Tratamentos para a hipertensão pulmonar

Para iniciar o tratamento da hipertensão pulmonar, primeiro é necessário identificar a qual grupo a doença pertence. Na maioria das vezes, ela pode ser controlada com medicamentos. Em outras ocasiões, a cirurgia é necessária. Nós vamos te contar mais sobre esse assunto a seguir.
Tratamentos para a hipertensão pulmonar

Escrito por Josberth Johan Benitez Colmenares, 12 Junho, 2021

Última atualização: 13 Junho, 2021

A hipertensão pulmonar ocorre quando a pressão nos vasos sanguíneos do pulmão está elevada. Com o tempo, eles se estreitam e podem causar sérios danos ao coração e outros órgãos. Embora seja uma doença crônica sem cura, existem várias opções de tratamento para a hipertensão pulmonar.

A prevalência da doença é estimada em 1 ou 2 pessoas por milhão de habitantes. É muito mais comum em pacientes entre 20 e 40 anos, e estudos sugerem que sua mortalidade é em torno de 10-15% ao ano. Para reduzir ainda mais essas probabilidades, o especialista deve optar por um tratamento personalizado que leve em consideração as possíveis causas da doença.

Tratamentos mais usados para hipertensão pulmonar

Os tratamentos para hipertensão pulmonar são variados
Esses tratamentos geralmente são combinados com medicamentos específicos para a patologia subjacente das pessoas. Um exemplo disso é a DPOC ou doença cardíaca.

Antes de escolher alternativas de tratamento para hipertensão pulmonar, vários critérios devem ser considerados. A primeira é qual variante da condição o paciente desenvolveu. Seguindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cinco classificações principais foram identificadas, cada uma com seus respectivos subgrupos.

A gravidade da condição e as possíveis causas e danos colaterais causados também devem ser avaliados. Se sua manifestação for secundária, os possíveis catalisadores da doença devem ser identificados e tratados.

Por exemplo, infecção por HIV, sarcoidose, embolia pulmonar, problemas de válvula cardíaca e DPOC, para citar alguns, podem desenvolvê-la.

Por isso, o tratamento deve ser contextualizado de acordo com cada caso. De forma geral, os estudos identificaram cinco grupos de medicamentos que são eficazes no combate à doença. Estes são os seguintes:

Antagonistas do receptor de endotelina

Usado para evitar o efeito da endotelina, uma substância que estreita as paredes dos vasos sanguíneos. As evidências indicam que administrar drogas antagonistas é amplamente eficaz no combate aos sintomas e à progressão da doença. Alguns dos mais usados são bosentana, ambrisentana e macitentana.

Entre seus efeitos colaterais está a lesão hepática. Na verdade, alguns desses medicamentos, como a bosentana, podem aumentar as transaminases hepáticas em até três vezes o valor normal em 11% dos pacientes.

Por esse motivo, sua ingestão deve ser acompanhada de check-ups mensais para comprovar o funcionamento do fígado. Não é recomendado para uso em mulheres grávidas, de acordo com alguns estudos.

Inibidores da fosfodiesterase-5

Várias investigações apóiam o uso de inibidores da fosfodiesterase para o tratamento da hipertensão pulmonar. Seus efeitos são vasodilatadores, pró-apoptóticos e antiproliferativos, que ajudam a reverter a atrofia dos vasos sanguíneos do pulmão.

Um dos mais usados é o sildenafil, um medicamento que demonstrou ser tão eficaz quanto os antagonistas do receptor da endotelina. Outros que podem ser usados são o tadalafila e o vardenafila. Os efeitos adversos são geralmente menores, embora possam ocorrer dores de cabeça, problemas gastrointestinais e musculares.

Estimuladores de guanilato ciclase

A sua ingestão produz um aumento do óxido nítrico no corpo, o que ajuda a relaxar as artérias pulmonares e a prevenir a sua atrofia. Estudos recomendam seu uso para algumas variantes da doença, como hipertensão pulmonar tromboembólica crônica. Eles também apontam que podem ser contraproducentes se combinados com inibidores da fosfodiesterase-5.

O mais usado é o riociguate. Entre seus efeitos adversos destacamos tontura, náusea e desmaios, embora suas consequências em longo prazo ainda não tenham sido estudadas. Não deve ser usado em mulheres grávidas.

Análogos de prostaciclina

O tratamento baseado neles ajuda a melhorar a circulação sanguínea nos pulmões e na parte direita do coração, como indicado pelas evidências. Pode ser administrado por via oral, intravenosa ou inalado.

Estudos sugerem que os mais eficazes são epoprostenol, iloprosta, beraprosta e treprostinil. Seus efeitos adversos não foram delimitados em grandes grupos, embora possam causar náuseas e dores de cabeça.

Agonistas do receptor da prostaciclina

Entre os quais está o selexipag, medicamento aprovado pela FDA ( Food and Drug Administration ) e EMA ( European Medicines Agency ) em 2015 e 2016, respectivamente. As pesquisas atestam seu uso por seus efeitos vasodilatadores e relaxantes nas artérias.

Não há investigação de possíveis contra-indicações com outros medicamentos, embora se saiba que podem causar cefaleias, náuseas e diarreia.

Como complemento a esses grupos de medicamentos, o especialista também pode prescrever anticoagulantes (como a varfarina), diuréticos, bloqueadores dos canais de cálcio (em altas doses) e dilatadores específicos de vasos sanguíneos. Dependendo do desenvolvimento da doença, ele também pode recomendar oxigenoterapia.

Nesse ponto, você deve ter em mente o seguinte: como apontam estudos a esse respeito, muito poucos desses medicamentos reduzem a mortalidade quando o quadro está muito avançado ou se desenvolve nos estágios mais graves.

Eles geralmente são usados para melhorar os sintomas e retardar o progresso da doença. Em certos contextos, algum tipo de intervenção cirúrgica é necessária para aumentar a expectativa de vida do paciente.

Cirurgia para hipertensão pulmonar

Os tratamentos para hipertensão pulmonar incluem cirurgia
Alternativas cirúrgicas são frequentemente utilizadas em casos complexos, tendo em vista que os riscos são elevados.

Quando os medicamentos parecem não estar funcionando ou os prognósticos são negativos, seu médico pode sugerir algum tipo de cirurgia como tratamento para a hipertensão pulmonar. Claro, isso só acontece em casos graves. As intervenções mais utilizadas são as seguintes:

Septostomia

Sabe-se que a maioria dos pacientes com hipertensão pulmonar grave morre por insuficiência ventricular direita progressiva. A septostomia é uma operação em que o cirurgião cria uma abertura entre as câmaras do coração para aliviar a tensão no lado direito.

Como qualquer tipo de cirurgia, a septostomia apresenta uma série de riscos iminentes durante ou após sua realização. Determinou-se, por exemplo, que há 7,1% de probabilidade de morte nas primeiras 24 horas; 14,8% no primeiro mês. A porcentagem varia de acordo com a idade e a natureza da condição.

Transplantes

Às vezes, os transplantes de pulmão ou coração são a única alternativa para aumentar o prognóstico de vida. Múltiplos estudos e investigações o aprovam como opção para pacientes terminais, com sobrevida semelhante à daqueles que mantêm a doença controlada por medicamentos ativos. O transplante de pulmão pode ser uni ou bilateral.

Entre os efeitos colaterais, mencionamos a rejeição de órgãos e infecções. O paciente deve manter a ingestão de imunossupressores por toda a vida para aumentar o prognóstico após a intervenção.

Como complemento ou alternativa a essas duas cirurgias, também pode ser realizada a tromboendarterectomia ou endarterectomia pulmonar. A escolha é feita de forma personalizada e dependendo da gravidade do quadro.

Por fim, os tratamentos para hipertensão pulmonar costumam ser reforçados por uma vacina contra influenza, pneumonia pneumocócica e outros tipos de doenças infecciosas que podem piorar os sintomas e a progressão da doença.

Os pacientes devem adotar o tratamento sugerido, seguir as recomendações do médico e fazer visitas regulares ao consultório para controle da doença.

Pode interessar a você...
Sinais e sintomas da asma
Muy Salud
Leia em Muy Salud
Sinais e sintomas da asma

A asma é uma doença crônica que afeta as vias aéreas. Durante um ataque, elas ficam inflamadas e secretam muco, o que impede que o ar circule norma...



  • Avellana, P., Segovia, J., López, F., Gómez-Bueno, M., Carmena, M. D. G. C., & Alonso-Pulpón, L. Hipertensión pulmonar y embarazo. Cardiocore. 2012; 47(4): 154-160.
  • Beltrán-Gámez, M. E., Sandoval-Zárate, J., & Pulido, T. Inhibidores de fosfodiesterasa-5 para el tratamiento de la hipertensión arterial pulmonar. Archivos de cardiología de México. 2015; 85(3): 215-224.
  • Bevacqua, R. J., Bortman, G., & Perrone, S. V. Antagonistas de los receptores de la endotelina para la hipertensión arterial pulmonar. Insuficiencia cardíaca. 2013; 8(2): 77-94.
  • Benza, R. L., Miller, D. P., Barst, R. J., Badesch, D. B., Frost, A. E., & McGoon, M. D. An evaluation of long-term survival from time of diagnosis in pulmonary arterial hypertension from the REVEAL Registry. Chest. 2012; 142(2): 448-456.
  • Duarte, J. D., Hanson, R. L., & Machado, R. F. Pharmacologic treatments for pulmonary hypertension: exploring pharmacogenomics. Future cardiology. 2013; 9(3): 335-349.
  • Hoeper, M. M., McLaughlin, V. V., Al Dalaan, A. M., Satoh, T., & Galiè, N.Treatment of pulmonary hypertension. The Lancet Respiratory Medicine. 2016; 4(4): 323-336.
  • Lagioia, A., Atamañuk, N., & Bortman, G. Tratamiento intervencionista de la hipertensión pulmonar. Insuficiencia cardíaca. 2007; 2(3): 137-140.
  • Lema, L. R. Experiencia clínica con inhibidores de la PDE-5 en hipertensión pulmonar. Insuficiencia cardíaca. 2007; 2(4): 163-167.
  • López-Meseguer, M., Román, A., Monforte, V., Bravo, C., Solé, J., & Morell, F. Trasplante bipulmonar en hipertensión pulmonar. Una serie de 15 pacientes. Archivos de Bronconeumología. 2009; 45(8): 366-370.
  • Márquez, L. L. L., & Bevacqua, R. J. Hipertensión arterial pulmonar: selexipag Agonista selectivo del receptor de prostaciclina vía oral. INSUFICIENCIA CARDIACA. 2019; 14(1): 34-44.
  • Nauser, T. D., & Stites, S. W. Diagnosis and treatment of pulmonary hypertension. American family physician. 2001; 63(9): 1789.
  • Osses, J. M. Rol de la Prostaciclina y sus derivados en el tratamiento de la hipertension arterial pulmonar. Medicina. 2003; 63(3): 233-236.
  • SEPTOSTOMÍA, E. C., & HAP, I. E. Septostomía auricular en el tratamiento de la hipertensión arterial pulmonar. Guías para el Diagnóstico y Tratamiento de la Hipertensión Arterial Pulmonar Documento de Consenso. 2010; 65.
  • Varón, F. A. Hipertensión pulmonar y trasplante. Revista Colombiana de Cardiología. 2017; 24: 80-83.