7 benefícios das carícias, de acordo com a ciência

Daniela Andarcia · 19 maio, 2021
As carícias têm impacto na saúde física e mental. Descubra em detalhe cada um dos seus benefícios.

Como são boas as carícias das pessoas que amamos e, talvez por trás desse contato afetivo existam boas razões, pois elas atingem a saúde e o bem-estar. Os benefícios das carícias podem estar relacionados à carga de significado que o toque tem em quem o dá e recebe.

Para algumas culturas, uma demonstração de afeto significa ternura, para outras é um símbolo de respeito. No entanto, dependendo do contexto em que o afeto é dado, pode se transformar em um efeito positivo ou negativo, conforme estudo realizado pela Scientific Reports.

Por outro lado, uma investigação concluiu que, para o ser humano, o toque é importante para manter relacionamentos e comunicar emoções. Descubra o que a ciência diz sobre os benefícios de acariciar.

Por que a carícia é tão importante?

Um artigo publicado na revista The New Yorker analisou que tanto bebês humanos quanto bebês primatas que crescem sem contato afetivo tendem a sofrer sérios problemas durante seu desenvolvimento e têm poucas habilidades para se relacionar socialmente.

Nosso cérebro é ativado pelo estímulo do tato, que pode influenciar o processo de raciocínio, o processo de aprendizagem, a tomada de decisões, bem como os comportamentos sociais e emocionais, de acordo com pesquisas publicadas na Developmental Review.

Por outro lado, uma investigação realizada pela Research on Language and Social Interaction revelou que as carícias têm um efeito calmante nas pessoas que se sentem em perigo, pois o toque comunica apoio e empatia.

Os benefícios das carícias

Alguns especialistas concordam com que o toque pode ter potencial terapêutico, e que muitas pessoas que se beneficiam com um toque quando se sentem deprimidas, ele oferece um efeito motivador e tranquilizador. Nós mostramos quais outras vantagens eles têm de acordo com a ciência:

1. Eles facilitam a comunicação

Os benefícios de acariciar incluem uma melhor comunicação.
Muitos aspectos do relacionamento podem melhorar com carícias frequentes.

Uma mensagem de apoio pode ter um impacto maior quando é acompanhada por carícias e abraços, do que apenas dizer as palavras “calma, você não está sozinho, pode contar comigo”. O toque expressa os sentimentos com maior eficiência, precisão e intensidade.

De acordo com um estudo realizado pelo Journal of Gerontological Nursing, a linguagem do toque envolve o significado de duração, ação, localização, intensidade, sensação e frequência. Além disso, afirma que a necessidade de toque pode aumentar quando os sentidos da audição e da visão diminuem, bem como quando há falta de contato social.

2. Melhorar a saúde mental

As carícias não beneficia apenas o receptor. De acordo com um estudo feito com mulheres, quando elas davam afeto aos parceiros, elas tinham maior atividade na área do cérebro responsável pelo sistema de recompensa. Portanto, o contato afetivo com uma pessoa deprimida permite que ambos tenham emoções positivas.

Acredita-se também que o abraço pode ajudar a reduzir os sentimentos de medo existencial e suprimir dúvidas sobre si mesmo, isso de acordo com uma compilação de estudos da Association for Psychological Science.

Outra pesquisa destaca que oferecer carinho, como abraços, carícias e beijos, diminui os efeitos do estresse e ajuda na recuperação.

3. Melhoram a saúde

Uma revisão da Psychological Science revelou que os abraços não apenas absorvem o estresse, mas também fornecem um efeito protetor contra infecções respiratórias. Aqueles que receberam apoio emocional apresentaram uma diminuição maior da infecção do que aqueles que não receberam carícias.

Acredita-se que os afetos proporcionados entre os casais tendem a baixar a pressão arterial e os batimentos cardíacos, por isso, segundo estudo publicado na Biological Psychology, o contato afetivo fortalece o coração.

4. Fortalecem relacionamentos

As amizades, os relacionamentos de casais, se fortalecem com o contato físico. Um abraço, pentear o cabelo ou tocar o antebraço dá a sensação de ser mais honestos, próximos, confiáveis e amigáveis.

O afeto genuíno pode ser o início de uma nova amizade. Além disso, aumenta a autoconfiança e a empatia.

5. Aumentam a capacidade de sedução

Os toques doces e afetuosos permitem que as pessoas envolvidas sejam mais receptivas. Atração, vínculo e confiança aumentam quando os contatos afetivos são mais frequentes.

Uma pesquisa publicada pela Psychosomatic Medicine sugere que o toque tende a aumentar a frequência cardíaca, o que pode despertar o apetite sexual entre os parceiros.

Além disso, o contato físico está relacionado à produção de ocitocina no cérebro, segundo estudo da Frontiers in Psychology, quando esse hormônio é liberado, aumenta a sensação de bem-estar e felicidade.

6. Aumentam o desempenho

Os benefícios de acariciar incluem desempenho no trabalho.
O desempenho no trabalho pode ser melhorado com essas pequenas demonstrações de afeto.

Um estudo realizado pela Biological Psychology descobriu que o afeto positivo pode estar relacionado à melhora do desempenho. Quando há um estímulo afetivo agradável no ambiente, ele interfere no desempenho, embora ainda não esteja claro qual é o vínculo entre afeto, motivação e proatividade.

Acredita-se que as carícias estimulem a realização de atividades de forma mais eficaz, em comparação com aquelas sem estimulo.

7. Ajudam a reduzir a dor

A pesquisa sugere que os toques terapêuticos, pequenas fricções na pele, podem ajudar as pessoas com fibromialgia a reduzir a dor e melhorar a qualidade de vida. As carícias são um tipo de contato que pode até diminuir as dores de cabeça e das costas.

Se dois pessoas conhecidas entrarem em contato quando uma delas sentir uma dor leve, o toque pode aliviar a sensação de dor.

As carícias como alimento para o bem-estar

A pele é um órgão inteligente que, ao experimentar as carícias, libera na pessoa um estado de felicidade e bem-estar, desde que seja um afeto positivo. Por outro lado, um contato com uma pessoa indesejada pode causar desagrado, desconforto e irritação.

O contato afetivo reduz o medo, fortalece a saúde do coração, melhora a saúde geral, aumenta o apetite sexual, a comunicação se torna mais assertiva e diminui a sensação de dor. Esses são apenas alguns dos benefícios  que fornecem as carícias de uma pessoa amada.

  • Ravaja, N., Harjunen, V., Ahmed, I., Jacucci, G., & Spapé, M. M. (2017). Feeling Touched: Emotional Modulation of Somatosensory Potentials to Interpersonal Touch. Scientific reports, 7, 40504. https://doi.org/10.1038/srep40504
  • Suvilehto, J. T., Glerean, E., Dunbar, R. I., Hari, R., & Nummenmaa, L. (2015). Topography of social touching depends on emotional bonds between humans. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, 112(45), 13811–13816. https://doi.org/10.1073/pnas.1519231112
  • Field, T. (2010). Touch for socioemotional and physical well-being: A review. Developmental Review, 30(4), 367–383. https://doi.org/10.1016/j.dr.2011.01.001
  • Cekaite, A. & Holm, M. K. (2017). The Comforting Touch: Tactile Intimacy and Talk in Managing Children’s Distress, Research on Language and Social Interaction, 50(2), 109-127. https://doi.org/10.1080/08351813.2017.1301293
  • Calmes, S.A., Piazza, N.J. and Laux, J.M. (2013), The Use of Touch in Counseling: An Ethical Decision‐Making Model. Counseling and Values, 58: 59-68. https://doi.org/10.1002/j.2161-007X.2013.00025.x
  • Vortherms R. C. (1991). Clinically improving communication through touch. Journal of gerontological nursing, 17(5), 6–10. https://doi.org/10.3928/0098-9134-19910501-04
  • Inagaki TK, Eisenberger NI. Neural correlates of giving support to a loved one. Psychosom Med. 2012 Jan;74(1):3-7. doi: 10.1097/PSY.0b013e3182359335. Epub 2011 Nov 9. PMID: 22071630.
  • Association for Psychological Science [Published 2013 Nov 3]. Touch May Alleviate Existential Fears for People With Low Self-Esteem. Available from: https://www.psychologicalscience.org/news/releases/touch-may-alleviate-existential-fears-for-people-with-low-self-esteem.html
  • Floyd, K., & Generous, M. (2014). Affection exchange theory. In T. L. Thompson (Ed.), Encyclopedia of health communication (Vol. 1, pp. 48-49). SAGE Publications, Inc., https://www.doi.org/10.4135/9781483346427.n17
  • Cohen, S., Janicki-Deverts, D., Turner, R. B., & Doyle, W. J. (2015). Does Hugging Provide Stress-Buffering Social Support? A Study of Susceptibility to Upper Respiratory Infection and Illness. Psychological Science, 26(2), 135–147. https://doi.org/10.1177/0956797614559284
  • Light, K. C., Grewen, K. M., & Amico, J. A. (2005). More frequent partner hugs and higher oxytocin levels are linked to lower blood pressure and heart rate in premenopausal women. Biological psychology, 69(1), 5–21. https://doi.org/10.1016/j.biopsycho.2004.11.002
  • Drescher, V. M., Gantt, W. H., & Whitehead, W. E. (1980). Heart rate response to touch. Psychosomatic medicine, 42(6), 559–565. https://doi.org/10.1097/00006842-198011000-00004
  • Uvnäs-Moberg, K., Handlin, L., & Petersson, M. (2015). Self-soothing behaviors with particular reference to oxytocin release induced by non-noxious sensory stimulation. Frontiers in psychology, 5, 1529. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2014.01529
  • Chaillou, A. C., Giersch, A., Hoonakker, M., Capa, R. L., & Bonnefond, A. (2017). Differentiating Motivational from Affective Influence of Performance-contingent Reward on Cognitive Control: The Wanting Component Enhances Both Proactive and Reactive Control. Biological psychology, 125, 146–153. https://doi.org/10.1016/j.biopsycho.2017.03.009
  • Denison B. (2004). Touch the pain away: new research on therapeutic touch and persons with fibromyalgia syndrome. Holistic nursing practice, 18(3), 142–151. https://doi.org/10.1097/00004650-200405000-00006