Escabiose: sintomas, causas e tratamento

A sarna sarcóptica afeta 200-300 milhões de pessoas em todo o mundo a qualquer momento. É uma condição muito irritante que causa principalmente coceira epidérmica severa.
Escabiose: sintomas, causas e tratamento

Escrito por Por defecto del sitio, 17 Setembro, 2021

Última atualização: 17 Setembro, 2021

A escabiose ou sarna é uma doença da pele causada pelo ácaro parasita Sarcoptes scabiei. Estima-se que afete 300 milhões de pessoas em todo o mundo, mas os pacientes jovens, idosos, imunocomprometidos e não neurotípicos são os que apresentam maior risco de infecção e complicações associadas.

A sarna está presente em todo o mundo, mas é muito mais comum em áreas tropicais pobres e densamente povoadas. Conforme indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), até 10% das crianças são afetadas pela doença em áreas com poucos recursos econômicos. Se você quer saber tudo sobre este quadro clínico, continue lendo.

O que é sarna ou escabiose?

Escabiose, ou sarna é uma doença que causa coceira intensa na pele, causada pela ação do aracnídeo microscópico Sarcoptes scabiei (Sarcoptidae). Na verdade, a coceira surge por causa dos hábitos do ácaro fêmea, que entra em túneis no estrato córneo do hospedeiro para depositar seus ovos.

É uma ectoparasitose muito comum em certas regiões. Em geral, é produzida pelo contato direto da pele de uma pessoa infectada com a de uma pessoa sã, mas também pode ser transmitida por fômites (lençóis, toalhas e roupas). Como veremos em linhas posteriores, outros animais infectados não são muito perigosos para os humanos.

Conhecendo o parasita

A escabiose ou sarna é uma doença da pele causada pelo ácaro parasita Sarcoptes scabiei.
O organismo responsável por esta doença é invisível ao olho humano.

É necessário realizar um extenso percurso a nível biológico pela morfologia e vida do Sarcoptes scabiei, uma vez que o primeiro passo para tratar qualquer patologia é conhecer perfeitamente o agente causador. Vamos lá.

Morfologia

O invertebrado que nos interessa aqui é um artrópode incluído na subclasse Acarina (ácaros e afins). Pertence à classe Arachnida (junto com vinagrillos, opiliones, aranhas e escorpiões), faz parte da ordem Astigmata e em nível de família é encontrada no táxon Sarcoptidae.

Conforme indicado pelo portal Elsevier, este parasita não pode ser visto a olho nu. Estamos perante uma pequena criatura com 8 membros e corpo redondo que apresenta um dimorfismo sexual muito agudo: as fêmeas medem cerca de 400 mícrones, enquanto os machos nunca ultrapassam 250.

Esses artrópodes são reconhecíveis ao microscópio devido à sua forma oval, corpo achatado e convexo e presença de múltiplas espinhas cuticulares. Não se dividem em planos corporais do tipo cabeça-tórax-abdome e, além disso, seu corpo é coberto por finas cerdas características.

Ciclo de vida

Este parasita passa por 4 fases diferentes, dependendo da época da infecção: ovo, larva, ninfa e adulto. Quando atinge a pele do hospedeiro, a fêmea começa a cavar túneis no estrato córneo da epiderme e põe cerca de 2-3 ovos por dia. Estes são ovais e dão origem a uma larva em cerca de 3-8 dias no máximo.

Esse processo pode levar semanas e, à medida que vai acontecendo, a fêmea secreta uma série de substâncias que são reconhecidas como alérgenos pelo corpo, o que leva a uma inflamação e coceira intensa que exploraremos mais tarde. O pico do prurido ocorre à noite, quando as fêmeas atingem o zênite de sua atividade.

Vamos evitar as peculiaridades biológicas do ciclo, já que basta saber que as larvas devem se desenvolver nos folículos capilares do hospedeiro para se tornarem ninfas e depois adultas. Em cerca de 20 dias, o que antes eram ovos agora são parasitas reprodutivos, fase em que os machos fecundam as fêmeas e o processo é reativado.

Uma fêmea é capaz de botar 30 ovos antes de morrer.

Variedades e infecção

Deve-se destacar que o Sarcoptes scabiei apresenta diversas variedades, especializadas de acordo com o hospedeiro que infecta. O dos humanos é var. hominis, o dos cães é var. canis, o dos porcos é var. suis e assim por diante, passando por alpacas, coelhos, ovelhas e cabras, entre outros mamíferos.

Um cão pode transmitir sarna ao seu tutor, mas os efeitos são mínimos. Como o parasita não é especializado no hospedeiro humano, começará a cavar seus túneis na epiderme, mas logo morrerá. Assim, pode haver no máximo coceira localizada esporádica que não avança.

Sintomas de sarna

Essa viagem pelas peculiaridades do patógeno foi necessária, uma vez que já descrevemos muitos de seus mecanismos patológicos ao longo do caminho. Em qualquer caso, conforme indicado pelo portal NCBI, a escabiose pode apresentar-se em 3 variantes diferentes, que se apresentam com sintomas mais ou menos diferentes. Nós os apresentamos a você.

1. Escabiose clássica

Em geral, apenas 10 de 15 fêmeas de Sarcoptes estão envolvidas na escabiose clássica. É a variante mais comum da doença, em que o paciente sente uma coceira intensa na pele, principalmente à noite e em horários de calor.

Além disso, as galerias escavadas pelas fêmeas sob a pele podem ser vistas a olho nu, na forma de linhas esmaecidas de 1 a 15 milímetros de comprimento. Como o sistema imunológico reage aos alérgenos produzidos pelo invertebrado, vermelhidão localizada e pápulas (devido à infiltração de células polimorfonucleares) também ocorrem.

Em pessoas saudáveis, os locais de infecção geralmente são a parte interna dos pulsos, as laterais dos dedos, ao redor dos mamilos, nádegas e, em suma, qualquer superfície do corpo que tenha dobras de pele. A coceira piora o quadro clínico, pois o coçar pelo hospedeiro favorece a superinfestação em outras áreas do corpo.

Pessoas que são expostas ao parasita pela primeira vez levam de 2 a 8 semanas para mostrar os sintomas, enquanto as reinfecções aparecem muito mais cedo.

2. Sarna nodular

O portal SANIPE define a escabiose nodular como uma variante da patologia que se apresenta com nódulos vermelho acastanhados com coceira e que simulam o aparecimento de um linfoma.

Acredita-se que essa reação localizada seja devida a um mecanismo de hipersensibilidade ao ácaro fêmea. Os nódulos ermatosos aparecem preferencialmente nos genitais, virilha e axilas, ou seja, áreas tipicamente recobertas de fora.

3. Sarna crostosa ou sarna norueguesa

Como indica o site peruano de dermatologia, essa é uma variante muito rara da sarna comum. Em pacientes com distúrbios neurológicos ou imunossupressão, o número de fêmeas Sarcoptes multiplica-se rapidamente, resultando na presença de crostas e placas verrucóides por todo o corpo.

Esta variante foi descrita principalmente em idosos, pessoas não neurotípicas e pacientes com sistema imunológico deprimido (HIV positivo, por exemplo). A densidade de parasitas por segmento de pele significa que os infectados podem apresentar milhões de ácaros fêmeas em toda a sua superfície epidérmica.

Diagnóstico

A escabiose é uma doença de pele causada pelo ácaro parasita Sarcoptes scabiei. Estima-se que afete 300 milhões de pessoas em todo o mundo.
As manifestações clínicas da escabiose costumam ser muito características em áreas endêmicas.

A escabiose geralmente é confundida com outras patologias epidérmicas, como eczema, impetigo, micose e psoríase. Sem ir mais longe, de acordo com estudos, até 43% das crianças diagnosticadas com eczema anualmente apresentam sarna sarcóptica.

O principal sintoma que causa suspeita é a presença de coceira muito intensa no paciente, principalmente se piorar à noite. No entanto, vários testes são necessários para confirmar a condição, entre os quais estão os seguintes:

  • Raspagem da epiderme: são obtidas uma série de amostras da pele do paciente que são observadas ao microscópio. Embora as fêmeas não estejam presentes no segmento coletado, os túneis e os ovos podem ser vistos.
  • Testes de tinta: Se a lesão for coberta com uma tinta especial e depois a superfície for lavada com álcool, os túneis manchados podem ser vistos sob a camada superficial.
  • Dermatoscopia: observação ao microscópio da pele do paciente diretamente. Esse exame é um dos mais confiáveis, mas não é fácil de ser realizado em regiões de baixa renda, principalmente pela falta de material.

Tratamento

Conforme indicado pela Clínica Mayo, o tratamento da sarna consiste em eliminar a infestação com medicamentos. Permitrin é uma substância com propriedades inseticidas e acaricidas, por isso é usado topicamente a 5% em muitos casos. Esta abordagem consiste em 2 aplicações no total, uma vez por semana durante 2 semanas.

Em qualquer caso, o Sarcoptes pode desenvolver resistência e o paciente corre o risco em uma pequena porcentagem dos casos de sofrer reações alérgicas. Por esse motivo, a ivermectina administrada por via oral também é usada algumas vezes, embora o FDA (Food and Drugs Administration) não tenha aprovado seu uso para o tratamento da escabiose.

Outras opções de medicamentos incluem lindano tópico, enxofre precipitado a 5%, malatião e ivermectina tópica. Em qualquer caso, o tratamento depende inteiramente da higienização do ambiente do paciente, portanto, em muitos casos, a reincidência após a abordagem clínica é quase garantida.

Prevenção da sarna

A prevenção envolve tratar todas as pessoas do núcleo familiar do paciente, mesmo que não apresentem sintomas. Além disso, um diagnóstico correto é necessário, uma vez que, como dissemos em linhas anteriores, quase metade dos bebês com escabiose são diagnosticados com outras patologias epidérmicas pruriginosas.

Essa falta de instrumentos e conhecimentos em muitas regiões permite que os Sarcoptes circulem livremente pela população, saltando sem dificuldade de um hospedeiro para outro. Para acabar com essa situação, órgãos públicos e pacientes devem unir forças, levando em consideração os seguintes pilares:

  1. Se um caso for detectado, todos os membros da família do paciente devem ser tratados, independentemente de seus sintomas.
  2. Para evitar processos de reinfecção, todos os membros da família devem ser tratados ao mesmo tempo.
  3. Todo o material físico que entrou em contato com o paciente (roupas, lençóis, toalhas, acessórios, etc.) deve ser lavado com água quente em ciclos específicos de centrifugação.
  4. As crianças infectadas devem ficar em casa por até um dia após o término do tratamento.
  5. As condições de saneamento precisam ser melhoradas nos países de baixa renda. Além disso, cada região deve ter pessoal especializado capaz de detectar corretamente um caso de sarna.

Se essas medidas não forem seguidas, os tratamentos com permitrina e ivermectina são de pouca utilidade. Para que um surto epidemiológico seja interrompido, é necessário matar todos os hospedeiros, pois do contrário, as chances de reinfecção após o tratamento se multiplicam exponencialmente.

Uma patologia difícil de resolver

O problema da sarna hoje não está no patógeno em si, mas nas condições sociais e sanitárias de muitas regiões do planeta. Por falta de infraestrutura médica, a escabiose é subdiagnosticada e, por isso, os hospedeiros podem transmitir a doença a todos os que estão próximos, mesmo sem saber.

Por isso, a ação de parar a sarna vai muito além da responsabilidade individual, pois recai sobre os organismos públicos internacionais, por serem os únicos capazes de destinar recursos às regiões mais desfavorecidas e implementar controles e protocolos de saneamento. Só assim a transmissão do Sarcoptes scabiei pode ser interrompida.

Pode interessar a você...
Alergias cutâneas: tudo o que você precisa saber
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Alergias cutâneas: tudo o que você precisa saber

Existem muitos tipos de alergias cutâneas. Conheça as características de cada uma, os sintomas, por que se manifestam e algumas formas de tratá-las...



  • Steven, J. C. & Pollack, M.H. Benzodiacepines in clinical practise: consideration of their long-term use and alternative agents. J Clin Psychiatry.
  • Ricardo de la Vega Cotarelo, A. Alprazolam: ficha de producto. Disponible en: https://www.hipocampo.org
  • Alprazolam. Disponible en https://www.vademecum.es