias externas que, para as outras pessoas, são inofensivas. Essas substâncias são chamadas de alérgenos.

A exposição repetida ao mesmo alérgeno produzirá sintomas de alergia. Em alguns casos, a exposição repetida adicionará novas manifestações, geralmente mais graves. Uma das manifestações alérgicas mais frequentes é a alergia respiratória, como a rinite alérgica.

Os alérgenos mais comuns na alergia respiratória são:

  • Pólen.
  • Ácaros.
  • Pelos de animais.
  • Cogumelos.
  • Alguns alimentos.
  • Medicamentos.
  • Veneno de abelhas e vespas.
  • Alergia devido ao contato com certas substâncias. Por exemplo, o eczema de contato devido à alergia ao níquel de brincos ou pulseiras de relógio metálicas.
anti-histamínicos

Como ocorre a alergia

O primeiro passo é o contato com alérgenos, geralmente por inalação ou ingestão. Isso irá gerar uma resposta do sistema imunológico, que leva à formação de anticorpos chamados imunoglobulinas. Eles reagem especificamente contra o alérgeno.

Os anticorpos chegam ao sangue e se ligam a células chamadas mastócitos. Os mastócitos são encontrados na pele e na mucosa e contêm substâncias responsáveis pelos sintomas clínicos da alergia. Essas substâncias pró-inflamatórias são:

  • Histamina.
  • Leucotrienos.
  • Prostaglandinas.
  • Fator de ativação plaquetária.
  • Fatores quimiotáticos ou citocinas.

Porém, neste primeiro contato, o paciente não apresentará sintomas alérgicos, pois o organismo guardará as informações necessárias para produzir o anticorpo específico para um encontro futuro. Portanto, será no segundo contato com o alérgeno que os sintomas vão aparecer.

Doenças alérgicas do trato respiratório

Rinite alérgica

A rinite alérgica é uma inflamação crônica da mucosa nasal, geralmente causada por alergia ou hipersensibilidade a substâncias externas. Às vezes, também é causada por alergias alimentares. De fato, na maioria dos casos, pode ser acompanhada de conjuntivite, razão pela qual o termo rinoconjuntivite é usado com frequência.

Os sintomas da rinite são:

  • Espirros.
  • Rinorreia ou muco abundante.
  • Coceira ou prurido no nariz.
  • Obstrução nasal.
  • Rouquidão.
  • Tosse seca.

Esses sintomas podem aparecer em qualquer tipo de rinite. Eles também podem aparecer em resfriados normais e na rinite não alérgica. Por isso, é fácil confundi-los.

sintomas de gripe

Asma alérgica

A asma é uma inflamação dos brônquios. Devemos lembrar que os brônquios são estruturas em forma de tubo; portanto, a sua inflamação causa o seu estreitamento, dificultando assim a respiração.

De fato, ambas as doenças geralmente aparecem simultaneamente e geralmente têm causas semelhantes. Os principais sintomas da asma são:

  • Dispneia: falta de ar; pode ser leve ou intensa.
  • Tosse: episódios repetitivos, geralmente de tosse seca e persistente.
  • Sibilos: produzidos quando o ar sai pelos brônquios estreitados pela inflamação.
  • Opressão: sensação de pressão no peito.

Quando a inflamação dos brônquios é intensa ou persiste ao longo do tempo, o ar passa por eles com maior dificuldade. Esse fenômeno é chamado de exacerbação ou crise de asma.

Alguns pacientes também podem apresentar sintomas de inflamação nasal, tais como nariz entupido ou espirros frequentes, que provavelmente serão identificados como rinite.

Evite episódios de alergia ou hipersensibilidade

Para evitar sintomas de alergia ou hipersensibilidade, o contato com o alérgeno deve ser evitado ou diminuído. Isso melhora o controle da asma, diminui os sintomas e reduz a necessidade de medicamentos. Algumas das medidas para isso são:

  • Ácaros: lave a roupa de cama a 60 ºC ou faça limpeza a seco todas as semanas. Use fronhas antiácaros.
  • Pólens e esporos de fungos: feche portas e janelas e também evite sair de casa em épocas de alta polinização.
  • Medicamentos, aditivos e alimentos: é preciso evitar a ingestão da substância à qual se é alérgico e aprender a detectar alérgenos nos ingredientes.
  • Pelos de animais: evite tê-los dentro de casa ou nos quartos.
  • Mofo: evite áreas úmidas e faça a limpeza a seco com freqüência.
  • Fumaça de tabaco: evite a exposição ao tabaco, tanto ativa quanto passiva.
  • Baratas: faça limpezas frequentes, evite deixar alimentos fora da geladeira, etc.

Além disso, e não menos importante, é essencial consultar o seu médico ou um especialista regularmente. Assim, ele poderá controlar os seus sintomas e saberá indicar o melhor tratamento para o seu caso.

  • Holgate, S. T., & Polosa, R. (2008). Treatment strategies for allergy and asthma. Nature Reviews Immunology. https://doi.org/10.1038/nri2262
  • Sicherer, S. H., & Sampson, H. A. (2006). 9. Food allergy. Journal of Allergy and Clinical Immunology. https://doi.org/10.1016/j.jaci.2005.05.048
  • MacDonald, T. T., & Monteleone, G. (2005). Immunity, inflammation, and allergy in the gut. Science. https://doi.org/10.1126/science.1106442
  • Carrard, A., Rizzuti, D., & Sokollik, C. (2015). Update on food allergy. Allergy: European Journal of Allergy and Clinical Immunology. https://doi.org/10.1111/all.12780